Escola Estadual Vieira de Moraes: Alunos e professores se unem contra arbitrariedade de diretora

Escola Estadual Vieira de Moraes: Alunos e professores se unem contra arbitrariedade de diretora

em 18 nov

Alunos e professores prometem manter-se mobilizados na busca de uma alternativa que garanta os direitos e dignidade de alunos e professores, bem como a recuperação qualitativa do ensino. Por Rodrigo Andrade

Na última sexta-feira uma manifestação de estudantes e professores sacudiu a Escola Estadual Vieira de Moraes, na Cidade Dutra, extremo sul de São Paulo. Em todos os períodos foi declarada greve que, segundo os estudantes, foi amplamente apoiada, não tendo havido aula em nenhum dos turnos.

protesto-1Sindicalistas e um carro de som da APEOESP apoiavam o ato, que pediu a saída da diretora da unidade, Elaine Feitosa, por atos de arbitrariedade, tanto contra alunos como contra professores, malversação de verba pública, humilhações públicas contra professores, desrespeito à livre escolha dos professores nas atribuições da aula, proibição da abertura de grêmio estudantil na unidade de ensino, bem como pela precarização na administração, que tem cooperado para uma queda na qualidade do ensino na escola, para não dizer sucateamento, considerada uma das melhores da região. Esta última já tão característica dos governos neoliberais do PSDB, assim como o nivelamento por baixo do ensino público, estampado na criação das famigeradas cartilhas, que os alunos e professores também repudiam.

À noite, o ato pacífico contava com cerca de 300 pessoas e teve a participação, inclusive, de pais de alunos insatisfeitos também com a situação atual. Os participantes pediam a presença de Feitosa, que, segundo os alunos, tratou de taxar os manifestantes de baderneiros e reduzir sua causa “ao direito de chegar atrasado”, por conta da reclamação de professores que foram dispensados do dia de aula “por chegarem dois minutos atrasados”. Foram realizadas diversas falas evidenciando as exigências de alunos, pais e professores, e também o enterro simbólico da administração Feitosa.

Cabe ressaltar que, apesar do ímpeto de promover a greve, não havia piquete nos portões da escola, sendo a adesão dos estudantes ao ato, espontânea.

No entanto, o ato deste dia 13 de novembro não é o primeiro. Por inúmeras vezes alunos e professores tentaram dialogar sem sucesso com a direção, que se valeu da burocracia para emperrar os processos.

protesto-5Em carta aberta o professor Luciano Paz de Lira cita diversas situações e tentativas de diálogo sem sucesso, passadas desde o começo do ano letivo, reiterando-a depois em carta à direção, datada de 2 de setembro de 2009.

Alunos e professores criaram um blog sobre a escola, onde relatam a situação, as experiências, os atos, publicam cartas, manifestos e realizam discussões on-line.

Uma primeira manifestação foi realizada em 10 de março, segundo os estudantes, por conta da direção se negar a dar assistência a uma aluna que se sentia mal. A diretora não só negou a assistência como chamou a polícia para conter as manifestações. Após as ações, vários alunos foram ameaçados de transferência e expulsão, e foi pensada a organização estudantil através de um grêmio, que também foi impedido pela direção, sob a alegação de que “só maiores de idade podem realizar a organização através de associações”, ou seja, alunos de ensino médio não teriam direito de organizar um grêmio.

Após as atividades, que terminaram por volta de 20h30, alunos e professores prometeram manter-se mobilizados e em luta, na busca de uma alternativa que garanta os direitos e dignidade de alunos e professores, bem como a recuperação qualitativa do ensino na Escola Estadual Vieira de Morais.

Leia também aqui.


Comentários 14

    • legume

      |

      nov 18, 2009

      |

      ótima a mobilização criada por vocês, quanto a ela não permitir a criação de grêmio estudantil vale acionar o conselho tutelar e o ministério público pois o direito ao grêmio é assegurado em lei.

    • MÃE DE ALUNA PREJUDICADA

      |

      jan 6, 2010

      |

      BOA TERDE A TODOS!!!
      COM TODO ESTE MOVIMENTO DOS PROFESSORES E INSENTIVADORES DA DESORDEM NESTA ESCOLA SÓ QUEM SAIU PERDENDO FORAM OS ALUNOS. INSENTIVADOS POR PROFESSERES A NÃO PARTICIPAREM DE PROVAS E NÃO ESTUDAREM SENDO GARANTIDO QUE NENHUM ALUNO REPETIRIA DE ANOS DESDE QUE PARTICIPASSEM DOS MANISTOS, A MINHA FILHA FICOU DESMOTIVADA NÃO PARTICIPOU DOS MANISFESTOS E COMO TINHA SIDO GARANTIDO QUE PASSARIA DE SEM ESFORÇO ALGUM FICOU COM PÉSSIMAS NOTAS E FOI RETIDA. EU COMO MÃE COMO VOU CONSEGUIR FAZER MINHA FILHA ESTUDAR SE OS PRÓPRIO PRO FESSORE DIZEM QUE NÃO PRECISA? AGORA COMO ESTÁ TENDO UMA GRANDE EVASÃO DOS ALUNOS DESTA ESCOLA QUE SE TRANSFORMOU EM GRANDE BADERNA, INVENTARAM UMA NOVA MODA PEDIRAM QUE EU ENVIASSE UMA CARTINHA COM PEDIDO DE REVISÃO DAS NOTAS PARA A POSSÍVEL REVERSÃO DA RETENÇÃO DA ALUNA ASSIM FIZ, POIS MUITO BEM, A CARTA SÓ VAI SER AVALIADA EM FEVEREIRO E NEM A DATA ELES SABEM, COMO? SE AS AULAS COMEÇAM EM FEVEREIRO COMO VOU TRANSFERIR MINHA FILHA SE NEM MESMO A SÉRIE QUE ELA VAI CURSAR EU SEI? A QUEM DEVO RECORRER?

    • Suemi Saad

      |

      jan 8, 2010

      |

      Lamentável e deprimente. Duas palavras que passam pela minha cabeça quando acompanho a situação na qual o Vieira chegou. Vieira amado – das aulas de francês com o Professor Genésio, das de literatura com o saudoso Amil e tantos outros. Uma escola modelo, responsável pela incursão de vários alunos nas melhores universidades, agora está na UTI. É triste perceber que pais e mães ficam tristes ao saberem que seus filhos, sem condições de serem promovidos, terão que repetir a série. Como ficar calado diante de tantas coisas erradas que um corop diretivo, sem o mínimo de inteligência emocional, promove numa escola símbolo como o Vieira? Fui aluna do Vieira da 1ª série do ensino fundamental até o último ano do ensino médio de 1979 a 1989. Minha formação acadêmica que antecedeu o meu ingresso na universidade foi excelente. Foi no Vieira que vivi os melhores anos da minha vida. Graças à minha formação, não precisei de cursinho e aos vinte e um anos já era formada na Universidade, atuando em uma empresa multinacional. Vim de uma periferia, mas posso garantir que tive um ensino melhor que o que era oferecido em muitos colégios particulares na época. Por que não continuar a oferecer um ensino de qualidade como antes? Façamos nosso trabalho com paixão. Àqueles que não estão interessados a oferecerem uma escola de qualidade aos que não podem pagar pelo ensino privado, por favor, abandonem seus postos e sejam felizes em outra atividade que escolherem. Não destruam algo como o Vieira. Mais que uma escola para quem passou por lá: um verdadeiro orgulho, uma bandeira, uma religião.

    • |

      jan 8, 2010

      |

      Em resposta à mãe que teve a filha “prejudicada” vou esclarecer alguns fatos:
      1) Ninguém, professor ou aluno disse que não precisava estudar para passar de ano.
      2) Nenhum professor disse que promoveria os alunos que participassem das manifestações
      3) Nunca se aconselhou a não fazer prova. Ao contrário, toda vez que tinha protesto nós avisávamos os professores e eles REMARCAVAM as provas, mas nenhuma prova foi dada “pra quem quiser fazer”.
      4) Todos os alunos que estavam precisando de nota e conversaram conosco nós recomendávamos que não se envolvesse muito nos protestos para não sair prejudicado.
      Conclusão: Não mande cartas à ninguém e nem culpe os outros por aquilo que é de responsabilidade individual de cada um: estudar.
      Emerson Martins – Coordenação do Movimento 10 de Março

    • MÃE DE ALUNA PREJUDICADA

      |

      jan 13, 2010

      |

      Obriga Emerson pelo esclarecimento, mais as perguntas que eu fiz não foram respodidas você se abilitaria?

    • MÃE DE ALUNA PREJUDICADA

      |

      jan 14, 2010

      |

      Bem pessoal, o boicote foi vitorioso na nossa escola: quase metade dos alunos não foram e os que foram, grande parte entregaram a prova em branco. Graças à movimentação que fizemos no horário da entrada, com distribuição de panfletos e palavras de ordem contra o Saresp, a Sra. Diretora voltou atrás na idéia de tirar 1,4 ponto do provão e transferir ao Saresp, ou seja, quem não fizesse o Saresp seria punido na sua média. Então agora ficou assim:
      – O provão volta a valer 5,0 pontos.
      – Quem fizer o Saresp terá um acréscimo de 1,0 ponto na média.

      Logo, quem não fizer o Saresp não será prejudicado, e quem estiver precisando de nota será beneficiado. Portanto aqui vai o recado, amanhã faz a prova quem quiser, o boicote não é mais necessário à nossa luta nesse momento.
      O nosso objetivo principal nós conseguimos – explicar aos alunos que as políticas de bônus do Saresp é prejudicial à educação – e o boicote era importante para que o Saresp seja como manda a determinação do Governo: OPCIONAL.
      Alguns vão se perguntar, mas então porque tudo isso?
      E respondo dizendo:
      1° – aquele que nos apoiou no boicote mesmo precisando de nota vai ter mais confiança no movimento porque ele procurou sempre ajudar os alunos (se antes eram apenas 10,0 pontos para esse bimestre, agora são 11,0 , uma ajuda e tanto para quem precisa de ponto);
      2° – aquele que não nos apoiou no boicote também sairá beneficiado e passará a dar um apoio importante ao movimento;
      3° – no ato de boicote ao Saresp, em frente ao Metrô Tiradentes, conseguimos articular nossa luta com as de outras escolas, e recebemos o apoio das Etecs e do movimento estudantil.
      4° – neste mesmo ato engajamos, junto ao movimento estudantil, na luta de construir um boicote geral, unindo todas as escolas do Estado, contra o Saresp para o ano que vem.

      Por último explico agora o nosso posicionamento.
      Vimos que, no âmbito de mudança do sistema educacional, o boicote isolado do Vieira e das Etecs era improdutivo. Mas vimos também que ele foi favorável à nossa luta no âmbito da nossa escola.
      O Saresp é uma política anti-educacional, mas o seu boicote como forma de mudar o sistema só pode ser eficiente na medida em que todo o Estado participe.
      Porém, o nosso “boicote parcial” foi importante para conseguir mais apoio para o movimento!
      Por isso, gostaria de lembrar a todos: AMANHÃ FAZ QUEM QUISER!

      ISSO ESTÁ POSTADO NO BLOG!!!

      ENTÃO NÃO INCENTIVO PARA OS ALUNOS NÃO REALIZAREM PROVAS?

    • |

      jan 14, 2010

      |

      Saresp é uma avaliação do governo estadual, não da escola, e acontece uma vez por ano. Portanto se sua filha repetiu, lamento dizer, o saresp não influiu em nada, pois ele só valeu 1,5 ponto ADICIONAIS em pouquissiamas matérias, em outras valeu 0,5 ponto, e em outras o saresp não foi considerado. Ou seja, o saresp não contou como nota efetivamente, em algumas matérias ele foi usado como uma AJUDA PARA QUEM PRECISAVA DE NOTAS.
      E como foi afirmado no blog, o boicote ao saresp beneficiou os estudantes na medida em que o provão (que ia valer 3,4 pontos, os outros 1,6 seriam do Saresp) VOLTOU A VALER 5 PONTOS. E ainda conquistou mais o “bonus” da nota do saresp.
      Portanto sua filha não foi prejudicada por nenhum “movimento dos professores e incentivadores da desordem” mas sim pela proteção excessiva de quem, por não querer assumir a responsabilidade, joga a culpa em cima de um bode espiatório qualquer.

    • |

      jan 14, 2010

      |

      “Logo, quem não fizer o Saresp não será prejudicado, e quem estiver precisando de nota será beneficiado.”
      A Sra leu esta parte?
      Se a sua filha estava entre os que estavam “precisando de nota” ela poderia ter sido beneficiada (isso se sua filha for do 3° ano, ano em que o saresp é aplicado).
      Querer jogar a culpa do mal desempenho da sua filha nas costas de quem derrubou uma diretora tirana e lutou por uma escola melhor é, no mínimo, ingratidão.

    • MÃE DE ALUNA PREJUDICADA

      |

      jan 20, 2010

      |

      OLHA EMERSON VOU ENCERRAR ESTA DISCURSÃO TE DIZENDO O SEGUINTE: EU NÃO SOU UMA TOTAL DESINFORMADA SÓ QUERO QUE SAIBA QUE SE EM ALGUM MOMENTO QUISER FALAR COMIGO PESSOALMENTE ESTAREI A DISPOSIÇÃO E TEM MAIS DEPOIS QUE O CIRCO ESTÁ ARMADO O PALHAÇO DE PLANTÃO TEM APENAS O INTUITO DE DIVERTIR E NÃO DE ARCAR COM AS CONSEQUÂNCIAS, DESCULPE MAIS NÃO CULPEI NIGUÉM MAIS PODE TER CERTEZA QUE SE ESTA ESCOLA NÃO TIVESSE NESSA TOTAL DESRODEM OS ALUNOS TERIAM SIDO MAIS BENEFICIADOS.

    • dayani

      |

      mar 18, 2010

      |

      as escola do estado esta muito suja

    • mae de aluno

      |

      dez 15, 2011

      |

      a unica coisa que eu gostaria e que alguem atendeçe o telefone
      pois nunca consegui ser atendida ja perdi reuniao de pais por falta de informaçao

    • LHP

      |

      mar 26, 2012

      |

      Lamentável, chega a ser ridículo, quem saiu perdendo foi só os alunos, os professores ja estão formados.
      Pensando a longo prazo poderá ser bom para os futuros alunos, mas para os alunos de hoje perderam um ano letivo por mais que tenha sido aprovados, tenho certeza que ficaram sem absorver muitas coisas.
      Em relação a diretora talvez fosse melhor avisa-lá que a ditadura acabou, não querer conversar para resolver um pequeno problema chega a ser inadmissível, ainda fazer pouco caso com o manifesto.

    • Questionador

      |

      mar 27, 2012

      |

      O Passapalavra precisa, sem medo, pensar os crítérios que possui para aprovação de comentários.

      Uma coisa é que tem lá o seu sustento e vive de fazer textos e análises. Outra é quem enfrenta os casos concretos, sozinho ou em pequenos grupos, e passado o momento de auge das lutas sofre as represálias.

      Ora, toda luta em escola é primeiro uma luta contra os gestores, os puxassacos e os professores conservadores. E depois de certo tempo, eles aparecem para, nos comentários, tentar deturpar, ofender, desmoralizar as lutas e as pessoas. As vítimas de tais pessoas, além do ostracismo posterior, podem se ver caluniadas eternamente em comentários candidamente aceitos pelo Passapalavra.

      Obs: dêem uma passada de olhos nos textos que relatam lutas na educação…O Passapalavra vai continuar aceitando acusações de que os lutadores são isto e aquilo?

    • Passa Palavra

      |

      mar 27, 2012

      |

      Os critérios seguidos pelo Passa Palavra para aceitar ou recusar comentários estão expressos em http://passapalavra.info/?p=200 São recusados «os comentários fascistas e outros de extrema-direita, insultuosos, obscenos, irrelevantes, publicitários, o lixo electrónico». De resto, o espaço dos comentários é o lugar adequado para a polémica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Passa Palavra


Copyleft © 2017 Passa Palavra

Atualizações RSS
ou Email