Perdido na Poluída Pólis

Perdido na Poluída Pólis

em 20 fev

Tudo e todos estavam calmos, exceto eu e meus sentimentos: não conhecia a capital, uma curiosidade impaciente me atormentava: “O que viverei? Como será que é lá? Será que é tudo isso que me contam?”.Por Hugo Scabello de Mello

Perdido na Poluída Pólis (1ª Parte)

Tudo e todos estavam calmos, exceto eu e meus sentimentos: não conhecia a capital, uma curiosidade impaciente me atormentava: “O que viverei? Como será que é lá? Será que é tudo isso que me contam?”. Por Hugo Scabello de Mello

Perdido na Poluída Pólis (2ª Parte)

À medida que a entorpecida fumaça entorpecedora tomava conta de meus pulmões, o inexplicável fantasma inexplicante violentamente expropriava meus pensamentos: “O que de fato acontecera àquele homem?”. Por Hugo Scabello de Mello

Perdido na Poluída Pólis (3ª Parte)

A priori eu não consigo saber o porquê desta – imagino que é algum previsível imprevisto do trânsito paulistano, mas muitas dezenas de minutos depois e poucas quadras abaixo percebo que dessa vez estou equivocado: é, na verdade, uma enorme manifestação popular parando estrondosamente as estreitas ruas do centro. Por Hugo Scabello de Mello


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Passa Palavra


Copyleft © 2017 Passa Palavra

Atualizações RSS
ou Email