Nada a ver com luta (2)

Eu fui na ocupação da Funarte nos primeiros dias”, contava um trabalhador da cultura aos colegas em greve: “Até que eu encontrei nosso gerente lá, aí eu achei que tava ficando bizarro demais e não voltei”. Passa Palavra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *