A brigada governista nas redes sociais

Na “blogosfera”, que envolve discussões nas redes sociais, blogs e portais, há uma máquina de quadros assalariados e apoiadores do governo, que atuam como uma claque propagandística. Por Blogueiros de Esquerda

O Partido dos Trabalhadores, que tornou-se, especialmente após a eleição de Lula para presidente em 2002, a maior máquina eleitoral da história brasileira, tem promovido desde então, com muito sucesso, um pacto de colaboração e conciliação de classes em prol do desenvolvimento do capitalismo no Brasil. Com a democratização das comunicações fora de pauta em prol das transnacionais e das oligarquias, o PT e seus aliados buscam se hegemonizar politicamente nas redes sociais brasileiras, palco principal das mídias dos anticapitalistas e dos movimentos sociais.

blogosferaNa chamada “blogosfera”, que envolve discussões nas redes sociais, blogs e portais, há uma máquina de quadros assalariados e apoiadores incondicionalmente partidários do governo, que atuam como uma claque propagandística. Se antes essa máquina foi utilizada pelos políticos e burocratas do partido para responder aos ataques de seu irmão xifópago socialdemocrata, o PSDB, hoje ela é usada para atacar os interesses da classe trabalhadora, dos diversos movimentos sociais não-alinhados (ou melhor, não-cooptados) e dos ativistas anticapitalistas, dos ambientalistas, dos direitos humanos e outros, tendo efeitos nefastos para cada um destes.

A “militância petista”, que, pela ausência de um programa político nitidamente socialista, acabou por ser educada apenas para contra-atacar os tucanos, Globo, Folha, Veja e Estadão com fins eleitorais, agora é utilizada também para combater ativistas da esquerda e movimentos sociais que resistem naquelas lutas por onde o trator do capitalismo desenvolvimentista organizado pelo lulismo pretende passar, como pode ser visto nas entre 140 a 170 mil famílias que serão deslocadas/despejadas para a Copa do Mundo e as Olimpíadas , no deslocamento dos indígenas e ribeirinhos em Belo Monte e outras hidrelétricas previstas para a região da Amazônia, entre tantos outros exemplos, como recentemente ocorreu no Pinheirinho, em São José dos Campos, no interior paulista.

Assumindo a defesa deste governo, a militância petista e governista, através de seus blogueiros oficiais e não-oficiais, sua imprensa alinhada (financiada através da Vale e Petrobras, duas transnacionais) e os núcleos ligados às altas burocracias do partido, buscam minar toda discussão política do mesmo modo como fizeram os estalinistas historicamente, quando passavam a simplesmente rebater críticas com taxações, desqualificações pessoais e ofensas. Se antes as taxações eram de “pequeno-burgueses”, “ultra-esquerdistas”, “anarquistas”, entre outras, hoje é “psolista” (mesmo que a pessoa em questão não seja filiada ao partido PSOL), “radicais”, “esquerda de que a direita gosta”, “jogo da direita” ou até mesmo ressuscitam a tese do “Partido da imprensa Golpista” para buscar alguma tintura de esquerda. Tudo isso para criar o clima de uma “esquerda inconsequente” ou que, em sua crítica, acabaria por ajudar a direita institucional.

blogosferaEm resumo, para todo e qualquer ataque do governo aos trabalhadores haverá um blogueiro governista, um “progressista”, justificando que isto se dá pela “correlação de forças”, como se não se tratasse de um projeto explícito em prol do capitalismo no Brasil, e, consequentemente, em prol dos interesses econômicos e políticos das oligarquias e das transnacionais. Quem pretenda tentar debater, desista, pois a regra é uma só: desqualificação, omissão e até mesmo ofensas. O debate, entre eles, só é superficialmente feito durante os chamados “Encontros Nacionais dos Blogueiros Progressistas”, onde se convidam personalidades e integrantes de determinados movimentos sociais ou organizações a debater, sempre superficialmente, pautas que dêem tintura de “esquerda” ou de ligação com as lutas sociais, quando na verdade não há nada de esquerda por trás de blogueiros e portais financiados por burocracias partidárias e duas transnacionais sob influência do governo.

Outro aspecto interessante a se observar é que, para este aparato lulista, não interessa mais uma verdadeira reforma pela democratização das comunicações. A luta se dá praticamente contra quatro monopólios, a saber, a Globo, a Abril, a Folha e o Estadão. Estes são os maiores “vilões”, para os “progressistas”, e não o capitalismo e seus monopólios em geral. Sendo assim, percebe-se também a ausência de programas políticos em discussão nestes meios, e sim a apologia incondicional às decisões do governo e das cúpulas burocráticas. Se antes pareciam ter uma tintura de esquerda na medida em que criticavam as privatizações e o legado tucano, hoje defendem um governo que está promovendo, com muito sucesso, o capitalismo, e funcionam, portanto, como correia de transmissão deste projeto político de colaboração de classes e em prol da conservação e desenvolvimento do pacto social benéfico ao capitalismo transnacional e às oligarquias. Se antes pareciam ser reformistas bem intencionados, hoje atuam como liberais oriundos da esquerda ou, como Lula, oriundos das lutas operárias e sindicais do ABC e da CUT.

lula2encontroEstamos falando, portanto, de um grupo de blogueiros e blogueiras que vem tentando construir uma certa hegemonia na blogosfera e torná-la politicamente uniforme no apoio ao Governo PT-PMDB, adjetivando-a enquanto uma “militância progressista” e, por fim, ligando-a de forma indelével às políticas liberais/conservadoras deste novo petismo. Consolidando no e por meio do gerenciamento do Estado capitalista brasileiro, o novo petismo já não possui qualquer tintura de esquerda. Pior: aquele grupo de blogueiros e blogueiras está ligado a um governismo pragmático e incondicional que, historicamente, faz política de mãos dadas com os capitalistas, sejam eles as oligarquias ou financistas.

Interditando o debate

Há uma extensa pauta de direitos humanos debatida nos movimentos sociais das mais diversas áreas que são invisibilizadas e/ou desacreditadas pelos blogueiros governistas. Como exemplos desses assuntos podemos mencionar: questões feministas de fundo político/cultural (como a questão do aborto); as carências do público LGBTS; o debate sobre a Comissão da Verdade; a remoção de ribeirinhos e indígenas para a implantação de grandes obras; os conflitos agrários envolvendo camponeses, indígenas, agroextrativistas e grileiros; as péssimas condições de trabalho de categorias fragilizadas como professores, policiais, bombeiros, lavradores, trabalhadores da construção civil e outros; a luta pela legalização da maconha; a falta de cobertura sistematizada sobre a violência institucional que interrompe vidas de jovens, sobretudo negros e pobres; entre outras várias questões que carecem de uma direção política por parte do governo federal e que, mesmo sob os limites de um Estado capitalista, poderiam obter respostas institucionais imediatas e, se não solucionar os problemas, ao menos dar início à solução destes.

seguirA invisibilização ocorre quando os temas não são sequer mencionados nas esferas ditas de “esquerda” e “progressistas”. Os assuntos são desencorajados quando, a pretexto de se buscar um foco de atuação, há uma desqualificação de demandas. Exemplo disso é defender um feminismo relacionado à MP 577 e ao mesmo tempo querer desqualificar o feminismo de quem denuncia o uso irresponsável de uma concessionária de televisão em questões referentes à violência contra a mulher. Outro exemplo é desacreditar denúncias feitas por entidades ligadas à causa indígena como se estas entidades não tivessem credibilidade: escolhe-se a versão oficial (partidária, governamental ou estatal) como se apenas as instituições oficiais fossem dignas de credibilidade, como se uma denúncia, somada ao histórico dos conflitos sociais no campo, não fosse por si só suficiente para se iniciar investigações jornalísticas independentes ou, ao menos, lutar para que investigações sejam feitas.

A desqualificação pessoal passa a ser a tônica do debate – no lugar de se discutir tendências de pensamento que são divergentes, coloca-se em questão o caráter dos debatedores. Feministas são chamadas de mal-amadas, pessoas que defendem novos projetos sociais para populações da Amazônia são tratados como “ecochatos”, pessoas que se sensibilizam com denúncias em situações de grave vulnerabilidade social são tratadas como sensacionalistas, pessoas que querem discutir o uso de recursos do BNDES são tratados como idiotas que supostamente mal sabem diferenciar privatização e concessão. Desse modo, esquivam-se do debate político e reduzem as questões a mero jogo de interesses partidários e pessoais. Os ataques invisibilizam as causas e transformam o âmbito da discussão política em um palco de briga de comadres, com direito à ridicularização pública dos interlocutores. Esse modus operandi tem funcionado para tirar o foco das arbitrariedades e mesmo da ausência de tintura “democrático-popular” das políticas do Governo PT-PMDB encabeçado por Dilma Rousseff.

Como já se debateu aqui no Passa Palavra, o Partido dos Trabalhadores abandonou suas antigas bandeiras em nome de um projeto de poder do capital oligárquico e transnacional. Um partido que sempre usou de sua simbologia para aglutinar pessoas que historicamente lutaram pela transformação social, inclusive incorporando referências dos movimentos sociais a seus quadros, hoje tem como objetivo claro amortecer a força das vozes dissonantes, dissidentes e da diversidade de interesses políticos envolvidos. Dado não existir o “projeto democrático-popular”, a regra é a homogeneização da ideologia e a cooptação das lutas e seus lutadores, na busca por ocultar as estridentes contradições reais.

Tudo se justifica em nome de um projeto unificado que tem a petulância de se dizer de “esquerda”. O jogo de “faz de conta”, que leva adiante a farsa de que o Brasil é um país governado por um partido de esquerda, sustenta-se em um discurso frágil e facilmente perceptível.

pig23Todos os graves problemas sociais que aparecem diante de nós cotidianamente viram, de repente, “construções discursivas” do “PiG” (“Partido da imprensa Golpista”, sigla criada por Paulo Henrique Amorim, após ser demitido do portal iG, para se referir à Globo, Veja, Folha e Estadão) que “quer acabar com as maravilhosas transformações promovidas por Lula”, quando o que ocorre, na realidade, é uma relação muito mais complexa do que a versão “mocinho” e “bandido” desenhada pela militância petista, já que o governo não só mantém intacto o cada vez maior monopólio oligárquico e transnacional das comunicações, como também o financia cotidianamente.

A imprensa oligárquica atende os mesmos interesses de classe que são defendidos pelo governo, isto é óbvio. Mas, através de malabarismos verbais, a militância governista insiste em enfrentar a realidade factual e criar uma inversão lógica, acusando constantemente os partidos e movimentos sociais e a esquerda de “fazerem o jogo da direita” ao se posicionarem contra as políticas do governo. Tal raciocínio é totalmente obtuso. Afinal, estamos falando de um governo que garante que os bancos tenham recordes ininterruptos de lucros, “nunca antes vistos na história desse país”, que oferece de bandeja o patrimônio natural e humano do país para a plena exploração de transnacionais em nome do “desenvolvimento do país”, quando na verdade, estamos falando do desenvolvimento da exploração capitalista e suas consequências destrutivas e nefastas ao povo trabalhador. Mas, fique atento: criticar este raciocínio, segundo eles, é “fazer o jogo da direita”. Apóie, apóie, apóie, todo recuo é necessário para o progresso do país.

Ordem e progresso torna-se, assim, o locus destes blogueiros e blogueiras da ordem.

138 respostas para “A brigada governista nas redes sociais”

  1. Texto irretocável. Não tiraria uma vírgula do que foi dito.
    Tendo frequentado esses espaços ditos progressistas concordo plenamente que é impossível travar algum tipo de diálogo com esse pessoal. O nível chegou ao fanatismo.

  2. A eficiência, a trama, a urdidura como elaboram as estratégias são assustadoras. Esse texto precisa ser mais batido. Mais popularizado.As pessoas devem reconhecer que possuem o direito de não ser partidárias do PT, e q isso não leva diretamente ao PSDB. Temos o direito de fazer outras escolhas. Escolhas que não passam mais por partidos políticos. A sociedade está criando mecanismos para refrear essa “onda q varreu AL.

  3. sim, é isso mesmo o que está acontecendo na blogosfera. Criei meu blog há três meses exatamente por observar a existência dessa, digamos, dupla hegemonia (a conservadora-tucana e a conservadora-petista).

    Após a reintegração de posse na Bahia, logo após o Pinheirinho, escrevi sobre essa indignação seletiva:

    http://alceucastilho.blogspot.com/2012/02/indignados-com-pinheirinho-vao.html

    “Uma parcela de indignados no Brasil é seletivamente partidária. Bufa, grita, espuma, se contorce – mas somente se as violações de direitos humanos forem protagonizadas por tucanos. Brutalidade policial em São Paulo? ONU neles! Brutalidade policial no Piauí, em Pernambuco ou Sergipe? Moita.”

  4. O texto mapeia o cenário corretamente, mas não podemos esquecer também que parte dos “blogueiros de esquerda” também faz parte ou mesmo está a serviço de partidos hierarquizados, com formação política e debate nulos e que são tão eleitoreiros quanto o PT, só não tendo o mesmo peso por falta de oportunidade. Assim, pé atrás com eles também.

  5. Caro Lester,

    Equivoca-se ao pensar assim. Há nos blogueiros de esquerda uma diversidade imensa. Ex-partidários, partidários, independentes, e daí por diante. Reduzi-los a um grupo que “está a serviço de partidos hierarquizados, com formação política e debate nulos e que são tão eleitoreiros quanto o PT” é mostra de que você não conhece bem o que está criticando.

    O que posso lhe dizer é que, por serem tão poucos numericamente e não contarem com recursos, os/as blogueiros/as de esquerda não tem organização e nem condições suficientes para realizar os debates que pretendem. Mas, como disse, apesar de poucos, a natureza política dos blogueiros de esquerda está longe de ser tão homogênea como você colocou.

  6. O texto está excelente. Tenho que dizer apenas que alguns poucos “bloqueiros progressistas” fazem sim críticas ao governo. Essas críticas tornaram-se mais fortes especialmente com a privatização dos aeroportos, e agora, também da previdência. Mas, de resto, resumindo a análise apenas aos “bloqueiros governistas”, está correto.

    Este é o novo PIG – Partido da Internet Governista.

  7. Considero que os “blogueiros progressistas” dialogam de fato com um setor mais a esquerda do eleitorado, por conta disto cobrem manifestações, defendem os direitos humanos, fazem denúncias de determinadas ações do governo. Certamente não tem como público a grande maioria do eleitorado petista, que se informa como os demais pelo Jornal Nacional, mas traz para o âmbito petista pessoas mais críticas e possivelmente engajadas.

  8. Texto correto, mas não mais do que isso. Talvez peque por não dar a verdadeira dimensão da militância remunerada petista, que aparenta ser bem maior do que se depreende pelo artigo. cumpre lembrar que o PT é alimentado, em grande parte, pelo imposto sindical, excrescência fiscal que persiste até hoje no Brasil e que irriga generosamente os cofres das centrais sindicais ligadas ao partido em proporções que as pessoas interessadas insistem em não divulgar. Isso dá ao partido uma pujança financeira insuspeita até para o mais dedicado detrator.
    Além disso, cumpre salientar: o PT é um partido repleto de tendências internas. Portanto, boa parte das críticas pontuais ao governo na mídia é originária de pessoas ligadas ao próprio PT, porém de corrente diversa daquela que comanda o país, à qual são filiados Lula, Dilma e José Dirceu.
    Uma visão pálida disso só se dá quando, na leitura dos blogs pró e contra o governo tocados por militantes, se observa um legalismo imenso, coisa de quem acompanha criteriosamente as leis que estão circulando no congresso e, como militante atento, pressiona para que suas demandas sejam pautadas pela imprensa e pelo governo.
    Qualquer matéria a respeito desse tema só estará completa no dia em que alguém publicar o organograma da militância online petista. É coisa que existe desde as listas de discussão por email, quando uma das mais ativas era a lista do próprio partido. E que deve surpreender pelo tamanho e pelas quantias destinadas a esse tipo de ação.

  9. Eu juro que fui correndo procurar a data do texto pra ter certeza se era desse ano. Há anos o PT deixou de ser essa esquerda toda, assumiu o seu compromisso com um desenvolvimento capitalista numa perspectiva muito mais centro do que esquerda e não esconde isso. Achei que o texto era de 2003 ou 2004.

    Outro comentário é a irresponsabilidade de atirar acusações muito graves ao léu sem dar nome aos bois. Quem são os blogueiros? E quais deles recebem da Vale? E recebem quanto? Bota o link que sustenta esse discurso, por gentileza, que eu fiquei interessado, porque senão fica engraçado: um texto bravateiro acusando os outros (que não se sabe bem quem são) de serem bravateiros.

    E ainda sem assinar.

    Difícil…

  10. Que existem muitos dos tais “blogueiros progressistas” que visam muito mais um apoio ao governo do que a causas (da população, dos trablhadores), isso é fato.

    Mas não entendi onde quer chegar o texto. Se existe um abismo tão grande de projetos como é apontado no texto, o que se quer então? É o mesmo que reclamar que o Estadão ou a Veja são isso e isso e aquilo e fazem isso, isso e aquilo outro.

    Crie seus próprios meios e procure crescer para alcançar seus objetivos. Em nada adianta reclamar que aqueles que tem objetivos diferentes defendem coisas que não gostamos.

  11. O artigo sugere a existência, na rede, de uma força de intimidação tão grande que afogaria toda e qualquer tentativa de reflexão livre e, de tal modo, que tornaria extremamente difícil toda e qualquer resistência frente a este “novo obscurantismo” supostamente levado a efeito pela hegemonia petista, numa versão revista e atualizada do pensamento único, o detido pelo mercado e em vigor desde o final do século passado.

    O artigo, contudo, não identifica, não linka, quais são esses blogs, quem seriam esses blogueiros. De todo modo, também não o tomo como um alerta, mas enquanto constatação de uma opressiva busca do controle, em transe, sobre corações e mentes, cujo vigor não pressinto menos no uso da publicidade e de parcela da mídia, do parlamento que na rede. A reflexão merece – inevitavelmente – ser estendida. Mas confesso que temo muito mais o crescimento do poder evangélico, em ascensão.

  12. Também achei que o texto é frágil no sentido de acusar uma massa informe e sem nome. Se fosse mais ao ponto talvez não sofresse disso. Outro ponto que eu levantaria é o perigo da tendência de sempre se remeter a um “todo podre”, que seria a blogosfera. Poxa, estamos justamente num blog que está fora desse todo, debatendo de maneira qualitativa de uma forma que pouco se vê por aí. Enquanto tivermos dificuldade em reconher nossos próprios méritos sofreremos uma síndrome de vira-lata, que certamente não é das melhores estratégias para atrair novos públicos.
    De resto, concordo bastante com o texto, e já que nos últimos comentários se pediu nomes aos bois, penso que nós, os comentadores do texto podemos fazer nossa parte nisso.

    Eu pessoalmente leio 2 blogs progressistas, o do Luis Nassif e o do Azena, o Viomundo. O primeiro me atrai pois há muitas notícias de cultura e bastante análise de temas internacionais, mas quando o autor aborda assuntos de política interna, em geral não me agrada nada, não apenas por ser demasiadamente de “centro”, mas também por muitas vezes ser conservador (chegou a elogiar a instituição da PM de SP para depois criticar pontualmente o caso Pinheirinho). Um ponto positivo desse blog também é o alto nível do debate em ALGUNS pontos, como sobre Belo Monte (mas em muitos outros a coisa se restringe a falar mal do PIG ou defender a Dilma). Já o Viomundo me parece um tanto mais crítica ao Governo, ainda que claramente o apoie no âmbito eleitoral. Não é um blog onde a discussão do leitor tenha tanto peso, mas a seleção de textos em geral é bem balanceado nas polêmicas, o site também replica textos bons de blogs especializado, e, o que penso ser de altíssimo valor, produz material jornalístico PRÓPRIO, ao invés de se restringir a replicar e esculachar notícias do PIG.

  13. Me indicaram esse texto e até tentei ser receptivo, apesar de apócrifo. Estava achando enfadonho e leviano, mas qd cheguei em “Partido dos Trabalhadores abandonou suas antigas bandeiras em nome de um projeto de poder do capital oligárquico e transnacional”, parei. Que mofo hein?

  14. uma coisa que não se pode dizer dos bloqueiros chapa branca é que não fazem seu trabalho: eles não dormem no ponto e ja estão aqui em massa cumprindo sua função; e seu nome é legião pq são muitos.
    E fazem jus.

  15. Bom dia, algumas questões:
    1) Quem assina este texto?

    2) Sendo blogueira progressista, da comissão nacional (com a minha foto neste post ao lado do ex- presidente Lula e o blogueiro Enio Barroso) quero saber: o texto se refere a mim como ‘assalariada do governo? assalariada do PT?

    3) A acusação de que os blogueiros progressistas são ‘assalariados’ se estendem a toda a comissão nacional ou apenas aos blogueiros que estão na foto?

    Aguardo respostas.

  16. Conceição, acho que suas questões são ociosas. O texto fala por si. Acho que já não é mais preciso fazer perguntas. Há que escolher entre processar e ignorar. Mas, pense bem, texto apócrifo? São uns coitados. Você deve ter gasto uns 30 segundos da sua vida para postar esse comentário. Esse tempo você não recupera mais.

  17. Trata-se de um raio-x que só divulga a metade da questão, pois deixa de considerar a mesma orquestração vinda dos gabinetes de políticos oposicionista. No Brasil, o confronto partidário seguiu os moldes daquele promovidos pelas torcidas organizadas, ou seja, muita paixão para defender e atacar, mas nenhum respaldo isento e objetivo que contribua para que o interesse público passe a ser respeitado.

  18. Li até a parte que fala do ” patrocínio ” da Vale (?!?)

    Isso aí é delírio da ultra esquerda com direita rasteira.

  19. Conceição Oliveira,

    1) Como você pôde reparar logo ao início do texto, utilizamos o anonimato neste texto e não mencionamos nomes justamente para preservar o debate contra um recurso tão comum que os blogueiros governistas utilizam, que é a tentativa de desqualificação do debate através de troca de acusações, ataques pessoais e daí em diante, como tantas vezes já ocorreu nas tentativas de debate.

    2) O texto não se refere a ninguém em específico como assalariado do governo. Sabe-se que há diversos modos de financiar estes blogueiros pró-governo, seja com transações bancárias em troca de favores e pautas, seja com anúncios de instituições controladas direta ou indiretamente pelo governo nos blogs. Mais uma vez, optou-se por não analisar caso a caso para preservar o debate fundamental, que é a crítica ao papel nefasto que estes blogs representam na blogosfera.

    3) A acusação não foi especificada, como você pode ver no próprio texto. Não é uma acusação a quem está na foto e nem à comissão nacional. O que o texto diz é: “Na chamada ‘blogosfera’, que envolve discussões nas redes sociais, blogs e portais, há uma máquina de quadros assalariados e apoiadores incondicionalmente partidários do governo, que atuam como uma claque propagandística.” Se você se sentiu atingida por esta menção…

    Veja que, para nós, blogueiros de esquerda, não é central discutir a “acusação” de se são assalariados ou não, e sim o papel empenhado por tais blogueiros na rede. Não temos a menor intenção de romper sigilos bancários para comprovar essa modalidade de cooptação tão comum. Basta olhar para o banner ao fundo de Lula para entender alguns daqueles que estão envolvidos nesta máquina que referimos.

    Para os blogueiros progressistas, por sua vez, apenas isso interessa: atacar o texto mediante a crítica a uma informação que está envolvida em um contexto maior e desqualificar, como fizeram acima Alexandre Porto e Eduardo Guimarães, prática já comum, como frisamos no texto.

    Infelizmente, mais uma vez fica visível que enfrentar o texto pelas próprias ideias expressas e argumentar parece ser tarefa por demais complexa para os blogueiros progressistas.

  20. Quem escreve como Eduardo aponta para a intimidação, a censura e o terror. Isto quando a foto tem claramente o objetivo de mostrar o ex-presidente como figura de destaque num evento.

    Há que escolher: tremer ou enfrentar. Hoje ameaça com o judiciário, amanhã o que virá?

  21. Sigo alguns dos blogueiros progressistas aqui citados, além do Passa Palavra e outras fontes de informação não alinhadas ao governo.
    Pelo bem da verdade e da justiça, julgo importante dizer que não há como tratar os blogueiros progressistas como um todo, sob risco de cometer graves injustiças.
    Por mais que todos tenham em comum a defesa do governo, fazem-no de formas diversas, e isso não pode deixar de ser considerado.
    Prezo, pessoalmente, o Luiz Carlos Azenha, o Rodrigo Vianna e a Conceição Oliveira, responsáveis, respectivamente, pelos blogs Vi o Mundo, o Escrevinhador e Maria Frô.
    (Certamente haverá outros, mas desconheço)
    A meu ver, não há comparação possível com outros blogueiros do campo dito progressista como Paulo Henrique Amorim e Eduardo Guimarães.
    A principal diferença entre esses dois grupos é a forma e a intenção: os primeiros dispõem-se com honestidade e esforço pessoal a aprofundar questões – e eventualmente a criticar até o governo, como já mencionou um leitor aqui acima; os outros, agem como se estivessem num comício, onde o principal objetivo não é dialogar, mas criar massa crítica de apoio aos objetivos visados, gritar, xingar os adversários, cantarolar slogans. Estes não estão aí para discutir idéias e questões, e poderiam facilmente ser chamados de PIG, Partido da Imprensa Governista, porque agem exatamente da mesma forma que aqueles veículos que condenam (e que nós todos, aqui, também condenamos).
    Todos têm o direito de se manifestar como quiserem (dentro dos limites legais, obviamente), e todos têm o direito de eleger as suas fontes de informação e opções ideológicas que desejam.
    Da minha parte, julgo que os elementos desse segundo grupo dos blogueiros progressistas fazem um desserviço ao debate de idéias, e não contribuem minimamente para o amadurecimento político. O uso que fazem da internet é meramente o da panfletagem, subutilizando a característica mais valiosa da rede, que é a possibilidade de troca e de debate, do estabelecimento rápido de referências a textos e idéias. Esses, não querem a troca porque estão num eterno comício, onde a massa está lá embaixo e só ouve o que eles gritam ao microfone.
    O comentário de Eduardo Guimarães aqui em cima ilustra bem isso.
    Acho que o primeiro grupo, com tudo o que tem de positivo, também está sujeito a alguns limites impostos pelo objetivo maior que é o de fornecer uma fonte de informação favorável ao governo, mas o fazem de uma forma infinitamente mais elegante e profunda que aqueles outros.
    Com relação à questão do subsídio do governo, se todos os que recebem ajudas de custos agissem como Azenha, Rodrigo ou Conceção, acho que seria até um dinheiro bem gasto e legítimo. Afinal, quem votou no PT, quer ouvir e ter informações que vêm desse campo ideológico, e Azenha, Vianna e Conceição, por exemplo, o fazem de forma, a meu ver, muito correta, e contribuem, até certo ponto, para esse amadurecimento, querem debater idéias.
    Se por vezes incorrem em desvios como, por exemplo, silenciar a respeito de certas questões, vejo, por outro lado, que estão conscientes disso, e aceitam de forma educada que lhes apontemos esses buracos nas suas pautas.

  22. “blogueiro progressista”… Tá mais parecendo comissionado de um gabinete tucano ou do DEM, tamanha falta de isenção e tendência oposicionista pura e simples!

  23. Por partes:

    O ataque é tão baixo que mal nos toca os joelhos. Quem é o calhorda que não assina o texto, não elenca quem são os blogueiros assalariados e suas fontes de pagamento?

    Conceição Oliveira deveria processar o infeliz (e covarde) apenas porque sua imagem foi associada ao texto. Eduardo Guimarães já desafiou Augusto Nunes, Reinaldo Azevedo e outros a investigarem sua vida, suas contas e tudo o mais. Nenhum deles teve coragem. Nem Ricardo Noblat teve coragem de fazê-lo.

    O eunuco (pode inferir o que quiser) “autor” do texto é tão de esquerda quanto foi Carlos Lacerda. No mais, é receber a grana afrodescendente do Partido e seguir em frente.

    Ô dó!

  24. Não acho que a Conceição e outros devam processar o site baseados na suposta “acusação” de serem patrocinados pelo governo, simplesmente porque isso, em tese, não é ofensa ou ilegalidade.
    Agora, que, uma vez patrocinados, desempenhem a tarefa com qualidade é outra questão, e é aí que eu quis diferenciar alguns blogueiros de outros, como fiz acima.
    Sentir-se ofendido ou vítima de uma acusação por conta deste texto, é reconhecer que é errado fazer parte de uma rede de comunicação social de um governo legítimamente eleito o que, a meu ver, está errado.
    O Congresso aprovou o orçamento da União e destinou uma verba para Comunicação para o governo.
    Se ele quiser gastar essa verba patrocinando blogs de qualidade como alguns que citei anteriormente, não vejo problema e, sobretudo, não vejo ilegitimidade ou ofensa, mesmo que possa não concordar com tudo o que aparece lá.
    O texto aqui, me parece, só quis ilustrar, eventualmente, que as posições de esquerda reclamadas por grande parte dos blogueiros progressistas não são marxistas.
    Se o termo esquerda só pode se referir aos marxistas, é algo que talvez ainda deva ser debatido.
    Mas, repito, não existe ofensa, porque um suposto financiamento do governo a comunicadores socias não é ilegal e está previsto no orçamento da união.
    De resto, os comentários fanáticos não acrescentam nada, e só reforçam a importância do texto.

  25. Sem tempo para bate boca, para molecagens.

    Detratar um movimento como o/os autores deste texto fizeram com o blogprog, usar indevidamente minha imagem (criando uma relação falaciosa entre cotas de patrocínio para um encontro e ‘salário de governo’) agora virou ‘preservar debate’?

    Terminarei minhas tarefas urgentes e tomarei as devidas providências.
    Sem mais.

  26. “Quero, então, fazer um desafio público a esses jornalistas e aos patrões deles. Abro todos os meus sigilos para que possam buscar o menor indício de que o que dizem é verdade. Não negarei uma só informação que requisitem.

    Podem vir à minha casa ver como vivo, tiro extratos de minhas contas bancárias, mostro a eles minhas declarações de imposto de renda, enfim, dou a essa gente acesso irrestrito à minha vida com o compromisso de que, se não surgir um mísero centavo de dinheiro público, digam publicamente que ao menos este blogueiro não recebe nada para dizer o que diz.

    As acusações que essa gente faz são injustas e, a meu ver, criminosas. Se você é blogueiro, simpatiza com o governo Dilma ou com o PT e diz isso em seu blog, automaticamente está tachado de “chapa-branca”, acusado de vender a sua consciência e a sua pena por dinheiro.

    Em minha opinião, portanto, os blogueiros que têm opiniões como as minhas deveriam se unir e questionar esses jornalistas, pois todos são atingidos pelas acusações genéricas que fazem.

    São acusações a centenas, talvez milhares de pessoas como eu que, além de não ganharem dinheiro com o que escrevem, ainda gastam para fazê-lo, pois, como não têm receita em seus blogs, tiram do bolso os custos de manter uma página de política na internet, o que os obriga a gastar com hospedagem virtual, com contatos telefônicos, com deslocamentos físicos etc.”

    Eduardo Guimarães

  27. Joaquina, um site excelente nem sempre publica textos bons. Uma coisa é criticar um texto ou seus autores, outra é o site. E outro coisa é achar que porque foi bom um dia, sempre o será.

    Eu compartilho as críticas daqueles que acharam que o texto não aponta exatamente a quem se direciona e tende a colocar num balaio genérico e imaginário coisas muito diferentes: por exemplo, blogs patrocinados por empresas estatais, blogs independentes que no entanto se preocupam mais em defender o governo do que causas de interesse dos trabalhadores e do povo, e blogs que são independentes e que ficam do lado dos debaixo independente de quem esteja em cima.

    Enfim, achei o texto infrutífero e com tom de reclamação vazia.

  28. Escrever e não assumir? Nos dias de hoje? Com essa democracia toda? Sai prá lá! A senha do blog está com o Carlinhos Cachoeira?

  29. Léo,

    Para aqueles a quem a carapuça serviu o principal é a vaidade (olha eu estou na foto, tá certo que tem mais gente e a foto focava o Lula, mas estou lá) e sair do centro do debate: um conjunto de atores na rede que interditam outras demandas. Não existe só o PIG, existem demandas gritantes não atendidas e o governo tem que ser criticado e combatido por não atendê-las.

    Quer um exemplo? Por que nunca na história deste país se distribuiu livros de artes para os alunos da rede pública? Como é que se tem “educação artística” sem livros de arte?

    Quer outra? Por que mesmo com ministras, secretárias e tantas mulheres ativistas não há uma blogagem coletiva para se acabar de vez com esse horror escravocrata que é o fato de as domésticas não terem, por lei, os mesmos direitos que os demais trabalhadores?

    Tem gente que fica blogando enquanto a empregada lava, limpa e passa, vai ver não interessa domésticas com o mesmo direito.

  30. A publicação de um texto anônimo, com graves acusações pessoais, sob o pretexto de “evitar a interdição do debate” viola de maneira flagrante as regras do debate público.

    É lamentável que um site que se diz de esquerda lance mão de um estratagema tão anti-ético e covarde.

    Os erros, idiossincrasias e tendências da blogosfera – que é muito mais variada do que o texto sugere – devem, sim, ser debatidos (e em alguma medida já têm sido, inclusive pelo meu blog).

    Mas, para o bem da democracia, é imprescindível que essa discussão se dê dentro dos padrões éticos que todos lutamos para que sejam o da esfera pública – ou seja, com autoria assumida e acusações baseadas em evidências. Se não, não passa de calúnia anônima.

  31. O Passa Palavra já publicou e continuará a publicar textos assinados por coletivos ou por pseudônimos, desde que para nós os autores estejam devidamente identificados. E consoante o nosso Estatuto Editorial ( http://passapalavra.info/?p=151 ) respeitamos o sigilo das nossas fontes de informação. Não somos ingênuos a ponto de pensarmos que numa democracia representativa assente num sistema econômico empresarial os assalariados correm o mesmo risco de represálias que os patrões.

  32. Engraçado, alguns dos blogueiros progressistas que cá vieram condenar a crítica exposta no texto (e ameaçarem *judicialmente* os autores da crítica) condenam o uso do anonimato. Porém, estes mesmos blogueiros/as sempre retuítam um anônimo que não mede esforços para criticar os críticos de esquerda. Refiro-me a @stanleyburburin. Santa hipocrisia!

    Quando provam do mesmo veneno que se fartam em utilizar, dois pesos e duas medidas?

  33. Estranho que Mauricio Caleiro fale em “graves acusações pessoais” quando boa parte dos críticos ao texto o são por ele ser totalmente impessoal, não nomeando ninguém em específico.

    Outra questão é sobre ameaças de processo jurídico. Com todo espaço para réplica, nos comentários ou em seus respectivos blogs (que possuem certamente muito mais acessos que este site), estranho que alguém que se diz democrata e de esquerda corra logo para o Judiciário (com tudo que este poder tem de classista). Me fez lembrar um procurador do Ministério Público, ultra-conservador, da Opus Dei, que certa vez me processou… Pelo jeito a liberdade de expressão deve existir desde que ‘não me desagrade’.

    Apesar de não ter gostado do texto, defendo até o fim o direito de ele ser publicado.

  34. Tenho um amigo espírita que acaba de receber de Maurício Tragtenberg um texto intitulado “A delinquência blogueira”. Quem conhece seu clássico “A deliquência acadêmica” poderá receber o texto bastando substituir a palavra academia por blogosfera e professores universitários por blogueiros.

    http://www.espacoacademico.com.br/014/14mtrag1990.htm

    Chamada: “O tema é amplo: a relação entre a dominação e o saber, a relação entre o intelectual e a blogosfera como instituição dominante ligada à dominação, a blogosfera antipovo”

  35. O PT se tornou uma legião de puxa-sacos. E boa parte deles estão à solta na internet.

    Mas esse texto dos “blogueiros de esquerda” é um lixo completo. Não apresenta qualquer subsídio para seus argumentos ou acusações, todas elas totalmente vagas e genéricas.

    Pra dar o pau que queriam precisam comer muito feijão ainda…

  36. que reação curiosa. É evidente que boa parte dos blogueiros “progressistas” é governista. A parte dos supostos “assalariados” de fato poderia ser abordada com mais cuidado. Mas assumir como acusação pessoal e ameaçar de processo? Hmmmm: quero ver a mesma fúria com os desmandos do poder público.

    Em dezembro de 2009 fui ao II Fórum de Mídia Livre, em Vitória. Ainda tentava manter o site da Agência Repórter Social, que criei com amigos em 2003. Chegando lá, vi que o evento era patrocinado por Petrobras e outras instituições governistas. E que eu era um dos únicos patetas que tinham pago a passagem do próprio bolso. Senti-me um estranho no ninho.

    Para completar, os Pontos de Mídia Livre eram (ou são, não acompanhei mais) bancados pelo Ministério da Cultura. Fosse só isso vá lá, se todos mantivessem uma cobertura independente em relação ao governo. Mas não é isso o que acontece.

    A entrevista de dez blogueiros progressistas com o presidente Lula, em 2010, quase não tinha blogueiro crítico ao governo, ou independente. Um dos participantes da entrevista me disse isso, constrangido.

    A frase do Millôr segue atual: “Jornalismo é oposição. O resto é armazém de secos e molhados”.

  37. Este artigo é acusado de ser vago e não demonstrar as acusações de maneira detalhada. Ao mesmo tempo é acusado de ser calunioso e ameaçado de processo em tribunal. Será que, se fosse mais detalhado nas provas, a ameaça de processo desapareceria?

  38. Quando o Passapalavra publica contra o Serra é um site sério, excelente. Quando publica contra a blogosfera petista é um lixo e deve ser processado. Trata-se de moleques…

  39. Ceição, que coisa gringa é essa de querer sair ameaçando por “uso indevido de imagem”?
    Que parte do “esquecer do próprio ego” vocês, Maurício, Edu e Ceição se esqueceram?
    Ou vocês acham que ativismo tem que passar necessáriamente por uma figura pessoal, de preferência a de vocês mesmos?
    O grande pulo do gato da resistência ao statu quo é a ampla difusão impessoal e desinteressada de informação. E é o último e mais inteligente recurso a ser usado.
    O primeiro é sempre a violência e a ameaça, igualzinho ao estado/governo.
    Se a verdade os incomoda tanto assim, porque não tentam fazer algo sem usar o aparelho estatal? Ou será muito difícil para vocês?

  40. Eu não conheço Conceição Oliveira, que pelo nome deduzo tratar-se de uma mulher. Mas na tal fotografia vejo à direita uma cabeleira, poderá tratar-se de uma peruca, a qual oculta o/a portador/a. Vejo o presidente Lula, que calculo que não ande a colocar comentários nos sites com um nome de mulher, e vejo um moço bonito de barba e um senhor de óculos, nenhum deles com aparência de se chamar Conceição.

  41. Vou escrever aqui como colaborador do blog Maria Fro, não como jornalista. O texto acima diz não querer fazer acusações pessoais, mas mesmo sem citar nomes, faz acusações, e gravíssimas, e justamente por não dar nome aos bois essas acusações acabam sendo bastante levianas.

    Apesar de não se citar nomes, se coloca uma foto onde aparece a blogueira Conceição Oliveira, que perguntou acima, educadamente, que tipo de alusão se faz a ela com essa foto ao lado de um texto onde se acusa aos Blogueiros Progressistas de serem financiado pelo PT e de ditarem a suposta agenda programática do PT nas redes. A resposta que deram a ela foi realmente lamentável: “se você se sentiu atingida por esta menção…”.

    Queiram ou não, o texto original com a foto onde ela aparece e a resposta, com essa frase lamentável citada acima, dão a entender que a blogueira Conceição Oliveira é financiada pelo PT, e isso é de uma irresponsabilidade sem tamanho.
    Fico, por exemplo, com um comentário que está acima do da Conceição, do Lucas Morais, um amigo a quem eu sigo em diversas redes sociais. Sobre uma crítica feita aos Blogueiros de Esquerda, o Lucas respondeu: “há nos Blogueiros de Esquerda uma diversidade imensa. Ex-partidários, partidários, independentes, e daí por diante”. Curiosamente, a crítica a qual o Lucas respondeu, defendendo os Blogueiros de Esquerda, é da mesma leviandade do texto original com os Blogueiros Progressistas.

    Não sou um blogueiro, nunca fui a um Encontro anual, embora gostaria de ter ido, e não me julgo representante deles. Porém, me lembro de um texto do Renato Rovai, da época do primeiro BlogProg, dizendo que ele era contra incluir o adjetivo “progressistas” ao evento, porque a ideia era fazer um encontro de blogueiros, não importando a tendência política, e que o evento estaria aberto, inclusive, a aceitar debatedores de direita que estivessem dispostos ao debate maduro. Não era um evento partidário nem anticapitalista, nunca foi, pelo que entendo eu, que nunca fui a um. É um evento que visa fortalecer a blogosfera como meio de comunicação.

    No grupo que se convenciou chamar Blogosfera Progressista, que inclui os mais assíduos blogueiros e entusiastas dos blogs, existe um público que se encaixa perfeitamente ao que o Lucas Morais usou prá descrever os Blogueiros de Esquerda, pois entre os Blogueiros Progressistas também “há uma diversidade imensa: ex-partidários, partidários, independentes, e daí por diante”.
    Entre os Blogueiros Progressistas há muitos blogueiros que são militantes partidários, há jornalistas, há gente que simplesmente pensa e quer expressar democraticamente sua opinião.

    Há, por exemplo, a Conceição Oliveira, cujo blog, na minha nunca modesta opinião, é o melhor da rede, e por isso sou antes de tudo um entusiasta, que teve a oportunidade de ser também um eventual colaborador, o que me deixa muito feliz. Nos dois anos em que acompanho o Blog Maria Fro, posso dizer que vi muitas coisas interessantes: vi a blogueira defender o legado do presidente Lula como um dos maiores ou quiçás o maior presidente da história do Brasil com o mesmo entusiasmo com o que criticou e ainda critica as coisas que a blogueira acha que ficaram faltando no governo. A vi defender a candidatura da Dilma e celebrar sua vitória, com o mesmo entusiasmo com que cobrar da Dilma as promessas feitas em campanha e critica duramente o governo em casos como o do Código Desflorestal, a declaração infeliz da Dilma dizendo que “não faz propaganda de opção sexual”, o terrível PNBL apoiado pelo Bernardo, e por aí vai. Vi a blogueira mostrar seu incondicional apoio aos movimentos sociais, e quanto a isso só pode colocar em dúvida a integridade dessa blogueira quem não acompanha o blog.
    Vi e vejo na blogueira Conceição Oliveira um sentido de responsabilidade que falta a boa parte dos blogueiros (progressistas ou de esquerda, não importa), além da coerência comprovada pelo fato dela ser constantemente criticada por gregos e troianos: os militantes petistas mais radicais a chamam de antigovernista e os chamados esquerdistas antigoverno a acusam levianamente (não é a primeira vez) de ser patrocinada pelo PT. Nunca vão entender que ela é somente uma pessoa com opinião independente.

    Porque isso é o legal do Maria Fro: lá você a vai ver concordar com o governo, mas nunca de forma incondicional, como querem os militantes petistas, já que ela se reserva o direito de criticar o que ela acha absurdo, sempre mantendo uma coerência. Também a verá criticar o governo, mas nunca da forma chovinista e maleducada como fazem, por exemplo, alguns psolistas, que chamam a presidenta de “Dilmão”, o que, queiram ou não, significa questionar asquerosamente a sexualidade da Dilma – e lamento constatar que até mulheres utilizam essa alcunha.

    “Ah, mas isso não é ser de esquerda ou ser anticapitalista, é ser defensora do capitalismo”. Esse é o segundo erro grosseiro do texto acima: pretende criticar uma suposta tentativa de uniformização do debate por parte de supostos patrocinados pelo PT enquanto rotula pessoas que nem conhece e tenta, contraditoriamente, uniformizar por eliminação o debate, o tal do: “quem não concorda com o que escrevemos vestiu a carapuça e não é anticapitalista, além de ser um patrocinado em potencia”.

    Acho tudo isso muito imaturo, e prá não ser imaturo, o mínimo que se poderia fazer para uma postura realmente responsável com a Conceição, já que a alusão a ela é evidente pela foto é ou confirmar que as acusações do texto realmente se referem a ela, sem hipocrisias nem covardias, ou que, se os que escreveram não acreditam e/ou não tem como provar que a Conceição recebe dinheiro do PT, que façam as devidas correções, e se pudessem ter a grandeza de pedir desculpas seria ainda melhor.

    Mas claro, há de se ter grandeza prá se pedir desculpas.

  42. Quem é essa Maria Conceição frô? A cabeleira de costas na foto? Mas que ego enorme, ou que carapuça, pois na foto obviamente se foca numa personalidade devidamente conhecida, não numa cabeleira de costas. Que essa mulher e seus seguidores limitem-se a seu papel de não protagonistas, mas se ela quer fazer propaganda para seu blog, bem, eu vou lá ver do que se trata.
    E vir ameaçar com processo? Nossa, dê a mão para o PSDB e para o legalismo tacanho, já se vê de que time ela faz parte.
    Mas quando não quiser fazer mais molecagem, que discuta seriamente o conteúdo do texto, sem personalismo de alguém que não tem todo esse glamour, desculpa frôr. Se ainda fosse o Lula, vá lá… deveria ser blogueiro do EU, que falo qualquer coisa para aparecer…

  43. 1

    Caro Victor Farinelli,

    Como comentamos mais acima, o texto, por princípio, não tem o interesse de mencionar o nome de ninguém, nem de blogueiros progressistas, nem de esquerda, e nem o de ninguém, justamente para não favorecer à ocorrência do que houve aqui: o desvio de um debate potencialmente frutífero sobre coisas e ideias – em que, inclusive, as próprias críticas que são feitas a nós, blogueiros e blogueiras de esquerda, são bem-vindas –, para um debate no nível que está, sobre acusações e ameaças de processos na justiça burguesa.

    A(s) foto(s) que estão relacionadas ao texto foram inseridas pelo coletivo do Passa Palavra, e não por nós, blogueiros e blogueiras, que escrevemos o texto. Portanto, a relação entre a foto e o texto não foi intencional por parte de nós e em momento algum escrevemos com a intenção de atingir a imagem da Conceição Oliveira. E também acreditamos que o coletivo de Passa Palavra, certamente, ao escolher esta imagem que estampa na entrada do portal, quis ressaltar a ligação dos blogueiros e blogueiras progressistas com o governismo lulista, por isso a imagem de Lula com um banner ao fundo que exibe a logotipo de várias instituições, empresas, sindicatos e organizações. Também acreditamos que o coletivo de Passa Palavra sequer possuía conhecimento de que a pessoa em questão, à direita na imagem, tratava-se de Conceição Oliveira, e muito provavelmente só tomaram este conhecimento quando a própria veio aqui indignada, nos comentários, reclamar desta associação. Mas, quanto a isto, o próprio coletivo de Passa Palavra poderá nos responder.

    Portanto, muito provavelmente o nome de Conceição Oliveira sequer seria citado ou aludido, mesmo no debate promovido aqui nos comentários, exceto: caso a própria viesse aqui e feito o que fez.

    2

    Àqueles que reclamam pelo texto ter sido escrito sob anonimato, respondemos que nós já esperávamos esta reação legalista e apoiada no aparato judiciário burguês, mesmo sem mencionarmos nomes de pessoas físicas. Justamente por isso, não pretendemos o esforço desnecessário de promover este combate em um âmbito onde aquele quem possui mais dinheiro recebe mais benefícios por parte da “justiça” .

    Não gostamos de escrever assim, anonimamente, mas preferimos nos poupar das intimidações e ameaças que foram colocadas aqui acima. E estávamos certos, né? Se anonimamente já foi assim…

    3

    Acreditamos também que a crítica exposta nesta breve crítica que publicamos aqui em Passa Palavra atingiu em cheio os modestos objetivos que tínhamos, que foi dar visibilidade a esta questão e provocar a discussão. Tanto é assim que, como antecipamos no texto, trata-se de um modus operandi frequente a reação desqualificativa já está correndo na rede, veja: https://twitter.com/#!/search/%23blogueiroscanhotos . Estes blogueiros agem como crianças se unindo para promover bullying contra aquelas mais fracas e pouco numerosas. Interditam o debate e, na sequência, iniciam uma campanha desqualificativa.

    Além da desqualificação, os blogueiros governistas tentam intimidar àqueles que por dedução acreditam estarem envolvidos na publicação do texto. Esta tática de amedrontamento apenas revela o óbvio: o desespero que afligiu os blogueiros que criticamos sem sequer tenhamos mencionado nomes e endereços na web.

    Como salientamos acima, a intenção do texto não é desqualificar, e sim promover a crítica para que floresça o debate e a opinião, em uma palavra, o conhecimento.

    Menos claque, mais discussão!

  44. Então vamos por partes:

    “Como comentamos mais acima, o texto, por princípio, não tem o interesse de mencionar o nome de ninguém, nem de blogueiros progressistas, nem de esquerda, e nem o de ninguém, justamente para não favorecer à ocorrência do que houve aqui: o desvio de um debate potencialmente frutífero sobre coisas e ideias”

    – > Se vocês quisessem realmente um “debate frutífero” estariam debatendo ideias, e no texto as ideas foram voluntariamente solapadas por uma acusação gravíssima de que, segundo vocês, há Blogueiros Progressistasque recebem dinheiro do PT prá interditar o debate na blogosfera, o que, se for respaldado por provas, se torna não só um debate pertinente senão um fato jornalisticamente relevante, mas enquanto for uma alusão sem provas se torna uma acusação irresponsável, que como não cita nomes funciona como metralhadora giratória. O problema é que como vocês colocaram a foto da Conceição Oliveira, a acusação acaba aludindo diretamente a ela, e em suas respostas vocês sequer tem a coragem de confirmar claramente ou desmentir claramente, com uma ambiguidade que denota cinismo. Não entendo como alguém que quer por o debate por sobre as acusações pessoais não é capaz de, em nome do debate, corrigir ou confirmar a alusão feita através da foto, é de uma contradição atroz.

    “As próprias críticas que são feitas a nós, blogueiros e blogueiras de esquerda, são bem-vindas –, para um debate no nível que está, sobre acusações e ameaças de processos na justiça burguesa”.

    – > Me soa bastante contraditório esse comentário, porque vocês depois reclamam de bullying na mesma resposta a mim, e no texto original vocês reclamam dos rótulos que seriam atribuídos a vocês por suas ideias, só que, paradoxalmente, vocês me chamam de “claque” por eu achar absurda a acusação feita à blogueira. Isso é debate com respeito? O comentário feito logo após o meu, onde uma pessoa também anônima classifica despectivamente a blogueira como uma mera “cabeleira de costas na foto”, também vai ser chamado de “claque”? Tomara que não, tomara que a essa pessoa anônima não se use a falta de respeito que ela mesma teve prá com a Conceição, mas visto que esse comentário não foi o único comentário ofensivo contra ela entre os 50 que vimos acima, eu sou obrigado a questionar: essas ofensas pessoais contra tudo e todos que não concordam com ou se sentem aludidos pelo texto é o que vocês chamam de “debate frutífero”? Seu conceito de democracia é que se eu não concordo com a alusão feita à blogueira através da foto eu sou “claque”? Esse é o respeito que vocês pedem no texto original, quando dizem pretender um debate sem desqualificações pessoais?

    “A(s) foto(s) que estão relacionadas ao texto foram inseridas pelo coletivo do Passa Palavra, e não por nós, blogueiros e blogueiras, que escrevemos o texto. Portanto, a relação entre a foto e o texto não foi intencional por parte de nós e em momento algum escrevemos com a intenção de atingir a imagem da Conceição Oliveira”.

    Quando uma ideia publicada e ela vem com uma alusão errônea, através de uma passagem do texto ou uma foto que insinua algo incorreto, e seja essa alusão voluntária ou involuntária, quando se tem uma responsabilidade naquilo que é publicado, a gente corrige o erro, no mínimo, prá não dar margem prá nenhum tipo de interpretação equivocada. Se não se corrige o erro é porque se está confirmando a alusão exposta no que foi publicado. Neste caso, o texto faz uma acusação importante e, junto com essa acusação, está uma foto onde a figura exposta nela é imediatamente ligada a acusação que se faz, independente de se isso foi voluntário ou não. Se realmente foi involuntário, se esperava que, numa postura ética, fosse feita uma correção, e que as respostas tivessem um pouquinho mais de respeito, e não as desqualificações pessoais que estamos vendo.

    “E também acreditamos que o coletivo de Passa Palavra, certamente, ao escolher esta imagem que estampa na entrada do portal, quis ressaltar a ligação dos blogueiros e blogueiras progressistas com o governismo lulista”.

    – > Gostaria de saber qual é a opinião do coletivo de Passa Palavra, que imagino que não se escondem atrás de um anonimato, e que segundo os Blogueiros de Esquerda são os responsáveis pela foto que constituiu, junto com o texto, a alusão a que a blogueira Conceição Oliveira seria financiada pelo PT, se eles acham que fazer uma alusão dessas configura uma postura minimamente ética.

    “Portanto, muito provavelmente o nome de Conceição Oliveira sequer seria citado ou aludido, mesmo no debate promovido aqui nos comentários, exceto: caso a própria viesse aqui e feito o que fez”.

    – > Ou seja, vocês acham que quem fez a alusão foi ao própria blogueira? É isso? O fato de ter uma foto dela no texto que acusa o que acusa prá vocês não significa nada? Eu não tenho como saber quem são vocês, mas conheço um cara que, pelo que comentou acima, imagino que conhece quem está por trás dos Blogueiros de Esquerda. O Lucas Morais, imagino eu, se sentiria a vontade se fizessem uma alusão contra ele dessas assassinas de reputação, ao estilo Veja, ele dizendo, por exemplo, que ele ganha dinheiro das FARC prá fazer jornalismo? Eu tenho certeza que ele não gostaria. Eu moro no Chile, país onde o governo busca qualquer desculpa prá aplicar Ley Antiterrorista contra jornalistas como eu, se esse texto tivesse a minha foto, por exemplo, fazendo portanto a alusão de que eu receberia dinheiro do PT prá escrever o que escrevo, um fiscal do governo chileno poderia inclusive usar isso prá me prender através da Ley Antiterrorista. Com esse exemplo, ainda não ficou claro o tamanho da irresponsabilidade?

    “Àqueles que reclamam pelo texto ter sido escrito sob anonimato, respondemos que nós já esperávamos esta reação legalista e apoiada no aparato judiciário burguês…”

    – > Quando foi que eu reclamei do anonimato? Eu reclamei da postura imatura de vocês. A alusão à blogueira Conceição Oliveira é evidente, ainda que vocês tentem desqualificar pessoalmente os que apontaram o erro e a própria blogueira (um dos comentários diz que se trata só de vaidade da blogueira, ou seja, se uma pessoa é acusada de receber propina de outrem e acha que está sendo difamada por essa acusação leviana, isso configura somente “vaidade”, porque qualquer pessoa que é acusada de algo assim, o que faz? Fica calada?), nada disso vai mudar o fato de que a foto transforma o texto numa acusação à Conceição Oliveira, da qual vocês tem consciência, ainda que a origem disse tenha sido involuntária, como vocês dão a entender. Reitero que quando eu coloco uma foto que deturpa aquilo que eu quis dizer e faz alusões que eu não queria fazer, eu corrijo e peço desculpas à pessoa aludida. Aliás, é tão simples corrigir esse erro que eu menos ainda entendo qual a razão por se insistir tão ortodoxamente no erro, inclusive justificando, com uma desqualificação pessoal, o uso de uma foto que se sabe que criou uma alusão leviana.

    “Estes blogueiros agem como crianças se unindo para promover bullying contra aquelas mais fracas e pouco numerosas. Interditam o debate e, na sequência, iniciam uma campanha desqualificativa”

    – > E as desqualificações contra a Conceição Oliveira que vimos aqui acima são alguma prova de maturidade? E me chamar de “claque” é debate com respeito sem desqualificações infantis?

    Enfim, espero, como disse no comentário anterior, que vocês tenham a grandeza de fazer uma mínima autocrítica e corrigir o que fizeram de errado, em nome da preservação do debate sem acusações levianas, que é o que vocês dizem defender. E digo isso sem ameaçar nada nem ninguém de nenhuma represália, apenas apelando ao bom senso e ao sentido de ética que espero que vocês tenham.

  45. Victor Farinelli,

    acho sinceramente que você perde o seu tempo com a tentativa longa de intimidação, de censura, de tolher o de debate. Ele já foi feito, o texto já foi republicado em inúmeros blogs, distribuído a contento no Facebook, listas de e-mail e outros. Sua tentativa de disfarçar com palavras mais amenas a mesma intenção tolhedora exposta pela imatura perdeu o time. Depois das ameaças daquele que escreve como Eduardo, de outros e da imatura o que resta é esperar.

    Fico de antemão orientada sobre o gosto dos progressistas em levar a inteligência coletiva e o debate público para o martelo final do judiciário. A luta contra a censura não é de hoje e não vai ser agora que irão calar as pessoas.

    Beijo, seu lindo.

  46. Victor, isso já está beirando o ridículo.
    O texto não cita nomes e a blogueira em questão está DE COSTAS. E só formos saber que era ela porque a mesma veio a esse espaço dizer que aquela cabeleira era dela. Eu sei que pode parecer duro para você – já que você se mostrou ser o fã número um da Conceição – mas ela não é tão famosa assim e não é perfeitamente possível reconhecê-la a partir da foto.
    A julgar como o debate está sendo desviado para uma questão de ego ao invés de se ater às críticas do texto já podemos ver que a causa é o menos importante para os “pogreçistas”.

    No mais, eu vou deixar um vídeo de inspiração para a sua defesa (contra o quê mesmo?) da Conceição:

    http://www.youtube.com/watch?v=kHmvkRoEowc

  47. O texto poderia analisar com mais profundidade a questão do jornalismo na blogosfera. A relação entre BlogProg e jornalistas. Vícios, macetes, distorções da grande imprensa, a que muitos blogueiros declaram se opor, vêm sendo importados e reproduzidos. Os jornalistas se instalam nas novas mídias com o mesmo esquema teórico e forma de atuar dos jornalistas tradicionais, então essas mídias não são exatamente ‘novas’. Estou falando da autopercepção de se considerarem mediadores dos fatos, formadores de opinião, depositários do profissionalismo e da credibilidade em meio à “barbárie” da internet. Nessa lógica, o texto será tão melhor quanto mais próximo estiver do padrão jornalístico (cuja excelência inconfessada é a Folha de S. Paulo). Todo o resto, quando não interessa, é facilmente desqualificado como ideologia, teoria, sujeira e molecagem, de baixo nível. Nesse raciocínio, precisaríamos dos eventos do BlogProg para sermos capacitados pelos genuínos profissionais da mídia. E assim alguns blogueiros-jornalistas falam do alto, muito do alto, para a “massa” de receptores e meros leitores, que eles buscam maximizar em quantidade, para se credenciarem como representantes dessas mídias. E reaparece o corporativismo jornalístico, uns se credenciam aos outros, que acaba renunciando ao senso crítico em prol de blocos massificados com a mesma informação. Em vez de favorecer a cauda longa, a multiplicação de emissores e formatos, de colaborações e de parâmetros de produção da verdade fora da lógica dominante (no que o PassaPalavra tem mérito). Gostei da crítica aos Encontros, que só podem ser superficiais, porque o debate entre jornalistas enquanto tais é assim mesmo. Penso que uma crítica da mediação jornalística, e da abstração real implicada nesse tipo de mídia, tem muito mais incidência para desconstruir essa máquina do status quo, do que simplesmente moralizar o tom acusando A ou B ou C, ou então genericamente o grupo (denuncismo, a vagueza acusatória…), de receber salário ou propina. Mesmo que recebessem verba por algum mecanismo indireto, mesmo assumindo essa hipótese, ainda assim não dá pra afirmar que são progressistas porque são remunerados (não tem autonomia), e não que são remunerados porque são progressistas (tem autonomia, continuariam falando a mesma coisa mesmo sem o dinheiro e nada impede amanhã esse vínculo se dissolva). Isso seria admitir a hipótese capitalista que o dinheiro compra tudo e corrompe tudo, que é a encarnação do mal, que tudo pode ser quantificado e comprado. Posso compreender, embora eu divirja em vários momentos, o áspero esquema anticapitalista sobre o qual se move o texto; mas quando pende para a insinuação moral, o narrador sai do materialismo e arma um julgamento de intenções ocultas ou de índole pessoal, e aí fica mesmo parecendo invocação de superioridade moral. No fim das contas, todo o dinheiro pertence aos bancos (a dívida é infinita), e eu concordo com um comentário aí em cima que, mesmo admitindo todos os problemas apontados, ainda assim valeria a pena direcionar alguma verba a blogues de qualidade como da Maria Frô e do Viomundo (do EduGuim certamente não). E também ao PassaPalavra, e também a toda a blogosfera que se proponha a produzir com autonomia. Não é outro o espírito da política de Pontos de Mídia Livre e Pontos de Cultura, que aliás vem sendo prejudicada no atual governo. Como articular esse autonomia dentro da distribuição de renda propiciada por algumas aberturas dentro da máquina representativa, é algo a se pensar e trabalhar além de denúncias morais de cooptação ou prostituição profissional, o que também vale para a análise de outros programas como o bolsa família, o prouni, o projovem etc. Neste aspecto, o artigo é realmente limitado.

  48. O que está beirando o ridículo é a forma como vocês se contradizem. A pessoa anônima que volta a ofender a Conceição Oliveira de maneira baixa e chovinista (a ideia não era debate com respeito e sem desqualificações? que exemplo ahn?) define que o conflito é só uma mera disputa de quem tem mais audiência na rede, o que lhe dá a letra prá mais desqualificações ao estilo “nós somos os que fazemos sucesso e vocês não são ninguém prá debater com a gente”, algo que é de uma noção de democracia que me comove.

    Joaquina, que suponho que seja outro alter ego dos Blogueiros de Esquerda, me acusa de fazer ameaças veladas, de fomentar a censura, algo que ela evidentemente mal consegue sustentar. Apenas apelei ao bom senso, pro caso de vocês terem algum mínimo de autocrítica, mas vocês preferem se embebedar com a própria arrogância, o que denota uma imaturidade que contrasta com o fato da própria Joaquina gostar de se referir assim a outras pessoas sem olhar pro próprio umbigo e sem ser capaz de um mínimo de autocrítica, como seus companheiros de anonimato.

    As inúmeras contradições do texto com a postura intransigente e a favor das desqualificações pessoais usadas pelos alteregos e pelo próprio coletivo Blogueiros de Esquerda demonstram a consistência do que foi publicado, e que as pessoas que se escondem por trás dos pseudônimos não estão dispostas ao mais mínimo debate, o que se comprova pelo fato de que todas as pessoas que discordaram ainda que minimamente e educadamente do texto foram inevitavelmente atacadas, desqualificadas e acusadas disso ou daquilo.

    Quem não sabe conviver com as diferentes opiniões não sabe debater, e eu ainda não vi os Blogueiros de Esquerda convivendo com uma, uminha que seja, opinião discordante.

  49. Sobre esta pinimba envolvendo a blogueira Conceição Oliveira (ela é a “Maria Frô”, né?!), de fato inidentificável apenas pela imagem, ressalto que o texto refere-se literalmente a “quadros assalariados E apoiadores do governo”. Se ela não recebe diretamente nenhum dinheiro do governo, pelo seu blog, certamente se enquadra no perfil de “apoiadores do governo”. Se uma carapuça não serve, a outra se ajusta perfeitamente.

    Então, bola pra frente! E vamos seguir discutindo o essencial que é a postura governista e (mais ou totalmente) acrítica de muitos “blogueiros progressistas” quando o assunto é Lula, Dilma e as barbaridades cometidas pelo PT e seus acólitos.

  50. Boa tarde, amigos do Passa Palavra. Sempre leio o blog, mas nunca comentei.

    1. Em primeiro lugar, acredito que é o cúmulo do disparate pessoas que se dizem de esquerda – ou, vá lá, “progressistas” – tentarem desqualificar um texto, sem lidar com seus argumentos, porque ele está assinado coletivamente. Não conhecem nada sobre a longa, milenar história dos oprimidos, que sempre recorreram à assinatura coletiva ou à pseudonímia para se expressar? Isso importa? Ou é uma cortina de fumaça para não tratar dos argumentos que estão expostos no texto?
    2. Maurício Caleiro, o texto não é “anônimo”. Confira seu dicionário. O texto é assinado por um coletivo, Blogueiros de Esquerda, que você pode identificar na internet se quiser. O Passa Palavra não é “anônimo”. É um site com endereço fixo na internet, perfil no Twitter, email de contato. Pelo jeito você não só não sabe o que é “anônimo”. Parece não saber também o que são “acusações pessoais” pois diz que as contém um texto que não cita nominalmente uma única pessoa.

    3. As insinuações da Conceição Oliveira de que “tomará providências” e alusões no Twitter a “uso indevido de imagem” beiram o ridículo e fariam gargalhar qualquer um que já tenha aberto um Manual de Direito Penal. Em primeiro lugar, ela não é citada nominalmente no texto. Em segundo lugar, ela não é exatamente uma celebridade reconhecível por fotografia, por mais que pense o contrário, muito menos por uma fotografia em que aparece de costas. “Uso indevido de imagem” pela publicação de uma foto em que se aparece de costas num evento público com o personagem político mais famoso da história do Brasil moderno? Posso lhe garantir, Conceição, que se algum advogado lhe disse que há algo imputável aqui nesta postagem, trata-se de um mal intencionado ou um mal preparado. Procure na história da jurisprudência brasileira alguma condenação por artigos 138 a 145 advinda de um texto em que não se cita nominalmente uma única pessoa, ou uma condenação por artigo 20 (uso indevido de imagem) por foto em que a pessoa de costas em evento público ao lado de um Presidente da República. É o cúmulo do ridículo. Não pague esse mico.

    4. O Victor Farinelli diz que “a alusão a ela é evidente pela foto”, o que demonstra que às vezes as pessoas simplesmente confundem o seu próprio e pequeno mundo com a realidade, pois eu, pelo menos, que acompanho muitos blogs, não tinha a menor ideia de que aquela era “Conceição Oliveira” e nem muito menos que ela era responsável por um blog chamado “Maria Frô”. O Victor nos diz que na sua opinião se trata do melhor da rede, então fui lá conferir. Vi um blog em que nas últimas 20 postagens só há um texto escrito pela dona do blog, dizendo que estava feliz de estar em Natal. As outras 19 são reproduções de coisas de outros lugares, inclusive do tal “PiG”. Este é o melhor blog da rede? Um blog de cópia / cola?

    5. O ponto que realmente importa no imbróglio todo, e é o que ficou escondido nesse rame-rame sobre questões tangenciais, como a assinatura coletiva do texto ou o uso da foto, é justamente o que importa, e que ficou claro pela própria intervenção dos defensores do “blogprog” aqui nesta caixa de comentários: na internet governista, a substância do argumento, quando ele é crítico ao governo ou a seus apoiadores, fica sempre deixada de lado em favor da desqualificação do interlocutor. Qualquer um que acompanhe a internet política sabe disso. O processo de cooptação é visível e ele pode tomar várias formas, muitas das quais incluem, sim, dinheiro – contratos na TV Brasil, negociatas do governo com a TV Record que emprega alguns desses blogueiros (alô, Ministério da Pesca!), banners de publicidade etc. – e outras formas que não são necessariamente financeiras, mas que incluem um aliciamento que transforma esses blogueiros em extensões do poder do Estado.

    Quem está lutando ao lado dos que lutam está em outro lugar. Abraços.

  51. Bruno Cava,

    tua crítica foi muito pertinente e deu margem para pensar coisas que nunca antes havia imaginado. De fato, imaginar distribuição de dinheiro para que as pessoas pudessem produzir mídia, tal qual há os pontos de cultura, é muito interessante. A questão é: será que algum governo faria isso simplesmente sem cobrar pagamento na forma de textos, vídeos e outros que fossem pró governo?

    Hoje, olhamos os blogs e boa parte já está engajada na campanha eleitoral. Enquanto isso demandas várias das periferias profundas são esquecidas diante da torrente eleitoral.

  52. Se você não tem nenhum argumento inteligível prá comprovar que ela é assalariada do governo nem apoiadora do governo, como vemos que você não tem, fica sendo só retorica vazia, de quem não sabe debater com outra coisa a não ser desqualificações pessoais.

    O que, ademais, comprova que, além das acusações vazias, das desqualificações pessoais e da polêmica barata, o texto original deste post não apresenta nada de minimamente relevante.

  53. Caro Eric,

    Nenhum blog individual produz boa parte das coisas que publica. Para que haja um blog alterego somente no copia e cola, uso de imagens, videos e textos publicados por outros. Detalhe, e pode ocorrer de o texto ser publicado sem permissão.

  54. Ai gente que besteira essa discussão toda!!! A internet taí pra ser hackeada mesmo!!! É um território livre e a gente tem que praticar a remixofagia mesmo!!!

    Ai gente, cansei!!! beijos, não me liga!!!

  55. Eric, as acusações não são pessoais porque vocês são covardes demais prá dar nomes, ou são cínicos demais prá acusar algo que vocês sabem que não tem como provar, exceto no caso da Conceição Oliveira, cuja foto aparece no texto e, portanto, acaba sendo diretamente aludida. Teu entusiasmo em criticar o blog dela, aliás, somente demonstra que vocês Blogueiros de “Esquerda” não tem nenhum argumento realmente inteligível, somente desqualificações pessoais (aquilo que no texto vocês dizem condenar quando é contra vocês, mas que é a única coisa que vocês sabem fazer contra os que discordam de vocês, desqualificar, por medo de um debate de verdade), carregadas de sujetividade e ressentimento, nada de concreto, nada de debate.

  56. Caro Victor:

    1. Eu acho que a falta de respostas aos problemas apontados no texto está te deixando meio biruta porque lá em cima você fala em “ataques pessoais” e agora você diz “as acusações não são pessoais porque vocês são covardes demais prá dar nomes”. Elas são pessoais, como você disse primeiro, ou não são pessoais, como você disse depois?

    2. Insisto que na sua cabeça, a foto de uma mulher de costas, de cabelo castanho claro, pode significar que um texto que não nomeia ninguém está “diretamente aludindo” a essa pessoa. Não é esse o entendimento dos leitores e não é esse o entendimento de qualquer sistema jurídico que se preze.

    3. Quando alguém se preocupa demais, de forma policialesca, em exigir CPF e identidade dos portadores de um argumento, em vez de lidar com a substância do argumento, acaba cometendo erros como esse que você cometeu ao se referir a mim: “vocês Blogueiros de “Esquerda”. Ora, como eu disse no meu comentário, eu não sou blogueiro, não tenho qualquer relação com os autores do texto, e costumo exercer o salutar hábito de dar prioridade aos argumentos de quem escreve, em vez de seu CPF.

    4. Eu não demonstrei nenhum “entusiasmo em criticar o blog dela”. Aliás, eu não critiquei o blog dela. Eu só constatei uma característica que ele tem, que é da ordem do fato, não da opinião. Você disse que o considera o melhor da rede. Opinião legítima, válida, como qualquer outra. Como eu não conhecia, fui lá e vi que das últimas 20 postagens, 19 são cópias de coisas de outros lugares. Isso não é opinião, é fato, é só ir lá. Então em cima desse fato, eu quis saber se sua opinião era essa mesma: na sua opinião, o melhor blog da rede é um blog em que 95% do conteúdo é copiado de outros lugares?

    5. Já que você acha que o texto não tem nenhum “argumento inteligível”, deixe-me tentar desenhar para ver se ele fica inteligível: pelo que eu entendi, o texto argumenta que há um aparato de cooptação que faz de uma ampla gama de blogueiros (autointitulados “progressistas”) uma força que interdita debates na internet com agressões a quem critica o governo. Esse aparato inclui formas financeiras e não financeiras. Isso não é uma “acusação”. Acho que está lhe faltando um pouco de traquejo jurídico para entender o que é uma “acusação”. Ser financiado não é crime. E o que está no texto está longe, bem longe de ser algo que “não tem como provar”. Ora, há ou não contratos com a TV Brasil? Há ou não há vínculos empregatícios com a TV Record, agora dona de um Ministério? Nada disso é crime, são simples fatos de domínio público.

    Realmente não vejo “ressentimento” no texto, nem no meu comentário (que, reitero, não tem nada a ver com o texto nem com seus autores): vejo uma proposta de debate sobre um fenômeno contemporâneo na internet brasileira: um governismo raivoso e agressivo que tiroteia quem quer criticar o governo?

    Será que você não vê que o próprio conteúdo e tom da sua resposta dá razão aos autores do texto?

  57. Tem gente que esquece um dos princípios BÁSICOS do jornalismo: O sigilo das fontes. O Passa Palavra é conhecido e reconhecido o suficiente para que, se escolherma e aceitaram publicar um texto de um coletivo em que os nomes dos membros não serão divulgados, o “anonimato” não seja empecilho para o debate.

    Mas para miliciano que preferei dizer “molecagem” pra TODO texto que debate suas posições…

    Para todos estes que se recusam a debater e que ainda reclamam de “anonimato”, o “falem com o #Stanley” é o novo “Fale com minha mão”. Para que não sabe quem é #Stanely, recomendo que nem se preocupem, trata-se de um fake do twitter amado pelos governistas, milicianos e progressistas (sic) em geral.

    MAs com o anonimato desses ninguém se preocupa, mesmo que seja um mentiroso contumaz e um grande de um safado.

  58. “Maria, arrepara se essas orêia é mermo as minha? Estou mermo uvindo isso?”

    O que é mesmo democracia? O Pedro(PR) que fala em democracia quer quebrar o sigilo de senha do blog porque falaram mal dos blogueiros do PT? Democracia é assinar um texto para ser processado judicialmente por apresentar argumentos (válidos) que contrariam os partidários do governo? A Conceição (apresentada não, o cão!) achar ruim porque apareceu a cabeleira dela na foto? O Reinaldo perder a compostura e soltar seus adjetivos nervosos e “politicamente corretos”? É difícil assumir a frustração por não saber em quem bater e reivindicar a ética para exigir os nomes dos autores, hein, Sr. Maurício Caleiro? Pedir desculpas por ter magoada a Conceição (ô, deus do céu), Victor Farinelli? Bom, chega de hipocrisia.

  59. Eric,

    As acusações que se fazem no texto não são pessoais, porque convenientemente não dão nomes prá não se comprometerem com o que não saberão sustentar depois. No caso da Fro sim foi pessoal, porque aparece a foto dela lá, o que a torna aludida diretamente pelo conteúdo, seja essa alusão originalmente voluntária ou não, e está claro que a manutenção da foto demonstra que se respaldou a alusão posteriormente – inclusive foram covardes o suficiente prá, depois, dizer que não tinham nada a ver com a foto, que seria responsabilidade do Passa Palavra, que tampouco se manifestou para confirmar ou desmentir quem foi que colocou essa foto lá.

    O fato é que você voltou a demonstrar o mesmo vazio de argumentos dos comentários anteriores, e isso eu já esperava. A sua vitimização (quem está pedindo o seu cpf ou de quem quer que seja) é tão subjetiva e pouco contundente quanto os comentários a respeito do que interdita ou não o debate nas redes sociais. É uma opinião, que é legitima como tal, mas que é vazia no sentido em que não demonstra argumentos concretos (você conhece os tais contratos com a TV Brasil aos quais você se refere, por exemplo, prá poder defender que eles comprometem as pessoas com o que o texto chamou de “aparato lulista” ou está só sendo, novamente, leviano?).

    O termo “aparato lulista” e outros termos acusatórios utilizados no texto, seriam mera opinião subjetiva se não fosse o fato de que o texto contém uma foto de uma blogueira que tem nome e endereço, que independente de se o blog dela é agrada o teu exquisito paladar ou não, ou se é desqualificável, como disse o outro, porque supostamente carece de público, é um blog tocado mais com boa vontade que com recursos, porque a Fro não é jornalista e não vive do blog (ela tem um trabalho, ela vive do trabalho de educadora dela), que é tão somente a forma que ela encontrou prá colaborar com o debate e apoiar, incondicionalmente, os movimentos sociais, e é o que tem feito desde que eu conheço o espaço (seu novamente subjetivo juízo a partir de 20 posts demonstra novamente que a desqualificação pessoal e sem fundamentos é o único que você tem contra ela). O texto com a foto ataca sim a ela pessoalmente e fazem alusão a ela de todas as poucas coisas concretas que são citadas no texto, incluindo uma acusação de receber dinheiro de empresas como a Petrobrás e a Vale.

    Já que você gosta de desenhar, Eric, vou desenhar prá você também, prá você não se sentir tão emperiquitado pelo meu suposto tom, que você tampouco descreve (foi uma desqualificação pessoal que ficou na vontade, diferente do “biruta”, o que denota certa instabilidade sua, mas enfim, vamos ao desenho). Se você e os Blogueiros de Esquerda (você diz que não tem nada a ver com eles, finjamos que isso é assim mesmo) acham que tem blogueiro de esquerda que recebe dinheiro prá ser blogueiro, muito bem, é a opinião de vocês, e eu nem vou questionar isso, porque não vou e nem pus a minha mão no fogo por outrém que não seja a Fro. Estou mais que careca de debater com blogueiros e não blogueiros do universo citado pelo texto, muitos são militantes petistas, outros também numerosos são militantes psolistas, converso com gente de diferentes bandeiras, cada um defendendo o seu peixe com o entusiasmo que acha que deve exercer, e se vocês acham que alguns são financiados, isso corresponde a uma acusação grave, se não citam nomes, isso quita consistência no que se está acusando, mas com ou sem os nomes, é direito de quem acusa fazer as alusões que quiser, disfarçadas ou não de opinião.

    Porém, quando essa acusação traz a foto de uma blogueira com nome, endereço e reputação ela se torna uma alusão pessoal que, se não tem fundamento, se torna leviana e antiética, um ataque pessoal, e dos mais baixos, portanto. Porque apesar das desqualificações pessoais aqui expressadas pelos anônimos ela tem uma reputação no universo das redes sociais, que pode ser positiva prá uns e negativa prá outros, mas nunca caiu nesse absurdo de ser aludida a uma acusação de ser financiada por partido, ou por empresa transnacional, ou por quem quer que seja, e o texto, reitero, faz essa alusão através da foto. Dizer que ela estava de costas tampouco serve prá evadir responsabilidades, as pessoas do universo a quem o texto está direcionado sabem quem ela é, e o efeito constrangedor portante existe.

    Por isso eu quis saber qual é a opinião dos autores a respeito disso, porque apesar de todo esse temor bíblico que você tem do meu suposto tom indescritível, eu jamais fiz a mais mínima ameaça aos autores ou quem quer que seja. Classifiquei, e reitero, tudo isso como uma clara demonstração de falta de ética e de autocrítica, é a minha opinião, se vocês não gostam, desqualifiquem-me, é somente o que resta a vocês.

    E por isso queria saber também qual é a opinião do Passa Palavra, inclusive porque os autores do texto jogaram a responsabilidade da foto no colo do site e isso não foi confirmado, mas longe de mim querer usar essa resposta prá ameaçar quem quer que seja, odeio advogados aliás, mas seria bom saber a postura deles somente prá ter uma ideia de o quão sério o site é com respeito à normas éticas e tal. Depois, se o Passa Palavra decide respaldar isso, o único que vou fazer e deixar, eu pessoalmente, com a insignificância da minha opinião, de considerá-lo um espaço que fomenta o debate sério e com um mínimo de respeito mútuo entre as pessoas. Claro que a minha insignificante opinião poderia não ser a única que vai se decepcionar com isso, e as pessoas que me questionarem sobre a seriedade do Passa Palavra, que poderiam ser muitas ou poucas, sei lá, teriam uma resposta negativa da minha parte, mas nada mais do que isso. Estou longe de chegar ao ponto de cometer a mais mínima represália.

    Enfim Eric, é apenas uma questão de saber se vocês tem ética ou não, apesar de todos esse espetáculo de vitimização que você e outros comentaristas (que tampouco assumem fazer parte do coletivo Blogueiros de Esquerda, deve dar uma vergonha atroz fazer parte disso, ninguém se anima a, impressionante) fazem, prá desqualificar opiniões como a minha chamando de “ameaças à liberdade de expressão” ou “intimidação policialesca” ou “tentativa de censura” (oh meu Deus, eu sou o próprio Médici e não tinha me dado conta), e é a minha opinião, a qual vocês querem desqualificar, porque não sabem debater com as diferenças, o que é uma pena.

  60. Não bastasse Victor achar que o seu umbigo e o de sua ídola Conceição Maria Fro fossem o centro do mundo, ele quer agora transformar o umbigo dele no umbigo dos leitores do Passa Palavra. Ou colocar o Passa Palavra no centro do seu umbigo. Deus do céu!

    Tem como processar este tipo de violação dos umbigos alheios?! Pare de cutucar! Deixe os nossos imbigos em paz, rapaz, faz favor!

  61. Quem escreveu esse texto é um troll de luxo nada mais do que isso. Pergunto a quem se esconde atrás de “blogueirosdeesquerda” que projeto viável você propõe para um país melhor??? É ficar criticando tudo o que é feito por quem trabalha contra a direita fascista que avança nesse país??? Falta vergonha na cara de quem escreveu esse texto, falta vivência, quem escreveu é jovem e burguês endinheirado. Falar contra os blogueiros progressistas e só dividir é fazer o mesmo jogo da Heloisa Helena, é um psolista mesmo, e é de direita, por isso a ironia em se intitular blogueiro de esquerda. Vai trabalhar rapaz, vai defender os projetos do PSDB, lutar contra o aborto e contra Belo Monte, sai do armário tucano enrustido!

  62. Considerando os trechos
    “A “militância petista”, que, pela ausência de um programa político nitidamente socialista, acabou por ser educada apenas para contra-atacar os tucanos, Globo, Folha, Veja e Estadão com fins eleitorais, agora é utilizada também para combater ativistas da esquerda e movimentos sociais que resistem naquelas lutas por onde o trator do capitalismo desenvolvimentista organizado pelo lulismo pretende passar, como pode ser visto nas entre 140 a 170 mil famílias que serão deslocadas/despejadas para a Copa do Mundo e as Olimpíadas , no deslocamento dos indígenas e ribeirinhos em Belo Monte e outras hidrelétricas previstas para a região da Amazônia, entre tantos outros exemplos, como recentemente ocorreu no Pinheirinho, em São José dos Campos, no interior paulista.”

    “Assumindo a defesa deste governo, a militância petista e governista, através de seus blogueiros oficiais e não-oficiais, sua imprensa alinhada (financiada através da Vale e Petrobras, duas transnacionais) e os núcleos ligados às altas burocracias do partido, buscam minar toda discussão política do mesmo modo como fizeram os estalinistas historicamente, quando passavam a simplesmente rebater críticas com taxações, desqualificações pessoais e ofensas. Se antes as taxações eram de “pequeno-burgueses”, “ultra-esquerdistas”, “anarquistas”, entre outras, hoje é “psolista” (mesmo que a pessoa em questão não seja filiada ao partido PSOL), “radicais”, “esquerda de que a direita gosta”, “jogo da direita” ou até mesmo ressuscitam a tese do “Partido da imprensa Golpista” para buscar alguma tintura de esquerda. Tudo isso para criar o clima de uma “esquerda inconsequente” ou que, em sua crítica, acabaria por ajudar a direita institucional.”

    Esse negócio de difamação da tal conceição pra mim é fugir do assunto, até porque a dita cuja tá de costas, aliás não sei nem quem é o outro cara do lado do lula que é a unica figura reconhecível nessa foto. O tal do Vitor ta usando o bom e velho Ad Nauseam, postagem gigantes falando a mesma coisa varias vezes. Enfim. Não vou me prolongar nisso.
    Mas acho que o central do texto é isso, o fim do debate, a boa e velho polarização das idéias no velho joguinho sujo de “se não está comigo está contra mim” numa análise de certo e errado de causar inveja até pra igreja católica, que estes blogueiros progressistas adoram. É só ver o comentário acima pra ver que a argumentação racional passou longe.

  63. O texto diz que ”os núcleos ligados às altas burocracias do partido,minar toda discussão política do mesmo modo como fizeram os estalinistas historicamente, quando passavam a simplesmente rebater críticas com taxações, desqualificações pessoais e ofensa” … Sinceramente, não tenho nem palavras para essa simplificação e consequente comparação esdrúxula. Como se desqualificação pessoal fosse suficiente para se falar em falta de democracia no debate. Como se a desqualificação pessoal também não fosse por tantas vezes usadas pelos próprios “independentes”.

    Diz ainda: “Tudo isso para criar o clima de uma “esquerda inconsequente” ou que, em sua crítica, acabaria por ajudar a direita institucional” > Outra simplificação: para não se mostrar inconsequente e auxiliadora da direita, essa crítica precisa entrar no mérito das questões, não basta se recuar na não filiação partidária. Mesmo porque, não precisa ser filiado para jogar no jogo da democracia moderna fundamentada em partidos.

    “Quem pretenda tentar debater, desista, pois a regra é uma só: desqualificação, omissão e até mesmo ofensas.” Outra fuga fácil. A desqualificação também ocorre pelo próprio texto promotor da crítica: reduz todo questionamento a uma coadunação com o jogo da democracia “burguesa”, como se não pudesse haver de fato discordâncias e defesas do governo por conta do mérito das questões, mas apenas uma defesa irrefletida e uma partidarização irrefletida. “debater, sempre superficialmente, pautas que dêem tintura de “esquerda” ou de ligação com as lutas sociais, quando na verdade não há nada de esquerda por trás de blogueiros e portais financiados por burocracias partidárias e duas transnacionais sob influência do governo.” > De repente a determinação da esquerda está dada e acabada e, com certeza, deve ser a prática da própria crítica “passa a Palavra” ..

    A crítica se supõe “a luz, a verdade e a vida”de ser de esquerda!! “A luta se dá praticamente contra quatro monopólios, a saber, a Globo, a Abril, a Folha e o Estadão. Estes são os maiores “vilões”, para os “progressistas”, e não o capitalismo e seus monopólios em geral.” . a crítica do passa palavra supõe um combate ao capitalismo de modo genérico? ou então, supõe que Globo e etc. não sejam monopólios? Ou supõe que a luta se faz sempre a todas as direções de uma só vez? Ou supõe que se voltar a uma crítica meramente teórica e sem rompimento na prática é inválida? Acaso a crítica do Passa Palavra é uma arma prática para além da crítica teórica? Hã????

    “A desqualificação pessoal passa a ser a tônica do debate – no lugar de se discutir tendências de pensamento que são divergentes, coloca-se em questão o caráter dos debatedores.” não é o que faz a própria crítica? “Como já se debateu aqui no Passa Palavra, o Partido dos Trabalhadores abandonou suas antigas bandeiras em nome de um projeto de poder do capital oligárquico e transnacional.(…) Todos os graves problemas sociais que aparecem diante de nós cotidianamente viram, de repente, “construções discursivas” do “PiG” (“Partido da imprensa Golpista”, sigla criada por Paulo Henrique Amorim, após ser demitido do portal iG, para se referir à Globo, Veja, Folha e Estadão)” Finalmente a redução da questão vem claramente à tona. A crítica pode estar correta acerca de como fazer um governo de esquerda, ou do que é “a luz, a verdade e a vida” da esquerda e julgar que o governo do PT é, diante disso, o inferno. Mas daí a querer desconsiderar que realmente existe uma luta entre o PT e o PSDB e que o PSDB tem no PIG suas principais armas, já é muita simplificação. O maior problema, no entanto, é negar esta luta entre governo e PIG, mesmo que com a covardia do PT, para desqualificar as críticas dos governistas ou petistas em relação a um suposto “jogo que favorece a direita” que faz a esquerda iluminada a qual escolhe a mera crítica teórica e à democracia burguesa sem de fato refletir sobre as dificuldades de se governar ou de se fazer uma revolução estrutural nos moldes do capitalismo atual.

    Em suma, uma fuga à questão pragmática que os governistas colocam a essa crítica da esquerda iluminada. Por favor, se possuem um programa eficiente de revolucionar este país, sejam de fato eficiente também. O PT e o governo podem ser o inferno, mas a crítica da esquerda iluminada, de tanto se arrogar celeste, de fato parece permanecer no céu. A coadunação prática do PT com o PIG e a concomitante luta discursiva deste mesmo PT com o PIG através dos blogs não significa que não haja um tencionamento PT_PIG. De fato, pode ser um modo infernal de governar, mas essa suposta “luz, verdade e vida” da esquerda também está longe de nos levar à libertação. Que venha a critica deste céu, mas que venha consciente de que ainda é simplesmente celestial.

  64. Choram, choram e defendem um governo com ministro da Universal, com Kassab, Sarney, Collor, Globo, agronegócio, Ricardo Teixeira… deviam é processar o Lula, que vergonha!

  65. Julia, me explica que raio de tensao é essa em que um lado sustenta o outro com milhões de verba em publicidade todos os anos? E o outro responde apoiando diversas ações consideradas importantes para o gov federal como Belo Monte e as privatizações dos aeroportos? Tem certeza q a tensão realmente existe? Olha, eu acho q vc foi enganada pela jogo de cena entre as duas partes ou andou lendo mto o PHA…

  66. Eric,
    vc escreveu: “5. Já que você acha que o texto não tem nenhum “argumento inteligível”, deixe-me tentar desenhar para ver se ele fica inteligível: pelo que eu entendi, o texto argumenta que há um aparato de cooptação que faz de uma ampla gama de blogueiros (autointitulados “progressistas”) uma força que interdita debates na internet com agressões a quem critica o governo. ”

    Diferentemente do que vc diz, o texto não argumentou que existe um aparato de cooptção etc etc. O texto simplesmente afirma isso. Afirmar e argumentar são duas coisas fundamentalmente diferentes.

  67. Para ser meu último comentário aqui. Tentei ser mais ‘educado’, mas no fundo o melhor comentário o Prestes já o fez:

    “O PT se tornou uma legião de puxa-sacos. E boa parte deles estão à solta na internet.

    Mas esse texto dos “blogueiros de esquerda” é um lixo completo. Não apresenta qualquer subsídio para seus argumentos ou acusações, todas elas totalmente vagas e genéricas.

    Pra dar o pau que queriam precisam comer muito feijão ainda…”

  68. Já já aparece o barba ali do lado do Lula dizendo que sentiu caluniado, insultado etc, também ameaçando processar só pra jogar mais lenha na fogueira.

    Na foto a Conceição está de costa e se ela não viesse aqui, ninguém saberia quem era ela. Ponto.

    Sou anti-lulismo, mas até que tenho gostado de algumas posições expostas pela Conceição. Demonstra ser muito mais crítica que muitos petistas fanáticos por aí. E, aliás, eu não creio que ela vá partir para algum tipo de processo, acho que foi só um momento de raiva, e que ela vai refletir melhor sobre isso.

    Quanto ao Vitor, o cara está mesmo viajando na maionese pra defender o indefensável.

    A tática da desqualificação pessoal é sim amplamente utilizada pra contra-atacar quem critica o governo federal.

  69. Caro Leo Vinicius, o que faz o tal coletivo “Blogueiros” de Esquerda” ao ao fazar o acusatório estilo metralhadora giratória sem citar nomes é tão somene a velha tática de preparar o campo para interditar o debate através da desqualificação pessoal generalizada – e isso que eles criticam, nesse caso com alguma razão, algumas táticas stalinistas de parte do petismo, mas jogam essa crítica no lixo quando demonstram que adotam o mesmo tipo de tática sem nenhuma culpa, pelo contrário, chamam isso de “bom debate”.

    Eles não sabem debater, porque não suportam nenhum tipo de opinião discordante da deles (taí a Julia, que escreveu outro comentário que os incomodou no âmago, e foi, como era de se esperar, avacalhada por novos perfis fakes surgidos do nada), então abrem o leque no texto original prá poder despejar sobre todos aqueles que não concordam o discursinho esculhambador cheio de praxe, cheio de jargões como: “vestiram a carapuça”, “querem nos intimidar”, “atitude policialesca” e a repetição disso através de diferentes contas fakes até o cansaço.

    Outra característica dos “Blogueiros” de Esquerda (eles tem blog? eles tem algum tipo de atuação real em favor dos movimentos sociais no Brasil? ou é somente opinião político-partidária sem fundamento?) é a vergonha que eles mesmos sentem em fazer parte do tal “coletivo”. Vários perfis fakes apareceram para defender o post, mas nenhum deles, mesmo protegidos pelo anonimato (e sabe-se lá quantas pessoas estão por trás desses perfis fakes), tem coragem de assumir que faz parte desse bando.

    O que me leva a outra constatação importante, porque, como o você, e apesar de não compartilhar do tom ofensivo do comentário, que se assemelha ao mesmo tipo de esculhambação desnecessária dos próprios “Blogueiros” de Esquerda, eu também eu concordo com o comentário do Prestes, principalmente sobre a autofagia ordinária em que o PT se tornou, mas isso me faz citar também outro comentário, o do Tsavvko, que fala do Stanley Burburinho, um perfil fake que, sabe toda a blogosfera “progressista”, “de esquerda” ou seja lá o que for, se trata de um militante petista que se expressa por traz desse nome se protegendo através do anonimato.

    Pois a diferença do Stanley pros “Blogueiros” de Esquerda é somente a bandeira partidária. Enquanto o Stanley faz o jogo de certo grupo da militância do PT (existem muitos militantes petistas que realmente são asquerosos, embora muitos outros, os quais eu conheço, tem nome e não tem medo de mostrar a cara, e esses merecem todo o meu respeito), enquanto os “Blogueiros” de Esquerda fazem o jogo de um partido que eles tem vergonha de dizer qual é, e a diferença básica é que o partido deles é menor e tem menos recursos, e se algum dia o partido deles chegar ao poder eles não terão nenhuma vergonha de assumir o mesmo aparato a favor desse partido, e basta ver aqui que as táticas stalinistas eles já conhecem muito bem, só estão esperando a chance de entrar nas grandes ligas.

    Em tempo, das duas uma, ou vai surgir um novo perfil fake prá vomitar ódio contra mim pelo que eu escrevi agora, ou virão todos os fakes juntos me responderem prá fingir que são gente de verdade por trás dos nomes: Joaquinha, Eric, Caio, Ana Maria ou o perfil que toda hora muda de nome, e que no último revelou uma estranha tara que ele tem pelo meu umbigo. Vejamos qual vai ser o ataque ensaiado da próxima vez…

  70. Qual a tensão? Quer dizer então que não se trata do PT se acovardar diante dos ataques da grande mídia aos ministros e sim de uma mídia de fato petista que ataca a si mesma num jogo complexo? Como vc mesma colocou, Ana Maria, pode haver uma troca, publicidade em troca de outros apoios, jogo de conchavo para aprovação de projetos absurdos, enfim. Mas daí a dizer que a grande mídia é petista? Que não há qualquer interesse da grande mídia contra esse governo? Que na campanha eleitoral não houve uma opacidade dos absurdos do Serra no caso da bolinha de papel, etc? Enfim, a questão “onde está o tensionamento” já responde a si mesma desde que parte de sujeitos diferentes que fazem acordos políticos. Os acordos do PT e o próprio governo do PT podem ser um inferno, como já disse. Não se trata de defender ou criticar o Lula, o governo PT. A questão aqui não é repetir o debate tão disseminado na internet entre os críticos e os defensores do governo, então não queira transformar esse debate nisso. A questão é que o Passa Palavra se queixa do modo como os “defensores” do governo desqualificam as críticas da verdadeira esquerda ao governo de modo “stalinista”, “com desqualificações pessoais”, etc… Essa é a questão: o tom do debate. E, quanto a isso, penso que essa esquerda iluminada trai a si mesma: critica os governistas por se manterem na crítica teórica ao PIG enquanto o PT faz acordos com essa mídia na prática, criticam a contradição entre prática e teoria dos defensores do governo. O meu questionamento à esquerda iluminada é que também esta permanece no rompimento teórico, já que não passam às armas mais efetivas além da arma-crítica. Outro questionamento é quanto à generalização: a esquerda iluminada acusa os “blogueiros governistas” de generalizar toda a crítica como “construção discursiva do PIG”. E eu considero que a esquerda iluminada também generaliza todas as críticas à esquerda iluminada a uma construção discursiva governista, petista, etc. , etc. Não penso que a esquerda iluminada seja mais qualificada ao debater e nem que a desqualificação por parte de ambas partes sejam sinais de “stalinismo”, falta de deemocracia no debate, etc. Ao contrário, penso que a presença tanto dos críticos quanto dos defensores do governo pelos blogs e redes sociais, sejam petistas disfarçados, sejam blogueiros que se mantêm no anonimato, é justamente a confirmação de que o debate está aberto: todos podem se desqualificar o tempo todo. e por isso chamo a atenção da esquerda iluminada: ao invés de querer chamar de “stalinista” um debate tão aberto, enfrente pontualmente a desqualificação que sofre por parte dos governistas quando estes os acusam de “fazerem o jogo da direita”, “idealistas”, etc. Em suma: não se trata aqui de Lula ou anti-Lula, Ana Maria, o debate aqui é sobre a própria possibilidade de um debate franco. E por isso afirmo: nenhuma das partes é franca e isso é legítimo no debate democrático, desde que não queiramos ditar o que é debate franco em si mesmo, já que esse ditame do modo de debater é que seria sim bastante stalinista.

  71. Como eu imaginava, os “Blogueiros” de Esquerda aos pouquinhos vão abrindo as perninhas.

    O tal de João, mais um fake que depois vão dizer que não tem nada a ver com os tais “Blogueiros” de Esquerda, por motivos já explicados acima, assumindo timidamente que a Conceição Oliveira não se encaixa no perfil que as afirmações acusatórias do texto descrevem, claro que com o arzinho arrogante típico dos que só são valentes protegidos pelo anonimato e caindo numa enfadonha contradição ou dizer que eu estou “viajando na maionese”, sendo que no parágrafo anterior ele começou a dar razão ao que eu digo e a contrariar os comentários fakes anteriores, que nos acusavam de “intimidação”, “censura”, “policiamento” e outros trejeitos de vitimização barata.

    Não tenho nenhuma dúvida que tanto os “Blogeiros” de Esquerda quanto o coletivo Passa Palavra estão conscientes de que foram tremendamente irresponsáveis ao utilizar a foto dela nesse texto, os comentários fakes tentando desesperadamente desqualificar o Blog Maria Fro eram o melhor indício.

    Vejamos qual serão os próximos capítulos, agora que tá ficando divertido ver como o bando se contradiz sozinho.

  72. Mais uma forma de desmoralizarem a nova tendência de informações que não passam na mídia.

  73. Não é uma mídia petista, Júlia. É uma mídia burguesa. A grande mídia é a porta-voz do capital. Ela é um dos instrumentos de legitimação do poder das classes dominantes. E isso não acontece só no Brasil com a Veja, O Globo, Folha ou Estadão. É assim na Inglaterra, na França,na Argentina, nos Estados Unidos… com ou sem Conselhos de Comunicação. É um problema da ordem capitalista. Talvez seja a isso que o texto se refira quando fala sobre monopólios. Se existe tensão entre PT e grande mídia, é uma tensão meramente entre grupos da burguesia que almejam o poder do Estado. Apesar da aparente rusga, o que se tem ali é um consenso ideológico que não é favorável à classe trabalhadora. E a maior prova disso é a gradual mudança de discurso da imprensa em relação ao gov Dilma que apesar do pouco tempo vem caminhando em velocidade de trem-bala para a direita. As recentes privatizações, as grandes obras de infra-estrutura, as tais parcerias público-privada, as intervenções para a Copa e as Olimpíadas, a questão da reforma da previdência pública – entre outras ações consideradas principais para o gov federal e que são hoje em dia o principal palco da luta contra o capital no Brasil – não sofrem em momento algum represália por parte da grande imprensa. E não é mera coincidência que Reinaldo Azevedo e PHA possuam o mesmo discurso quando o assunto é Belo Monte. Ambos representam a burguesia.Ambos defendem os seus patrões. Ambos são igualmente omissos em reportar os fatos negativos sobre a obra como a explosão da prostituição infantil na região de Altamira, as intimidações por parte do consórcio às últimas paralisações dos operários, aos despejos da população ribeirinha, ao descaso com os indígenas do local…
    Enfim, nenhum desses dois está minimamente preocupado em mostrar o lado negro do grande “projeto de país” que esse gov do PT tem a nos oferecer.

    E talvez aí que esteja o grande busílis nesse debate sobre a blogosfera governista: o fato de inúmeras lutas que estão ocorrendo nesse país não tenham o espaço que deveriam ter porque a dita blogosfera independente é bem dependente do gov federal. Ou seja, o que era para ser uma mídia alternativa em contraposição ao poder da grande imprensa, acaba padecendo dos mesmos problemas que a grande imprensa tem para os movimentos sociais. A coisa funciona mais ou menos assim: se o mov social em questão não está lutando contra o PT e seus aliados (e se de preferência for contra o PSDB) ele tem alguma repercussão nos blogs progressistas; se está, ou a repercussão será bem pouca ou quase nenhuma.

    O pessoal pode discordar o quanto quiser, mas eu falo isso por experiência pessoal de ter acompanhado diariamente diversos desses blogs progressistas e de ver como funciona a sua cobertura. E não é só eu que sou uma zé ninguém mera leitora de blogs que tem essa percepção; diversos outros blogueiros que tem um contato mais ativo com a rede e que num primeiro momento já chegaram a estar mais próximo do pessoal governista (como o Tsavkko que comentou aí em cima) já manifestaram essa mesma opinião. E para a verdade, acho que os problemas que envolvem esse pessoal progressista na verdade é mero reflexo na rede da crise em que a esquerda hoje enfrenta desde que o PT assumiu o poder e um pouco do modo como o debate político no Brasil está de um modo geral.

    Enfim, acho que o buraco é muito mais embaixo do que essa história de blogueiro x ou y foi ou não comprado…

  74. Muito tempo atrás, uma das ideias do pessoal que militava na CUT e ainda estava fora dos sindicatos dominados pelos “pelegos” era o de criar parques gráficos sindicais capazes de fazer florescer uma imprensa operária para combater os monopólios. Este projeto deu em água, pois apenas a CUT consegue editar a Revista do Brasil, e os sindicatos a ela filiados que conseguiram criar um parque gráfico próprio, além de não terem conseguido, todos, manter imprensa operária periódica (são poucos que ainda o fazem), transformaram as gráficas em mais uma máquina de fazer dinheiro nas mãos da nova burocracia sindical cutista. (Tá, num sistema capitalista a gráfica precisa “fazer dinheiro” para ser sustentada, sim, mas há meios e meios de se fazer dinheiro, objetivos e objetivos com esta atividade.)

    Não estaria a blogosfera dita progressista vivendo agora uma versão um pouco diferente da mesma crise?

  75. Muito se falou dos blogueiros progressistas, mas pouco, ou quase nada, dos portais e veículos tradicionais da mídia pró-governo.
    Sendo empreendimentos de maior porte que os blogs, com equipes e redes de articulistas de renome, são menos sujeitos ao tom subjetivo e passional dos blogs.
    Os blogs, por mais jornalísticos que pretendam ser, são normalmente a expressão de um indivíduo (mesmo que este possa estar inserido numa rede de afinidades e propostas que tenderá a domesticar tal expressão).
    Já certos portais e alguns veículos tradicionais da mídia pró-governo se distinguem por contar com uma rede de articulistas de renome, mais próximos do poder.
    Neste caso, passam a atuar como verdadeiros porta-vozes do governo e, do ponto de vista estrito da aquisição de informação, não deixam de ter, portanto, a sua utilidade, já que ditam, em tom quase oficial, o que deve ser dito, contradito e não dito.
    Nesse sentido, são uma valiosa fonte de informação onde a interdição passa a não ter tanta importância quanto a própria montagem do discurso do poder feita em primeira mão por eles, na medida em que estão próximos a ele.
    Um pequeno exemplo: como poderíamos deduzir um possível padrão na atual política externa do governo, já que é uma área arredia a qualquer planejamento matemático, impossível portanto, de ser oficializada em algum plano estratégico decenal oficial?
    Resposta: basta acompanhar a pauta desses veículos para, por exemplo, perceber a crescente intenção do governo de se afastar de parceiros políticos incômodos como Rússia ou Irã, algo que nunca poderia ser oficialmente declarado (no caso da Rússia, esses veículos chegam ao cúmulo de reproduzir notícias evidentemente tendenciosas de agências internacionais sabidamente alinhadas às grandes potências), indicando uma maior aproximação a Washington (o que nos levaria a indagar se o protagonismo e independência da política externa brasileira tão alardeados na gestão passada … não passou apenas de um jogo de cena).
    Outro pequeno exemplo: pouco antes da viagem presidencial ao Haiti, um “brilhante” texto é preparado por um intelectual governamental de renome, tecendo mil elogios à revolução haitiana. Quem em sã consciência deixará de reconhecer a importância histórica dessa revolução, entretanto tão pouco falada? E no entanto, quase ao final do texto, num raro exercício de síntese e sutileza, ainda inebriados pela lembrança desse feito histórico, ficamos sabendo que um ex-presidente daquele país era, afinal, um traficante, assim como os seus seguidores (na verdade, o relato mais rasteiro sobre esses eventos recentes no Haiti, colocado ali para eliminar qualquer possibilidade de questionarmos a legalidade e os verdadeiros objetivos da presença da MINUSTAH).

  76. Certamente o texto possui conteúdo, embora não seja um dossiê ou mesmo artigo extenso. É um pontapé para o debate, o que conseguiu com sucesso, e dos dados postos por tantos se pode chegar a outros raciocínios: isso é inteligência coletiva.

    A cereja do bolo foi a reação canina dos blogueiros governistas, como se estivessem a fazer uma dramatização que confirmasse a análise. Muito obrigada pela contribuição inusitada.

    A surpresa: eu realmente não imaginava que havia gente tão imatura, autoritária e emocionalmente desqualificada por trás de um blog que se pretendia sério.

  77. Parabéns aos autores do artigo pela ponderação sóbria e necessária.

    A reação raivosa e previsível dos que criticam nos comentários só comprovam a consistência do artigo.

    O Governo do PT, infelizmente, é um governo que conciliou as classes e abandonou as bandeiras históricas da esquerda, em semelhante movimento ocorrido com os partidos socialistas europeus que hoje entregam seus povos aos grandes bancos.

    Os blogueiros governistas, no afã de proteger o partido o qual apoiou por anos e que não tiveram coragem de romper após a guinada à direita do PT, partem então para o ataque raso a qualquer crítica à esquerda.

    Continuem o bom trabalho, Passa Palavra, em estabelecer uma trincheira consistente e eficaz para a mídia anticapitalista.

  78. Economia e política na blogosfera

    Francamente, o mais importante é que este artigo dos blogueiros de esquerda chamou atenção para algo que, até aqui, eu tinha menosprezado. De fato, fazendo uma navegação rápida pelos sítios e blogs que hegemonizam esta brigada dos “blogueiros progressistas” – e listando os banners de anúncios neles presentes – constatamos que todos tem apoio direto ou indireto de aparelhos governistas (sobretudo ligados ao PT e PC do B). E que alguns deles – isso já me incomodava muito, como militante da blogosfera democrática – também cumprem uma função estratégica na disputa do grande mercado das telecomunicações: entre a tv record/igreja universal versus, principalmente, as
    organizações globo.

    Esse pano de fundo que o artigo ajuda a desvelar, ficou mais claro pra mim. Ajuda a explicar o porquê de tanto se bater cotidianamente no “partido da imprensa golpista – PIG” (assim batizado por Paulo Henrique Amorim, sem incluir a rede record neste chiqueiro). Muitos de nós inclusive também nos pegamos batendo no PIG, sem atentar para este jogo oculto. Pelo quê eu estou entendendo, a um só tempo ataca-se a concorrência – apenas o “partido da imprensa” que concorre com a Record, e defende-se acriticamente o governo aliado de seus bolsos e da igreja universal/record – frente aos onipresentes “golpistas”. Uma espécie de pânico constante em torno da idéia de “golpismo”, cuja permanente ameaça de “golpe à democracia” justifica qualquer manobra do governo aliado, incluindo várias medidas anti-populares e anti-democráticas – e por isso a expressão foi prontamente adotada até mesmo pelos “progressistas petistas” que não tem relação com a record/universal.

    E quem fugir deste script é “moleque”, é do “psol”, faz o “jogo da direita”, ou é “troll”.

    A “brigada governista” situa-se, portanto, ao mesmo tempo numa disputa política e econômica pesada, estando estes auto-denominados “blogueiros progressistas independentes”, na verdade, de forma significativa atrelados aos interesses políticos dos grupos econômicos e partidários que os apóiam.

    Como se pode constatar numa breve navegação, em rápida folheação de páginas impressas, e na listagem dos principais anúncios publicitários:

    Paulo Henrique Amorim, http://www.conversaafiada.com.br – além de receber pela tv record, seu blog é financiado pela caixa econômica federal.

    Luis Carlos Azenha, http://www.viomundo.com.br – também recebe pela tv record, e tem apoio no seu blog da central dos trabalhadores e trabalhadoras brasileiras (CTB). Além de colaborar para o novo sítio SpressoSP (http://www.spressosp.com.br), que por sua vez é ligado à revista Fórum (http://www.revistaforum.com.br), patrocinada por
    diversos sindicatos ligados tb à CTB e à CUT – sobretudo o sindicato dos bancários de SP e a apeoesp. Revista Fórum que ainda recebe apoio de alguns ministérios federais (como do programa mais cultura, minc; e a secretaria dos direitos humanos), conforme revelam suas páginas impressas.

    Rodrigo Vianna, http://www.rodrigovianna.com.br – também recebe pela tv record, e seu blog tem apoio da mesma CTB. Além de também colaborar para o sítio SpressoSP (http://www.spressosp.com.br).

    Luis Nassif, http://www.advivo.com.br/luisnassif/ e http://brasilianas.org – seu blog é patrocinado pela petrobrás e pela caixa econômica federal, além do jornalista ter contrato significativo com a TV Brasil.

    Renato Rovai, http://www.revistaforum.com.br – editor da revista Fórum e diretor de redação do SpressoSP, como dito acima, suas empresas tem farto apoio de vários
    sindicatos ligados à CUT e à CTB, além de apoio do governo federal. A revista Fórum, assim como a revista do Brasil (http://www.redebrasilatual.com.br/revistas), eram,
    pelo menos até pouco tempo, impressas pela Bangraf – a poderosa gráfica do sindicato dos bancários de SP.

    Conceição Oliveira, a Maria Frô, http://www.mariafro.com.br – seu blog é apoiado pela mesma rede Brasil Atual (http://www.redebrasilatual.com.br), portal virtual da
    revista do Brasil, como dito acima de íntimas ligações com o sindicato dos bancários de SP. A revista do Brasil também foi ou ainda é apoiada pela Petrobrás e pelos Correios.

    Cloaca News, http://cloacanews.blogspot.com – blog também apoiado pela mesma rede Brasil Atual.

    Eduardo Guimarães, http://www.eduardoguimaraes.com.br – seu blog, a exemplo do SpressoSP, também é apoiado pela CTB, braço sindical ligado ao PC do B.

    Altamiro Borges, http://altamiroborges.blogspot.com – além de ser um quadro histórico do PC do B, salvo engano ainda membro de seu comitê central, seu blog também recebe apoio da mesma CTB. Da mesma maneira que o sítio oficial ligado ao PC do B, o portal Vermelho (http://www.vermelho.org.br) também tem apoio da CTB.

    Emir Sader, http://www.cartamaior.com.br/templates/blogMostrar.cfm?blog_id=1 – seu blog é o principal do sítio Carta Maior (http://www.cartamaior.com.br/), que tem apoio da Petrobrás e do BNDES, além de às vezes receber apoio do MDA e do governo do RS. Emir Sader é assumidamente petista e articulador de setores petistas junto ao governo federal, de tempos em tempos cotado para algum alto cargo.

    Grato pela atenção,
    Carlos Augusto

  79. Victor, a diferença BÁSICA entre o Stanley e os Blogueiros de Esquerda: NINGUÉM – ao menos com credibilidade e que responda por ele – sabe quem é o Stanley. Pode até ser o Reinaldo Azevedo tirando onda (nem duvidaria, pois é tão grotesco, falso e doente que poderia ser o próprio). Já os Blogueiros de Esquerda tem o Passa Palavra por trás para responder por eles e GARANTIR a credibilidade do que falam ou, ao menos, demonstrar que há gente de respeito que garante o direito deste grupo se manifestar.

    Aqui você pode elogiar, criticar ou esculhambar os Blogueiros de Esuqerda, o PP ouve e responde. Já o Stanley… Reclama com o Dirceu?

    Agora, qual jogo de partido fazem esses blogueiros? PSOL? PSTU? PCO? Porque todos esses possuem críticas e muitas ao PT e governo federal. Ao mesmo tempo MUITOS – como eu – não são ligados a aprtido algum e tem críticas muito semelhantes.

    Já sobre a foto da Frô, por favor, né? Sequer foi o coletivo dos Blogueiros de Esquerda quem escolheu a foto!

    Aiás, faço algumas críticas no mesmo caminho das escritas aqui, ainda que não vá tão longe, no Observatório da Imprensa. http://observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed683_critica_a_critica_%28e_aos_criticos%29_da_midia

  80. Mas o marco regulatório das comunicações que começou a ser planejado e discutido sob a gestão de Franklin Martins é tão partidarizado quanto a forma com que os progressistas se colocam na blogosfera?

    Será que, pelo fato dos progressistas gravitarem em torno da demanda pela sua discussão aprovação e implementação significa que tal marco é tão partidarizado quanto a forma com que seus defensores se colocam?

    Ou essa forma deles se colocarem representa apenas a sua tática de luta desse grupo na defesa de mudanças no ambiente das comunicações, mudanças essas, entretanto, das quais seriam apenas um dos sujeitos (ou representantes de alguns dos sujeitos)?

    Nesse sentido, para além da crítica a alguns sujeitos e aos seus métodos, qual é a nossa posição no que se refere ao marco regulatório das comunicações?

    Tudo o que os críticos do PIG ou do PUM querem é simplesmente substituir uns por outros, por exemplo, Rede Globo por Rede Record? É disso apenas que trata essa proposta ainda em construção?

    Talvez a nossa crítica aos críticos do PIG corra o risco de se esvaziar um pouco se ela não vier acompanhada de um posicionamente concreto a respeito desse projeto, desse marco regulatório, de preferência acompanhada de relatos de ações concretas de participação no processo de sua elaboração, ou seja, nas consultas públicas (segundo este blog – http://paranablogs.wordpress.com/2012/02/14/novo-marco-regulatorio-das-comunicacoes-deve-ir-a-consulta-publica-em-breve/ – em breve haverá uma)?

    Quais as limitações deste marco? Elas são suficientes para nos abstermos de participar da sua elaboração?
    A sua aprovação não representaria um avanço?
    Por menor que seja esse avanço, não é melhor do que permanecer no quadro atual de completo domínio oligárquico por meia dúzia de conglomerados, todos defensores da mesma ideologia?
    Mesmo que aqueles que lutem pelo marco não sejam tão diferentes ideologicamente desses conglomerados, isso significa que o marco não vale nada?

  81. Tsavkko, não existe nenhuma diferença entre o Stanley e os “Blogueiros” de Esquerda, nem no formato de expressão anônima, nem no afã difamatório estilo metralhadora giratória, nem na atitude troll, nem na arrogância em não saber reconhecer erros, fazer autocrítica e agir com um mínimo de respeito às opiniões diferentes das deles (basta ver como criam perfis falsos cujo objetivo é desqualificar pessoalmente os que não concordam). Nem a “BÁSICA” que você citou serve, pois o fato de terem o Passa Palavra por trás é irrelevante, já que o coletivo Passa Palavra sequer é capaz de confirmar se foram eles ou não os que colocaram a foto da Fro, como dizem os tais “Blogueiros”, e qual a postura deles a respeito.

    Também acho uma pena que você ache o direito a esculhambação é algum tipo de bom sinal, e que colocar uma foto da Frô num texto com esse conteúdo, que faz esse tipo de alusão exposta no texto, é algo aceitável. A ética e o mínimo respeito é tão necessário para o que algum troll dos “Blogueiros” chamou aqui de “bom debate” e ao mesmo tempo tão cada vez mais raro, que eu já nem me surpreendo quando conheço mais um que não comunga. Só posso dizer que o blog Maria Fro tem um histórico de independência e apoio a todos os movimentos sociais, incluindo os que incomodam os governos petistas, e por isso não merecia esse ataque sórdido, que eu não tenho dúvida que partiu de gente que não faz nem um terço do que ela tem feito, e agora quer sujar essa história dela com acusações esse tipo de palhaçada, como se fosse normal difamar pessoas dessa forma.

    E já não dá prá duvidar da má intenção dessa gente, porque se fosse somente uma foto escolhida ao azar sem querer fazer a alusão contra ela, bastava trocar a foto ao ver o erro e/ou pelo menos pedir desculpas e se manifestar deixando bem claro que foi um ato falho ou coisa que o valha, mas nada disso foi feito, o que demonstra que foi intencional.

    O partido dessa gente é identificável, basta ver a falta de escrúpulos ao atacar pessoas como sua sede por ter razão justificasse qualquer coisa, mas prá que vou te dizer se tenho certeza que você sabe dizer melhor que eu quem são e onde militam, embora aceite de bom grado o bom humor e as bravatas a respeito do pluralismo partidário de uns e do apartidarismo de outros.

    É uma pena, porque os movimentos sociais no Brasil já são tão debilitados, entre os pouquíssimos meios que apóiam ativamente e incondicionalmente todos os movimentos sociais está o Blog Maria Fro, e vem um bando de moleques “blogueiros” sem blog, que se dizem de esquerda mas que estão muito mais preocupados em impor uma retórica partidista prá conseguir poder e depois viver da soberba do mesmo (ou seja, criticar o PT prá depois fazer as mesmas cagadas que o PT vem fazendo), e prá isso não lhes importa difamar nem mesmo alguém como a Conceição, não importa nada (o que demonstra que tem um partido por trás, porque se fosse um coletivo apartidário teria um pouquinho mal de humildade).

    É por esse tipo de gente sem ética ser a resposta à falta de ética dos militantes governistas e direitistas que o debate polñitico no brasil está num nível assustador de superficialidade e maquiavelismo.

  82. Sabe o que eu não entendo?

    1. Porque tomas as dores da Frô?

    2. Porque tanto caso com uma foto que os blogueiros de Esquerda já disseram sequer terem escolhido onde só quem CONHECE a frô pessoalmente é capaz de identificá-la?

    3. Bem, reveja seus conceitos sobre anonimato e sobre o Passa Palavra, proque Stanley é o lixo da blogosfera fanática governista e o Passa Palavra é reconehcido e aceitou publicar texto de um coletivo que considera sério.

  83. Eu te faço entender então:

    1. Porque tomas as dores da Frô?
    -> Não tomo só as dores da Fro, tomo as dores de diversos movimentos sociais com os quais ela colaborou, muitos dos quais encontraram no Blog Maria Frô seu único meio de difusão. Porque acompanho o blog há dois anos, tenho inclusive a colaborado eventualmente com o que posso entregar e colaborar, e defendo o blog porque sei da seriedade e da ética com que ele é feito. Se você acha absurdo uma pessoa defender aquilo que ela sabe que é feita com seriedade e ética, e em favor dos movimentos sociais do Brasil, eu só posso ter pena.

    2. Porque tanto caso com uma foto que os blogueiros de Esquerda já disseram sequer terem escolhido onde só quem CONHECE a frô pessoalmente é capaz de identificá-la?
    -> Primeiro de tudo, porque não é ético, porque se a foto dela está lá a alusão a ela com o texto é evidente, e isso concretiza uma acusação que, em referência a ela é mentirosa e sórdida. Segundo, porque eu ponderei a respeito educadamente, esperando que conversando em forma normal pudesse haver um mínimo reconhecimento disso, um mínimo de autocrítica por parte dos autores, que poderiam simplesmente mudar a foto (é tão fácil encontrar outra foto do Lula associada a blogs sem envolver nela alguém como a Fro), mas não só me encontrei com uma simples negativa, senão que com a arrogância e as desquaificações pessoais dos tais “Blogueiros” sem blog contra ela e contra mim, inclusive me acusando paranoicamente de querer censurar o texto, o que foi simplesmente patético.

    Ademais, esse argumento de que só quem conhece a Fro a vai identificar na foto, sinto muito mas é medíocre, porque não serve prá garantir que isso não vai afetar a reputação da blogueira, construída com méritos não só pelo seu ativismo como blogueira mas também pelo seu trabalho de educadora, que é de onde ela tira o dinheiro prá manter o blog. As pessoa que a conhecem e sabem quem ela é vão entender que isso é coisa de gente sem escrúpulos, mas pode ter público do blog que não a conhece pessoalmente mas conhece a sua figura, vai ver a foto e reconhecer e pode ser convencida dessa mentira, ou pode ter gente que, depois de ver essa foto, se depare com o blog dela e o rechace por já criar um estereótipo dela criado através de uma mentira. Pode ser que isso a afete até no seu trabalho, caso ela perca alguma oportunidade por causa de um empregador que não a queira contratar por ela supostamente ser financiada pelo tal aparato governamental, o que é uma mentira, mas até explicar – “ah, mas ninguém isso não vai cair na boca de ninguém importante”, não mesmo? Quem garante? Quem garante que esses tais “Blogueiros” não são gente que pode complicar a vida da Fro depois? Você mesmo acha que o Stanley Pode ser o Reinaldo Azevedo, por lo que a minha dúvida não deveria te ser estranha, e o coletivo Passa Palavra tem se demonstrado omisso o suficiente prá demonstrar que seu fraco padrão ético é o mesmo dos tais “Blogueiros”… enfim, tudo isso o que se configura difamação. Se você quiser continuar achando que isso é normal e não é antiético, só me basta, novamente, ter pena.

    3. Bem, reveja seus conceitos sobre anonimato e sobre o Passa Palavra, proque Stanley é o lixo da blogosfera fanática governista e o Passa Palavra é reconehcido e aceitou publicar texto de um coletivo que considera sério.
    -> Os “Blogueiros” são o mesmo lixo da blogosfera fanática, só que oposicionista, e não é um lixo oposicionista que quer que o governo seja melhor e mais sério e ético, é um lixo oposicionista que quer ser governo prá cometer os mesmos erros que o governo de turno comete. Basta ver como atuam, como desqualificam as discordâncias, como atacam indiscriminadamente, como possuem zero autocrítica, tudo aquilo que dizem abominar no PT mas que eles fazem igual.

    Sobre o tal coletivo Passa Palavra, eles são reconhecidos por quem? Nunca vi nada que me possa garantir realmente a integridade do site que não sejam simplesmente palavras ao vento. Claro que se o site demonstra com fatos sua integridade, eu não tenho nenhum problema em confirmá-lo, mas o que tenho até agora é todo o contrário; 1) quando um autor de um texto publicado pelo mesmo se desfaz do problema acusando o site de ter escolhido a foto que faz uma alusão mentirosa, os responsáveis pelo mesmo se omitem, nem confirmam nem desmentem, o que é algo no mínimo covarde, 2) tampouco se pronunciam sobre o conflito ético gerado pelo uso de uma foto que constrói essa mesma alusão mentirosa, o que leva a deduzir que esse silêncio significa que realmente confirmam a cumplicidade do site e dos “Blogueiros” com relação à foto e que a falta de escrúpulos também seria compartilhada. Quem sabe possamos ver outro tipo de atitude no futuro, por agora, o meu conceito sobre eles é o pior possível, e não creio que seja o único, muito longe disso. Enfim, se você quer que eu reveja meus conceitos, precisa de argumentos melhores, sem imperativos vazios, e inclusive um pouco mais de sagacidade, porque eu nunca critiquei o conceito de anonimato, como você falsamente apregoa. Existe muita gente que, desde o anonimato, atua eticamente. Não é o caso dos “Blogueiros” sem blog.

  84. Caro Victor e demais colegas,

    Eu publiquei um extenso comentário em 6 de Março tentando aprofundar aquilo que há de central no texto: a discussão sobre a vinculação política e econômica dos principais “blogueiros progressistas” com aparelhos governistas. Listei elementos concretos disso, numa rápida repassagem pelos principais blogueiros. Inclusive o blog da Maria Frô, que embora um pouco mais crítico, não deixa de ser governista, além de receber apoio da rede Brasil Atual. Não há qualquer tom difamatório de minha parte.

    Não seria mais útil nós aprofundarmos este assunto por aqui nos comentários, que é o central desta discussão? Quais as implicações que este governismo traz para a blogosfera democrática? E para a atuação de cada um de nós, nossa informação e produção de conhecimento?

    Ou vamos ficar tentando deslegitimar interlocutores de parte a parte, por esta ou aquela difamação, sem entrar nos dados concretos? E tornar isto aqui mais um fla-flu da blogosfera…

    Grato pela atenção,
    Carlos Augusto

  85. Embora as tentativas ensandecidas do pau mandado para interditar o debate, a postagem do Carlos Augusto é cristalina. Não só o Blog da Maria Frô é governista e com patrocínio, fazendo parte da Rede PT de comunicação, como ainda há tantos outros. Aliás, isso não é mais nem novidade.

    Um ponto de reflexão seria: como reagir a esse aparelhamento da rede pelos governistas? Quais as alternativas?

  86. Lá vem mais uma dissertação do Victor, explicando que ele não é “pau mandado” de ninguém nem nunca quis “interditar o debate” etc etc.

    Tá certo, Victor, você é apenas um defensor voluntário do Blog da Maria Frô, que você acompanha faz tempo, e às vezes colabora etc etc. Defende ela nome da ética, do não-anonimato, dos movimentos sociais etc etc. Tá certo!

    Então vamos daqui pra frente tratar do que interessa, que são as implicações desse aparelhamento da rede pelos governistas.

  87. Exatamente, Carlos Augusto (eu sou Carlos, apenas), voltemos ao ponto que, para mim, é o principal do que está colocado. Também acho que o texto carece de informações mais detalhadas na sua argumentação. Mas o que é curioso é que mesmo sendo frágeis suas assertivas, elas sequer foram contestadas.
    Em nenhum momento o artigo afirma que os “blogueiros progressistas” são gente de má índole, que vive da lavagem de dinheiro da corrupção e tudo mais. Ao que parece, sua relação exagerada com o governo transcorre por meios absolutamente legais. Não duvido disso. E isso talvez seja o mais preocupante.
    O que está sendo questionado aqui é a possibilidade de haver prática jornalística efetivamente independente, de cunho político contestatório, quando se está sendo financiado por entidades anunciantes indiscutivelmente ligadas ao governo. E para se constatar este atrelamento, basta um rápido passeio por algum destes blogs. Não se trata de uma acusação cujo objetivo é por em causa a legalidade dos veículos, mas o seu direcionamento político no que respeita a ação dos movimentos sociais. Neste caso, pouco importa se isto se dá por dentro ou por fora da lei, nos termos em que a Conceição quis colocar o debate.
    A pergunta é: é possível ser política e jornalisticamente independente sendo, ao mesmo tempo, financeiramente comprometido???
    Será que, quando for necessário, sob a ótica dos movimentos sociais anticapitalistas, debruçar-se criticamente sobre as posições da Petrobrás, da Vale do Rio Doce, ou mesmo da CTB, esses “blogueiros progressistas” o farão com o mesmo afinco com que atacam as práticas do DEM/PSDB, por exemplo?
    Tenho para mim que não.
    Bem ilustrativo disso foi o Luiz Nassif e o Renato Rovai tentando provar por A + B que a passagem do controle dos aeroportos brasileiros para a iniciativa privada, operada pelo governo federal, tratava-se de um caso de “concessão” e não de “privatização”.
    O que dizer sobre isso?

    Saudações,
    Carlos

  88. 1. Eita supervalorização, rapaz! Assim parece que ela é uma messias e que é a solitária lutadora dos movimentos sociais! Menos!

    2.Essa “evidência” é você quem está vendo. Ela não foi citada e a foto tem como objetivo mostrar o Lula em umencotnro e os patrocinadores. quem está mais na foto é penduricalho.

    E você acha arrogante que autores do texto e PP dsicordem de você? Eles – e eu concordo – não vêem problema com a foto, você é que tirou conclusões sobre ela e sobre a Frô e ELES (nós) é que são arrogantes? Não estou nem dizendo que você seja, mas, desculpe, discordar de você não é arrogância.

    Quanto à reputação dela, bem… Garanto que não é essa foto que vai mudar a visão das pessoas sobre ela, especialmente depois da defesa fanatizada do racismo do PHA e do uso vergonhoso do movimento negro petista para defendê-lo.
    MAs aí é uam questão de percepção, que é pessoal… E você faz suposições sem qualquer comprovação ou praticidade.

    3. Aí é sua opinião. Respeito, mas discordo.

  89. 1. Eu que estou supervalorizando ou você que está inventando deboches tolos prá arrumar argumento? Eu apenas disse que o Blog Maria Fro faz um excelente trabalho de apoio aos movimentos sociais, incluindo os que incomodam muito o Governo Federal, e que por isso merece o meu apoio. Que você tenha que forçar tanto até apelar ao burlesco por medo a admitir isso não me comove, tampouco me surpreende.

    2. Talvez minha evidência seja subjetiva prá você, embora essa seja uma opinião também subjetiva sua (conheço gente cuja opinião na matéria é bastante relevante, objetiva e embasada, e eles não discordam tanto de mim), tão subjetiva quanto essa acusação de que ela defendeu o PHA, na qual vocè caprichou nos adjetivos, na falta de um argumento mais concreto. O post da Fro a respeito inclusive aponta prá que o comentário do PHA foi, segundo consta no post, claramente racista.

    Mas claro, prá quem acha que as desqualificações pessoais que os troll disfarçados de “Blogueiros” não são arrogantes, e ainda acham que isso é “discordar”. Fora a tentativa stalinista, ou a la Stanley, de me ridicularizar prá interditar as minhas críticas a respeito, não foi apresentado nenhum argumento minimamente inteligível. Sobre o Passa Palavra, sua alusão é totalmente vazia, eu nem tenho como reagir a suposta “discordância deles comigo, já que eles simplesmente se omitem a respeito.

    E apesar de o teu padrão ético achar que essa foto aqui nesse texto se justifica, eu sinceramente duvido que existam muitas opiniões realmente apartidárias capazes de achar isso eticamente aceitável – e está claro que quando digo “realmente apartidários” não estou incluindo gente que alega não ter partido mas cuja opinião se confunde tanto com certas agendas partidárias que acaba sendo impossível considerá-las isentas de todo, e o teu e tua coinscidência com o PSOL é um desses casos.

    3. Poderia ter respondido a primeira igual você respondeu essa terceira, discordando sem debochezinhos nervosos. Vai saber porque você se esforçou tanto em chutar o pau da barraca na primeira.

  90. Insisto nas perguntas: qual é a relação do marco regulatório das comunicações com os blogueiros progressistas? E como a extrema esquerda se coloca quanto a esse marco regulatório? Pensa em participar do processo de consultas públicas que,parece, será realizado em breve?

  91. Caro Carlos Augusto

    Acabo de ver teus dois comentários e não os achei tão profundos quanto você apregoa, mas supondo que você realmente tem o interesse em uma análise realmente profunda do tema e não um mero levantamento de banners cujo indício é bastante fraco, te convido a fazer um debate realmente sério, diferente do que propõe o outro troll que parece que desistiu da tara que tinha pelo meu umbigo e voltou a tentar me desqualificar, na impossibilidade de conseguir produzir um argumento minimamente inteligente.

    Então vamos, Carlos Augusto, você defende que a Frô recebe bolsa-petralha da Rede Brasil Atual prá, como diz o texto original, interditar o debate, desqualificar críticos do governo, invisibilizar temas incômodos ao petismo contra os interesse dos movimentos sociais, fortalecer a agenda da militância petista, entre outras coisas.

    Como você disse, o Blog Maria Fro tem o apoio da Rede Brasil Atual, como diz um banner lá, mas como é esse apoio? Duvido que um cara como você vai se dar por satisfeito com uma conclusão tão ínfima. Tem o apoio… e… de quanto é esse apoio? É um apoio em dinheiro? Como é feito esse apoio prá que ele justifique, a partir dessa insinuação superficial tua, o comentário do teu colega troll (o que muda de nick a cada comentário e tem tesão pelo meu umbigo) que “o Blog da Maria Frô é governista e com patrocínio, fazendo parte da Rede PT de comunicação”? – frase que, se não for respaldada por fatos concretos, demonstram o efeito difamatório que as alusões falsas do texto desencadeiam. De que forma esse apoio compromete o conteúdo do blog e e atua para interditar o debate, desqualificar críticos do governo, invisibilizar temas incômodos ao petismo contra os interesse dos movimentos sociais, fortalecer a agenda da militância petista, entre outras coisas? Imagino que você deve saber disso prá poder fazer a acusação que fez, e espero não me encontrar com a irresponsabilidade de quem jogou um verde e não sabe iidar com isso agora.

    Porque já que a tua “profundidade” ficou na superficialidade da mera descrição de banner, eu mostro prá você aquilo que você não quis pesquisar, sabe-se lá se por falta de vontade ou por algum outro compromisso real ou abstrato que te impeça apresentar um argumento realmente amplo.

    Vou escolher alguns tópicos que estão, indiscutivelmente, entre os preferidos dos críticos do atual governo, e que, portanto, deveriam ser alvo fácil de interdição do debate por parte do que você chama de “aparato petista”, e vejamos como o Blog Maria Fro realizou os quatro principais procedientos que você acusa:

  92. Kit Antibullying – quando a bancada homofóbica deturpou o debate e a presidenta disse, lamentavelmente, que não faria “propaganda de opção sexual”, a blogueira Conceição Oliveira, publicou, vários tópicos, entre os quais destaco esses dois:

    Católicas Pelo Direito de Decidir: Dilma, o que é isso, Companheira?
    http://mariafro.com/2011/05/27/catolicas-pelo-direito-de-decidir-a-presidenta-dilma-estado-laico-o-que-e-isso-companheira/

    Reis: Dilma, não optamos por ser LGBT
    http://mariafro.com/2011/05/29/reis-para-dilma-nao-optamos-por-ser-lgbt-quem-optaria-por-sofrer-todas-formas-de-preconceito-estigma-discriminacao-e-violencia/

    Carlos Augusto, tenta responder objetivamente, sem fugir do assunto:
    Onde está a interdição do debate?
    Onde está a desqualificação de críticos do governo?
    Onde está o fortalecimento da agenda da militância petista?
    Onde está a invisibilização dos temas incômodos ao petismo contra os interesse dos movimentos sociais?

    Se não foi suficiente, vamos falar do Código Desflorestal (termo que a blogueira adotou assim que a votação do código saiu, ocasião em que chamou ironicamente a bancada do PT, partido que você diz que a financia, e do PCdoB de “ambidestra”):

    Prá quem pensa que a bancada ruralista se contenta somente com o Código Desflorestal
    http://mariafro.com/2011/06/03/para-quem-pensa-que-a-bancada-ruralista-se-contenta-so-com-o-codigo-desflorestal/

    Governo, teu nome é contradição
    http://mariafro.com/2011/05/25/governo-teu-nome-e-contradicao-da-reuters-dilma-irrita-se-com-codigo-florestal-e-promete-veto/

    O Dia em que o PT votou com “essa gente”
    http://mariafro.com/2011/05/25/o-dia-que-deputados-petistas-e-do-pcdob-votara-com-esta-gente/

    Quem votou com o Caiado
    http://mariafro.com/2011/05/25/saiba-quem-votou-com-caiado-a-favor-dos-ruralistas-latifundiarios-pro-desmatamento-e-contra-o-mst-e-ambientalistas/

    Carlos Augusto, tenta responder objetivamente, sem fugir do assunto:
    Onde está a interdição do debate?
    Onde está a desqualificação de críticos do governo?
    Onde está o fortalecimento da agenda da militância petista?
    Onde está a invisibilização dos temas incômodos ao petismo contra os interesse dos movimentos sociais?

  93. Agora, vamos falar da Comissão da Verdade:

    Erundina protesta contra a meia verdade
    http://mariafro.com/2011/10/01/a-incansavel-luiza-erundina-protestando-contra-a-meia-comissao-da-verdade/

    Venezuela tem Comissão da Verdade de verdade
    http://mariafro.com/2011/10/24/e-oficial-na-venezuela-diferente-daqui-a-comissao-da-verdade-e-realidade/

    Governo Dilma engolindo sapos de Jobim
    http://mariafro.com/2011/07/01/jobim-sua-deselegancia-e-o-governo-dilma-de-ouvidos-moucos/

    Carlos Augusto, tenta responder objetivamente, sem fugir do assunto:
    Onde está a interdição do debate?
    Onde está a desqualificação de críticos do governo?
    Onde está o fortalecimento da agenda da militância petista?
    Onde está a invisibilização dos temas incômodos ao petismo contra os interesse dos movimentos sociais?

    Mas vamos mais além, porque já que a blogueira ganha bolsa-petralha, ela pelo menos deveria ser incindicional da militância petista, certo? Vejamos então:

    Tião Vianna faz proselitismo religioso com dinheiro público
    http://mariafro.com/2011/10/17/tiao-viana-faz-proselitismo-religioso-com-dinheiro-publico/

    Sou do tempo em que militância não precisava de cartilha
    http://mariafro.com/2012/02/10/sou-de-um-tempo-que-militante-nao-precisava-de-cartilha/

    Visões contraditórias da militância petista
    http://mariafro.com/2011/07/13/militancia-do-pt-carioca-e-visoes-contraditorias-sobre-as-demolicoes-e-desapropriacoes-para-os-megaeventos/

    Carlos Augusto, tenta responder objetivamente, sem fugir do assunto:
    Onde está a interdição do debate?
    Onde está a desqualificação de críticos do governo?
    Onde está o fortalecimento da agenda da militância petista?
    Onde está a invisibilização dos temas incômodos ao petismo contra os interesse dos movimentos sociais?

  94. Nem vou citar os debates nas redes sociais onde a militância petista detona a Fro e o seu blog por ela buscar reiteradamente abordagens que desagradam aos incondicionais da agenda do partido. Tampouco vou dizer que, em seu trabalho de educadora, a Conceição organizou, no ano passado, uma visita de seus alunos a Brasília, para entrevistar um destacado deputado federal do PSOL, dos mais críticos ao governo e que ademais é frequentemente combatido pela militância petista, nem sempre de forma educada, e defendido pelo Blog Maria Fro na mesma medida – por que ela não levou os alunos a um escritório paulistano de algum cacique do grão-petismo, prá economizar a viagem e justificar a bolsa-petralha, hein Carlos Augusto?

    Não vou levar prá esse mérito porque seria demais prá cabeça paranóica de certos “Blogueiros” e trolls ligados a eles e quiçás à sua mesmo, Carlos Augusto, mas tomara que não, tomara que você saiba debater sobre o que você e o texto juram de pés juntos ser um conteúdo teleguiado pelo petismo, e sobre como o blog é financiado pelo petismo de forma concreta, e que esse debate seja com um mínimo de respeito, sem fugir do assunto e sem cair nas desqualificações pessoais. Vejamos do que você é realmente capaz.

  95. Caro Victor Farinelli,
    Reproduzo o comentário que fiz há um tempo atrás no artigo e acho que responde bem suas colocações
    Considero que os “blogueiros progressistas” dialogam de fato com um setor mais a esquerda do eleitorado, por conta disto cobrem manifestações, defendem os direitos humanos, fazem denúncias de determinadas ações do governo. Certamente não tem como público a grande maioria do eleitorado petista, que se informa como os demais pelo Jornal Nacional, mas traz para o âmbito petista pessoas mais críticas e possivelmente engajadas.

  96. Juro que eu até olhava por vezes o blog da Frô. Mas depois desse papelão, das ameaças, da imaturidade (moleques..) e de ter escalado esse puxassaco do Victor Farinelli para ficar dia e noite tentando interditar o debate (o texto nem citava ela) não dá mais para olhar.

    Que repugnante! Abaixo a censura!

  97. Acima, vemos novamente o procedimento stalinista dos “Blogueiros”, o lixo que o Tsavvko diz que não é lixo, mas cujo procedimento é o mesmo do Stanley, tão odiado pela militância psolista.

    Não é a primeira vez que os “Blogueiros” se sentem acuados por um comentário que quebra as pernas da frágil teoria do texto original desse post, mas sempre que isso ocorre, a pessoa que comenta isso é atacada pessoalmente por novos trolls criados pelos “Blogueiros” – que ainda caem no ridículo dizendo que são os outros os “moleques”, o que demonstra falta de espelho.

    Quero ver qual é o argumento do Tsavvko prá dizer que isso não é lixo ou é algum tipo de debate minimamente sério.

  98. Ah Vitor… vamos falar algumas verdades. De que adianta a dona Frô fazer as críticas que faz se no final das contas continua apoiando o gov?
    Não faz sentido. Ou ela é esquizofrênica ou essas críticas são de fachada.
    De que adianta dizer que a causa LGBT é importante e ao mesmo tempo apoiar um gov que está pouco se importando com a situação dos homossexuais nesse país? Aliás, é pior. Não apenas tá pouco se lixando como também dá trela a setores religiosos que são claramente contra direitos LGBT.

    De que adianta reclamar dos ruralistas se esse mesmo gov do qual ela apóia mantém relações bastante estreitas com o setor do agronegócio?

    De que adianta dizer que é Comissão da Meia-verdade sendo que esse mesmo gov que ela apóia não tá nem pouco afim de ir contra os militares?

    Sabe? É tipo de coisa que não faz sentido. Não dá para apoiar algo que hoje trabalha sistematicamente contra o seus ideais. Se a Conceição realmente leva a sério as causas que defende, ela precisa rever o apoio a esse gov do PT. Aliás já deveria ter feito isso há muito tempo. Porque senão contradiz com tudo o que ela prega.

    Olha, sinceramente eu não vejo nenhuma boa razão para ela manter essa situação contraditória.Por alguns motivos:

    – Dizer que apóia porque com o PSDB seria pior, não cola uma vez que o PT anda praticamente fazendo a mesma política que o PSDB.
    – Dizer que continua apoiando pois no final das contas a gestão petista tem mais avanços do que retrocessos não rola posto que seria a mesma coisa que dizer que a causa LGBT por exemplo, é menos importante do que “tirar nãoseiquantosmilhões da miséria”.
    – Evocar a tal “correlação de forças” pra justificar a ação do gov não cola mais uma vez que em vários momentos o gov é muito mais agente ativo do que passivo nesses retrocessos.
    – Dizer que não existem outras opções de partidos na esquerda também não acho válido posto que assumir essa posição é aceitar um derrotismo (de que não é possível criar mais uma opção) ou pior, de que a política que realmente importa é a feita através de partidos.

    Fazendo um paralelo, o posicionamento da Conceição é parecido com o discutido aqui sobre o MST. É a atitude “em cima do muro”
    que prejudica mais os mov sociais do que o fazem ganhar. Além de dar margem à acusações de que são aparelhados (isso qnd não são claramente aparelhados mesmo).

  99. A brigada governista já passou algumas etapas no ataque que faz aos blogueiros de esquerda e ao site que publicou o texto:

    Fase 1: foi a da intimidação, com a imatura cobrando respostas e lançando ameaças. Outros da brigada vieram juntos na ameaça coletiva: cadeia neles

    Fase 2: o surto e a desqualificação: a imatura surge com xingamentos (moleques) e tantos outros se somam tentando desqualificar os blogueiros e o site

    Fase 3: vendo que tinha feito merda ao expor a sua baixa capacidade de controle ante um debate e expor também o autoritarismo pró judiciário e censura, a imatura escala o moleque de recados para a sua defesa

    Fase 4: o moleque de recados Victor Farinelli tenta transformar o debate num barraco virtual, que é outra forma de interditar, desqualificar

    O que não entendem: a leitura ja foi feita, o debate ja foi dado, aumentou a percepção sobre a existência da Rede PT de Comunicação cujo trabalho é captar gente das lutas sociais para o campo governista. Uma certa aproximação da Maria Frô com movimentos é somente para operar esta cooptação de militantes para o campo governista.

    Meu nome é Sob Ataque da Brigada e eu venho aqui todos os dias. Boa noitedia

  100. Vitor, você tomou as dores da frô, que nem é citada no texto. Postar links do blog dela mudam o que? Novamente, você – e ela – é que vestiram a carapuça…

  101. Tática stalinista de interditar o debate:

    1) Rafael, que não tem o que dizer diante das evidências de que a tese do texto caiu no descrédito e os ataques a Fro idem, volta à provocativa tese da “carapuça”, como forma de fugir do assunto, porque no assunto em si ele não tem mais como negar o que eu disse. Típico…

    2) A troll Ana Maria, uma das “blogueiras” que não tem blog, nem sobrenome, nem identidade, parte prá subjetividade desesperada prá desqualificar sem nenhum fundo de verdade os links que jogaram na cara dela que tudo o que os seus colegas trolls e o Rafael dizem a respeito da Fro é falso. É mentira que a Fro apoia a postura dúbia do governo sobre os LGBT, ela tam pouco apoia a Comissão da Verdade como está, tampouco apoia a política pró.ruralista, e tanto a troll Ana Maria, quanto o Tsavvko quanto todos os “blogueiros” sem blog sabem que isso é mentira, mas não lhes importa reforçar a mentira em prol da deturpação do debate quando isso lhes convém e menos ainda se isso é feito a partir de atacar injustamente a uma pessoa de postura política independente como a Fro. É a “ética” desse tipo de gente, seus stalinismo enrustido. Típico…

    3) além da patética teoria das fases, que não tem nenhum sentido que não seja o da vitimização vazia e o da desqualificação pessoal contra mim (dois métodos clássicos do stalinismo) o troll que muda de nome a cada comentário, e que já teve uma tara pelo meno umbigo, caiu em outra manobra dessas de morrer de rir, e também típica dos trolls que não tem argumento e não aguentam ficar sem resposta, que é dizer que o debate não pode continuar porque ele já tinha acabado antes (hahahahahahahaha), e depois ainda insiste no ridículo e acusa a mim de interditar, sendo que ele se acha no direito de dizer quando o debate acaba ou termina. Esse é o “debate sério” dos “blogueiros” sem blog, é isso o que o Tsavvko acha que não é lixo – embora não tenha cacife prá assumir que está defendendo apaixonadamente, ou “vestindo a carapuça”, dos “blogueiros” sem blog.

    E ainda me chama de “brigada”, embora ele, a outra troll e o Tsavvko sejam os que estão fazendo tabelinha prá me atacar pessoalmente, um cara que se defende sozinho, e tentar invalidar meus argumentos porque não sabem lidar com as evidências, numa atitude matonesca típica do brigadismo político.

    Nenhum dos tres é capaz de lidar com o que foi apresentado anteriormente, o que demonstra, ademais, um medo de debater de verdade que me demonstra o caráter de quem está por trás disso.

  102. Definição de troll (Wikipedia):
    “Um troll, na gíria da internet, designa uma pessoa cujo comportamento tende sistematicamente a desestabilizar uma discussão, provocar e enfurecer as pessoas envolvidas nelas.
    Há várias sistemáticas desenvolvidas por trolls para atuar num fórum de Internet, entre elas:
    – Induzir a baixar o nível: alguns trolls testam a paciência dos interlocutores, induzem e persuadem a pessoa a perder o bom senso na discussão e apelar para baixaria e xingamentos. Com isso, o troll “queima o filme”, consegue que a pessoa se auto-difame na comunidade por ter descido a um nível tão baixo;
    – Repetição de falácias: outro método usado que induz ao cansaço, aqui o troll repete seu conjunto de falácias até que leve seu interlocutor à exaustão, alegando depois ter vencido a discussão após o abandono do oponente.”

    Quem é o troll aqui?

  103. O pau mandado da Frô, o Victor Crô (isso se não for a própria disfarçada).

  104. Ué, Victor? As coisas mudaram e eu não estou sabendo? A Maria Frô finalmente rompeu com o governo e foi para oposição? Deixou de ser progressista?
    Olha, até onde me consta apesar das discordâncias em relação às atitudes do PT, ela nunca deixou de manifestar apoio a esse governo. Ou seja, apesar de todos os sapos engolidos ela ainda acha que o PT é a melhor opção política para o Brasil.
    É aí que vem o paradoxo que você ainda não soube me explicar: se a Fro é tão próxima dos movimentos sociais como diz – por quê ainda mantém o seu apoio a um governo que em várias ocasiões se mostra contra os interesses dos movimentos? Esperança de um diálogo futuro? Com Dilma abraçando Kátia Abreu ,por exemplo?

    Olha, espero que você responda a minha a pergunta porque até agora o que você mais fez foi fugir do debate político para tentar desqualificar os críticos pedindo credenciais que são completamente irrelevantes para o quê está sendo debatido.

  105. Ana Maria,

    1) A Frô participa dos fóruns de blogueiros de diversos tipos e nomes, embora ela seja partícipe sim do que se convencionou chamar #BlogProg, daí a dizer que ela faz parte de um aparato de propaganda, como você es os demais “blogueiros” sem blog e o Tsavvko acusam irresponsavelmente, são outros quinhentos, mas claro, como você é um troll do teu partido, a tua função é acusar sem provas, não argumentar com um mínimo de base. De qualquer forma, não conseguirá convencer ninguém que tenha cérebro, mas siga participando :D

    2) Ana Maria, como você é troll e não sabe nada sobre os movimentos sociais, e o mesmo acontece com os demais “blogueiros”, que pouco sabem como funcionam os movimentos sociais, eu vou te explicar, mas não se preocupe, eu tenho paciência.

    Diferente de vocês, que são soldadinhos do partido, os movimentos sociais e não fazem oposição raivosa ao governo, mesmo quando discordam, e mesmo quando o governo faz coisas absurdas, como fez o da Dilma e o do Lula em seu momento. Se critica os erros, com a veemêncisa que corresponde, e depois continua a luta, que inevitavelmente obriga a continuar dialogando com o governo de turno, seja ele qual for. É o que a Fro faz, como demonstrou as perguntas que eu fiz anteriormente e que tanto você quanto os demais trolls não responderam (por cagaço ou por falta de argumentos, quiçá as duas coisas, vocês saberão). E, olha que legal, trolls, além da Fro, sabe quem mais faz isso? O MST!!! O maior movimento social do Brasil, e que recebe e reconhece a importante contribuição que lhe entrega o Blog Maria Fro, age exatamente como o Blog Maria Fro: http://mariafro.com/2011/12/22/stedile-governo-dilma-esta-em-divida-com-as-familias-acampadas/

    O que vão dizer agora os troll Ana Maria, Carlos Augusto e o que tem tara pelo meu umbigo sobre isso? O que vão dizer o Tsavvko e o Loureiro, que tentam desqualificar minha opinião por não ter argumento prá responder os desafios que eu fiz ao troll Carlos Augusto?

    Mas, Ana Maria, siga participando :D quem sabe na próxima você consiga apresentar um argumento minimamente consistente.

  106. Ao Gustavo Loureiro, obrigado por me chamar de “troll”, demonstra o teu caráter e que, fora essas desqualificações vazias, você não tem nada mais prá me responder, mas vejamos onde está o medíocre do que você apresenta:

    Você insinua torpemente, a partir de teu conhecimento wikipediano (outra coisa que me faz entender quem é você) que meu trolismo vem de que eu “induzo o baixo nível” e “repito falácias”, mas, olha que engraçado :D nem sou eu quem usou os termos “claque”, “garoto de recados”, “victor cro”, “umbigo do victor” prá desqualificar alguém e fugir do assunto. Quem usou esses termos, Gustavo? Qual era a finalidade desses termos? “Induzir o bom nível”? Como disse a Ana Maria, espero que você responda a minha pergunta e não fuja com o rabinho entre as pernas. Se quiser, anda ver no wikipedia o que ele te diz a respeito.

    Mas a pérola foi o lance de “repetição de falácias”, porque aí acabou saindo uma confissão involuntária. Você talvez não se lembre, mas o teu não foi o primeiro comentário que me ataca com o mesmo método e os mesmos argumentos (Eric, Joaquina, Carlos, outros insinuaram o mesmo, só que sem wikipedia). Logo, eu te pergunto o mesmo que você: QUEM É O TROLL!! Porque se você é quem está “repetindo as falácias” dos trolls, como diz o teu infalível wikipedia, quem de nós dois é mais suspeito de estar agindo por trás dos trolls que comentam neste tópico? Como disse a Ana Maria, espero que você responda a minha pergunta e não fuja com o rabinho entre as pernas. Se quiser, anda ver no wikipedia o que ele te diz a respeito(repeti essa última “falácia” do último parágrafo de propósito, prá você não pensar que eu desprezo o teu conflito interno :D).

    Espero que os demais “blogueiros” sem blog/trolls também revelem seu alter ego dessa maneira divertida – pelo menos esse tem blog, e espero de coração e sem ironias que esse blog nunca tenha que sofrer o mesmo tipo de ataque sórdido que o Blog Maria Fro tem recebido por parte de você e dos demais “blogueiros”, porque, diferente de vocês, eu prezo o debate quando ele é feito com respeito mútuo e sem tentar destruir, por exemplo, o longo e excelente trabalho que o Blog Maria Fro faz, apesar dos tristes deboches do Tsavvko, em favor de muitos movimentos sociais, e não importande se são próximos ou distantes do PT, ela apoia por apoiar causas e não o partidos. E também porque não se trata só ela, tem centenas de outros blogs que participam dos Blogueiros Progressistas (o que segundo o troll Ana Maria é prova suficiente prá ser bolsa-petralha) e que atuam em favor dos movimentos sociais com posturas também críticas ao PT, não raivosamente como vocês, mas quando os donos dos blogs acham necessário, que é assim como as pessoas realmente apartidárias agem, eles concordam com o governo às vezes e discordam outras vezes, e inclusive o grau de discordância também varia.

    E, Gustavo, caso você seja também o troll Carlos Augusto, espero que você tenha como responder meu planteamento acima sobre o conteúdo do Blog Maria Fro e as provas evidentes de sua independência do tal “aparato petista”, e com argumentos, sem desclassificações pessoais, sem falácias, sem fugir do debate, e, por favor, com algo melhor que o wikipedia.

  107. Victorzzzzzz,
    Se o meu o argumento não é consistente, então a sua capacidade de discutir política é…
    Soldadinhos de partido? Onde? Vc parou para pensar que existe política além de partidos? Eu sei que pode parecer difícil a você, mas para se criticar um governo ou ser de oposição não é necessário ter nenhuma veiculação a partidos políticos. Eu não vejo problema algum em que escolhe essa opção dos partidos, mas eu pessoalmente não sou filiada a nenhum.

    O que a Fro faz não é mero diálogo e você sabe muito bem disso. Não tergiverse. Existe apoio. Existe concordância com o tal “projeto de país” do PT. Pode-se fazer as críticas aqui e ali em algumas questões mas nada que chegue ao ponto de dizer que se arrependeu de ter votado na Dilma em 2010. Ou que o PT hoje faz a mesma política que o PSDB. Ela já chegou nesse ponto? Se sim, eu até retiro o que disse…

    Essa história de oposição raivosa é bem coisa de progressista mesmo e esconde um peleguismo enorme. Você acha que realmente dá para ter diálogo com o governo tratoragem da Dilma? Que não faz oitiva com indígenas? Que usa a força nacional para conter greve em Jirau? Que prefere ouvir mais os setores religiosos da base aliada no que se refere a direitos LGBT?

    A respeito do MST, é inegável que hoje o movimento está em crise e que desde que entrou o gov Lula/Dilma os números dos assentamentos vem sendo reduzidos todos os anos. Nesse primeiro ano de gov Dilma a questão agrária praticamente não andou. Muito pelo contrário, o que se viu em 2011 foi a expansão do latifúndio e do agronegócio com a anuência do governo.
    E uma das razões dessa letargia e que foi discutido em três textos já publicados aqui (links logo abaixo) é a cooptação e o aparelhamento do movimento pelo gov do PT. Ou seja é basicamente a mesma coisa que os Blogueiros de Esquerda denunciam nesse texto sobre a brigada.

    http://passapalavra.info/?p=48866
    http://passapalavra.info/?p=53308
    http://passapalavra.info/?p=52448

  108. Victor,
    “Ao Gustavo Loureiro, obrigado por me chamar de “troll”, demonstra o teu caráter”

    R.: Bom, pelo menos estamos juntos nessa, já que o termo surge uma vez pela voz de Mar. e a partir daí é adotado obcessivamente por você.

    “você não tem nada mais prá me responder”

    R.: Você já leu todos os meus comentários? A maioria das respostas que você quer eu já as enunciei e, incrível!, defendem a Conceição! (e mesmo assim você me ataca…)

    “mas vejamos onde está o medíocre do que você apresenta”
    Uma opinião absolutamente subjetiva, portanto, irrelevante e que não acrescenta nada.

    “Você insinua torpemente, a partir de teu conhecimento wikipediano (outra coisa que me faz entender quem é você) ”

    Irrelevante.

    “meu trolismo vem de que eu “induzo o baixo nível” e “repito falácias”, mas, olha que engraçado :D nem sou eu quem usou os termos “claque”, “garoto de recados”, “victor cro”, “umbigo do victor” prá desqualificar alguém e fugir do assunto”

    R.: Os assuntos só podem ter uma única perspectiva – a sua? Quem se desqualifica aqui é você, porque você não abre mão da perspectiva da suposta ofensa à Conceição, e se nega a debater outras perspectivas da questão, aquelas a que o texto e muitos outros comentaristas já indicaram. Ao negar as outras leituras do texto, você desqualifica os interlocutores – inclusive eu que, a princípio estou mais próximo de você do que os seus ataques dão a entender – basta ler todos os meus comentários para confirmar isso.

    “Mas a pérola foi o lance de “repetição de falácias””
    R.: A pérola não é minha, mas parte da definição do termo troll. Se você não concorda com a definição do termo, faria um bem a todos ao entrar na Wikipedia ete melhorar a definição do termo. Para quem sabe ler criticamente, e, de preferência, entende mais de um idioma, para poder comparar diferentes versões, esta ferramenta pode ser sim, útil, e adianto que os verbetes em inglês, muitas vezes, têm um grau razoável de profundidade; e o fato de ser uma ferramenta colaborativa, significa que qualquer um pode começar ou contribuir para a melhoria de um verbete; eu mesmo já criei um lá, o AFRICOM, a minha única participação ativa lá. Com relação às falácias, de fato, é o que você tem feito aqui, já que, ao insistir na sua leitura subjetiva, e não arredar pé dela, você repete falácias.

    “Espero que os demais “blogueiros” sem blog/trolls também revelem seu alter ego dessa maneira divertida”

    R.: Aqui eu confesso que não entendi mesmo. Você pode explicar melhor o que quis dizer?

    “e espero de coração e sem ironias que esse blog nunca tenha que sofrer o mesmo tipo de ataque sórdido que o Blog Maria Fro tem recebido por parte de você e dos demais “blogueiros””

    R.: Agora você extrapolou um pouco, ao se “solidarizar” com uma situação hipotética e inferir, sem base nenhuma, a minha possível reação. Comentário irrelevante, portanto.

    “E, Gustavo, caso você seja também o troll Carlos Augusto”

    Não… Victor… não sou o Carlos Augusto…

    Por favor, leia todos os meus comentários.

    O que é mais importante e gostaria de ver respondido por outros, é a questão sobre o MST que o Victor levantou

  109. Peço a palavra mais uma vez para reforçar um ponto que, a meu ver, caracteriza bem a forma como o Victor e outros “dialogam”.

    Ao replicar o comentário em que fiz uso de uma referência à Wikipedia, Victor se utiliza de um evento isolado – uma, apenas uma referência à Wikipedia – e infere:

    1) Que eu sempre uso a Wikipedia;
    2) Que a Wikipedia não vale nada, nunca;
    3) Que se alguém usa a Wikipedia, que não vale nada, nunca, então essa pessoa não vale nada, nunca, e não tem caráter;

    Acho que não preciso me alongar muito para demonstrar o quanto esse raciocínio é tortuoso.

    E que, portanto, uma conclusão derivada de um raciocínio tortuoso pode muito bem ser chamado de falácia (isso para não enrrar no mérito da ofensa pessoal, mas esta não vou nem considerar porque não estou nem aí para isso)

    Mas, claro, o Victor vai ler este comentário, e tudo que dele irá extrair é uma única coisa: que, mais uma vez, o estou ofendendo, atacando. Não admira que outros menos pacientes sintetizem este modo de pensamento de umbilical. (pronto, de novo, mais uma ofensa contra o Victor… e assim vai…)

  110. Ana Maria, mais uma aulinha grátos procê:

    As oposições apartidárias, em geral, no Brasil e fora dele, não atuam de forma intrasigente nem furiosa, até porque elas não tem uma agenda partidária que seguir, e sua agenda geralmente funciona como a dos movimentos sociais – e em realidade, muitas dessas são efetivamente movimentos sociais atuando de forma política.

    Se você tem vergonha de assumir o teu partido é teu direito, e por isso também pode seguir fingindo que não o tem, embora os argumentos não sejam convicentes.

    Ademais, a tal “crise” do MST só é inegável prá você e prá Veja. Prá Veja, porque eles odeiam o MST e todo movimento social, prá você, porque você não sabe como eles funcionam, o que ademais explica porque você tampouco entende o Blog Maria Fro.

    Mas siga participando :D
    Aquele abraço!!

  111. Gustavo, dois comentários prá me desqualificar desesperadamente, com ambos dizendo a mesma coisa, ou seja, repetindo falácias. Além de confessar que você é troll (segundo o Wikipedia, que você tem razão, eu não posso menosprezar o wikipedia, ele nunca erra, certo?) demonstra um certo desespero, que faz aumentar a certeza que eu acertei justo eu mais queria, ainda que você tente inutilmente negar que é um dos “blogueiros” de esquerda ou que faz parte do bando que responde por eles e pelos trolls que me respondem.

    A vitimização vazia é um bom método (stalinista, repetir um termo que vocês gostam e que eu uso reiteradamente porque gosto de vocês) prá se fugir da carapuça (outro termo da prefêrencia de vocês) que você vestiu, mas dessa vez soou como “socorro amigos!! ele me xingou porque eu usei o wiki e ele disse que isso é coisa de bocó”.

    Claro que a vitimazação vazia também te leva a mentir (o que eu não sei se te pesa na consciência, talvez sim, embora faltem evidências), já que eu nunca disse que “quem usa o wikipedia não vale nada”, até porque eu mesmo o uso vez ou outra, o que eu não faço é achar que ele é alguma fonte de saber inquestionável, como você acha (e as pessoas mais oe menos, nem precisa ser muito, esclarecidas, sabem que ele é bastante questionável) e menos ainda vou tentar desqualificar pessoas através de trechos editados do wikipedia, como você tentou fazer.

    Porque tem isso também Gustavo, o teu método ao me atacar revelou muito sobre você porque demonstrou, por exemplo, que a honestidade está longe de ser o teu forte, visto que você evidentemente usou um trecho que sequer corresponde a um terço da definição de “troll” que consta no questionável wikipedia, disse que aquilo era a definição completa. Se você não fosse do bando dos “blogueiro” de esquerda eu talvez me surpreenderia, mas como o teu padrão ético é o mesmo deles, pelas razões já conhecidas, achei normal.

    Claro o caso em questão e o senso comum também indicam que existem muitos artigos na internet que definem o que é um troll muito melhor que o wikipedia, mas nem sei se devo entrar nesse mérito porque pode ser demais prá você.

    Prá terminar, você também falta com a verdade quando diz que em teus comentários anteriores você concorda com o que eu defendo. Você disse, em formato cara limpa, que preza o Blog Maria Fro pelo seu conteúdo, mas acha que ela ainda assim é financiada pelo PT prá fazer governismo, somente seria, segundo você, “mais aceitável”. Pelo menos mantém certa coerência com o que você acusa junto com os teus colegas “blogueiros” sem blog. Minha versão porém é completamente diferente, eu sei que a Fro não é financiada por nenhum partido, sei quem ela é, onde ela mora, o trabalho que ela faz, e sei que o único e ínfimo apoio que o blog recebe não tem a menor influência no conteúdo do blog, como eu já demonstrei anteriormente.

    Mas não fica triste, Gustavo. Siga participando :D

  112. Ora Victor, acho que você tem problemas de leitura.
    Se eu reclamo da burocratização e aparelhamento dos movimentos sociais (cheguei até a postar links) como é que você acha que eu sou filiada a um partido que é uma organização ainda mais aparelhada do que os movimentos sociais? Hein?

    Oposição raivosa é adjetivo seu. Estou falando de uma postura mais combativa, mesmo porque é projeto de governo ir contra diversas bandeiras de vários movimentos por aí. Um exemplo claro disso é o mov indígena. Não foi à toa que no passado eles romperam relações com o gov federal. (http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-06-16/movimento-indigena-rompe-relacoes-com-governo-federal).

    De que adianta estabeler diálogo com trator Dilma?
    Não faz o menor sentido. Belo Monte taí de prova. Não fizeram nem oitiva. E quando os movimentos foram legitimamente reclamar à CIDH, o que o gov federal fez? Cortou a verba da instituição! Ou seja, a obra está sendo empurrada goela abaixo da população local e ainda por cima comete as mesmos descasos com os trabalhadores que aconteceu em Jirau. Se estar contra esse tipo de atrocidade não é estar em oposição ao gov federal, eu já não sei mais o que é…
    Pode não ser uma oposição no estilo parlamentar/partidário mas com certeza é oposição no sentido que discordância do modelo de gestão por parte do gov.

    Quanto ao MST, provavelmente você anda vivendo tempos de avestruz e não percebeu os sinais que são, entre outros:
    – a carta de saída dos 51 signatários
    http://passapalavra.info/?p=48866
    – a queda nos números dos assentamentos
    – a difuculdade de conseguir novos membros (uma das razões é por causa do bolsa família e aí eu não sei se isso é bom ou ruim)
    – uma declaração do próprio Stédile em recente entrevista (não consegui achar o link) que o próprio MST precisava reavaliar a sua postura que em si não é uma declaração de crise mas já aponta que a situação atual não é a das melhores

    Alguns podem achar que é apenas uma má fase, mas eu sinceramente considero como crise a partir do momento em que a organização perdeu o seu viés combativo para apoiar tacitamente um gov que no final das contas cede muito em troca desse apoio.

  113. A esta altura da jornada é até natural que isto passe desapercebido, tantas palavras já foram ditas e reditas – mas temos agora o seguinte reconhecimento do Victor:

    “eu sei que a Fro não é financiada por nenhum partido, sei quem ela é, onde ela mora, o trabalho que ela faz, e sei que o único e ínfimo apoio que o blog recebe não tem a menor influência no conteúdo do blog, como eu já demonstrei anteriormente”

    O que, a meu ver – mantenho o que disse antes – não altera nada da questão maior que o texto quer trazer, mas que agora, pelo menos, conta com o reforço do testemunho – privilegiado – do próprio Victor.

  114. Ora Ana Maria, você é que tem problema em admitir que não sabe nada sobre como funcionam os movimentos sociais, com teu suposto ativismo de tela de computador (e não adianta me fazer acusação cruzada, não sou mesmo ativista, embora dialogue e conheça diversos líderes de movimentos no Brasil e em outros países, mas isso não me faz ativista).

    Os movimentos sociais não são “combativos” (palavra que você usoou prá defender oposição raivosa sem admitir que é raivosa). Eles podem (mais uma aulinha grátis prá você entender como eles funcionam) cortar diálogo com o governo de turno sempre que achem necessário fazê-lo, quando acham que o governo não dá garantias de avanço nos temas sociais, que foi o que fez o Movimento Indígena, mas depois retomam, de forma também negociada, exigindo garantias, fazendo pressão legítima, mas não oposição sistemática, já que eles não são partido, eles não ganham nada chutando o pau da barraca, nem quando o governo é de direita dura. Eles são defensores da sua causa, o que eles querem é que a causa prospere.

    Oposição sistemática e ofensiva, como a tua chamando a presidenta de “trator”, só faz quem é soldadinho de partido – e claro que você tem todo o direito de chamar a presidenta de “trator”, como também é evidente que quem faz isso é gente que reza cartilha de partido, são as consequências de você agir como quer agir, desnuda teu pouco sério anonimato troll.

    Logo, o MST não perdeu combatividade, como você diz, e tampouco apoia tacitamente o governo, somente porque não mama da agenda do teu partido, como você queria, e continua sendo o maior movimento social do Brasil e da América Latina, extremamente respeitado em todo o continente (respeito do qual eu sou testemunha), e você torcer o nariz e fazer pataleta diante dessa realidade não vai servir de muito, pior, vai mais ainda denotar a sua falta de conhecimento e de compromisso real com os movimentos sociais de verdade.

    Teus dados copiados ou dos “amigos do Graeff” (que também devem bombar aqui nos links do Passa Palavra, e não duvidaria nada de você ser um deles) do DataVeja não me comovem, e teu desespero em me chamar de “avestruz” só demonstra ainda mais tua pequenez, mas se usar esse ofensa faz você se remoer menos por dentro, eu não tenho problema ;D “¡siga siga nena!”.

  115. É que a “questão maior” do texto, Gustavo, é que você e teus colegas “blogueiros” sem blog acusaram os Blogueiros Progressistas, indiscriminadamente, todos sem filtrar nada (dizem que uns mais outros menos, o que não serve de muito), de serem subsidiados pelo governo e ter o conteúdo dos seus blogs condicionado aos interesses da agenda governista – prá que não fosse indiscriminada a acusação, vocês teriam que, pelo menos, ter a atitude ética de dizer quem são os blogs que não merecem essa suposta dúvida infundada, mas não o fizeram, teus princípios éticos (???) não dão prá isso.

    O fato de não dar nomes é a estratégia stalinista prá desqualificar todos os blogs que não concordam com vocês, e torna a coisa ainda mais irresponsável e vazia. A foto da Fro no texto cria a alusão direta com ela, a qual o teu próprio comentário lá em cima confirma, quando você diz: “Com relação à questão do subsídio do governo, se todos os que recebem ajudas de custos agissem como Azenha, Rodrigo ou Conceção, acho que seria até um dinheiro bem gasto e legítimo”, o que significa acusar três pessoas, não somente a Conceição, de “receberem subsidios do governo para fazer “lobby governista na rede” -reconhecer os méritos dos blogs não só não apaga a acusação que você fez a eles, da qual não tem como provar, como mantém a irresponsabilidade na acusação aos que segundo você, não teriam méritos, e que seriam todos financiados também pelo governo, porque não pode haver nenhum blog no Brasil nem no mundo que possa concordar nem total nem em parte com o atual governo, porque quem concorda total ou em parte com o governo é automaticamente classificado como bolsa-petralha – eu acho que vou abrir um blog prá falar bem do governo, eu nem concordo muito, mas o mínimo que eu esteja de acordo já vai me servir prá ganhar minha bolsinha-petralha (que alguns dos trolls do teu bando ainda defendem depois como “legítima”, :D ¡vaya esquizofrenia”!).

    Tua teoria cai nesse nível de maniqueismo infantil, nesse nível de ridículo. Parabéns!! Siga participando :D

  116. Bom, pelo menos conseguimmos um avanço na longa e lenta tergiversação, com o testemunho do Victor:

    “eu sei que a Fro não é financiada por nenhum partido, sei quem ela é, onde ela mora, o trabalho que ela faz, e sei que o único e ínfimo apoio que o blog recebe não tem a menor influência no conteúdo do blog, como eu já demonstrei anteriormente”

  117. Vitor, se você quer ser troll, fique à vontade, mas não seja mentiroso. em momento ALGUM eu disse que a Frô era isso ou aquilo. Meu questionamento se baseou APENAS no fato dela tomar as dores – e você idem – por uma foto qualquer em que mal dá para reconhecê-la. Não coloque palavras e conclusões na minha boca, isso é desonestidade.

    Se você quiser debater idéias, ok, mas você se limita a dizer que a Frô é santa e que TODOS que discordam de você são troll, estão errados e blablabla. Sua argumentação, bem, não existe.

    Sua tática de argumentação (sic) é fantástica. Você não diz nada, só acusa meio mundo de ser troll e… só.

    Agor,a engraçadíssimo a sua insistência em FORÇAR que as pessoas tenham partido só pra que você consiga dar alguma consistência aos seus argumentos! Ou seja, você afirma que uma pessoa tem partido, mesmo que esta diga que não tenha, mas, claro, você deve saber da vida dos outros melhor que os prórpios, né?

    É difícil discutir e defender alguém absolutamente partidário(a) com quem não tem rabo preso. E antes qeu você diga que eu sou do PSOL, mania de quem não tem argumentos, recomendo leitura no meu blgo das críticas que faço ao partido,a té mais pesadas que muito opositor. Á diferença que honestas e feitas sem rancor.

  118. Viram esse?

    http://www.pannunzio.com.br/archives/9597

    Destaco:
    O chefe da claque governista na internet, o blogueiro autoproclamado progressista Paulo Henrique Amorim, recebeu da Caixa Econômica Federal R$ 833,28 mil reais em patrocínios para sua página eletrônica. O valor foi informado ao Blog do Pannunzio pela Assessoria de Imprensa da CEF e se refere a 20 meses de veiculação de banners em 2011 e 2012.

    O valor mensal dos patrocínios arrecadados é equivalente ao que o Conversa Afiada recebeu dos Correios — R$ 40 mil mensais pela veiculação de uma campanha do Sedex entre outubro de 2011 e fevereiro deste ano. O contrato com os Correios foi suspenso, segundo a estatal em função do fim da campanha.

  119. Rafael, tua tática de argumentação, que também merece o mesmo sic, nem fantástica consegue ser, porque ademais cai no mesmo maniqueismo primitivo do Gustavo, outro psolista envergonhado. Alegar que não são militantes não muda o fato de que vocês seguem o discurso do partido, ainda que com algumas críticas, todo militante ou simpatizante tem críticas ao seu partido e eu já te vi confessar mais de uma vez no teu twitter tua simpatia aberta pelo PSOL, com elogios rasgados (já te vi uma vez defendendo o PSOL o maior partido de esquerda do Brasil, pelo twitter, com uma paixão e intransigência que não são de um mero opiniador não engajado, e isso não signifique que eu não aceite aquela opinião como válida, até retwitei alguns arguementos) mas que se você quiser fingir que não disse é problema teu, mas não vai me convencer.

    Também cai em outras estratégias juvenis (no que estou sendo bonzinho, já que conheço gente de doze anos que já não age assim ->) como a de insistir em dizer que eu chamei a Fro de santa só porque defendo o direito dela de ter a opinião dela sem ser acusada de ser cooptada por partidos, e não defendo só prá ela, já disse aqui que acho patética essa maneira que você e seus amigos “blogueiros” sem blog usaram prá colocar todo mundo que pensa diferente de vocês num balaio onde quem não é antigovernista é bolsa-petralha, é leviano (você chega ao ridículo de defender o trollismo dos teus amigos “blogueiros” sem blog, e quando eu te disse que existe gente que usa o anonimato de forma correta e responsável, diferente deles, você fugiu do assunto, e agora tenta voltar dando uma de migué :D e ainda acha que convence)e serve mais prá interditar o tópico que prá outra coisa.

    Sobre a tua forma um pouco confusa de me chamar de desonesto, eu vou te ajudar a se exclarecer, já que você alega querer um debate sério (coisa que não vi da tua parte ainda). Você veio aqui até agora prá defender teus amigos anônimos da “teoria” irresponsável que eles publicaram, não expôs uma postura independente da deles, pelo contrário, tem endossado tudo, e teve oportunidades para não endossar mas obviamente preferiu assinar embaixo. Logo, se você não quer se desmarcar do que eles disseram e muito pelo contrário, eu não tenho outra escolha senão te colocar no mesmo balaio deles, até porque você sabe que o Blog da Fro é sério mas prefere cair no mesmo deboche barato uma e outra vez, prá não ter que admitir isso, covardia mesmo.

    Meu argumento em favor da Fro é pura e simplesmente que o blog é sério, que tem a opinião dela, que se pode concordar ou discordar, e tem um imenso apoio aos movimentos sociais, e não é cooptado por nenhum partido. Você, diante disso, e tendo tomando as dores dos teus amiguis “blogueiros” sem blog, preferiu tentar esculhambar com adjetivos cheios de rancor (o teu rancor contra ela e contra muita gente na rede é mais que conhecido por mim e por muitos, vai fugir dessa também?), como se fosse proibido opinar em favor dela senão você chora, e continua chorando.

    E transferir esse teu rancor prá mim foi campeão, pelo contrário, cada comentário de vocês tem garantido uma chuva de risadas a mim e a todos a quem eu tenho mostrado – já estão me cobrando loucuras novas de vocês, por favor não demorem.

    Aprende a debater, garoto ;) ainda tá em tempo.

  120. Caros colegas,

    Victor: se o senhor ainda não consegue enxergar o quão ridícula tem sido a sua postura ao longo destes mais de 125 comentários, ninguém mais consequirá fazê-lo para o senhor! Somente um espelho ou algo afim será capaz de dar vazão à sua necessidade, aparentemente ilimitada, de ficar polemizando com tudo e com todos. Consigo mesmo inclusive – basta reler a dezena de comentários que fez, se contradizendo muitas vezes. Creio que nem a Maria Frô faria defesa tão repetitiva e cansativa de si própria, ela cujo blog só passou a ser abordado aqui porque a própria e, principalmente, o senhor fizeram questão de ficar o trazendo à baila. Eu mesmo, que faço parte há cerca de 3 anos da blogosfera democrática, não tinha me atentado para “sua” imagem nas ilustrações do artigo, tampouco conseguiria discerni-la por uma cabeleira-borrão ao lado do presidente Lula…

    O tema central aqui sempre foi outro, e deveria continuar sendo – a despeito de Victor. Não estamos a tratar da micro-tendência “esquerda marxista”, x, y ou z interna ao partido dos trabalhadores (ou ao pc do b), mas de toda a estrutura partidária (governista) para a qual toda tendência hegemônica e também as micro-tendências – mesmo as mais críticas à direção do partido – cumprem um papel fundamental. O blog da Maria Frô não é um conversa afiada do Paulo Henrique Amorim, nem um brasilianas do Luis Nassif – em poder e números de acessos. E inclusive é mais crítico ao governo do que estes. Porém, exatamente por isso tais blogs aparentemente mais críticos cumprem um papel bastante importante na neutralização das resistências ao governismo lulo-dilmo-petista, pois teriam a “legitimidade” desta suposta independência crítica. E, afinal de contas, quando defendem o governo – e isto não é raro -, só “moleque” não o faria.

    As micro-tendências ou os blogueiros menores podem passar dois anos inteirinhos batendo à vontade em alguns pontos específicos desta ou daquela gestão do bloco governista – e inclusive elogiando algumas atitudes pontuais deste ou daquele indivíduo do PSOL, PSTU ou extrema-esquerda apartidária, desde que não toquem nas questões chaves / estruturais deste bloco econômico e político que sustenta o governo Dilma, com Lula e o PT à frente. E desde que esteja sempre a postos para defender as principais fileiras do governismo quando este se sentir ameaçado por alguma instabilidade maior (à governabilidade) e, principalmente, durante o período eleitoral. Nestas circunstâncias, o PSDB, o DEM, o Serra, os “golpistas”, enfim, são os demônios na forma de gente e de partidos, e quem não concordar com esta “cruzada contra o Mal” passa a ser “moleque”, “do psol”, “fazendo o jogo da direita” ou é “troll”.

    Como alguém já disse aí acima, não me parece que nenhum desses principais “blogueiros progressistas” deixou de se engajar fortemente em todas as últimas campanhas eleitorais em prol da reeleição de Lula, de Dilma e dos principais candidatos do bloco governista nos estados e municípios. Poderia apostar também que não será diferente agora neste ano eleitoral de 2012. E isso é o importante para o tal bloco governista, que vive em permanente tratativa para a manutenção e ampliação de seu poder institucional dentro da máquina estatal. Às críticas neste ou naquele ponto, chame uma ministra dos direitos humanos, das mulheres, da igualdade racial ou até mesmo a presidenta ex-guerrilheira em pessoa para se fazer uma mea-culpa pública, um afago na organização tal, um bonezinho do movimento qual, ou até mesmo ecoar as próprias auto-críticas, e não se altere em nada de fundamental o rumo das coisas.

    O quê não apenas o Victor, mas todos nós devemos cada vez mais buscar compreender é que foi-se o tempo em que o capitalismo avançava no Brasil na base do discurso direitista, “neoliberal”, “privatista” e anti-popular que consagrou o período de Collor e, principalmente, o de FHC. Do primeiro mandato de Lula para cá, até em razão do esgotamento da popularidade e do apelo social que o discurso tucano privatizante chegara, o grande capital se viu forçado a buscar no discurso esquerdista, “progressista”, “pós-neoliberal”, “neo-desenvolvimentista”, “anti-privataria” e “democrático-popular” – e no respaldo do “primeiro retirante nordestino ex-torneiro mecânico do Partido dos Trabalhadores” a assumir a presidência da República – a roupagem necessária para seguir avançando seus ganhos por meio do estado brasileiro. Se viu obrigado também a promover uma mínima elevação no poder aquisitivo das classes E e D, de uma tal maneira que fidelizasse totalmente também o apoio popular dessas classes (e suas organizações populares) ao projeto econômico e político em curso. E só a antiga esquerda, sobretudo o Partido dos Trabalhadores e Lula, poderiam fazer isso.

    Nesse macro-projeto do capital e de seus novos gestores (governistas), todos aparatos ideológicos para sua difusão e propaganda cumprem um papel central, ainda que possam ter nuances entre si: da tv record aos “blogueiros progressistas” todos que aderirem ao principal deste grande pacto. Incluindo aqueles que já estavam aderidos por definição: Lili Marinho apoiara a Dilma Roussef desde o primeiro turno das últimas eleições.

    O pacto: a manutenção do bloco governista no poder e, consequentemente, dos grandes grupos econômicos que seguem batendo recordes de lucros, ano atrás de ano, neste último período. Sempre alimentando a ideia oposta a esta realidade: qual seja, a de que o país está passando por uma “transformação radical nunca antes vivida na história deste país”. Será mesmo?!

    As grandes empresas e os grandes bilionários radicados “na história deste país” seguem dando risada da cara de todos nós, quando contrapomos à rede globo de televisão e tudo o quê ela historicamente representa, a rede record / igreja universal como alternativa, ou os “blogueiros progressistas” como opção radicalizada de “democratização dos meios de comunicação”. Ora, vocês que são mais jovens talvez não se lembrem, mas Marilenas Chauís e Emirs Saders sempre tiveram espaços assegurados nos cadernos dominicais do estadão e da falha de s. paulo, para a esquerda democraticamente acreditar que estivesse podendo dar vazão à sua necessidade de comunicação (democrática)…

    Que opção radical é esta – a dos “blogueiros progressistas” – ligada e defensora até o último fio de cabelo dos novos donos do poder, controladores absolutos do estado nacional?!

    Neste sentido fazem muito sentido algumas indagações concretas feitas pelo colega Gustavo Loureiro, em comentários acima, no que tange ao posicionamento de nós, militantes da blogosfera democrática, em relação ao novo marco regulatório das tele-comunicações. E, ainda mais, as iniciativas práticas que estejamos eventualmente nos debruçando dentro desta blogosfera, para criar espaços alternativos a este “progressismo” todo, realmente independentes.

    Com a palavra os demais colegas – à exceção de Victor.

    Grato pela atenção,
    Carlos Augusto

  121. Carlos Augusto, que bom que você saiu de novo das trevas, depois de dias assimilando o fracasso da tua teoria dos banners. Percebo que te traumatizei tanto que você trata uma e outra vez de proibir que eu siga me manifestando, prá não me ver novamente destruir outra teoria absurda tua – e a que temos aqui acima é muito mais ridícula que a dos banners, aliás.

    Inclusive, você não tem vergonha nenhuma de dizer que somente eu estou proibido de opinar, o único que não tem direito à palavra, você é quem manda, certo boss?. Nem Stalin faria melhor, e nem creio que te doa na consciência censurar ou agir de forma antidemocrática, apesar de você se autoproclamar “blogosfera democrática” – me sinto bemvindo ao mundo dos democratas que censuram, onde Carlos Augusto dita as regras e escolhe quem pode e não pode falar, já deve ter pedido aos seus camaradas de Passa Palavra prá sabotar meus comentários aqui.

    Eu entendo que a impotência por não ter encontrado NENHUM, nem o mais mínimo exemplo de que a Fro age como você acusa irresponsavelmente ela de agir te leve a ter essas crises. O que você chama de “tema central”, que continua sendo um apanhado de teorias das quais você não consegue encaixar num pensamente minimamente coerente, era o de acusar os blogueiros progressistas, todos sem exceção, no mesmo balaio, receberem bolsa-petralha prá interditar o debate, desqualificar os críticos do governo, fortalecer a agenda da militância petista, a invisibilização dos temas incômodos ao petismo contra os interesse dos movimentos sociais.

    Te enumerei diversos tópicos do Blog Maria Fro.

    Em NENHUM deles você achou interdição dos debates que mais incomodam o petismo. Em NENHUM deles encontrou desqualificação de críticos do governo. Em NENHUM deles encontrou fortalecimento da agenda da militância petista e menos ainda poderá alegar invisibilização dos temas incômodos ao petismo contra os interesse dos movimentos sociais – talvez prá não cair no mesmo ridículo do troll “ana maria”, você nem fala dos movimentos sociais, melhor mesmo cara ;) boa ideia!!

    Porque a tua nova teoria (???) é genial. Prá aumentar ainda mais a tua decisão de não permitir que ninguém que te contrarie respire sem ser acusado de alguma coisa, você decidiu que, depois de dizer que todos aqueles que elogiam o governo recebem bolsa-petralha, aqueles que criticam o governo mas são dos Blogueiros Progressistas só existem prá não deixar que os Blogueiros Progressistas sejam acusados de governistas. Porque, fora vocês, “blogueiros” sem blog mas de esquerda, que são uns gênios incompreendidos, a única meia dúzia que sabe verdadeiramente o que é ser de esquerda no Brasil, todos os demais que criticam o governo carecem de qualquer autonomia prá serem minimamente respeitados, só existem prá limpar a consciência dos principais receptores da bolsa-petralha.

    Isso se aplica também ao teu colega Tsavvko, Carlos Augusto? Quando ele critica o PSOL no blog dele é só prá posar de independente, certo? (estou usando a tua lógica) Ou ele é da tua igrejinha e, portanto, encontrou o caminho da salvação? Aleluia, irmão Tsavvko, você vai pro céu dos esquerdistas de verdade :D

    Outra jenyalhidadi tua é essa de que todos aqueles que apoiam políticos da esquerda não governista só o fazem prá esconder seu verdadeiro petismo enrustido, e como, depois do fracasso anterior, você deve ter descoberto, através dessa nova teoria, que é uma espécie de semideus, você diz que essa regra também só vale prá Fro e demais mocosos que ousam contrariar os teus poderes. É isso, Carlos Augusto? Se alguém que não reza na tua igrejinha não tem direito a apoiar políticos de esquerda não governista, pois seriam obviamente interesseiros? O Tsavvko está novamente salvo desse pecado capital (do qual você entende, já que é o messias da luta contra o capitalismo brasileiro), certo? Só ele, ou o Gustavo Loureiro, que talvez seja teu alterego (e bota ego nisso :D) já que você diz que ele é o único que pensa igualzinho a você (porque será, não? :D), também está salvo? – não tenha medo de soar esquizofrênico, faz parte do mundo das redes sociais, e você já deve estar acostumado, não é verdade?

    Me avisa, Carlos Augusto, quando você desclassificar todos aqueles que ousam pensar diferente dos “blogueiros” sem blog,e só servir o pensamento uniforme da tua patota. Deve ser emocionante ver vocês concordando o tempo todo, já que é assim, sem discordâncias, como você gosta, que se constrói um Brasil e um mundo melhor. Parabéns, cara!! :D

  122. Victor, eu NUNCa neguei ter SIMPATIA pelo PSOL (simpatia é ser filiado/militante desde quando?). Da mesma forma que tenho simpatia pelo PSOL o critico duramente em diversos momentos.

    eu por acso digo que você é petista por claramente ter simpatia por esse partido? Uso isso como argumento (sic)?

    Lanço o desafio: Se você tem tanta certeza que sou do PSOL, procure minha ficha de filiação. Agora, se não achar, peça desculpas por espalhar mentiras.

    No mais, honestamente, quando você sair do pré-primário…

  123. Não precisa se desesperar tanto Rafinha :D principalmente quando esse teu desespero é fruto da falta de interpretação de texto – fora que você ter que ficar puto é com o teu camarada troll Carlos Augusto, foi ele quem te acusou de criticar eventualmente o PSOL só prá fingir independência, não foi?

    E é interessante como você adora perder a razão, através desse desespero, mesmo quando fala algumas coisas que não estão totalmente equivocadas. Minha simpatia pelo PT não é maior que minhas criticas ao próprio partido e é a mesma postura que tenho com relação ao PSOL, ao PSTU e por muitos outros partidos. Claro que você só disse isso prá depois poder desqualificar minha opinião posteriormente, prá ver se isso alivia a tua raiva, sabendo que isso é desonesto, mas isso não te importa – tampouco importa a mim, garoto, pode me acusar levianamente do que você quiser, vai cair no ridículo de qualquer forma.

    Você é novamente bastante previsível e continua demonstrando uma total incapacidade de debater com um mínimo de respeito à opinião alheia, o que te aproxima muito dos trolls embora eu reconheça que pelo menos você dá a cara nesse e em outros comentários.

    No meu pré-primário, Rafa, as pessoas sabem debater sem desqualificar os demais e sem deturpar o que as outras disseram, quem sabe se você aprende alguns conceitos básicos de sociabilidade eu te arrumo uma vaga aqui, mas já te alerto que aqui eles não aceitam essas crianças que fazem pirraça :D

  124. Quanta bobagem… Mas, consegui ler.

    Me deu um calafrio o encerramento do texto: – Ordem e progresso torna-se, assim, o locus destes blogueiros e blogueiras da ordem.

    Parece-me que um milico de pijama escreveuo texto. Quero esta errado, mas não estou.

  125. Estou lendo este ‘texto’ somente hoje, após pegar o link em outro blog, que não direi qual é, da mesma maneira que vcs fizeram e portanto não me considero errado.
    Conclusão (após ler o ‘texto’ e alguns bate-bocas da Conceição com vcs):
    Quem escreveu isso aí é do PSOL e PSTU e tá com uma dor de cotovelo incrível do Nassif, PHA, Conceição, Eduguim, Rovai, Rodrigo Vianna, Azenha, e uma fila imensa de gente que alisa mas também bota a boca no trombone em se tratando de governo federal.
    Portanto, menos, gente, menos…..

  126. Essa denúncia da blogosfera progressista como um bloco financiado pelo PT ou pelo Governo Dilma Rousseff parece até “coisa feita”,daquele tipo bombástico para ver se a tese se propala e,repetida cem vezes se torna então uma “verdade”.
    Não é uma verdade,simplesmente porque não corresponde aos fatos.
    Quem acompanha os blogs que ora recebem essa acusação por meio dessa postagem,como faço,há muitos anos,se tem boa memória e senso de justiça, tem que vir aqui para dar o seu testemunho de que as acusações contidas nessa postagem não têm o menor fundamento.
    Em primeiro lugar, cada um desses blogs mencionados tem suas características próprias,mas em todos já li um grande número de postagens críticas a ações governamentais,a ministros e outros ocupantes de cargos de confiança assim como li neles postagens criticando aspectos de políticas e programas.
    Em segundo lugar,não são blogs de direitistas ou fascistas logo não defendem esse tipo de posições políticas.Neles nunca observei nenhuma carga contra partidos como o PSOL, o PSTU,os PCs ou o PCO e muito menos contra Movimentos Sociais Populares,como o MST, as Centrais Sindicais,o Movimento Estudantil, de Mulheres,Negros, LGTB etc
    São isso sim,extremamente abertos à publicação de todo tipo de comentários havendo portanto possibilidade que cada corrente de pensamento de esquerda ou de direita se manifeste. O que pode acontecer às vezes é que aparecem muitos comentaristas defendendo o Governo em relação a certos temas.Em outros casos,atacam e criticam.
    Quem escreve essa postagem deve compreender que a Dilma Rousseff está no momento,segundo várias pesquisas realizadas, com um índice de aprovação muito alto e isso se reflete nessa proporção de comentários favoráveis a ela.
    Aí se o ilustre autor desse texto me permite,diria que os blogueiros não podem ser responsabilizados pelo teor dos comentários ou as preferências políticas nacionais.Ainda que o ilustre autor discorde delas.O que é seu direito.
    O nível de consciência crítica,de percepção do que é o melhor politicamente da maioria do povo brasileiro é o que é.Decorre de circunstâncias históricas,políticas,culturais etc que todos nós conhecemos.
    Quem escreveu o texto tem todo o direito de ter severas críticas ao Governo,ao PT,aos que comentam em blogs defendendo o governo. Muito bom que exponha todas essas críticas nesse blog ou em comentários nos blogs progressistas e onde mais quiser ou puder.
    Agora,quanto a fazer essa crítica injusta e não fundamentada em fatos aos blogs progressistas isso não me parece partir de cultores do método dialético ou histórico.Falta veracidade e lógica.Não procede.
    Faça um levantamento sério e criterioso nas postagens de cada blog progressista,no último ano e irá verificar que houve sim,e muita,crítica ao Governo.E também muitos comentários críticos.Estou falando blogs progressistas e não em blogs de filiados ao PT,como seria o caso do blog do Dirceu.nesse é óbvio que a defesa do Governo Dilma é total. Mas é um direito dele,não?
    Que o autor (ou autores) desse texto formule suas críticas a cada um ou a todos os aspectos desse Governo, que traga ao debate diretamente toda a sua insatisfação política,que proponha alternativas, defenda seus partidos preferidos,seus candidatos, sua linha de pensamento político,sua prática política,sua práxis,sua fé política, suas esperanças.Seus sonhos. Será,certamente,uma grande contribuição.
    Mas,sugiro que permita que os outros blogueiros façam os seus blogs segundo suas visões e experiências, sem acusá-los de venderem suas idéias,de serem pagos para pretextar terem visões e posicionamentos políticos tais ou quais.Porque isso é muito ofensivo,é uma acusação ferina.Leio a maioria dos blogs progressistas há anos e garanto que isso não é fato.
    Se um blog ou site, seja de esquerda ou de direita,chega a ter milhares de visitas ao dia,se anunciantes resolvem então anunciar naquele blog,se muitas pessoas consideram esses blogs dignos de suas leituras diárias e até de seus comentários, isso é apenas um fato. Um fato bem significativo de que despertam interesse de pessoas que de alguma forma apreciam aquela mídia.Apenas isso. Daí para inferir que seus autores recebem dinheiro para defender ou atacar governos,órgãos de imprensa,políticos etc,daí para cair na acusação e no patrulhamento vai uma distância que manda a ética e o bom senso não se deva percorrer. Por que não acrescenta nada de útil ou de bom ao debate das gravíssimas questões econômicas,sociais e políticas do país que urge debater.

  127. Blogueiros anti-fascistas,uni-vos!
    Fazer revolução não é sopa não!
    E na desunião,aí é que fica coisa pra doidão.
    Ouçam o que uma garotada esperta resoveu aprontar:
    Zqek&list=UUayh243iPkn7WhLYV48WapA&index=3&feature=plcp
    Cada um na sua praia e vamos transformar esse modo de produção caduco. Já somos poucos e ainda vamos brigar por nicarias?
    Se liga na luta do povo trabalhador!

  128. Cumprimento o Rogério pelo vídeo que indicou. Como professor de Sociologia fiquei maravilhado com a letra da paródia.
    Quanto a esse texto esculhambativo dos blogs,acho puro patrulhismo invejoso.
    Os Blogueiros Esquerdistas devem fazer o seu trabalho,lutar pelo seu espaço,dar o seu recado político,sem apelar para essas táticas de desqualificar blogueiros progs que já têm todo um trabalho de correr atrás de informações e promover debates políticos,de participar da criação do Instituto Barão de Itararé,que incentivou centenas de pessoas,em todo Brasil a criar seus blogs-entre outros feitos,bem-feitos.Fizeram e fazem um trabalho sério e que exige muita generosa dedicação.SE uns poucos dentre elesfizeram tanto sucesso que hoje veiculam propaganda,não há nada de indecente ou ilegal nisso. Se o blog Passa Palavra vier a ter uma frequência alta, isso será do conhecimento geral,porque há sites internacionais que fazem essas medições e que dão acesso a quem quiser verificar esse dado.E se assim for,o Passa Palavra poderá ser procurado por anunciantes e se aceitar veicular propagandas,nada haverá nisso que o desabone,nem permita torpes acusações.Blog é mídia,é público.
    Se temos um governo que pouco poderá avançar rumo ao socialismo,isso se deve ao fato inconteste que a maioria do povo brasileiro tem preconceitos contra o socialismo, desconhece até que existem outros países socialistas no mundo além de Cuba e China e que há vários, inclusive na América do Sul onde o povo,em sua maioria concorda com a construção de uma via para o socialismo.(Venezuela,Equador e Bolívia).Falta informação e educação política.
    No meu entender devemos procurar desenvolver blogs que se preocupem em fornecer informação veraz e de qualidade,em debater teoria e prática revolucionárias,em ajudar a desenvolver o pensamento crítico.
    Criar falsas polêmicas,acusar de procedimentos ilícitos ou indignos aos blogueiros progressistas,sem nenhuma base nos fatos,interessa a que e a quem mesmo?

  129. Já que muito apropriadamente o Romulo falou em educação política, vale a pena relembrar Fanon:

    “Fanon argumenta na conclusão de Os Condenados [da Terra], que temos que trabalhar com novos conceitos. De onde vêm os novos conceitos? Como se desenvolve a educação política? Para que serve? Cinquenta anos depois desse livro, estou sugerindo que se considere a maturidade da luta que se expressa na racionalidade das rebeliões. (…) Trata-se da rebelião – que para Fanon é, sempre, uma liberação mental – que alenta e anima os intelectuais radicais que participam destes movimentos a elaborarem novos conceitos numa linguagem não técnica e não profissional. Frequentemente, em oposição àqueles (intelectuais e militantes) que consideram que pensar é um obstáculo para a ação, a “abertura das mentes” e a imaginação são encorajadas.” (Nigel C. Gibson em “50 anos depois: o legado de Fanon“)

    Se assino embaixo os comentários de Maria Lúcia e Rômulo, também não posso deixar de observar que, efetivamente, se observam estranhos vazios nas pautas dos veículos em questão.

    Na perspectiva dessa educação política que menciona o Rômulo, é necessária a existência de uma tensão contínua contra a tendência natural de acomodação dos seres e das instituições que formam.

    Nesse sentido, a questão trazida pelo texto tem inegavelmente a sua validade, ainda que a sua forma e conteúdo sejam questionáveis.

  130. O impeachment tornou obsoleta a discussão sobre financiamento.
    Quem dizia que a mídia petista era financiada pelo governo federal, acertou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *