Na China, os sindicatos oficiais encontram-se filiados no Estado local e os sindicatos independentes são proibidos. Os trabalhadores não têm outra alternativa senão organizar-se de forma autónoma. Por Labournet

Dois gigantescos motins nas fábricas da Foxconn preencheram as manchetes de jornais no passado mês de Setembro e no início de Outubro de 2012. A Apple, o seu principal cliente, havia acabado de lançar a última versão do seu principal produto, o iPhone 5. A pressão que se fazia então sentir sobre o trabalho nas fábricas era elevada – um pouco à semelhança da atenção mundial despertada em seu torno.

Na noite de 23 de Setembro, um motim eclodiu no complexo fabril da Foxconn em Taiyuan, Shanxi. Dois mil operários participaram no motim, perante o olhar observador de outros tantos milhares, tendo 40 ficado feridos. Os insurretos partiram montras [vitrines], provocaram incêndios, viraram carros da polícia e destruíram as grades das fábricas. Só já na madrugada os cinco mil agentes que foram chamados conseguiram dar a situação por controlada. Não existem quaisquer registros de detenções. No dia seguinte, a Foxconn decretou a paragem da produção em toda a fábrica.

A empresa fabrica equipamento e componentes eletrónicos para muitas das principais marcas, como a HP, a Sony ou a Apple. Dos cerca de 1,3 milhões de pessoas empregadas em todo o mundo, 1,1 milhão encontra-se na China. O complexo fabril de Taiyuan produz componentes de liga de magnésio para produtos eletrónicos de consumo, de iluminação incandescente ou de telemóveis [celulares], entre outros. O próprio complexo é uma cidade entre muros, com fábricas, dormitórios e lojas, habitada por 79 000 trabalhadores com uma média de 20 anos de idade. A população é na sua maioria masculina (65%) e oriunda da província local de Shanxi [1].

A direção da Foxconn alega que o motim terá sido desencadeado por conflitos entre trabalhadores de diversas regiões. Um cenário diferente é, contudo, descrito nos testemunhos de trabalhadores. Tudo terá começado após a intervenção de seguranças privados numa disputa que ocorria num dos dormitórios. Face às agressões que se seguiram, os trabalhadores foram à procura de ajuda, isto no preciso momento em que milhares de trabalhadores terminavam o seu turno. Alguns deles acabaram por se envolver na contenda, aproveitando a oportunidade para expressar a sua raiva. A tensão era elevada, fruto dos vários casos de ameaça e violência de seguranças privados sobre trabalhadores ocorridos no passado. Os métodos praticados por estes guardas fazem parte da estrita gestão paramilitar da Foxconn nos locais de trabalho e dormitórios, incluindo grades, portões, inspeções de segurança, bem como leis e regulamentos adjuvantes.

Existem, contudo, mais dados a revelar sobre o motim. A Foxconn necessitava de mais operários para a produção de peças do novo iPhone 5, o que obrigou à transferência de trabalhadores de Shenzhen e Zhengzhou para Taiyuan. A grande maioria, porém, não deseja partir para uma cidade rústica e provinciana como Taiyuan, preferindo permanecer nas cidades maiores da costa. Além disso, estamos a falar de um trabalho não qualificado, repetitivo, feito de tarefas monótonas executadas ao longo de dez a doze horas por dia. A relocalização e transferência de trabalho das regiões costeiras para as interiores, de menores salários, implicam a redução dos seus rendimentos. Frequentemente, o valor do salário pago chega mesmo a ser inferior ao prometido. Por conseguinte, muitos trabalhadores não gostam do trabalho fabril, tendo o motim sido provocado pela sua insatisfação e pelas condições de repressão e de vida a que se encontram sujeitos. O ataque dos seguranças foi apenas o rastilho.

Na sexta-feira, dia 5 de Outubro, os trabalhadores da fábrica da Foxconn em Zhengzhou, Henan, iniciaram uma greve em resposta às condições de trabalho impostas pela produção de componentes do iPhone 5. Nos dias anteriores, o enorme número de queixas proferidas por consumidores dos Estados Unidos e doutras partes do mundo – relativos a riscos na tampa traseira do novo telefone – levaram ao aumento dos critérios de qualidade nas fábricas da Foxconn. Aparentemente, sem que qualquer tipo de formação adequada fosse providenciado. A greve rebentou na linha On-site de Controlo de Qualidade, provocada por conflitos entre operários e inspetores de controlo numa das áreas (K), os quais originaram alguns ferimentos e destruição de bens numa sala de inspeção. Mais tarde, inspetores de qualidade foram novamente espancados na área K, tendo alguns dos seus colegas da área L sido fisicamente ameaçados. A administração ignorou as queixas dos inspetores que, por esse motivo, resolveram entrar em greve. Assim, a produção poderia ficar suspensa. Na sequência da paragem de produção, na qual tiveram envolvidas entre 3000 a 4000 pessoas, as linhas de fabrico do iPhone 5 ficaram interrompidas o dia inteiro [2]. A Foxconn, por seu lado, nega os relatos afirmando nunca ter ocorrido uma greve.

A Foxconn e a Apple já haviam estado sob crescente pressão desde os suicídios de 20 trabalhadores que, ao longo de 2010, se atiraram de diversos edifícios da empresa. A resposta da empresa passou pela instalação de redes de segurança e de grades nas janelas, bem como pelo anúncio de aumentos salariais. No entanto, de acordo com testemunhos de trabalhadores, esses aumentos foram acompanhados de ritmos de trabalho mais elevados e de mais horas extraordinárias não pagas [3]. O arrastar dos problemas veio intensificar ainda mais o nível das lutas. Na China, os sindicatos oficiais (FNSC) encontram-se filiados no Estado local (os sindicatos independentes são, por sua vez, proibidos). A seção da FNSC na Foxconn alinha normalmente com a administração, ajudando a prevenir ações militantes entre os trabalhadores. Estes não têm outra alternativa senão organizar-se de forma autónoma no espaço de trabalho e nos dormitórios.

Antes do motim de Taiyuan e da greve em Zhengzhou, outras lutas haviam tido lugar nas fábricas da Foxconn ao longo do ano. Em Janeiro, 150 trabalhadores em Wuhan ameaçaram o suicídio coletivo, a acontecer caso os seus salários não sofressem aumentos; 1000 entraram em greve em Yantai, também devido a salários. No mês de Fevereiro, centenas de trabalhadores de Ningbo entraram em greve pelo pagamento de feriados. No mês seguinte, 1000 trabalhadores de Taiyuan organizaram uma greve por questões salariais. Motivos semelhantes conduziriam a que, um mês depois, a mesma região assistisse a uma greve de 2000 trabalhadores. Por essa altura, devido às suas condições salariais e de trabalho, 200 trabalhadores de Wuhan ameaçaram suicidar-se em massa, e dezenas de trabalhadores de Shenzhen encenaram a ocupação de um telhado contra a relocalização e a transferência de trabalho. Por fim, em Junho ocorreu um motim que envolveu um milhar de trabalhadores após uma disputa com seguranças privados da empresa. Estes são apenas os casos de lutas na Foxconn verificados este ano e relatados pelos meios de comunicação social ou por militantes sindicais [4].

A nova geração de migrantes que trabalha para a Foxconn ou noutras fábricas é adversa ao trabalho fabril, desqualificado e monótono, aos baixos salários e à severa gestão. As suas expetativas em relação ao progresso e melhoria das suas vidas acabam por se confrontar com a exploração, enquanto trabalhadores, e a descriminação, enquanto imigrantes. Os trabalhadores têm, contudo, acesso a modernos meios de comunicação: o weibo (o twitter chinês), em particular, desempenha um importante papel na partilha de informação. Ou seja, os trabalhadores têm perfeita consciência dos milhões de produtos vendidos e dos lucros obtidos pela Apple, enquanto os seus salários permanecem baixos e as suas condições de trabalho austeras. Os trabalhadores têm igualmente perfeita consciência da sua capacidade de organizar uma greve ou motim. Daí, os operários da Foxconn, aliados a outros trabalhadores migrantes, terem exercido nos últimos anos uma constante pressão pelo aumento dos salários. Ao mesmo tempo, algumas destas fábricas apresentam elevados índices de absentismo. A questão é se, após a exploração ou o abuso, os trabalhadores da Foxconn «vão embora» ou «ficam a lutar». Parece que a segunda opção anda cada vez mais em voga [5].

Notas

[1] Citação de um funcionário local. http://www.clb.org.hk/en/node/110137.
[2] Acessível em http://chinalaborwatch.org/news/new-433.html
[3] Para uma versão detalhada ver Pun Ngai, Lu Huilin, Guo Yuhua, Shen Yuan: Wo Zai Fushikang, Beijing 2012.
[4] Para consultar relatórios: https://chinastrikes.crowdmap.com/reports.
[5] Neste link, pode visionar-se um pequeno filme – “The Truth about the Apple iPad” – que descreve as condições de uma das novas fábricas da Foxconn no interior da China, em Chengdu, Sichuan. “Acordamos antes dos galos, vamo-nos deitar após os cães e comemos pior que porcos”, citando um dos trabalhadores.

Traduzido por Passa Palavra a partir de http://libcom.org/news/revolts-islaves-%E2%80%93-more-labor-unrest-chinas-foxconn-factories-fall-2012-17102012.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here