Vidas revolucionárias: David Kogan, o “Pequeno Cristo” (1893-1923?)

Vidas revolucionárias: David Kogan, o “Pequeno Cristo” (1893-1923?)

em 20 set

O revolucionário de Samara que escapou sucessivas vezes das prisões brancas e vermelhas. Por Nick Heath

Camarada David Kogan (Lev Rubin), de personalidade atraente, um homem altamente íntegro e renomado anarquista revolucionário.” (Grigori Maximov, A guilhotina em ação)

Militante anarquista (e vegetariano) antes da revolução de 1917, David Kogan (Lev Rubin) foi apelidado de Cristo ou Pequeno Cristo por causa de seu jeito gentil. Atuou como anarquista em Samara a partir de 1917, sendo secretário da Federação Anarquista local e editor de um jornal anarquista semanal. Foi preso pelas forças brancas do almirante Kolchak, mas conseguiu escapar miraculosamente. De 1918 em diante, foi preso uma série de vezes pelos bolcheviques.

Em 1920, conseguiu escapar do campo de prisioneiros na Carcóvia e se tornou membro do secretariado da organização anarquista Nabat [a Federação Anarquista da Ucrânia]. Foi preso junto a 300 delegados numa conferência anarquista na Carcóvia em 25 de novembro, esteve entre os 40 militantes transferidos à Moscou e encarcerado na prisão da Cheka em Butyrki. Lá ele dividiu sua cela com um colega anarquista da Nabat, Mark Mrachny. Em seguida, foi deportado para um campo de trabalhos forçados em Riazan, onde assinou uma carta de protesto com outros nove anarquistas (Kurbatov, Lilov, Gavrilov, Pilipenko, Tarasiuk, Budov, Fiodorov, Khotokhva e Fanya Baron).

Prisão da Cheka em Butyrki

Conseguiu escapar novamente com seu colega anarquista Ivan Akhtyrsky. Foram recapturados em outubro de 1922 e deportados novamente. A partir de 1924, não houve mais notícias de Kogan ou de Akhtyrsky, e se acreditava que eles tivessem sido secretamente executados pela Cheka. Isso foi anunciado pelo Comitê de Articulação para Defesa de Revolucionários Presos na Rússia em julho daquele ano (informações divulgadas recentemente nos confirmam que Akhtyrsky foi executado em fevereiro de 1923 e enterrado em Moscou).

De acordo com o relato do anarquista britânico John Turner, que esteve na Rússia como delegado sindical, ele foi morto sem que sequer sua irmã, uma comissária bolchevique, fosse notificada de sua morte.

Traduzida do original em inglês no Libcom pelo Passa Palavra, esta biografia integra o esforço coletivo de traduções dos 100 anos da Revolução Russa (confira aqui o chamado e a lista completa de obras).


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Passa Palavra


Copyleft © 2017 Passa Palavra

Atualizações RSS
ou Email