São Paulo: greve dos metroviários e catracaço dos usuários

São Paulo: greve dos metroviários e catracaço dos usuários

em 5 jun

A experiência mostra que a catraca-livre não será feita pelos trabalhadores do transporte sozinhos. Ela depende do apoio ativo dos usuários, e é na aliança que surge dessa construção conjunta que reside seu potencial subversivo. Por Passa Palavra

assembleia-greveDesde a meia-noite desta quinta-feira (5 de junho), os metroviários de São Paulo estão em greve por tempo indeterminado. A possibilidade de paralisação, anunciada há semanas, se confirmou na assembleia de quarta-feira, quando a categoria rechaçou as propostas da companhia do Metrô. Além de exigir um aumento salarial de 35,4%, contra os 8,7% concedidos pela empresa, os trabalhadores reivindicam a criação de um plano de carreira e a reposição do quadro de funcionários, que vem sendo reduzido.

O processo de greve vem contando com uma grande adesão da base – a assembleia da véspera registrou a participação histórica de cerca de 3 mil metroviários. Na manhã do mesmo dia, um ato reuniu na Praça da Sé centenas de trabalhadores das áreas da manutenção e da segurança, mostrando que a mobilização se espalha entre os diversos setores da categoria.

Na manhã de hoje, todas as linhas do Metrô – exceto a 4-Amarela, que pertence a uma empresa privada, a ViaQuatro, que impede os trabalhadores de se sindicalizarem – amanheceram fechadas por metroviários que ao longo de toda a noite realizaram piquetes. No entanto, o Governo do Estado acionou a chamada “contingência”, isto é, um mecanismo fura-greve oficial, que recruta trabalhadores de escritórios e chefias para operar de forma reduzida as estações e trens, mesmo não tendo treinamento para tal. Assim, numa ação que visa unicamente enfraquecer a greve, o Governo coloca em risco a vida da população. Metroviários da Linha 5-Lilás denunciam, por exemplo, que na semana passada um trabalhador que treinava para operar na “contigência” durante a esperada greve viajou com um trem inteiro de portas abertas.

Liberação de catracas

Acatraca-metro-pulantes de deflagrar a greve, o Sindicato anunciou que, se o governo autorizasse, poderia trabalhar com as catracas liberadas à população em vez de paralisar as operações. Não é uma proposta nova: desde 2012, sempre que os metroviários se mobilizam, o Sindicato sugere a “catraca-livre” – e o governo sistematicamente veta, ameaçando com punições e criminalização (leia aqui). De fato, hoje no Brasil a lei prevê sanções duríssimas à liberação de catracas, enquadrando individualmente os trabalhadores que o fizerem em crimes como o de roubo e permitindo a demissão por justa causa.

A proposta é sempre usada pelo Sindicato como um elemento de discurso, a fim de ganhar a simpatia dos usuários à sua mobilização e constranger o Governo. Mas dificilmente existe a intenção real de fazê-lo, até porque também não se têm forças para tal ação.

Ainda assim, é visível como ideia da liberação de catracas, construída ano a ano pelos metroviários e sobretudo pelas lutas populares contra a tarifa e os aumentos, tem cada vez mais eco na população. A cada nova greve de transporte, são os próprios usuários os primeiros a perguntar: por que ao invés de parar, não viajam sem cobrar? Essa atitude, porém, muitas vezes se acomoda numa postura de cobrança passiva. Mas ora, se os trabalhadores do transporte não conseguem sozinhos estabelecer uma correlação de forças favorável à catraca-livre, não seria justamente a intervenção dos usuários capaz de alterar o peso da balança?

pulacatraca6.cleaned Um exemplo concreto disso foi vivido na manhã de hoje em algumas estações de Metrô (leia aqui). Por se tratar de uma linha bastante curta, a Linha 5-Lilás foi ativada com facilidade pelos fura-greves da contingência e abriu as portas às já 6h de hoje. Nesse momento, o grande número de usuários que se aglomerava ao lado de fora da estação Capão Redondo embarcou sem pagar, pulando as catracas ou passando por baixo. De forma quase espontânea, os próprios passageiros realizaram na prática a catraca-livre que o Sindicato propusera. Como a estação estava praticamente vazia e até os seguranças estavam em greve, o catracaço seguiu acontecendo livremente por cerca de uma hora. Centenas de passageiros viajaram sem pagar, até que às 7h a estação foi ocupada por dezenas de policiais militares, que se enfileiraram atrás das catracas para pôr medo nas pessoas e proteger o lucro do Metrô. Outros relatos narram situações semelhantes em outras estações, como Itaquera, na Linha 11-Coral da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

Assim, a própria experiência de luta mostrou que a catraca-livre não poderá ser feita pelos trabalhadores do transporte sozinhos. Ao contrário, ela depende do apoio ativo dos usuários, e é na aliança que surge dessa construção conjunta que reside seu potencial subversivo.

A greve continua

Igreve-catracantermediados pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT), na tarde de hoje representantes do Sindicato dos Metroviários se reuniram para negociações com a companhia do Metrô para negociações, mas esta não apresentou nenhuma nova proposta e segue intransigente quanto às reivindicações. Já o Sindicato sinalizou agora estar disposto a negociar qualquer aumento salarial acima de 10% e voltou a sugerir a liberação de catracas, dizendo aceitar até que os dias sem cobrança de tarifa ser descontados do pagamento. Mais uma vez, a empresa descartou imediatamente a proposta.

Enquanto isso, Jurandir Fernandes, o secretário de Transportes Metropolitanos, pede ao TRT que julgue o quanto antes a legalidade da greve e declara que, caso ela seja considerada como “abusiva”, o Governo está pronto para demitir os metroviários envolvidos.

Em assembleia na noite de hoje, a categoria decidiu pela continuidade da greve e deve retomar os piquetes para amanhã.

ATUALIZAÇÃO URGENTE: Situação dos piquetes esta sexta-feira, 6 de junho

Às 5h da manhã desta quinta-feira, metroviários denunciavam que o Supervisor Geral de Tráfego estava coagindo os supervisores a furar a greve. O Metrô alega que a entrada desses funcionários é opcional, mas muitos estavam visivelmente abalados e pálidos, sem qualquer condição de operar um trem – até porque não têm treinamento para isso. Essa coação é uma irresponsabilidade total do Governo do Estado, que coloca assim a vida de milhares de pessoas em risco.

Às 5h30 da manhã, os mais de 100 trabalhadores metroviários reunidos no piquete do Pátio Ana Rosa denunciam que a Polícia Militar foi acionada para reprimí-los. A estação Ana Rosa é fundamental para a operação das linhas 1-Azul e 2-Verde.

Às 6h30, a Tropa de Choque da PM invadiu a Ana Rosa e ocupou o mezanino, reprimindo os grevistas. Lançou bombas de estilhaço mutilante (efeito moral), balas de borracha e atacou os grevistas com cassetetes dentro do Metrô. A justificativa usada pela PM para o ataque é de que os funcionários da “contingência” estariam sendo mantidos em “cárcere privado” – no entanto, o interior da estação estava praticamente vazio, apenas com a presença do Supervisor Geral de Tráfego, pois mesmo os trabalhadores da contingência haviam ido embora ao se defrontar com os piquetes. Há informações de que o Choque chegou também à estação Bresser-Mooca, na linha 3-Vermelha. As linhas não operam.

Às 6h50, um trabalhador metroviário foi preso por três policiais em uma viatura Grupo de Operações Especiais (GOE) na rua Joaquim Távora, próximo à Ana Rosa. Acusado de “desacato à autoridade”, ele foi levado à 36ª DP.

Com o apoio bélico da Polícia Militar e coagindo os funcionários da contingência a funcionarem a greve, o Governo conseguiu colocar em circulação trens em trechos reduzidos das quatro linhas a partir das 7h15. Devido à greve, os trens operam com os pátios de manutenção vazios, aumentando o risco à vida da população.

O Sindicato agora convoca a população para um ato em solidariedade à greve da categoria às 15h de hoje em frente à Estação Tatuapé, na zona leste. De lá, os metroviários seguirão para a sede do Sindicato, onde às 17h será realizada uma assembleia para definir a continuidade da luta.

greve-metro

choquemetro

anarosa

Foto de Felipe Aragonez

Os leitores portugueses que não percebam certos termos usados no Brasil
e os leitores brasileiros que não entendam outros termos usados em Portugal
encontrarão aqui um glossário de gíria e de expressões idiomáticas.


Comentários 3

    • Ana

      |

      jun 6, 2014

      |

      Nos últimos anos praticamente todas as grandes greves que vi foram consideradas ilegais, com apoio dos sindicatos ou não. Foi assim com os professores e trabalhadores do transporte coletivo em diversos estados e com a greve dos garis no Rio de Janeiro.
      Fico me perguntando o que seria atualmente uma greve “legal”…

    • Victor

      |

      jun 6, 2014

      |

      A linha Lilás é a 5, não 6.

    • Passa Palavra

      |

      jun 6, 2014

      |

      Victor,
      Agradecemos a sua observação. Corrigimos o erro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*



Passa Palavra


Copyleft © 2017 Passa Palavra

Atualizações RSS
ou Email