Cuba: Não estão sós

Cuba: Não estão sós

em 1 maio

Temos que afastar, desde a base e à esquerda, o silêncio e a auto-censura que consagram a impunidade, procurando “não fazer o jogo do inimigo”. Por Colectivo El Libertario (Venezuela), Colectivo Actores Sociales (México), Passa Palavra e outros

cuba-1Terminou o IV Congresso do Partido Comunista de Cuba com a aprovação das reformas liberais (“a cada um segundo o seu trabalho”) anunciadas no âmbito econômico, mas também com a redução dos serviços sociais, associados ao aumento da presença de militares e tecnocratas no aparato governamental, enquanto se reduziu por outro lado a participação dos intelectuais e dos trabalhadores.

Tanto na retórica como nos fatos, a eficiência, o controle e a disciplina substituem a igualdade, a solidariedade e a participação. E com este pano de fundo se vislumbram sinais repressivos sobre o mundo cultural, que pressagiam um novo retrocesso no exercício das liberdades fundamentais para a população cubana. Importantes artistas vêm seus nomes embargados por funcionários da cultura, convertidos em censores, que desenvolvem intensas campanhas por todo o país, difundindo falsos rumores e acusações caluniosas. Um prestigioso Centro Teórico Cultural novamente vê sabotadas suas instalações e equipamentos por ladrões que não roubam nada e os quais as autoridades não descobrem ou punem. Poetas e ativistas comunitári@s recebem a visita de agentes policiais que os ameaçam com a acusação de “contra-revolucionários” e também de os colocar diante da “ira popular”, demonstrando assim que esta última não é nem popular nem autônoma ante o poder que a dirige.

O dano à propriedade social, a difamação, a coação, além da violência física e psicológica, não são só condenáveis nos códigos penais de todo mundo, incluindo Cuba, como também manifestações de Terrorismo de Estado. Durante décadas a população cubana deu aos seus filhos e ao mundo a sua melhor energia para construir um país mais justo, com cultura, saúde, educação universal e de qualidade, apesar da irracionalidade e descrença de uma burocracia que sempre apresentou as conquistas como êxito próprio. Deixará a História como marcos do processo cubano a repressão e a mentira, no lugar do heroísmo cotidiano das pessoas? Não é justo que seja assim.

Mas para que isto não ocorra temos que afastar, desde a base e à esquerda, o silêncio e a auto-censura que consagram a impunidade, procurando “não fazer o jogo do inimigo”. As pessoas que hoje veêm sua integridade e trabalho ameaçados pelas ações das autoridades cubanas merecem nosso respeito pois as conhecemos de diferentes momentos e situações. Não são, como apresenta a propaganda oficial, mercenários da CIA, porque apenas sobrevivem com míseras rendas, como a maioria do povo cubano. Quando viajam, investem seus escassos recursos na difusão de sua criação humanista e na aquisição de materiais para continuar seu trabalho, por um país mais culto e livre. Quando recebem nossa ajuda (em forma de um DVD, de tintas ou de uma coleção) é o apoio solidário de trabalhadores, trabalhadoras, artistas e estudantes, que em nossos países também enfrentamos políticas neoliberais e autoritárias do capitalismo, estruturadas em Seattle, México DF, Paris, Caracas, São Francisco e Buenos Aires.

Quão longe estão nossos companheiros daqueles burocratas que percorrem comodamente o mundo em Campanhas de Solidariedade, pagas com o dinheiro do povo cubano, e que na primeira oportunidade escapam para Miami e aparecem arrependidos nas televisões como “lutadores da liberdade”! Que diferente de certos intelectuais “amigos de Cuba” que, ingênuos ou atarefados, confundem os ideais da revolução com as políticas do Estado cubano e negam aos companheiros cubanos os mesmos direitos que reclamam (e até desfrutam) nos seus regimes de democracia burguesa! Que superiores, em obra e espírito, daqueles reformistas autorizados que, envernizando com teoria, justificam cada mudança do regime cubano e fazem (pseudo) críticas abstratas sempre vislumbrando a boa vontade do poder!

cuba-collectiva

Cuba Colectiva

O único pecado dos nossos companheiros cubanos é ousar pensar (e transformar) a realidade deles sem esperar as promessas do Estado-Pai nem o Canto de Sereia do Capital global. Creem em uma vida mais plena, em comunidade, onde o livre desenvolvimento de cada um é condição e medida do livre desenvolvimento de todos. Seus diálogos e aprendizados com nossa lutas altermundistas, piqueteiras e zapatistas, têm expandido seus horizontes e nos permitiram também aprender com seu legado histórico de erros e resistências populares. Representam o legado mais vivo e belo da Revolução cubana, que resiste à morte sob o câncer da burocracia. São marxistas, anarquistas, libertários, martianos, humanistas, feministas, ecologistas, comunitaristas… mas, sobre todas as coisas e qualificações, são pessoas decentes, que têm colocado sua vida em risco e a serviço dos demais. Por isso não os deixemos sós.

Sabemos que as forças da dominação são poderosas, que controlam os cacetetes, o ciberespaço, os castigos, os prêmios, os amedrontados e os explorados. Mas nós temos a vergonha e a esperança, contra a qual, como demonstram as rebeliões populares e anti-imperialistas de todo o mundo, não há poder despótico que vença. Tomara que exista na mente dos censores e policiais uma lembrança do compromisso original com o povo cubano que os levou ao poder; mas se isto não acontecer, estamos dispostos a lançar a mais poderosa campanha de solidariedade com todos os recursos da legalidade e da opinião pública progressista mundial. Sabemos que os inimigos estão alertas, que eles não tenham a menor dúvida: Nós também.

Por Colectivo Editor de El Libertario (Venezuela), Colectivo Actores Sociales (México), GALSIC (França), Frente Anarquista Organizado (Chile), Colectivo Feminista Josefa Camejo (Argentina),  Equipo Editorial de Insurrectasypunto (Argentina), Biblioteca Popular Libertaria “Mauro Mejiaz” (Venezuela), Federación Anarquista Uruguaya (Uruguai), Sección Sindical de la Confederación General del Trabajo (CGT) de la Universidad de Barcelona (Espanha), Movimiento Libertario Cubano (Mundo)  e Passa Palavra

O mural Cuba Colectiva foi realizado por um grande número de artistas, sob a iniciativa do célebre pintor cubano Wifredo Lam, para o Salão de Maio, em 1967.


Comentários 5

    • Narayan

      |

      maio 2, 2011

      |

      ótimo texto.
      “O único pecado dos nossos companheiros cubanos é ousar pensar (e transformar) a realidade deles sem esperar as promessas do Estado-Pai nem o Canto de Sereia do Capital global. “

    • Eric

      |

      maio 3, 2011

      |

      Bom texto, necessário!

      Agora, para começar, não entendi a série “Seattle, México DF, Paris, Caracas, São Francisco e Buenos Aires. Se o Coletivo Passa Palavra assina, cadê Brasília, Lisboa?

      Brjs, Eric

    • Federación Anarquista Uruguaya

      |

      maio 6, 2011

      |

      Compañeros Organizadores y Participantes del Foro Social de la
      Habana.
      Desde Uruguay queremos manifestar nuestra solidaridad ante las
      persecuciones que se denuncian en los comunicados que nos han
      llegado. Esto es parte del poder del Estado y sus herramientas
      para sostener todo un aparato burocrático, venido a menos en carreras funcionariales, políticas, al servicio de intereses
      autoproclamados revolucionarios.
      También apoyar las críticas emanadas del Foro, que las entendemos en el particular contexto cubano, y en una perspectiva claramente revolucionaria, con un llamado que bien podría entenderse como una profundización de la Revolución. Y principalmente de esa Revolución que permanece activa, generación tras generación, en la cabeza, fuerza, ideología, de nuestro hermano Pueblo Cubano.
      Sabe la historia de la importancia que ha tenido, y particularmente para los hombres y mujeres que queremos cambiar el mundo, la Revolución Cubana. Principalmente la importancia que tuvo cuando comenzó a poner en tela de juicio el poder de los burgueses aliados de los yankis. Cuando mostró al mundo que se podía plantear una vía revolucionaria, en ofensiva al capitalismo, armada, y principalmente popular. Esta lección dio a toda la esfera terráquea el Pueblo Cubano cuando las órdenes de los de arriba, de la izquierda del este, fueron quedarse quietos, y plantear una “Coexistencia Pacífica” con los poderosos, con los enemigos del pueblo.

      Fraternalmente
      Wence

      Por un Pueblo Fuerte!.

      Arriba los que luchan!!!.

      federación Anarquista uruguaya.

    • |

      maio 17, 2011

      |

      La última atualización de todas las firmas hasta ahora:

      – Acción Cultural Anarquista. España
      – AK Internationalismus der IG Metall Berlin (sección internacionalista del sindicato, Berlin). Allemaña
      – Asemblea Libertaria del Vallés Oriental. Catalonia
      – Ateneo Arte y Cultura de l’Escale de l’Alt Empordà. Catalonia
      – Ateneu Llibertari Estel Negre de Palma de Mayorque – España
      – Biblioteca Popular Libertaria “Mauro Mejiaz”. Venezuela
      – Bre@king Borders/Rompiendo Muros. Estados Unidos
      – El Bloque Anarquista-F.L.L. México
      – CGT (Confederación General del Trabajo), Universidad de Barcelona. España
      – CNT (Confederacion National del Trabajo). España
      – CNT (Confédération Nationale du Travail) du Havre. France
      – Colectivo Actores Sociales. México
      – Colectivo de Agentes de Cambio de Matagalpa. Nicaragua
      – Colectivo A les Trinxeres. Catalonia
      – Colectivo Passapalavra. Brasil
      – Colectivo Editorial del diario El Libertario. Venezuela
      – Colectivo Feminista Josefa Camejo. Argentina/Venezuela
      – Coordination anarchiste du Havre. France
      – Equipo editorial de Insurrectaypunto. Argentina/Venezuela
      – FA (Fédération Anarchiste). France
      – FACLC (Federació Anarquista Comunista llibertària Catalana). Catalonia
      – FAU (Federación Anarquista Uru- guaya). Uruguay
      – FAU (Freie Arbeiterinnen Union-AIT). Alemaña
      – Forschungs- und Dokumentationszentrum Chile-Lateinamerika e.V. Alemaña
      – Friendly Fire Collective, San Francisco. Estados Unidos
      – Frente Anarquista Organzado. Chile
      – GALSIC (Grupos de apoyo a los libertarios y a los sindicalistas independientes de Cuba). Francia
      – ICEA (Instituto des Ciencias Economicas y de la Autogestión). España
      – Internationaler Arbeitskreis e.V. Alemaña
      – International Solidarity Commi- ssion: Industrial Workers of the World (IWW). Estados Unidos
      – iz3w (informationszentrum 3. welt), Freiburg i.Br. Alemaña
      – Journal Le libertaire. Francia
      – Movimiento Libertario Cubano
      – NEFAC/FCLN (The Northeastern Federation Of Anarchist Communists). Estados Unidos
      – International Solidarity Commission: Industrial Workers of the World (IWW). Estados Unidos
      – Organisation Communiste Libertaire. Francia
      – Red libertaria Apoyo Mutuo. España
      – Solidarity Federation. Gran Bretaña
      – Wooden Shoe Collective Bookstore and Infoshop. Estados Unidos
      – WSA (Workers Solidarity Alliance). Estados Unidos

    • Passa Palavra

      |

      maio 17, 2011

      |

      Uma correcção à actualização acima. O colectivo Passa Palavra é de Brasil e Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Passa Palavra


Copyleft © 2017 Passa Palavra

Atualizações RSS
ou Email