Marxismo e nacionalismo (I): O antieslavismo de Engels e de Marx

Marxismo e nacionalismo (I): O antieslavismo de Engels e de Marx

em 26 maio

Engels e Marx transpuseram a luta de classes para o plano nacional, considerando que umas nações seriam «revolucionárias» e outras «contra-revolucionárias».  Por João Bernardo

 

Leia todas as quatro partes deste artigo clicando aqui

 

À primeira vista o nacionalismo não devia constituir um problema para os marxistas, pois o nacionalismo situa-se acima das classes sociais e funde toda a população em torno de uma suposta identidade nacional, enquanto o marxismo considera que a sociedade está sempre atravessada por clivagens e que entre os capitalistas e os trabalhadores não existem interesses comuns. No entanto, é o contrário que tem sucedido. Mostrarei nesta série de quatro artigos que desde a sua própria fundação o marxismo nunca conseguiu lidar de maneira clara com a questão do nacionalismo.

Ao escrever no final de 1843 A Propósito da Questão Judaica, um ensaio publicado no ano seguinte, o jovem Marx hegeliano considerava necessária a superação de todas as especificidades culturais que impediam a inserção numa sociedade global emancipada. «Só quando o homem real e individual tiver restaurado no seu próprio ser o cidadão abstracto e quando, como homem individual, se tiver tornado um ser genérico na sua existência empírica, no seu trabalho individual, nas suas relações individuais – só quando o homem tiver reconhecido e organizado as suas forças próprias como forças sociais e, consequentemente, não separar mais de si a força social sob a forma da força política – somente então a emancipação humana estará consumada». Palavras que deixarão horripilado qualquer multiculturalista!

Marx concebeu inicialmente a alienação como separação entre o indivíduo e a sociedade global, mas a ruptura com o hegelianismo levou-o a apresentar a alienação como uma clivagem no interior da sociedade e a pensá-la em termos de classes sociais. Uma vez aberta esta perspectiva, o plano psicológico e depois sociológico em que a alienação havia sido pensada tornou-se insuficiente e Marx passou para um novo plano de análise, o da economia. Formulada nestes novos termos, a alienação converteu-se em exploração. A cisão que afastava o indivíduo da sociedade foi concebida como uma cisão interna ao processo de trabalho, afastando os trabalhadores do controlo desse processo e, portanto, privando-os do resultado dos seus esforços e opondo-os aos capitalistas, que controlavam o processo de trabalho e se apoderavam do seu produto. Ao mesmo tempo, a filosofia, cujas especulações haviam sempre decorrido no plano das elaborações intelectuais, virou-se para a acção material e passou a ter como objecto a produção e reprodução das condições de existência, convertendo-se em filosofia da praxis. Logo no começo deste percurso Marx uniu os seus esforços de pensador e de organizador aos de Engels, e os dois escreveram e assinaram em 1848 um conhecido Manifesto que apresentava a sociedade dividida em classes sociais definidas pelo processo de exploração e consagrava uma dessas classes, os trabalhadores, como motor da história. De então em diante os dois amigos − que deixaram a certa altura de ser amigos mas nunca deixaram de ser camaradas políticos e colaboradores intelectuais − escreveram uma enorme obra teórica destinada a aprofundar a análise dos mecanismos de articulação das classes sociais.

Estariam eles a tratar das classes ou das nações?

Estariam eles a tratar das classes ou das nações?

Neste contexto, tanto mais espantoso pode parecer que Marx e Engels tivessem em grande medida orientado as suas intervenções práticas não consoante a perspectiva da luta entre classes mas numa perspectiva geopolítica de confronto entre grandes blocos nacionais. O drama histórico contemporâneo, que na teoria abstracta Marx e Engels conceberam como uma luta entre proletários e capitalistas, foi frequentemente exposto na análise concreta como um choque entre, por um lado, nações consideradas revolucionárias, principalmente a Alemanha lutando pela unificação e a Polónia lutando pela independência, e, por outro lado, nações consideradas contra-revolucionárias, que incluíam a totalidade dos eslavos com excepção dos polacos. E assim a visão de uma sociedade dividida em classes foi substituída pelo seu exacto oposto, Estados supraclassistas. Esta afirmação corre o risco de fazer dar pulos de indignação a muita gente, porque se trata de um aspecto da obra de Marx e de Engels que tem sido ocultado pela quase totalidade dos discípulos mais sabedores. Ficámos até hoje sem qualquer estudo de conjunto da fundação do marxismo, e metade da obra dos fundadores é-nos apresentada como se fosse a obra inteira.

Eis uma «nação revolucionária»

Eis uma «nação revolucionária»

Mesmo numa série de artigos demasiado extensa para um site, não tenho qualquer possibilidade de proceder a uma investigação detalhada e limito-me a fornecer pistas de leitura e perspectivas de análise que possam estimular os leitores a prosseguir o estudo por sua conta e risco. «De todas as nações e naçõezinhas da Áustria, só três foram portadoras de progresso e tiveram uma intervenção activa na história, mantendo a sua vitalidade: os alemães, os polacos e os magiares. Por isso são agora revolucionárias. Todas as outras tribos e todos os outros povos, grandes e pequenos, têm de imediato a missão de perecer na tempestade revolucionária mundial. Por isso são agora contra-revolucionários», escreveu Engels na Neue Rheinische Zeitung em 1849, acrescentando outras interessantes diatribes. «Naquela altura», ou seja, em 1848, «o destino da revolução na Europa oriental dependia da atitude dos checos e dos eslavos meridionais. Nunca esqueceremos que no momento decisivo eles atraiçoaram a revolução […] por causa das suas mesquinhas esperanças nacionais! […] E por esta cobarde e baixa traição à revolução exerceremos um dia uma vingança sangrenta contra os eslavos». Só os polacos, apesar de serem eslavos, escapavam a esta condenação global, devido à sua atitude contrária ao império dos czares. «[…] dado que polaco e revolucionário se tornaram sinónimos, também a simpatia de toda a Europa para com os polacos e para com a restauração da sua soberania é por isso tão certa como o ódio de toda a Europa para com os checos, croatas e russos, e como a mais sangrenta guerra revolucionária de todo o Ocidente contra eles». Engels esqueceu que enquanto as aspirações de emancipação política ou nacional dos proprietários fundiários austro-húngaros os haviam levado a apoiar a revolução burguesa e constitucionalista de 1848, os seus interesses de classe os levavam a oprimir os camponeses de origem eslava. Não espanta, assim, que o campesinato não considerasse libertadora uma revolução que os seus senhores contribuíam para promover e organizar e que não o incluía. O eslavismo destes camponeses era uma reacção contra os grandes donos da terra. Mas em vez de abordar o problema com a perspectiva analítica de classe que ele e o seu amigo haviam forjado, Engels transpô-lo para o plano das entidades nacionais. «À verborreia sentimental sobre a fraternidade, que aqui nos é oferecida em nome das nações contra-revolucionárias da Europa, nós respondemos que o ódio à Rússia foi e continua a ser a primeira paixão revolucionária dos alemães; que desde a revolução se acrescentou o ódio aos checos e aos croatas; e que, em comum com os polacos e os magiares, nós só podemos assegurar a revolução se recorrermos ao mais decidido terrorismo contra esses povos eslavos». Como se tais palavras não fossem suficientemente claras, aquele que um ano antes, num conhecido Manifesto, havia ajudado a evocar a união dos proletários de todos os países apelava agora: «Luta, “luta implacável de vida ou morte”, contra o eslavismo que atraiçoa a revolução, luta de aniquilamento e terrorismo sem contemplações, não no interesse da Alemanha, mas no interesse da revolução». O motor da revolução deixara de ser a luta de classes e passara a ser uma guerra entre blocos nacionais. «Logo que ocorra uma insurreição vitoriosa do proletariado francês […] os austro-alemães e os magiares libertar-se-ão e procederão a uma sangrenta vingança contra os bárbaros eslavos. A guerra generalizada que rapidamente se desencadeará há-de reduzir a pó essa liga particularista dos eslavos e há-de apagar até o nome de todas essas pequenas nações obstinadas. A próxima guerra mundial não só fará desaparecer do globo terrestre as classes e as dinastias reaccionárias, mas igualmente povos reaccionários inteiros. E também isto será um progresso». Foi nesta óptica que os dois fundadores do marxismo encararam a revolução de 1848 nos estados alemães e no Império Austro-Húngaro.

Encontram-se aqui as raízes da oposição de Marx e de Engels a Bakunin. Num texto que me vai indispor com os marxistas é pouco diplomático hostilizar os anarquistas também, mas não tenho outro remédio senão recordar que, no que dizia respeito às concepções económicas, Bakunin era marxista, sendo aliás ele o primeiro a traduzir parcialmente O Capital para russo. Bakunin, porém, era partidário da unidade dos povos eslavos e por isso, numa sociedade rural e pouco industrializada, ele apreciava as potencialidades revolucionárias dos camponeses, enquanto o ódio de Marx e de Engels aos eslavos os levava a considerar que os camponeses dessas nações eram capazes apenas de se vergar sob o chicote dos senhores.

O que os «enérgicos yankees» conquistaram aos «mandriões mexicanos»

O que os «enérgicos yankees» conquistaram aos «mandriões mexicanos»

A fundamentação das opções geopolíticas dos fundadores do marxismo foi expressa com grande clareza a respeito da guerra conduzida pelos Estados Unidos contra o México entre 1846 e 1848, que levou à anexação de mais de metade do território deste país, ou mais de dois terços se o Texas for incluído. Engels tomou entusiasticamente a defesa dos agressores, considerando que aquela guerra «foi sustentada única e exclusivamente no interesse da civilização». Este artigo, publicado em 1849 na Neue Rheinische Zeitung, procede a uma curiosa apologia dos interesses nacionais de certos povos escolhidos. «Será porventura alguma desgraça que tenham tomado a magnífica Califórnia a esses mandriões mexicanos, que não souberam fazer nada com ela? Que os enérgicos yankees multipliquem os meios de circulação graças à rápida exploração das minas de ouro ali existentes, concentrem em poucos anos uma população densa e um amplo comércio nas partes mais adequadas da costa do Pacífico, criem grandes cidades, inaugurem serviços de navios a vapor, construam uma via férrea de Nova Iorque até São Francisco, abrindo à civilização o Oceano Pacífico, e pela terceira vez na história dêem uma nova direcção ao comércio mundial? Talvez com isto fique prejudicada a “independência” de alguns californianos e texanos de origem espanhola e sejam violados aqui ou ali outros postulados morais, mas que peso tem isso em comparação com tais factos de transcendência histórica mundial?». Seria interessante saber o que os comunistas mexicanos pensam a este respeito. Nem importa aqui recordar que a guerra contra o México veio reforçar a posição não dos «enérgicos yankees», ou seja, os capitalistas do nordeste do país, mas dos escravocratas do sul, dando-lhes força para se lançarem mais tarde na Guerra da Secessão. Mesmo que o argumento de Engels correspondesse aos factos, ele em nada se distinguiu das justificações que os imperialistas sempre invocam para as suas aventuras bélicas. Aliás, encontra-se uma semelhança tão flagrante entre certos artigos de Engels e outros artigos de jornais norte-americanos defensores da doutrina do Manifest Destiny, que me parece impossível que ele não concordasse globalmente com aquele expansionismo geopolítico, que desde então até hoje tem orientado a política exterior dos Estados Unidos e lhe tem conferido o verniz de uma missão civilizacional justificada por Deus.

Estas posições de Engels mantiveram-se no decurso dos anos. Em 1852 ele evocou «a tendência histórica e, ao mesmo tempo, a força física e intelectual da nação germânica para subjugar e assimilar os seus antigos vizinhos. Esta tendência para a absorção por parte dos germanos foi sempre, e continua a ser, um dos meios mais poderosos que permitiram à civilização da Europa ocidental difundir-se a leste deste continente, podendo cessar apenas quando o processo de germanização tiver alcançado os limites de uma grande nação, compacta e unitária, capaz de levar uma vida nacional independente, como os húngaros e, até certo ponto, os polacos. Portanto, o destino natural e inevitável destas nações moribundas» − Engels referia-se aqui aos povos eslavos ocidentais e meridionais − «consiste em permitir que se complete este processo de dissolução e de absorção pelos seus vizinhos mais fortes». Não era a luta de classes na nação alemã que preocupava aqui Engels, mas a constituição de «uma grande nação, compacta e unitária». A unificação nacional suplantava os interesses de classe dos trabalhadores, ou será que os interesses dos trabalhadores convergiam para a edificação da nação?

Dois «cortadores de cabeças»

Dois «cortadores de cabeças»

Nem o vigor dos termos se atenuou com a passagem do tempo. Numa carta enviada para Marx em meados de 1876, Engels classificou como ladrões os sérvios em luta pela sua autonomia nacional, sendo os bósnios tratados da mesma maneira seis anos mais tarde. Aquela autonomia que era indicada como o grande objectivo histórico da nação germânica era recusada aos povos eslavos. Não se tratava aqui somente de nacionalismo, mas de um imperialismo que liquidava espaços nacionais, e Engels afirmou-o com clareza numa carta que dirigiu a Karl Kautsky em Fevereiro de 1882: «Podia perguntar-me agora se tenho pelo menos alguma simpatia pelos pequenos povos eslavos ou ruínas de povos, reduzidos a pó pelas três cunhas introduzidas no eslavismo, a alemã, a magiar e a turca. De facto, terrivelmente pouca». E em Novembro de 1885, numa carta dirigida a August Bebel, Engels qualificou como «miseráveis fragmentos de ex-nações» «os sérvios, os búlgaros, os gregos e outros cortadores de cabeças».

Marx defendia concepções idênticas. Em 1857, talvez com a ingénua ilusão de que seria capaz de inflectir a política externa britânica, Marx dedicou-se a escrever em inglês uma estranha obra antieslava, História da Diplomacia Secreta no Século XVIII, onde as disputas entre potências europeias ficaram reduzidas a ridículas manobras de bastidores. Este livro deixou os discípulos a tal ponto perplexos que quando uma das filhas de Marx, Eleanor, o reeditou em 1899, tomou a iniciativa de cortar algumas passagens. De então em diante os marxistas esforçaram-se por não divulgar a obra e Stalin censurou-a definitivamente. Os traços característicos da História da Diplomacia Secreta no Século XVIII ficaram ainda mais salientes num ensaio escrito por Engels em 1890, A Política Externa do Czarismo Russo. Apesar de este ensaio ter beneficiado de numerosas edições, inclusivamente em russo, Stalin não esteve com meias medidas e em 1934 proibiu a sua publicação, argumentando que Engels descurara a análise das contradições entre imperialismos e da rivalidade pela obtenção de espaços coloniais e se concentrara abusivamente nas ameaças de guerra suscitadas pela política russa. Deste modo, continuou Stalin, um confronto militar entre a Alemanha burguesa e a Rússia czarista podia ser apresentado não como um conflito imperialista mas como uma guerra de libertação nacional por parte da Alemanha.

Em 1865, depois de ter lido algures que os russos seriam de origem mongol, Marx escreveu numa carta para Engels: «Eles não são eslavos, em suma, não pertencem à raça indo-germânica, são intrusos que é necessário repelir para além do Dniepre!». O mestre da análise social descambara na mitologia racial, chegando a conclusões inesperadas, por exemplo numa carta endereçada a Wilhelm Liebknecht em Fevereiro de 1878, onde não viu por detrás dos sérvios senão a sinistra mão da Rússia e enalteceu o opressor otomano afirmando que «o camponês turco, e portanto a massa do povo turco», era, «sem dúvida, o representante mais activo e mais moral do campesinato da Europa». Ao mesmo tempo que escrevia O Capital para mostrar com uma dialéctica rigorosa os mecanismos das clivagens de classe, Marx propunha uma estratégia para o proletariado inspirada em fobias e simpatias nacionais.

Marx e Engels quiseram orientar a Associação Internacional dos Trabalhadores, a Primeira Internacional, para a defesa da independência da Polónia e para o ataque ao eslavismo. Numa série de artigos publicada em 1866, Engels afirmou, com a total concordância do seu amigo, que relativamente às grandes nações europeias que não estavam ainda unificadas ou não gozavam de autonomia política, como sucedia com a Polónia, a Associação Internacional dos Trabalhadores deveria mobilizar os operários dos vários países numa guerra contra a Rússia, a principal opressora dos polacos. Ora, se esta estratégia tivesse obtido resultados práticos, os antagonismos sociais no interior de cada nação dariam lugar à unidade entre as classes contra o inimigo exterior, e uma Associação Internacional onde se proclamava que a emancipação do proletariado só poderia dever-se ao próprio proletariado estaria destinada a criar ou fortalecer Estados opostos ao império russo. Marx desenvolveu esta tese num discurso proferido em Londres em Janeiro de 1867. Qualquer actuação decisiva do proletariado, afirmou ele, defrontar-se-ia com a intervenção russa, e só a independência da Polónia permitiria erguer uma barreira militar entre a Europa e a barbárie eslava, dando oportunidades de realização à emancipação social europeia. Para Marx e para Engels o destino da revolução proletária dependia de uma guerra nacional prévia contra a Rússia, e foi nesta perspectiva geopolítica que eles encararam a guerra franco-prussiana de 1870 e 1871.

Uma visão diferente da guerra franco-prussiana

Uma visão diferente da guerra franco-prussiana

Nas proclamações redigidas por Marx e emitidas pela Associação Internacional dos Trabalhadores em 23 de Julho e 9 de Setembro de 1870 foi atribuído maior relevo aos aspectos dinásticos e geopolíticos da guerra franco-prussiana do que à situação da classe trabalhadora em cada um destes países. A paz entre a Alemanha e a França não foi defendida na proclamação de 9 de Setembro em função de objectivos especificamente proletários, mas como um factor necessário para conter a ameaça russa. Numa carta de 15 de Agosto de 1870, dirigida ao seu amigo, Engels considerou com simpatia a adesão à política agressiva do governo prussiano manifestada por «toda a massa do povo alemão e por todas as classes» e opôs-se à «obstrução total» do esforço de guerra defendida por Wilhelm Liebknecht, o principal representante do marxismo na Alemanha. Engels nunca deixou de manter a este respeito a perspectiva geopolítica e de manifestar a sua discordância com a opção tomada então pelos marxistas alemães. Num texto redigido no último mês de 1887 e nos primeiros meses de 1888, e conhecido só após a sua morte, ele mostrou-se satisfeito porque, do lado alemão, «naquele ímpeto nacional assistimos ao desaparecimento de todas as diferenças de classe». Nesse manuscrito Engels não dedicou uma palavra sequer ao facto de Wilhelm Liebknecht e August Bebel, os dirigentes mais importantes do partido marxista alemão, se terem abstido no parlamento aquando da votação dos primeiros créditos de guerra e terem votado contra os novos créditos, nem fez uma simples referência às moções contra a guerra adoptadas em comícios de trabalhadores alemães, nem uma única menção ao encarceramento de numerosos socialistas que se haviam manifestado a favor da paz.

É interessante considerar que num livro publicado em pleno stalinismo, Lukács se inspirou decerto naquelas análises de Engels para criticar «o comportamento de revolucionários importantes, como Johann Jacoby e Wilhelm Liebknecht, relativamente ao aspecto nacional das guerras de Bismarck que, apesar de tudo, levaram ao estabelecimento da unidade alemã». Com este «apesar de tudo» ficaram ocultos os antagonismos de classe inerentes à maneira como foi instaurada a unificação da Alemanha, e Lukács sentiu-se em terreno politicamente seguro para atacar o «moralismo provinciano» de Liebknecht e para censurar os seus continuadores na esquerda alemã pelo facto de não terem sabido usar «as armas de uma ideologia verdadeiramente patriótica».

Um representante do «mais moral campesinato da Europa»

Um representante do «mais moral campesinato da Europa»

Engels e Marx transpuseram a luta de classes para o plano nacional, considerando que umas nações seriam «revolucionárias» e outras «contra-revolucionárias», mas fizeram-no de modo selectivo, porque enquanto se esforçavam por promover a emancipação de certas nações, recusavam a outras o direito de existência. O critério empregue foi duplo. Em primeiro lugar, para definir uma nação como «revolucionária» ou «contra-revolucionária» bastava conhecer a sua posição relativamente aos eslavos. Até o camponês turco, habitante do mais retardatário dos impérios existentes no Ocidente, foi considerado por Marx como «o representante mais activo e mais moral do campesinato da Europa», enquanto os camponeses eslavos que pretendiam libertar-se do jugo do sultão eram classificados como «cortadores de cabeças». Em segundo lugar, Marx e Engels só apoiavam a luta pela independência de nações consideradas viáveis em termos políticos e económicos. A ausência de tradição estatal constituía para eles um critério geral, por isso negavam o direito de autodeterminação a povos como os escoceses, os galeses, os bretões, os bascos, os suíços de língua alemã ou os belgas francófonos. Não era a questão da opressão nacional e cultural que preocupava aqui Marx e Engels, mas unicamente o estabelecimento de Estados fortes; e a oscilação entre o plano das classes e o das nações foi possível porque em ambos os casos se tratava de reforçar o Estado. A nação, despida das suas roupagens líricas, não era mais do que a área de poder do Estado. Do mesmo modo, o Estado era a peça fundamental na concepção autoritária e centralizadora de socialismo defendida pelos dois amigos. Se esta perspectiva estiver exacta, o estatismo contribui para explicar tanto o nacionalismo como o socialismo de Marx e de Engels.

Numa data muito tardia eles modificaram parcialmente a opinião a respeito dos eslavos. Quando a marxista russa Vera Zassulitch, em Fevereiro de 1881, enviou uma carta ao mestre perguntando se ele considerava a possibilidade de os camponeses russos usarem as instituições comunitárias tradicionais para desenvolver um movimento socialista sem passarem previamente pela fase capitalista, Marx escreveu vários longos rascunhos de uma resposta, que constituem hoje, para os estudiosos, um campo fértil de noções económicas e etnológicas inovadoras, mas que na época foram deixados na gaveta, e ele limitou-se a enviar umas curtas linhas anódinas e evasivas. Só no ano seguinte, no prefácio que redigiram para a nova edição russa do Manifesto Comunista, Marx e Engels reconheceram pela primeira vez que os eslavos podiam ser revolucionários. «A questão vital», escreveram eles, «consiste em saber se a comunidade rural russa, apesar de estar já seriamente minada enquanto forma arcaica de propriedade colectiva do solo, pode ser directamente transformada na forma superior de propriedade comunista da terra ou se terá de percorrer o mesmo processo de decomposição que mostra os seus resultados na evolução histórica do Ocidente. Para esta questão existe hoje uma única resposta. Se a revolução russa der o sinal para uma revolução proletária no Ocidente, de maneira que ambas se completem uma à outra, a forma predominante de propriedade colectiva da terra na Rússia poderá converter-se no ponto de partida de um processo de desenvolvimento comunista».

Referências

Conheço três livros que permitem uma análise sistemática do nacionalismo antieslavo professado pelos fundadores do marxismo. O primeiro deve-se a Roman Rosdolsky, um marxista de simpatias trotskistas, autor de uma das melhores obras de análise de O Capital, e que com uma invulgar coragem intelectual escreveu um estudo crítico das posições adoptadas por Engels e também por Marx a respeito da questão nacional, sobretudo durante a revolução alemã de 1848. Mas como ninguém, na esquerda ou na direita, estava interessado no assunto, Rosdolsky teve tanta dificuldade em encontrar um editor que pensou mesmo em desistir e depositar o manuscrito numa biblioteca, para que pelo menos pudesse ser consultado. Felizmente não foi necessário chegar a tal extremo e a obra foi publicada poucos anos antes da morte do autor. Consultei este livro numa versão em espanhol: Friedrich Engels y el Problema de los Pueblos “Sin Historia”. La Questión de las Nacionalidades en la Revolución de 1848-1849 a la Luz de la “Neue Rheinische Zeitung”, México: Pasado y Presente, 1980. Existe igualmente uma recolha dos textos antieslavos dos fundadores do marxismo: Paul W. Blackstock e Bert F. Hoselitz (orgs.) The Russian Menace to Europe, by Karl Marx and Friedrich Engels, Glencoe: Free Press, 1952. Esta obra foi publicada no auge da Guerra Fria com o intuito óbvio de mostrar que se já Marx e Engels desconfiavam da maldade dos russos, então os partidos social-democratas tinham toda a razão em se colocar do lado de Washington, mas isto não impede que seja uma antologia bem preparada, com os textos acompanhados por notas e comentários rigorosos. Por fim, uma editora francesa, ligada através do seu fundador a certos meios do snobismo internacional protofascista, publicou, sob um título cuidadosamente anódino, uma bem recheada antologia de textos geopolíticos e antieslavos de Marx e de Engels, organizada por um estudioso de extrema-esquerda: Roger Dangeville (org.) Marx et Engels. Écrits Militaires. Violence et Constitution des États Européens Modernes, Paris: L’Herne, 1970.

O trecho de A Propósito da Questão Judaica encontra-se em Maximilien Rubel (org.) Karl Marx. Œuvres, vol. III: Philosophie, [Paris]: Gallimard (Bibliothèque de la Pléiade), 1982, pág. 373. As passagens citadas dos artigos publicados por Engels em 1849 na Neue Rheinische Zeitung, apelando ao aniquilamento dos povos eslavos, estão em Blackstock et al., págs. 59, 67, 83-84, Dangeville, págs. 229, 238-239 e Rosdolsky, págs. 31 n. 73, 79-80, 126, 151 n. 3. O artigo de Engels sobre os «mandriões mexicanos» vem em Blackstock et al., pág. 71 e Rosdolsky, pág. 161. O artigo de Engels de 1852, relativo à formação de uma grande Alemanha «compacta e unitária», encontra-se em Rosdolsky, págs. 105-106. A carta de Engels para Marx em 1876 é referida em Rosdolsky, págs. 43-44 n. 44 e a carta de 1882 vem mencionada em Blackstock et al., pág. 118. A carta de 1882 de Engels para Kautsky vem em Blackstock et al., pág. 119 e Rosdolsky, pág. 136 n. 41, e a carta de 1885 para Bebel vem em Rosdolsky, pág. 44 n. 45. A carta de Marx para Engels de 1865, onde se propõe remeter os eslavos «para além do Dniepre», está citada em Léon Poliakov, Le Mythe Aryen. Essai sur les Sources du Racisme et des Nationalismes, Paris: Calmann-Lévy, 1971, pág. 252. A passagem referida da carta de 1878 de Marx para Liebknecht vem em Dangeville, pág. 605. Os artigos publicados por Engels em Março e Abril de 1866 na revista Commonwealth e o discurso proferido por Marx em Londres em Janeiro de 1867 encontram-se em Blackstock et al., págs. 95 e segs. e 104-108. A proclamação redigida por Marx para a Associação Internacional dos Trabalhadores, de 23 de Julho de 1870, está incluída em Karl Marx, La Guerre Civile en France, 1871 (La Commune de Paris), Paris: Éditions Sociales, 1963, págs. 30-31, e a proclamação de 9 de Setembro de 1870 vem em Blackstock et al., págs. 48-49. As frases da carta enviada por Engels a Marx em 15 de Agosto de 1870 e a passagem do texto póstumo de Engels de 1887-1888 vêm em Dangeville, págs. 515 e 571. As passagens de Lukács estão no seu livro Le Roman Historique, Paris: Payot, 1965, págs. 314-315. A opinião de Marx acerca da moralidade dos camponeses turcos constam de uma carta endereçada a Liebknecht em 4 de Fevereiro de 1878, citada em Dangeville, pág. 605. O trecho do prefácio de Marx e Engels à nova edição russa do Manifesto Comunista vem em Blackstock et al., pág. 228.


Comentários 15

    • |

      maio 28, 2009

      |

      Olá,

      Uma interessante e acurada análise sobre os posicionamentos de Marx e Engels sobre questão Geopolítica Nacional e Internacional. Realmente intrigante. Agradeço ao autor pela coragem de levar adiante essa ousada proposta/iniciativa. Que continuemos a série!

      Em tempo: reproduzo, a seguir, as palavras de Paulo Arantes (Filósofo brasileiro) – presentes em seu comentário ao livro “Estamos Vencendo: Resistência Global no Brasil”, de André Ryoki e Pablo Ortellado. De grande valia, assim advogo, para pensarmos o posicionamento da esquerda brasileira sobre o intrincado tema da “questão nacional”:

      “Amplamente proclamada pelos atos-manifestos reportados neste livro pioneiro, a crença de que existe vida depois do capitalismo ainda é uma idéia nova e escandalosa na esquerda brasileira. Não é muito difícil entender por quê. Uma construção nacional sempre ameaçada de interrupção, com o tempo, foi tornando nossa esquerda muito mais antiimperialista do que propriamente anticapitalista. Até mesmo o socialismo pouco mais seria do que um atalho para recuperar o tempo perdido. Nessas condições, o que dizer de um programa libertário de desmercantilização total? Melhor nem pensar, como estamos vendo.”

    • Luther Blisset

      |

      maio 29, 2009

      |

      Muito bom o artigo João.

      Esses dias mesmo fui levado a refletir sobre a questão da esquerda e do nacionalismo ao me deparar com um artigo recente de Emir Sader, “A CPI da Petrobrax e a tucalhanada”, em tom de crítica ao PSDB. Fiquei pensando como ainda podia ser tão forte na “esquerda brasileira”, em um mundo dominado por transnacionais, ver as questões pela ótica da “nação”. Chamo atenção para algumas passagens:

      “Os tucanos queriam privatizar a Petrobrás, como parte dos acordos assinados com o FMI, trocaram o nome da empresa – orgulho e patrimônio nacional – para Petrobrax[…]”

      “Tinham colocado em prática o programa econômico mais antinacional, de maior abertura ao capital estrangeiro, que o Brasil conheceu[…]”

      “Viram, com frustração, a Petrobrás se transformar na maior empresa brasileira e em uma das maiores do mundo, conseguir a auto suficiência em petróleo para o Brasil, descobrir o pré-sal, entre tantas outras conquistas, afirmando seu caráter nacional e de identificação com a construção de um Brasil forte.”

      “Querem prejudicar a imagem da Petrobrás, a fortaleza da empresa de que se orgulham os brasileiros, que a querem cada vez mais forte e mais brasileira.”

      Diante destas afirmações em que a empresa capitalista figura como uma das mil maravilhas do mundo (pela crença de que ela seja “nacional”) o que resta aos trabalhadores??

      Onde foi parar a ótica de classe nessa esquerda??

      É por essas e outras que são capazes de cometer a besteira de vociferar “VIVA, O PETRÓLEO É NOSSO!”

      Bom, fico por aqui. Se puder continue o trabalho teórico João, pois desperta pensamentos importantes.

      E aos leitores indagaria: O QUE É SER DE ESQUERDA HOJE?

    • Rodolfo

      |

      maio 29, 2009

      |

      A esquerda brasileira é nacionalista. Quando jovens, junto com o discurso contra os ricos, a primeira coisa que nos ensinam é odiar nações exploradoras e glorificar a nação explorada.

    • |

      maio 31, 2009

      |

      O marxismo está embebido de nacionalismo desde o momento em que considera a tomada do Estado pelos trabalhadores e desde o momento que o Estado sempre é Nacional! Seja pela via eleitoral, seja pelo golpe de Estado, é sempre uma via nacional…

    • |

      maio 31, 2009

      |

      Texto corajoso, no minimo. Mas creio que o autor está falando de algo diferente de “odiar nações exploradores e glorificar a nação explorada”, Rodolfo. Vai além disso.

      Sobre a questão da Internacional se direcionar a atacar o Império Russo, o anarquista Bakunin disse o seguinte:

      “Se o Sr. Marx tivesse declarado guerra a todos os Estados, ou pelo menos aos Estados monárquicos, despóticos, militares, como a Prússia, a Áustria, a França imperial, ou mesmo à republicana atual, e se tivesse dito que era preciso colocar, em primeiro plano, entre eles o Estado modelo, o Império de todas as Rússias, pelo menos não se poderia acusá-lo de pangermanismo. Mas ao fazer abstração do pangermanismo alemão, um despotismo muito insolente, muito brutal, muito glutão, e excessivamente ameaçador para a liberdade dos povos vizinhos, como todo mundo pode constatá-lo hoje, e ao se esforçar para dirigir a indignação dos trabalhadores de todos os países contra o despotismo russo, à exclusão de todos os outros, declarando até mesmo que este era a única causa do despotismo que nunca deixou de reinar na Alemanha, desde que há uma Alemanha; ao rejeitar, enfim, todas as vergonhas e todos os crimes políticos desse país da ciência e da obediência proverbiais sob as inspirações da diplomacia russa, o Sr. Marx manifestou-se inicialmente como um péssimo e muito pouco verídico historiador, e, em seguida, não como um revolucionário socialista internacional, mas como um ardente patriota da grande pátria bismarckiana.”

      Vejo que esse texto do João Bernado trás à tona várias evidencias de que Bakunin não fazia “acusações” e “denuncismos” contra Marx, como muitos marxistas veem. E mais, que existe de fato no marxismo uma concepção estatista e economicista dos processos históricos. Que os marxistas busquem fugir nesse quadro de análise é perfeitamente legitímo, mas o que não dá é para ignorar a questão e tratá-la como “falsificações do pensamento marxista” ou dizer simplesmente que tal questão é próprio exclusivamente do bolchevistas. Compreendo assim, que tais posições que vemos em Marx e Engels, não são simples contradições de seu pensamento, mas representativas de uma compreensão do desenvolvimento dos processos históricos de uma maneira quase que completamente fatalista e determinista.

    • Alexandre

      |

      maio 31, 2009

      |

      O texto é de uma enorme lucidez, contribui sobremaneira para o entendimento da tão insuficientemente estudada trajetória da esquerda no século XIX. Mas não apenas isso, é fundamental para a orientação dos grupos que estão inseridos nas lutas sociais e precisam dar combate ao, cada vez mais recorrente, discurso nacionalista. Embora não seja este o proposito mais objetivo do texto, João Bernardo acaba também por auxiliar na análise dos “males de origem”, ou mesmo a promiscuidade que se estabeleceu entre as tradições socialistas internacionalistas e o pragmatismo, embebido na teoria “terceiromundista”, da esquerda brasileira. Primoroso de fato, o autor merece todos os elogios.

    • David

      |

      nov 21, 2009

      |

      meu medo é sempre a utilização anti-comunista e anti-marxista que pode se dar a textos como esse, vide as considerações de Punk e Rodolfo!! lamentável essas leituras…

    • Rodrigo

      |

      fev 3, 2010

      |

      Muito interessante a análise do João Bernardo, demonstrando o espírito libertário de análise do legado marxiano… Certamente sempre aparecerão analises dicotômicas e anti-dialéticas, tanto de anarquistas quanto de marxistas, mas o termômetro sempre deve ser a realidade e a estratégia a ser seguida, e não dogmatismos baseados em expressões ou textos descontextualizados de suas bases materiais… Um livro do João que muito me interessa, mas que ainda não pude ter acesso, é o “Marx crítico de Marx” no qual ele deve demonstrar todo esse espírito libertário e não dogmático de análise da obra de Marx, como já pude observar apenas em citações…

      No que concerne a “esquerda” brasileira, a questão nacional sempre tem sido muito valorizada… Se lembrarmos, por exemplo, do PCB no terceiro quarto do século XX, vamos ver que existia uma forte propaganda anti-imperialista ao mesmo tempo em que se proclamava um acordo com a burguesia nacional contra o imperialismo…
      Atualmente, pude assistir uma palestra do Emir Sader (que é do PT) aqui em Fortaleza, na qual ele claramente se posicionou contra o capital financeiro e o neoliberalismo, afirmando a necessidade de políticas keynesianas no território nacional…

      Urge uma discussão aprofundada e revolucionária dessa relação nacional – continental – internacional para além dos nacionalismos, regionalismos e da retórica internacionalista do trotskistas…

    • Marcus

      |

      set 8, 2012

      |

      Me parece que a seguinte questão não foi colocada, a não ser talvez nas entrelinhas, então eu mesmo coloco-a para o autor: você considera essa — mais que uma aproximação — adesão de Marx e Engels ao nacionalismo incompatível com o materialismo histórico? Seria reflexo de uma inabilidade de tais pensadores em aplicar seus próprios princípios (algo que é mais comum do que se imagina), ou o marxismo de fato abre espaço para tal perspectiva?

    • Marcus

      |

      set 8, 2012

      |

      Vejo agora que uma curta resposta a essas indagações se encontra no primeiro parágrafo do 2º artigo da série:

      “Os discípulos de Marx e de Engels (…) receberam uma herança ideológica carregada pelo peso da enorme contradição entre uma análise teórica concebida em termos de classe e uma estratégia política conduzida em termos de blocos nacionais.”

      Intriga-me como uma tão evidente contradição tenha, no fim das contas, se consolidado (i.e. sido incorporada justamente nas correntes mais fortes do marxismo, chame-as de tradicionais ou vulgares). Isso justifica as frequentes queixas sobre a carência de estudos mais aprofundados seja por parte de intelectuais de esquerda, ou mesmo de militantes com condições mais favoráveis para estudos. E mesmo assim (respondendo à intriga inicial) haveria uma tendência a aceitar “em bloco” as opiniões marxianas, levando a tais enganos desastrosos, pois se nem Marx foi capaz de ser fiel à sua teoria… Requer-se justamente uma luta contra essa tendência.

      Enfim, um bom (e necessário) trabalho foi feito ao escrever esta série.

    • João Bernardo

      |

      set 8, 2012

      |

      Marcus,
      Não tenho resposta para essa sua pergunta. Trabalhei a questão com muito mais detalhe num livro anterior a essa série de artigos, continuo a trabalhá-la e sempre sem conseguir entender a estrutura de pensamento que tornou possível aquela contradição. Há muitos anos escrevi um livro, Marx Crítico de Marx, onde pretendi mostrar o sistema de contradições que estrutura O Capital, e nesta obra de Marx nunca encontrei nenhum indício de uma estratégia política conduzida em termos de blocos nacionais e obsessivamente antieslava. Vou contar-lhe como me apercebi do problema pela primeira vez. Eu estava a discutir a questão do nacional-bolchevismo com um amigo, Maurício Tragtenberg, já falecido, e ele passou-me para as mãos o livro do Rosdolsky que eu cito nas referências. Não comentou nada, limitou-se a entregar-me o livro. A leitura desse livro abriu-me os horizontes e mostrou-me que a questão do nacional-bolchevismo era ainda mais profunda e mais grave do que eu pensava. Note que Rosdolsky teve grandes dificuldades em encontrar uma editora para esse livro, a tal ponto que pensou em depositar o manuscrito numa biblioteca. Depois de ler o livro de Rosdolsky decidi escavar mais fundo nessa mina. Vou contar-lhe outra historieta. Consultei a antologia de Blackstock e Hoselitz, também citada nas referências, na BDIC de Paris X-Nanterre, que é a segunda melhor biblioteca de questões políticas e sociais, a seguir à de Amsterdão. Essa antologia está incluída no espólio de Maximilien Rubel, que a viúva dera à BDIC. Para o caso de você ou outro leitor não saber, Rubel foi um dos principais especialistas de Marx, um erudito, responsável pela edição e notas de numerosas obras de Marx no colecção Pléiade, da Gallimard. A antologia de Blackstock e Hoselitz estava minuciosamente anotada e sublinhada pela mão de Rubel, que portanto conhecia e estudara aqueles textos de Marx e de Engels. Mas no que li do que Rubel escreveu e apresentou de Marx, era como ele não os conhecesse. Esta atitude tem-se reproduzido e assim a obra de Marx continua a não ser estudada na sua unidade.
      Mas haverá um vínculo obrigatório entre marxismo e nacionalismo? Pode admitir-se que o marxismo, na medida em que pressupõe um estatismo, facilmente se converta em nacionalismo, dado que uma nação constitui a área de poder de um Estado. Mas esta hipótese, que à primeira vista parece sedutora, é demasiado simplista. Continuo sem resposta.

    • Douglas Anfra

      |

      nov 19, 2012

      |

      Eu recomendaria, não sei se o autor conhece o Hal Draper, que escreveu uma longa obra de comentário de passagens de Marx e Engels. Como também seguia a tese do Rosdolsky e Blackstock, que, por mais que representem leques à esquerda e à direita do espectro político, apresentam a meu ver certo problema no recorte de passagens sem o contexto ou comentário maior sobre a interlocução e o que apresentavam. A nota do livro: Special Note a: Rosdolsky Vs. Rosdolsky, a meu ver, possui respostas bem objetivas quanto a esse ponto que, colocam a transposição de teses claras no nosso presente político, como o anti-nacionalismo, que não o eram no período. E muito menos ainda por Bakunin, na relação com o czar, o qual tentou influenciar em diversos momentos, por meio de cartas e outros meios. Além disso, serve de ilustração para outras questões como a transposição sem mais de teses e períodos sem o contexto. Além das críticas aos autores, eu recomendaria algo mais simples como histórias das lutas do período da revolução de 48, que qualquer livro como o Revolutions of 1848 de Robertson, ou mesmo Taylor, Hobsbawm e outros livros que traçam os fatos do período,podem ilustrar melhor. Também é importante notar que a argumentação de Blackstock retoma a reconstituição das revoltas da Vandéia pelos conservadores, que vê na relação entre camponeses e monarquia uma vantagem material que explica uma tendência à esse vínculo. De outro modo, fica parecendo tudo abstrato se não sabemos que Palacký, e do contexto da rejeição à assembléia de Frankfurt durante as revoluções de 1848, preferindo lançar o apoio ao império austríaco e colocando seu exército à disposição, inclusive contra a ideia de impor uma monarquia constitucional.
      http://en.wikipedia.org/wiki/Franti%C5%A1ek_Palack%C3%BD
      Apesar disso, quando do posicionamento de Palacky, Engels escreveu o seguinte:
      “Mas são os galantes Tchecos mesmos que tem mais que se lamentar.Não importa quem vença ou perca, seu destino está selado. Eles tem sido conduzidos às armas dos Russos por 400 anos de opressão alemã, que temm continuado agora nas lutas de rua travadas em Praga. Na maior luta entre Europa central e ocidental, que pode começar muito em breve, talvez em algumas semanas, os Tchecos são localizados por um infeliz destino ao lado da contrarrevolução. A revolução triunfará e os Tchecos serão os primeiros a serem esmagados por ela.
      Os alemães mais uma vez carregam a responsabilidade pela ruína do povo Tcheco, por isso os alemães que os traíram pela Rússia.” escrito em 18 de julho de 1848 na NRZ, onde ele não parece, como em outros trechos, condená-los em si, mas de modo relacionado ao contexto político das lutas travadas no momento.
      Além disso, soma-se a isso o fato de que eles não são povos substancialmente contra revolucionários por critérios raciais, nem por não possuírem Estado, mas por não se juntarem num processo revolucionário que conduz à superação das monarquias européias.

    • Maximilien Rubel

      |

      set 14, 2014

      |

      Deformação do pensamento de Marx por uma interpretação problemática, tal como a de Rosdolsky… Rubel tem interpretação contrária… Basta ler seus textos para saber disso…

    • Daniel

      |

      jan 29, 2016

      |

      Tenho interesse em estudar o papel do nacionalismo nas revoluções socialistas do século XX. Inclusive quero delimitar melhor o assunto para minha monografia em História.
      Tenho dois problemas:
      1) Minha orientadora, e outros professores, me passaram algumas sugestões de leitura sobre nacionalismo, porém nada que fale diretamente sobre o socialismo. Poderiam indicar algo de interessante, de preferência num nível de graduação?
      2) Eu formulei esse tema, a partir de uma ideia pré-concebida de que o marxismo apresentava propostas mais internacionalistas ou até mesmo anti-nacionalistas. Esse artigo me tirou um pouco o chão, poderiam e dar mais direções?
      3) Eu sinceramente me perco quanto ao recorte espaço-temporal. Minhas duas principais vias de associação do nacionalismo às experiências socialistas são o patriotismo Soviético no combate aos nazistas na Segunda Guerra, e a Revolução Cubana, logo na sua origem. Alguma direção mais interessante a se tomar quanto a isso?

    • Samuel

      |

      fev 26, 2016

      |

      Ecxelente texto! Eu já tinha lido sobre isso no livro “O Mito Ariano”, de Poliakov, mas me aprofundei agora!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Passa Palavra


Copyleft © 2018 Passa Palavra

Atualizações RSS
ou Email