5 formas para construir um movimento depois de Ferguson

5 formas para construir um movimento depois de Ferguson

em 26 dez

Este movimento é sobre a luta contra a opressão do povo negro. Mas, ao mesmo tempo, esse movimento carrega uma promessa para todos: acabar com o racismo e com a polícia ajudará todas as pessoas pobres e a classe trabalhadora, e valorizará nossa humanidade em comum Por Unity and Struggle

O seguinte artigo faz parte de uma série de reflexões publicadas pelo coletivo Unity and Struggle sobre a onda de protestos que varreu os Estados Unidos depois do assassinato de Mike Brown e Eric Garner pela polícia.

1. Trabalhar para abolir a polícia e as prisões, não para reformá-las. O Presidente Obama passou uma lei para colocar câmeras no uniforme dos policiais, mas isso não impediu os policiais de continuarem matando pessoas negras. O assassinato de Eric Garner foi flagrado pela câmera assim como muitos outros e isso não salvou a vida dele. Muito pior, essa reforma pode ser usada contra as pessoas que supostamente deveria proteger: um estudo recente revelou que as câmeras no uniforme ajudam muito mais a polícia do que suas vítimas.

A polícia e o sistema prisional não podem ser reformados, pois sua regra básica é manter uma sociedade capitalista, racista, injusta, desigual – e isso requer violência. Como Kristian Williams documentou em “Os nossos inimigos de azul”, as forças policiais se desenvolveram nos Estados Unidos para capturar escravos fugitivos, acabar com greves e prevenir multidões famintas de tomar aquilo que precisavam para viver. O sistema não está “falido” quando mata alguém como Mike Brown, ele está funcionando como se pretende.

Ao invés de correr atrás de reformas, nós deveríamos trabalhar para abolir a polícia e as prisões. Não acontecerá tudo ao mesmo tempo, mas nós podemos guiar nossos esforços com essa consigna: desempoderar, desarmar e desmantelar. Nós podemos desempoderar a polícia nas ruas, ao construir grupos de vizinhos que respondam ao abuso policial, e impedi-los de nos aterrorizar. Nós podemos exigir que a polícia seja desarmada, retirando seus equipamentos militares e armas de fogo. E nós podemos trabalhar para desmantelar as unidades policiais uma por uma, começando pelas mais violentas.

5ways2

2. Construir grupos democráticos, onde nós possamos criar nossos próprios líderes. Os velhos líderes da Era dos Direitos Civis estão recuando. Jesse Jackson foi vaiado no palco, quando ele tentou passar um prato de arrecadação. Al Sharpton foi vaiado quando disse para todos votarem nos Democratas. A mudança está muito atrasada: esses líderes ganharam proeminência apenas quando o movimento dos anos 70 foi derrotado, ao substituir os interesses daqueles que diziam representar pelos seus próprios, e ficaram sob os holofotes desde então.

Agora nós temos a oportunidade de construir diretamente grupos, eventos e atividades democráticos, conduzidos coletivamente por pessoas da classe trabalhadora e pobres. Sim, o movimento necessita de líderes. Mas os líderes reais não existem apenas para ficar no poder ou virarem famosos. Ao invés disso, eles ajudam o movimento a se desenvolver e ajudam novos líderes a surgir para lidar com novos problemas. Nós precisamos de líderes das nossas vizinhanças e espaços de trabalho, que lutem nas lutas conosco e que se façam desnecessários com o tempo.

5ways3

3. Julguem as pessoas pelo que elas propõem e fazem, não por sua identidade ou retórica. O movimento pauta a luta contra a opressão do povo negro. Mas, ao mesmo tempo, esse movimento carrega uma promessa para todos: acabar com o racismo e com a polícia ajudará todas as pessoas pobres e a classe trabalhadora, e valorizará nossa humanidade em comum. O movimento deve acolher todos os que realmente estejam comprometidos com esses objetivos com o máximo de igualdade possível.

Nem todo mundo pensa dessa forma. Com boas intenções, muitas pessoas usam as políticas de “aliados” ou “privilégios” para tentar corrigir as desigualdades do capitalismo e do racismo dentro do movimento. Mas na maior parte do tempo isso apenas faz com que aqueles que não estão no centro dessas lutas (frequentemente, pessoas brancas) se envolvam por conta de um sentimento de culpa ou autossatisfação. As pessoas constantemente pensam sobre sua própria identidade e como elas não podem trabalhar juntas, ao invés de encontrarem um jeito de podermos trabalhar juntos e o que nós precisamos fazer para vencer. Em vez de nos unir para destruir o capitalismo e o racismo, esses métodos na verdade nos reduzem àquilo que nós somos sob esses sistemas. Como recentemente defendido em zines e blogs, isso nos torna neuróticos, divididos e separados.

Ainda pior, os falsos líderes da classe média e os conservadores usam essa culpa para traçar fronteiras de acordo com a identidade, e dividem aqueles de nós que estão lutando nas ruas. Culpados, os “aliados” confusos não sabem se apoiam a rebelião radical negra ou os (falsos) líderes, que trabalham para reprimir a militância de base e encerrar o debate. Quando nós decidimos se alguém está certo baseando-se apenas na sua identidade, nós impedimos o movimento de crescer através da experiência e do debate. Ao invés de julgar as pessoas dessa forma, nós devemos pesar se suas propostas e ações realmente contribuem para libertar os pobres e a classe trabalhadora negra – e, portanto, para libertar todos nós.

5ways4

4. Mude a marcha: de protestos que quebram a ordem para poder e cuidado coletivo. Tomar as ruas e avenidas proporcionou um imenso salto adiante para o movimento, mas todas as táticas têm limites. Se nós pararmos de construir nossa capacidade de lutar e nos manter, então mesmo a ocupação de vias expressas poderá tornar-se um tipo de reformismo militante, simplesmente causando uma perturbação para ganhar a atenção daqueles que nos governam. Para continuar construindo a força do movimento, nós precisamos de novas formas para afirmar nosso poder coletivo e tomar o controle de mais e diferentes espaços, para o nosso próprio bem.

Um pequeno passo é apoiar um ao outro quando nós estamos revidando. Algumas pessoas enfraquecem e colocam em perigo o movimento quando elas impedem os manifestantes de confrontar os policiais, de danificar a propriedade, de soltar seus amigos detidos ou retirando objetos da rua. Mas o sistema é violento conosco todos os dias, por definição. Pedir por “não violência” e “protesto pacífico” apenas perpetua essa condição, ao reafirmar que somente o Estado capitalista pode usar a força – contra nós. Em vez de policiar um ao outro, nós precisamos ter um guardando as costas do outro.

Nós também precisamos revidar contra o capitalismo e o Estado, e nos apoderar dos meios que sustentam as nossas vidas e resistências. Acampamentos ao redor do mundo, da Praça Tahrir ao Occupy Oakland, fizeram isso em miniatura. Agora nós precisamos começar a pensar maior e a agir. Para superar a polícia, a supremacia branca e o capitalismo, nós teremos que ocupar os escritórios do Estado, as prefeituras, as estações da polícia; tomar as nossas escolas, locais de trabalho e sistemas de transporte; e prover educação, saúde, transporte, bens e serviços de graça para nossas comunidades. Nós podemos começar construindo grupos com outros que estão protestando e com pessoas com quem nós trabalhamos, aprendemos e vivemos.

5ways5

5. Aprofundar nosso conhecimento sobre raça, capitalismo e revolução. Se os policiais assassinos não são umas poucas “maçãs podres” ou frutos de um sistema “falido”, mas, pelo contrário, o resultado lógico de um sistema, então nós precisamos entender como esse sistema funciona. As experiências do povo negro, mulheres e queers e da classe trabalhadora como um todo, são todas fundamentalmente moldadas pelo capitalismo e pelo Estado. Para aprender como esse mundo funciona, nós podemos explorar as ideias de Marx e muitos outros na história das revoluções. Para aprender como transformá-lo, nós podemos olhar para os comunistas que se opuseram ao autoritarismo e ao Estado e muitos outros grandes revolucionários, lançando mão da história da revolução mundial.

As revoluções passadas podem nos mostrar as características gerais de como o capitalismo pode ser derrubado. A Rússia de 1917, a Espanha de 1936, os pontos altos das revoluções anticoloniais e mais recentemente o Egito em 2011, nos oferecem boas e más lições. Nós sabemos que essas formas de contrapoder tendem a surgir, primeiro como pequenas sementes, e então em larga escala em momentos de crise. Nós sabemos que divisões internas entre os oprimidos se transformam em barreiras para o crescimento do movimento e devem ser superadas. Nós sabemos que há movimentos que podem gerar novos grupos dirigentes, que tentam parar a revolução e consolidar o seu poder de classe separada. Nós sabemos que novas formas de vida social e criatividade tendem a surgir no calor da luta.

Nós podemos extrair lições gerais como essas das revoluções passadas, mas cada uma é diferente. Qual será a nossa?

O artigo original “5 Ways To Build a Movement after Ferguson” pode ser acessado no site do Unity and Struggle . A tradução é do Passa Palavra.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*



Passa Palavra


Copyleft © 2017 Passa Palavra

Atualizações RSS
ou Email