Acampados

Acampados

em 1 jun

Os pobres estão sempre em crise. São as vastas camadas médias que, mais do que as mais pobres, estão agora a sentir a diferença, ao fecharem-se cada vez mais as torneiras do trabalho improdutivo. Por Passa Palavra

Os acampamentos de contestação em várias praças centrais de cidades espanholas (sobretudo a Porta do Sol em Madrid) e mais recentemente no Rossio de Lisboa estão a levantar discussões nos meios da esquerda. Pode-se dizer que, de um modo geral, a grande ausente dessas discussões é a luta de classes. Fala-se de novas formas de luta, de assembleias abertas e democráticas, de recusa do sistema; fazem-se comparações, no mínimo erradamente mecânicas, com os acontecimentos do Cairo e de Túnis. No fim da linha, quando não à cabeça, quase sempre surge como lema geral, vago e abrangente a ideia central dos Fóruns Sociais Mundiais de que “um outro mundo é possível”.

Muitos têm guardado uma atitude de reserva e de reflexão, ao mesmo tempo que tentam compreender politicamente o alcance possível desses fenómenos contestatários.

Puerta del Sol, Madrid

Puerta del Sol, Madrid

O que há de comparável ao Maio de 68 em Paris?

Alguns de nós foram participantes activos do Maio de 68 em Paris e lembram-se da importância que teve a radicalização do movimento académico (estudantes e docentes), com as suas barricadas de rua e as suas assembleias abertas na Sorbonne, para que, poucas semanas depois, a França tenha ficado paralisada com milhões de trabalhadores na maior greve geral da história da França e muitos deles ocupando os locais de trabalho. O regime gaulista, cuja orientação internacional nacionalista induzia equívocos à esquerda, era internamente repressivo (“democracia musculada”, dizia-se então), policial e completamente aliado ao patronato. Nas faculdades francesas, o maoísmo, o guevarismo, o anarquismo e o situacionismo de Debord – e, até certo ponto, a teologia da libertação e os novos ventos do Concílio Vaticano II – semeavam uma radicalidade anti-sistema, mas que nem sempre era claramente anticapitalista. Nas empresas, os sindicatos oficiais e os partidos da esquerda tradicional (o PCF e o PSU) mantinham os trabalhadores totalmente atrelados a negociações com os patrões e a vãs esperanças de uma modificação do poder (e de uma redistribuição da riqueza) por via de um retorno aos gloriosos dias da Frente Popular de 1936-37, da República Espanhola e da resistência antinazi. Poucos meses antes de Maio, o jornal de referência Le Monde dizia: “La France est morose” (a França anda triste e apática).

As assembleias estudantis começaram nas faculdades (a partir do pólo universitário de Nanterre, na periferia da cidade) e daí partiram as ocupações universitárias e as manifestações, centradas no Quartier Latin, perto da Sorbonne, o foco universitário mais emblemático. A imediata repressão violenta dessas manifestações pela polícia de choque (CRS) impulsionou as noites com barricadas nas avenidas. As rádios não-oficiais, e por vezes a televisão estatal (então a única), faziam directos [transmissões ao vivo] a partir das manifs e das barricadas, muitas vezes descreviam em directo a repressão da polícia sobre os jovens.

Institucionalizada a representatividade do movimento através do (informal) Movimento do 22 de Março (nascido em Nanterre e liderado por Cohn-Bendit), do Snesup (sindicato dos professores universitários,  sobretudo auxiliares e contratados, liderado por Alain Geismar) e pela UNEF (associação nacional de estudantes universitários, liderada por Jacques Sauvageot, também membro da juventude do PSU), o momento crucial de generalização da contestação aos trabalhadores (e de ultrapassagem da hostilidade explícita do PCF contra os “anarquistas” e os “esquerdistas”) é uma assembleia em que os estudantes decidem “ir ao encontro dos trabalhadores, para os incitar a aderirem à contestação”. Só depois desta inflexão do movimento a CGT, controlada pelo PCF, é obrigada a convocar uma greve geral, que rapidamente ultrapassa as consignas da central desencadeando um sem número de ocupações de empresas e, de um modo geral, a paralisação do país.

Esta paralisação da França, em 1968, não resultou do movimento estudantil mas sim do movimento operário. Quando o PCF, apesar da resistência dos trabalhadores, conseguiu controlar e desmobilizar progressivamente a greve geral, os estudantes voltaram a ficar isolados e rapidamente o governo passou à fase da sua repressão e desmantelamento.

Se nos estendemos um pouco nesta descrição do Maio de 68 é porque é obviamente impossível fazer um paralelo com os incipientes movimentos actuais nas “praças”. Estes desenvolvem-se em condições totalmente diferentes, quanto à estrutura organizacional do trabalho e aos níveis de desemprego e de miséria, quanto à radicalização ideológica dos estudantes, quanto ao poder de intoxicação mediática e à sua concentração em poucas mãos, quanto aos meios de vigilância e de repressão. A única semelhança serão as assembleias abertas e contínuas. Em 68 a palavra-chave era “revolução”, hoje é “democracia”.

Veja-se, aliás, a facilidade com que a polícia conseguiu varrer os acampados da praça da Bastilha, em Paris, há poucos dias. Um jovem português que lá estava disse-nos que eram milhares de jovens, mas sobretudo imigrados e descendentes, com muito pouca participação de estudantes franceses “de raiz”.

Maio de 1968, em Paris: "Operários Estudantes - Unidos venceremos"

Maio de 1968, em Paris: "Operários Estudantes - Unidos venceremos"

O que há de comparável aos processos tunisino e egípcio?

Independentemente do curso que seguiram os processos tunisino e egípcio – bem diferentes dos da Líbia, do Iémen, do Bahrein ou da Síria –, os acampamentos-manifestações de Túnis e do Cairo também não se podem comparar aos que, muito embora pretendendo imitá-los, se têm espalhado pela Europa, sobretudo na Espanha. A reivindicação de democracia nas ditaduras policiais tunisina e egípcia era, e foi, capaz de alavancar as quedas dos respectivos ditadores, com mudanças de regime, e com extremos cuidados das potências ocidentais quanto às consequências estratégicas dessas mudanças. O processo egípcio terá sido o único em que, em aliança com a contestação democrática da Praça Tahrir, o movimento se estendeu às regiões industriais fora da capital, sobretudo aquelas em que havia uma tradição recente de lutas operárias duramente reprimidas (como as greves do sector têxtil de 2008 em Mahalla al-Kubra). Quanto aos resultados, os processos tunisino e egípcio têm muito mais semelhanças com a “revolução dos cravos” portuguesa de 1974: queda de uma ditadura policial, mudança de regime, actualização e reconversão das burguesias nacionais ocidentalizadas.

A única semelhança – que não desprezamos – dos processos das “praças” europeias com as “revoluções de jasmim” no Magrebe situa-se ao nível das formas de luta, isto é, as novas formas tecnológicas de convocação, comunicação e informação que são a internet e as redes telefónicas móveis.

Os movimentos das praças europeias, nomeadamente espanholas e portuguesas, não põem em causa os regimes em vigor nesses países. Praticam a democracia directa, reivindicam a justiça social e recusam que sejam os mais pobres a pagar os custos da crise financeira europeia e mundial; mas estas exigências – à semelhança das idênticas, formuladas por partidos da esquerda institucional – não só não se traduzem em lutas concretas nos bairros e locais de trabalho, como se enquadram perfeitamente numa política capitalista redistributiva (própria de tempos de crescimento económico) de tipo keynesiano: um “capitalismo de rosto humano”. Reivindicar isto em tempo de recessão e de restruturação do capitalismo global será, no mínimo, irrealista e, em todo o caso, não aponta alternativas para a exploração desenfreada e para a miséria do povo pobre.

Janeiro de 2011 na Praça Tahrir (Cairo, Egipto)

Janeiro de 2011 na Praça Tahrir (Cairo, Egipto)

A crise só é nova para as camadas intermédias da classe dominante

Os pobres estão sempre em crise. Claro que as restruturações do capitalismo podem agravar as suas condições de vida, na medida em que tendem a acabar com o Estado-providência que, em tempo de vacas gordas, permite à classe dominante manter serviços e apoios públicos importantes na sua vida quotidiana – nos preços dos bens essenciais e dos transportes, nos apoios aos desempregados e aos “excluídos”, na gratuidade e universalidade dos serviços de saúde e de educação. Ou seja, nos períodos em que o capital em expansão está em condições de promover ganhos de produtividade ao nível da força de trabalho. Mas a crise dos pobres é uma crise permanente e de classe. Além de ser um reflexo da crise financeira mais geral da União Europeia (ela própria resultante de se ter avançado com uma moeda única, o euro, antes de haver qualquer vislumbre de políticas externa e interna únicas, e por isso mesmo sendo a UE regida por um domínio informal dos países europeus com burguesias e bancos mais fortes, como a Alemanha e a França), a crise específica que se vive em Portugal tem características locais próprias que resultam da fraca evolução e modernização do capitalismo português nestes 37 anos de democracia parlamentar. É uma crise de produtividade resultante, em primeiro lugar, da secular tendência parasitária da classe empresarial portuguesa, oportunista e habituada a encostar-se ao poder do Estado, e sobretudo inculta e incompetente, se comparada com as suas congéneres da restante Europa, excepto talvez a grega – um estudo recente mostra que 75% dos empresários portugueses não concluiu o nível de estudos secundários [*]. A integração deste país (formalizada em 1985) numa Europa muito mais desenvolvida, canalizados os enormes “fundos de coesão” recebidos para a constituição rápida e improdutiva de novas fortunas, paulatinamente liquidadas as actividades económicas básicas de auto-subsistência (agricultura e pescas) que poderiam conter a sua crescente dependência do exterior, transformou Portugal num país de tasqueiros (turismo) e de empreiteiros (construção civil). O turismo tem crescido à custa de uma força de trabalho pouco qualificada, sazonal e precária, e o seu desenvolvimento não foi orientado por políticas urbanas e de gestão de solos de longo prazo, mas por sistemáticas jogadas de curto alcance e enriquecimento fácil. A construção civil (incluindo uma plétora absurda de obras públicas, sobretudo auto-estradas) cresceu no essencial à custa da força de trabalho de mais de meio milhão de emigrantes africanos e leste-europeus. Betão [concreto] e serviços – além do mais, dois campos férteis para o alastramento da corrupção.

É essa classe que, através dos dois partidos dominantes, PS e PSD, tem dominado Portugal nos últimos decénios. É ela que, agora, está sendo escrutinada pelo frio e mais exigente capitalismo do norte da Europa. O discurso dessa gente, na lavagem ao cérebro mediática, insiste em que “temos andado a gastar mais do que produzimos”: é um discurso para as camadas médias que alija a responsabilidade do parasitismo e da improdutividade para essa vasta camada de novos “consumidores” que a fizeram enriquecer. São essas vastas camadas médias que, mais do que as mais pobres, estão agora a sentir a diferença, ao fecharem-se cada vez mais as torneiras do trabalho improdutivo. Querem convencê-las de que há crise porque “gastaram o que não tinham”, recorrendo desenfreadamente ao crédito que lhes apregoavam, quando, na realidade, há crise em Portugal porque o capitalismo português é pouco produtivo e não tem sabido dar o salto qualitativo da mais-valia absoluta para a mais-valia relativa.

É sintomático que o recente movimento da “juventude à rasca”, que se concretizou numa manifestação não enquadrada de quase meio milhão de pessoas (jovens e não-jovens) em todo o país, tenha sido, em parte, desencadeado por uma canção de um dos grupos mais famosos da actualidade, os “Deolinda”, chamada “Sou parva” [sou boba]. O tema dessa canção é “estudar para ser escravo” – andamos aqui a tirar diplomas e isso não nos vai servir de nada, vamos acabar no trabalho mal pago e precário dos serviços, ou no desemprego, ou na emigração; somos “parvos”. É, obviamente, um protesto típico das camadas médias. Os pobres sabem bem da importância dos estudos como factor de melhoria de vida, não estudam para se encaixarem num emprego, mas sim para ascenderem socialmente. Estes jovens, que tanto se reviram nessa canção, veem o diploma universitário, não como resultado de uma aprendizagem para a vida, mas como uma porta para arranjar um emprego. Não desprezamos estes impulsos, pois qualquer ser humano pode aspirar ao bem-estar e à estabilidade material, mas há aqui qualquer coisa de muito errado. (Lembramos que, também subjacente a este protesto, está o facto de, contrariamente ao que se passa no Brasil, os estudos universitários em Portugal serem caros e as bolsas muito escassas e baixas).

Na manifestação da "geração à rasca", Lisboa, 12 de Março de 2011

Na manifestação da "geração à rasca", Lisboa, 12 de Março de 2011

Experiência democrática, sim, mas… “em geral”?

Surgido como apoio ao seu congénere da Puerta del Sol madrilena, o acampamento de jovens no Rossio, praça central de Lisboa, teve aspectos muito interessantes enquanto fórum aberto de expressão de crítica social, de aspirações, de interrogações, de interpelação das esquerdas. (Dizemos “teve aspectos”, no pretérito, porque um comunicado de 31 de Maio informa que o acampamento será levantado). O Passa Palavra publicou há dias um pequeno vídeo que mostra umas centenas de homens e mulheres de todas as idades, mas jovens na maioria, falando livremente, trocando ideias, organizando-se informalmente, numa espécie de jamboree libertário, o que é sempre bonito de se ver – e, a quem as viveu, lembrará vaga e saudosamente, as tertúlias inopinadas e interclassistas que pululavam em 68 nos boulevards do Quartier Latin: a busca de um sentido para a vida, o sorriso de uma liberdade “diferente” (a par deste texto, pode ver aqui um outro vídeo publicado após a decisão de levantar o acampamento).

Mais ou menos prolongado no tempo, isentado, graças à campanha eleitoral em curso, de uma repressão policial que normalmente não teria tolerado essas brincadeiras no centro da capital, este acampamento, como certamente outros em muitas cidades, é uma ágora juvenil que permitiu uma certa permeabilidade entre a massa da “juventude à rasca” e uma esquerda juvenil mais organizada nos partidos e grupúsculos das esquerdas alternativas. O acampamento do Rossio foi uma tentativa de politização da “juventude à rasca”. Mas nunca ultrapassou, mesmo nas assembleias mais concorridas, as poucas centenas de pessoas. Embora o assunto tenha sido discutido, nunca conseguiu fazer uma ponte com o mundo do trabalho assalariado, com as empresas, nem sequer com as escolas e faculdades. Tudo muito vago, conversa de café alargada. O que nos chama uma outra reflexão: o trabalho dessas esquerdas no terreno onde a vida acontece – os bairros, as empresas, as escolas – é praticamente inexistente. Não há milagres. Para além de uma experiência organizativa – uma espécie de apuramento organizacional da espontaneidade – que certamente dará frutos, não sabemos quais, noutros sítios e noutras alturas, nada fica para além das habituais e inócuas proclamações abstractas que – como dizemos no ponto 4 dos “Pontos de Partida” do Passa Palavra – não conseguem fazer o caminho da politização, que consiste em “inserir os problemas particulares num contexto geral”. A doença genética da esquerda portuguesa é a tendência para fazer sempre o percurso inverso: partir das generalidades para o particular, tentar convencer os trabalhadores na base de proclamações gerais. Por isso, o acampamento teria tido outra consistência, outra duração e outras consequências políticas se tivesse sido, ele próprio, resultado de lutas concretas, assembleias e comissões democráticas previamente acontecidas em locais de trabalho, em bairros, em escolas.

A mobilização assembleiária não se inventa de cima para baixo. Ou nasce de baixo, ou não acontece. Ou corresponde a interesses de classe mais definidos, exprimindo contradições reais da sociedade e medindo forças no terreno, ou se ficará sempre pelos limites – estreitos e efémeros – de uma espécie de festa dionisíaca politizada.

Ou serão estas conclusões incorrectas e ultrapassadas, podendo pensar-se que as novas formas de convocação e informação redefinem um novo espaço privilegiado para a luta de classes, que escapa à geografia tradicional do bairro, da empresa e da escola? Em todo o caso: o que é que, por meio destas acções, pode ter mudado na vida e na consciência dos participantes? Alguma dessa energia se poderá repercutir no território do particular? Mesmo não querendo ser pessimistas, achamos que tem alguma razão aquele bloguista do Cinco Dias que afirma que “Madrid pariu um rato”. As novas tecnologias não são formas de luta; são instrumentos que permitem inventar novas formas de luta, o que é diferente. As assembleias democráticas, informais e gerais, fora dos contextos localizados em que as contradições se exprimem, podem ser importantes como meio de luta complementar e agregado, mas não substituem – que se veja – a necessidade de enfrentar o inimigo de classe no contexto material e social em que a dominação é exercida.

Rossio, Lisboa, em Maio de 2011

Rossio, Lisboa, em Maio de 2011

Nota

[*] No seu artigo Ainda acerca da crise económica. 8) a crise de regulação na zona do euro, João Bernardo refere: “É certo que o governo tem um plano para aumentar a produtividade, baseando-se nos centros de pesquisa científica para criar microempresas muito sofisticadas e vocacionadas directamente para nichos do mercado mundial. No papel, a proposta é interessante, mas será que se consegue transformar assim o tecido social do empresariado português? De acordo com um inquérito realizado pelos institutos nacionais de estatística dos dois países ibéricos, em 2004 apenas 11% dos empresários portugueses tinham licenciatura universitária (29% na média da União Europeia), enquanto 13% dos empregados tinham licenciatura universitária (24% na média da União Europeia). Não é só a diferença relativamente à média europeia que importa ressaltar, mas o facto anómalo de haver em Portugal uma maior percentagem de trabalhadores do que de patrões com o curso universitário. A diferença agravou-se, porque em 2010, segundo o Instituto Nacional de Estatística, 9% dos patrões possuíam curso universitário, contra 19% dos empregados. Estas cifras dizem muita coisa acerca da travagem dos mecanismos da produtividade em Portugal.”


Comentários 7

    • |

      jun 2, 2011

      |

      Olá,

      Até para evidenciar que a polêmica (ou interpretação, tanto faz…) e pertinente questão levantada pelo Colectivo Passa Palavra também está sendo discutida por outras pessoas e organizações, destaco um trecho de uma excelente intervenção e, posteriormente, coloco o link desse e outro texto também polêmicos e críticos sobre o assunto:

      Manuel Delgado sobre el “peligro ciudadanista”:

      “[…] lo que pienso –y temo– es que esta movilización se pueda homologar como un episodio más de lo que podríamos llamar el movimientismo ciudadanista. El ciudadanismo es la ideología que ha venido a administrar y atemperar los restos del izquierdismo de clase media, pero también de buena parte de lo que ha sobrevivido del movimiento obrero. El ciudadanismo se concreta en un conjunto de movimientos de reforma ética del capitalismo, que aspiran a aliviar sus efectos mediante una agudización de los valores democráticos abstractos y un aumento en las competencias estatales que la hagan posible, entendiendo de algún modo que la explotación, la exclusión y el abuso no son factores estructurantes, sino meros accidentes o contingencias de un sistema de dominación al que se cree posible mejorar moralmente. El ciudadanismo no impugna el capitalismo, sino sus «excesos» y su carencia de escrúpulos”.

      “El ciudadanismo suele concretarse en movilizaciones masivas destinadas a denunciar determinadas situaciones consideradas injustas, pero sobre todo inmorales, y lo hace proponiendo estructuras de acción y organización lábiles, basadas en sentimientos colectivos mucho más que en ideas, con un énfasis especial en la dimensión performativa y con frecuencia «artística» o festiva. Prescindiendo de cualquier referencia a la clase social como criterio clasificatorio, remite en todo momento a un difusa ecumene de individuos a los que unen no sus intereses, sino sus juicios morales de condena o aprobación […]”.

      O texto é: http://manueldelgadoruiz.blogspot.com/2011/05/el-peligro-ciudadanista-intervencion-en.html

      Já o outro artigo, também interessante, sobre diferentes visões desse fenômeno: http://www.derechoaleer.org/2011/05/%C2%BFque-cono-seran-los-perroflautas.html

      Abraços!

    • miguel

      |

      jun 2, 2011

      |

      Li este artigo e estou de acordo. Trata-se de um protesto e não de uma luta. É um desabafo daqueles que não conseguem o emprego que queriam, mas que não querem/sabem/podem lutar para mudar verdadeiramente as coisas. É um protesto à procura de um movimento, em vez de ser em si mesmo um movimento social de base tal como na praça Tahrir.

      No fundo é apenas uma forma diferente e talvez mais mediática (por causa dos árabes) de fazer uma típica manifestação que dura uma tarde e no dia seguinte continua tudo na mesma. Neste caso não é no dia seguinte, é na semana seguinte… mas vai dar ao mesmo. Não tem continuidade.

    • Sig

      |

      jun 4, 2011

      |

      Prezados, acompanho essas manifestações na Europa de longe, mas a princípio a visão de vocês não será demasiado pessimista?

      E a afirmação de que “Em qualquer luta importa mais a forma de organização dos participantes do que o conteúdo ideológico inicial”, como fica aplicada a esse contexto?

      A forma de organização extremamente democrática e despersonalizada (pelo que escrevem os relatos) não seria motivo de enxergar um novo fôlego para a esquerda autonoma?

      Abraços

    • João Bernardo

      |

      jun 4, 2011

      |

      Acompanho aquelas manifestações a uma distância possivelmente comparável à de Sig, e acompanho-as com a simpatia instintiva que se tem pelas pessoas que saem à rua para protestar contra a injustiça, mas apesar disto a apreciação assinada pelo colectivo do Passa Palavra parece-me mais realista do que pessimista.
      Concordo que o determinante é a forma assumida pela luta e não o seu discurso ideológico, mas a questão, pelo menos no Rossio de Lisboa, consiste precisamente na forma da luta. Em Portugal existe uma trágica clivagem que coloca de um lado o operariado tradicional, na maior parte de meia idade, quando não de idade inteira, organizado pela CGTP, a central sindical controlada pelo Partido Comunista. Dezenas de milhares, centenas de milhares de trabalhadores saem às ruas periodicamente, desfilam de maneira ordenada cantando os hinos conhecidos e gritando as palavras de ordem ditadas, e para quê? Para apoiar os sindicatos em mais um recuo nas próximas negociações. Seguindo uma estratégia já muitíssimo antiga, que data dos tempos da luta contra o fascismo — veja-se, por exemplo, a polémica de Álvaro Cunhal contra Alex — o Partido Comunista canaliza para a rua a indignação dos trabalhadores, para evitar que ela se desenvolva no interior das empresas.
      Do outro lado da linha de clivagem existe uma juventude estudantil precarizada, que se reflecte mais ou menos no Bloco de Esquerda, e que se tem organizado ultimamente sob o lema difuso de «a rua é nossa». E é esta forma organizativa que tem consequências trágicas na situação portuguesa, porque uma rua ou uma praça podem — na melhor das hipóteses — ser tomadas durante algum tempo pelos manifestantes, mas as empresas permanecem nas mãos dos patrões.
      Sim, eu sei — escrevo-o e digo-o desde há mais de uma década — que os ócios já não são exteriores ao capitalismo e constituem um lugar privilegiado de formação da força de trabalho. Apesar disto, por enquanto é nas empresas que a disciplina capitalista assenta a espinha dorsal. E nem no Rossio nem, que eu o saiba, nas outras praças da Europa os acampados esboçaram sequer o gesto de ultrapassar aquela clivagem e de mobilizar os trabalhadores que estavam do lado de lá da linha divisória. E esta é uma questão de forma de organização, que consistiu em ficar numa praça, à espera que os outros afluíssem, em vez de proceder à operação inversa.
      Pergunta: Se eu estivesse em Lisboa naqueles dias, onde estaria eu?
      Resposta: No Rossio.
      Mas não é isso contraditório? Como poderia eu estar no Rossio, se estou de acordo com este artigo? A realidade social é contraditória e as lutas aparecem como aparecem e não como cada um de nós gostaria que elas aparecessem. Precisamente por isso convém vê-las com realismo e com espírito crítico, para podermos contribuir um pouco, mesmo que muito pouco, para que as lutas se desenvolvam da maneira mais eficaz. Mas ficar em casa? Nunca!

    • |

      jun 4, 2011

      |

      Olá,

      Concordo com os apontamentos de João Bernardo. Ou seja, não se trata de pessimismo, ou qualquer coisa parecida. Mas sim de uma tentativa de aprofundar, a partir do que vem ocorrendo, quais as linhas de tensão que fortalecem a construção de novas relações sociais anticapitalistas.

      Sei que ando sugerindo muitos textos e outras leituras por aqui, mas – de verdade – acho que vale a pena conhecer outras interpretações sobre o momento atual de mobilizações que vivemos.

      Nesse sentido, destaco (mas vale a pena ler o pequeno texto inteiro) do último artigo de Raul Zibechi (“Las revoluciones de la gente común”), três trechos emblemáticos da discussão que estamos começando aqui:

      http://www.jornada.unam.mx/2011/06/03/index.php?section=opinion&article=023a1pol

      “El concepto heredado y hegemónico aún de revolución debe ser revisado, y lo está siendo en los hechos. Frente a una idea de revolución centrada exclusivamente en la conquista del poder estatal, aparece otra más compleja pero sobre todo más integral, que no excluye la estrategia estatal pero que la supera y desborda. En todo caso, la cuestión de conquistar el timón estatal es un recodo en un camino mucho más largo que busca algo que no puede hacerse desde las instituciones estatales: crear un mundo nuevo”;

      “Para crear un mundo nuevo, lo que menos sirve es la política tradicional, anclada en la figura de la representación que consiste en suplantar sujetos colectivos por profesionales de la administración, y del engaño. Por el contrario, el mundo nuevo y diferente al actual supone ensayar y experimentar relaciones sociales horizontales, en espacios autocontrolados y autónomos, soberanos, donde nadie impone y manda el colectivo”; e

      “Quiero decir que los grandes hechos son precedidos y preparados, y ensayados como señala James Scott, por prácticas colectivas que suceden lejos de la atención de los medios y de los políticos profesionales. Allí donde los practicantes se sienten seguros y protegidos por sus pares. Ahora que esas miles de microexperiencias han confluido en estas correntadas de vida, es momento de celebrar y sonreír, a pesar de las inevitables represiones. Sobre todo, no olvidar, cuando vuelvan los años de plomo, que son esas trabajosas y solitarias experiencias, aisladas y a menudo fracasadas, las que pavimentan los jornadas luminosas. Unas con otras cambian el mundo”

      Obrigado. E continuamos nas ruas e nas lutas!

    • João Bernardo

      |

      jun 4, 2011

      |

      Ainda a propósito desta discussão, leio num comunicado do Democracia Verdadeira Já, publicado hoje no Passa Palavra

      http://passapalavra.info/?p=40715

      «O Movimento decidiu continuar com as Assembleias Populares, todos os Sábados, bem como levar esta iniciativa aos bairros populares da cidade de Lisboa». Parece-me uma decisão excelente e, se tiver efeitos práticos, ajudará a ultrapassar a clivagem que mencionei.

    • Ricardo Noronha

      |

      jul 22, 2011

      |

      Mas Esse “levar esta iniciativa aos bairros populares” também tem mais do que um problema.
      Quais são os bairros populares? Desde logo a Pena, S. José, a Mouraria, a Glória, a Bica e Alfama, que rodeiam precisamente o Rossio, são bairros populares e não consta que a maioria dos seus habitantes tenha encontrado no Rossio a sua praia.
      E quando se leva uma coisa de fora não se estará a decretar as pessoas de cada bairro incapazes de se organizarem por si próprias para debater os seus assuntos?
      Será apenas uma questão de voluntarismo e de “levar” (o quê?) algo de um lado para o outro?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*



Passa Palavra


Copyleft © 2017 Passa Palavra

Atualizações RSS
ou Email