FLAGRANTES DELITOS

Memória revolucionária

Quando, em algum momento entre 1925 e 1926, a coluna Costa-Prestes passou por uma cidade do sertão baiano, os “revoltosos” pintaram na parede de uma igreja: “VIVA A REVOLUÇÃO!” O padre, sabe-se lá por quê, deixou a mensagem ali. Quase cinquenta anos depois, um novo pároco ordenou a cobertura dos dizeres ao reformar a igrejinha. Um velho sertanejo, modos rudes e pele curtida pelo sol, apareceu inopinadamente e forçou a paralisação da obra. Postou-se defronte à parede pelo resto do dia. Olhava, olhava e olhava — e só. Era os pintores ameaçarem reiniciar os trabalhos, o sertanejo lutava, gritava, ameaçava com um cajado. Nem o padre deu jeito, o delegado mostrou-se igualmente impotente. Cumprido o estranho ritual, a figura bandeou-se para a saída da cidade e sumiu tal como aparecera. Dias depois, na manhã da reabertura do templo, os munícipes sobressaltados entreolhavam-se e comentavam a única notícia do dia: a parede da igreja amanheceu garranchada, a tinta fresca ainda brilhante a formar garatujas trêmulas, típicas de um analfabeto: “VIVA A REVOLUÇÃO!” A polícia abriu inquérito, pensaram em chamar o DOPS, mas até hoje ninguém sabe como as palavras voltaram à parede. Passa Palavra

CARTOONS - PP.TV

O ANZOL (76)

BRASIL

A luta dos profissionais da educação em Cachoeiras de Macacu

Relato sobre ocupação da prefeitura de Cachoeiras de Macacu (RJ) em 20 de dezembro, por força do atraso no pagamento de salários de trabalhadores da educação. Por Luísa

MUNDO

Foto: Luiza Duarte

Uma semana e três fraquezas dos manifestantes de Hong Kong

O foco na democracia parlamentar sem questionar as relações capitalistas continua sendo uma das limitações políticas mais óbvias do movimento. Por Ralf Ruckus

ARTES

Quebrar pernas e organizar trabalhadores: um motorista de caminhão comenta “O...

Como um membro do sindicato, o que mais me impactou no filme foi o quão pouco a sua cultura mudou. Por Isaac

ACHADOS & PERDIDOS

Reabertura da biblioteca do CEAS em Salvador

Por Manoel Nascimento Foi com alegria que descobri que a biblioteca do Centro de Estudos e Ação Social (CEAS), em Salvador, está novamente aberta ao...

IDEIAS & DEBATES

Abandonem o Zap!

Quais são os tipos que se juntam em um grupo de Zap com a finalidade de construir uma organização militante? Por Zeca Riben

MOVIMENTOS EM LUTA

movimento em luta

02 de Jan. 2020 [SP] Passe Livre Convoca: Primeira Manifestação Contra...

O Movimento Passe Livre São Paulo realizará, no dia 7 de Janeiro, uma manifestação contra o aumento das tarifas de transporte público. Por Passe Livre SP

AUTORAIS

Racismo negro antinegro na África

O racismo é instrumento estimulado pelos capitalistas para mobilizar certos grupos de trabalhadores contra os outros, para que sua exploração comum passe despercebida. Por Passa Palavra

TRADUÇÕES

Classe / identités

Aujourd’hui, alors que s’ouvre un nouveau cycle de luttes, à partir de son niveau le plus bas, il est indispensable de distinguer entre la politique de classe et la politique des identités, sans envisager la possibilité d’une alliance entre elles. Par João Bernardo

MAIS LIDOS

Pacto de Mediocridade: a guerra subterrânea dos trabalhadores da Livraria Cultura...

Eles colocaram o pior gerente que eles podiam colocar, o mais maldito, o mais filha da puta pra gerenciar a loja. E aí ok, a gente não ia deixar barato também! A gente começou a bolar jeitos de provocar esse gerente, de provocar o pessoal da gestão, enfim, era a única coisa que a gente podia fazer.

CIDADES

Um verdadeiro desastre: O discurso sobre os “desastres naturais”

A interpretação e a operacionalização do “risco” têm servido a interesses antipopulares, pró-remoção. Por Marcelo Lopes de Souza

PONTO COM NÓS

Da “Classe Universal” à “Cidadania Governante”

Formular em termos de classe a luta contra a sociedade de classes abre a porta a equívocos. Por Miguel Serras Pereira

DIABO DA ECONOMIA

A década da estagnação secular

O que se passa na colônia explica o funcionamento da metrópole, não o imita. Por Raquel Azevedo

CUIDADOS DIGITAIS

Grampos e interceptações telefônicas

A tecnologia dos grampos mudou com o tempo, mas seu princípio continua o mesmo: aproveitar a insegurança infraestrutural das ligações telefônicas. Há alternativas? Por 01010001