Lisboa: ocupação em solidariedade com Es.Col.A da Fontinha

Lisboa: ocupação em solidariedade com Es.Col.A da Fontinha

em 26 abr

Temos uma ideia na cabeça. Despejem-na, se conseguirem. Por Casa Ocupada de São Lázaro

Em solidariedade com a Es.Col.A (A Fontinha é nossa vizinha e etc.), está ocupado desde ontem à noite o nº94 da Rua de São Lázaro, entre o Martim Moniz e o Campo dos Mártires da Pátria, em Lisboa. A Polícia Municipal identificou os ocupantes e irá notificá-los durante o dia de hoje. Ficam 10 dias para encher o prédio de actividades e ideias. Apareçam às 16h00 para ajudar a limpar e arrumar o espaço e às 18h00 para assembleia. Neste momento são úteis materiais de limpeza e água (garrafões, jerricans, etc.), bem como velas e lanternas. Passem palavra.

Ontem em Lisboa, após o desfile do 25 de Abril do Marquês ao Rossio, um grupo de cerca de 50 pessoas ocupou um prédio abandonado, na Rua de São Lázaro, em solidariedade com o projecto Es.Col.A da Fontinha.

Houve duas assembleias, uma refeição e pessoas a pernoitar lá.

Estão marcadas para hoje, quinta-feira, dia 26 de Abril, limpezas pelas 16h e uma assembleia às 18h.

O seu manifesto

A Fontinha é nossa vizinha

Antes emparedado que ocupado parece ser o último argumento de um poder que conseguiu sem grande esforço esvaziar as cidades dos seus próprios habitantes, empurrados para os subúrbios ou mesmo para a rua. São centenas de milhares de fogos vazios, deixados ao abandono. Abandono que também vemos nos olhos de quem fez da rua a sua casa. Cada vez mais olhares de abandono, cada vez mais abandono nos olhares. Decretamos, neste dia que se quer de liberdade, tolerância zero a este processo de requalificação urbana, que à custa da miséria de muitos ergue mansões e hotéis para alguns.

Bons ventos sopraram do Norte e recebemos com alegria as notícias que nos chegavam do Bairro da Fontinha, no Porto, onde o colectivo Es.Col.A. recuperou, dinamizou e manteve durante um ano, sem nada pedir à Câmara que durante cinco anos os esqueceu, um projecto de reaproveitamento de um espaço público. Num curto texto seria difícil enumerar a quantidade de actividades diárias que durante um ano fizeram com que a população da Fontinha entendesse o quão importante era dar o seu apoio e será com certeza impossível descrever o empenho de quem, sem nada receber em troca e pelo puro prazer de transformar a cidade num sítio mais aprazível para todos, ofereceu jantares grátis diariamente e deu apoio educativo numa altura em que as escolas se fecham a cadeado. E não podemos senão imaginar a tristeza com que foram recebidas aquelas imagens de livros escolares, computadores e bicicletas a serem atirados pelas janelas para um pátio esvaziado das suas pessoas. “Propriedade privada” não quer dizer nada quando o proprietário está falido, financeiramente e de legitimidade.

Foi bonita a festa. Ficámos contentes. Alguns de nós marcharam as léguas que nos separam para colher pessoalmente uma flor do vosso jardim. Recebemos agora, com tristeza, a notícia do rio que vos quer arrastar. E pensamos, aqui longe, tanto mar, tanto mar. Alguns de nós não puderam hoje navegar. E pensámos em enviar um cheirinho de alecrim.

“Temos uma ideia na cabeça. Despejem-na, se conseguirem”- Jantar em solidariedade com a Es.Col.A. na casa ocupada de São Lázaro nº94 – 21h00


Comentários 1

    • celeste lima

      |

      jun 22, 2012

      |

      Ola

      aqui vai o link de mais uma iniciativa que aconteceu e desaconteceu tão depressa como outras se seguirão…
      Uma biblioteca publica encerrada durante dez anos foi ocupada com o objectivo de a devolver população. O resto é previsivel…

      http://bibliotecapopulardomarques.blogspot.pt/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Passa Palavra


Copyleft © 2017 Passa Palavra

Atualizações RSS
ou Email