As lições da “Ação de Março”

As lições da “Ação de Março”

em 5 out

Você [Lênin] pratica uma política de liderança. E nós praticamos uma política de classe. Por Hermann Gorter

Nascido na Holanda, Hermann Gorter (1864/1927) foi um poeta de renome, militante revolucionário e teórico marxista. Fundou o Partido Social-Democrata de Esquerda, em 1909, e se opôs à I Guerra Mundial (1914-1918), defendendo o internacionalismo proletário junto aos participantes da Conferência de Zimmervald (1915). Aderiu ao Partido Comunista Holandês rompendo com o mesmo em 1921 para fundar o Partido Comunista Operário. Foi um dos grandes influenciadores dos comunistas de esquerda na Alemanha, atuando no Partido Comunista Alemão (KPD) e fundando sua dissidência conselhista, o Partido Comunistas dos Trabalhadores da Alemanha (KAPD). Foi crítico de várias posições defendidas por Lênin, notadamente a transposição das táticas bolcheviques de aliança de classe para a Europa Ocidental, a ação parlamentar, o papel dos sindicatos e as posições da III Internacional. Defendia que a ação revolucionária proletária deveria partir das organizações de classe criadas no chão de fábrica contra as instituições distantes destes espaços, como os sindicatos. Nessa última carta escrita a Lênin, Gorter retoma todos estes temas após a chamada “Ação de Março” de 1921, na qual greves insurrecionais eclodiram na Alemanha central, governada pela social-democracia, e com forte repressão aos operários. A análise das posições do KPD e do KAPD na “Ação de Março” é o eixo desta carta.

Querido camarada Lênin,

Quando nos separamos pela última vez, em novembro de 1920, suas últimas palavras sobre nossas ideias muito divergentes com relação às táticas revolucionárias na Europa Ocidental foram de que, efetivamente, nem as suas opiniões nem as minhas tinham sido suficientemente testadas: que a experiência em breve provaria qual das duas seria correta.

Estávamos completamente de acordo com isso.

Agora, a realidade se desdobrou e possuímos mais de uma experiência. Você sem dúvida me permitirá mostrar, do meu ponto de vista, as lições que devemos aprender.

Você lembrará que, no Congresso de Moscou, você mesmo, juntamente com o Comitê Executivo da Terceira Internacional, declarou seu apoio ao parlamentarismo, a infiltração nos sindicatos e a participação nos conselhos industriais legais na Alemanha, o único país da Europa onde a revolução realmente ocorreu.

Hermann Gorter

O Partido Comunistas dos Trabalhadores da Alemanha (KAPD) e os marxistas holandeses responderam sustentando que suas táticas levariam a um enfraquecimento extremo da revolução, ao caos entre o proletariado, ao desânimo entre os comunistas e, portanto, às derrotas mais desastrosas. Por outro lado, o antiparlamentarismo, as organizações de fábricas, os sindicatos de trabalhadores e os seus comitês de ação revolucionária levariam, na Alemanha e na Europa Ocidental, ao fortalecimento da revolução e, finalmente, à unificação do proletariado.

Você – e com você, o Comitê Executivo da Terceira Internacional – pretende unir as massas sob sua liderança política e sindical, independentemente de elas serem ou não verdadeiramente comunistas. Foi o que você fez em Tours, Florença e Halle. Seu objetivo era proporcionar a essas massas novos chefes.

Queremos destruir as organizações antigas e construir outras de um novo tipo, de baixo para cima, que são animadas por uma nova mentalidade. Nós não queremos que ninguém, exceto verdadeiros comunistas, se junte a nós nesse esforço.

Você queria exportar táticas russas para a Europa Ocidental, táticas de um país onde o capitalismo era fraco e onde você tinha os camponeses como aliados.

Levamos em conta o fato de que, na Europa Ocidental, o proletariado está sozinho contra um gigantesco capitalismo, que tem à sua disposição crédito financeiro e matérias-primas. E, portanto, precisávamos de nossas próprias táticas, diferentes das suas.

Você quer a ditadura do partido, isto é, de alguns líderes. E nós queremos uma ditadura de uma classe.

Você pratica uma política de liderança. E nós praticamos uma política de classe.

Suas táticas são basicamente uma continuação das táticas da Segunda Internacional. Nada mudou, exceto a fachada externa, os nomes e os slogans. Essencialmente, você ainda pertence (na Europa Ocidental e na Rússia) à antiga escola de antes da Revolução.

A ação de março de 1921 do proletariado alemão provou que lado está certo: você, camarada Lênin e o Comitê Executivo da Terceira Internacional; ou o KAPD e os marxistas holandeses que apoiaram o KAPD. A Ação de Março forneceu uma resposta e demonstrou que os esquerdistas estavam corretos.

Havia dois partidos na Alemanha, cada um com suas próprias táticas, ambos participando do movimento. O Partido Comunista da Alemanha seguiu as suas táticas; o Partido Comunista dos Trabalhadores da Alemanha seguiu as suas próprias táticas, que também são as nossas táticas. Qual foi o resultado, como esses partidos se comportaram durante a Ação de Março?

(Não é sempre necessário, especialmente, no presente caso, que as táticas, princípios e teoria encontrem a sua justificação na ação?)

O Partido Comunista, através de sua atividade parlamentar, que apenas expressou o desapontamento das massas com um capitalismo falido, desviou o proletariado da ação revolucionária. Conseguiu unir centenas de milhares de não-comunistas, e se tornou um partido de massas. Com suas táticas de infiltração tornou-se um baluarte dos sindicatos e, com a participação nos conselhos industriais legais, traiu os revolucionários e enfraqueceu a revolução. Ao fazer tudo isso, camarada Lênin, o Partido Comunista somente seguiu seus conselhos, suas táticas e as táticas do Comitê Executivo da Terceira Internacional. E quando, como consequência dessas políticas, colapsou repetidamente em inatividade (durante a ofensiva de Varsóvia, por exemplo), ou em traição quando confrontado com a perspectiva de ação (o Putsch de Kapp[1]), quando, por meio de ações simuladas e uma publicidade estridente torna-se reformista, constantemente repassando a responsabilidade sempre que pode, quando confrontado com a luta que os capitalistas desejam forçar aos trabalhadores (por exemplo: a greve de trabalhadores eletricitários em Hamburgo, as greves de Ambi e Leuna, etc.), em suma, quando a revolução alemã estava em declínio na regressão e no enfraquecimento, os melhores elementos do KPD começaram a exigir, com crescente ardor, serem levados a ação – então, de uma só vez, o Partido Comunista da Alemanha decidiu um grande empreendimento com a intenção de conquistar o poder político.

Manifestação a favor do putsch de Kapp em Berlin

Aqui está em que este plano consistiu: em face da provocação de Horsing[2] e do Sipo [3], o KPD decidiu por uma ação gradual, superficial, hierarquicamente ordenada, sem o impulso espontâneo das massas. Em outras palavras, adotou a tática do golpe de Estado.

O Comitê Executivo e seus representantes na Alemanha já estavam insistindo há algum tempo que o Partido Comunista, ao comprometer todas as suas forças, deveria provar que era realmente um partido revolucionário. Como se o aspecto essencial de uma tática revolucionária consistisse apenas em comprometer todas as forças… Ao contrário, quando ao invés de fortificar o poder revolucionário do proletariado, um partido mina esse poder por meio do seu apoio ao parlamento e aos sindicatos e, então, depois de tais preparativos(!), de repente decide sobre a ação e se coloca à frente do mesmo proletariado cuja força tem minado, ao longo de todo este processo, não pode se perguntar se está envolvido em um golpe de Estado, isto é, uma ação decretada de cima, que não se originou entre as próprias massas, e está por isso condenada ao fracasso. Essa tentativa de golpe não é, de modo algum, revolucionária; é tão oportunista quanto o parlamentarismo ou a tática de infiltração de células de membros do partido em todos os tipos de grupos.

Esta tática do golpe de Estado é o resultado inevitável do parlamentarismo e da infiltração, do recrutamento de elementos não-comunistas, da substituição de táticas de massa ou de classe por táticas de liderança. Tais políticas, fracas e internamente podres, devem inevitavelmente levar a golpes de Estado.

Como poderia o KPD – corrompido pelo parlamentarismo, internamente enfraquecido pelo peso morto dos não-comunistas, sua força minada pela discórdia entre pelo menos seis tendências e posto ao serviço de uma tática de liderança, ao contrário de uma tática de massa – liderar uma ação revolucionária?

Onde poderia o KPD ter encontrado o poder que precisava para enfrentar um inimigo tão formidável quanto a reação alemã, armada até os dentes? Ou confrontar o capital financeiro e comercial da Alemanha, que formou com sucesso um bloco de todas as classes opostas ao comunismo?

No momento da provocação de Horsing por parte do governo, quando uma resistência generalizada e tenaz se tornou necessária, e quando as próprias massas começaram a se levantar no centro da Alemanha, o KPD, como resultado de sua fraqueza interna, foi incapaz de qualquer tipo de combate efetivo. Essa foi sua queda. Pelo menos metade dos seus membros permaneceram inativos – em alguns lugares eles lutaram entre si. A reação ganhou com facilidade.

Quando a derrota começou, Levi[4], seu antigo protegido e porta-estandarte – o homem que, junto com Radek, você e o Comitê Executivo, é o mais responsável pela introdução dessas táticas debilitantes na Alemanha e na Europa Ocidental, desta tática de golpe de Estado – este mesmo Levi atacou os lutadores do KPD pela retaguarda, aqueles que, apesar das táticas equivocadas do partido, provaram ser seus elementos mais revolucionários. À medida que milhares deles estavam sendo processados perante os tribunais, ele os denunciou, assim como seus líderes. Não só Levi, com suas táticas, tem ampla responsabilidade pelo golpe de Estado, mas também pelas terríveis punições infligidas pela repressão. E é precisamente com Levi que Däumig, Geyer, Clara Zetkin e, juntamente com eles – um fato de grande significado – toda a fração parlamentar do partido concorda.

Membros do Exército Vermelho em Dortmund

O Partido Comunista da Alemanha sofreu assim um golpe devastador. E com isso, todo o proletariado da Europa Ocidental, a revolução russa e a revolução mundial também sofreram um revés. O KPD, o único partido comunista de massa na Europa Ocidental, provavelmente será reduzido a nada. Este será provavelmente o fim do KPD como um partido revolucionário.

Este partido, camarada, foi construído de acordo com seus princípios, em um país onde as condições econômicas estão maduras para a revolução. E quando atinge o seu primeiro golpe, ele colapsa. Enquanto seus militantes mais valentes estão morrendo, sendo abatidos e enchendo as prisões, eles são traídos por seus próprios líderes. Este é o exemplo definido pelo KPD e suas táticas.

Vamos agora seguir o outro exemplo e a outra tática, as do KAPD.

O KAPD, que não quer ter nada a ver com o parlamentarismo ou os antigos sindicatos, mas quer organizações de fábricas, nunca precisou da tática de golpe de Estado, o que é sempre uma consequência de uma falta de coesão interna. O KAPD não precisa sofrer essa falta de coesão interna, porque só admite comunistas como membros; porque, para o KAPD, é a qualidade que conta; porque não tem uma política de liderança, mas uma política de classe; porque não quer uma ditadura do partido, mas uma ditadura de classe. É por isso que a questão de um golpe de Estado nem pode ser posta dentro do KAPD. O KAPD não perseguiu uma tática de golpe de Estado na Ação de Março. Sua tática é baseada no fato de que nem uma liderança do partido nem um partido podem tomar a decisão de iniciar uma revolução ou um grande movimento insurrecional, mas que apenas a situação histórica em si, isto é, a vontade das massas de lutar, deve constituir a base para tais decisões. A tática do KAPD tem como objetivo fortalecer o proletariado, desenvolvendo sua consciência e ampliando seu poder revolucionário ao construir organizações efetivas de combate. Isso, é claro, só pode ser feito dentro da luta em si, sem jamais evitar a luta imposta pelo inimigo ou surgida espontaneamente das massas.

É assim que o KAPD sempre atuou, ao contrário dos partidos social-democrata, independente e comunista da Alemanha. Foi assim que atuou durante o Putsch de Kapp, a greve dos trabalhadores eletricitários, a ofensiva russa na Polônia e as numerosas greves na Alemanha, exatamente como na Ação de Março. Com essa tática verdadeiramente revolucionária, ações arbitrariamente ordenadas não podem ocorrer.

Na ação de março, o KAPD só entrou na briga após o ataque do governo.

E agora, você gostaria de comparar o KAPD com o KPD, tanto durante quanto após a Ação? O Partido dos Trabalhadores Comunistas mostrou-se tão firme em sua decisão e suas táticas que durante a Ação não sofreu nenhuma discórdia, e mesmo após a derrota, a unidade mais completa prevaleceu na assembleia de seus delegados. Apesar da derrota, seu poder foi reforçado, assim como o da União Geral dos Trabalhadores (AAU)[5].

Este é o balanço de suas táticas, as da Terceira Internacional e as do KAPD.

Camarada Lênin, não é uma mera curiosidade intelectual que me faz querer investigar mais profundamente essas questões. É porque as táticas da revolução na Europa Ocidental e da revolução mundial também dependem de uma compreensão correta dos problemas que elas colocam. Vamos, portanto, examinar mais cuidadosamente estas táticas em detalhes – as suas táticas e as dos esquerdistas.

Você quer o parlamentarismo. Você quer desempenhar um papel no teatro, por trás do palco em que o Novo Estado Alemão de Stinnes e o Orgesch estão escondidos, um teatro que não possui qualquer poder real. Com seus métodos, os trabalhadores foram desviados dos problemas reais da revolução, eles foram conformados (através das eleições) em massas não confiáveis, uma parte da qual necessariamente deve falhar ao se aproximar do momento decisivo. Com esses métodos, a corrupção interna era inevitável.

Nós somos anti-parlamentares. Não queremos a luta fictícia, mas a verdadeira. É por isso que o KAPD permanece unânime e inabalável.

Você quer os conselhos industriais legais. Você os recomendou para os trabalhadores; você convenceu os trabalhadores a reconhecer esses conselhos legais como órgãos da revolução. Qual foi o papel desses conselhos legais durante a Ação de Março? Eles abandonaram e traíram a ação revolucionária.

Queremos comitês de ação revolucionários. Enquanto os conselhos industriais permaneceram inativos e praticaram sua traição durante a Ação de Março, os comitês de ação revolucionária surgiram espontaneamente entre as massas e dirigiram o movimento para frente.

Você quer influenciar os sindicatos através de células comunistas. O que essas células realizaram? Elas radicalizaram os sindicatos? Não houve nenhuma notícia sobre elas fazerem alguma coisa. Elas não conseguiram nada. Não importa quantas vezes elas tenham se infiltrado em parte da burocracia sindical.

Queremos organizações de fábricas e a unidade dessas organizações dentro da União Geral dos Trabalhadores (AAU) porque a luta revolucionária só pode ser realizada no terreno da indústria e com base na indústria. E o que a Ação de Março nos ensinou? Foi travada nas indústrias e pelas indústrias. Foi travada pelas organizações na fábrica. As organizações na fábrica, e não os sindicatos, constituíram os epicentros da revolução. A Ação de Março, portanto, forneceu a prova de que as organizações de fábrica são indispensáveis para a revolução.

O KPD, apesar do heroísmo de um número significativo de seus combatentes, paralisou a revolução com suas táticas (que são as suas táticas), com o seu parlamentarismo, a sua infiltração de outras organizações e seus conselhos industriais legais.

O KAPD, a União Geral dos Trabalhadores (AAU) e as organizações de fábrica se mostraram aos olhos do mundo inteiro como os líderes da revolução alemã, isto é, da revolução na Europa Ocidental e em todo o mundo.

Você quer organização, você obtém caos.

Você quer unidade, você obtém cisões.

Você quer líderes, você obtém traidores.

Você quer massas, você obtém seitas.

(É necessário acrescentar ainda mais uma observação: você, camarada Lênin, você, Zinoviev e Radek e tantos outros na Terceira Internacional, você disse que as táticas do KAPD só produziriam seitas).

Nós vemos o que realmente aconteceu.

Cartazes da “Ação de Março” na cidade de Plauen, na Saxônia.

O seu KPD abraça, de acordo com seus próprios números, 500 mil membros. Mas o KPD também admitiu (em seu último congresso) e, todos sabem muito bem, que a maioria não são comunistas. Vamos assumir, no entanto, que metade deles são comunistas. Nesse caso, suas táticas e as da Terceira Internacional atraíram, dos nove milhões de sindicalistas da Alemanha, 250 mil comunistas para o seu partido.

Mas quantos comunistas existem na União Geral dos Trabalhadores (AAU), que foi fundada com base nos princípios do KAPD? Aproximadamente: 250 mil. Julgando pelos números, nossas táticas têm sido tão bem sucedidas quanto as suas.

Mas não é apenas em termos de números que nossas táticas revelam sua superioridade. Há também esta diferença: antes de tudo, o KPD e suas células foram criados por inúmeros milhões de marcos gastos em jornais, organização e propaganda – o KAPD e a AAU não custaram nem um centavo. Em segundo lugar, o KPD e suas células entraram em colapso em suas mãos, enquanto o KAPD e a AAU são sólidos e florescentes. O KPD e suas células são consumidos por vermes com a traição interna. O KAPD e a AAU estão crescendo em força e unidade.

A realidade nos forneceu os seguintes elementos de experiência: como a Ação de Março do proletariado alemão demonstrou claramente, esperamos que toda a Internacional reconheça que suas táticas, as do Comitê Executivo e do Comintern, levam ao colapso e à derrota, enquanto as táticas da esquerda geram unidade e força.

O Terceiro Congresso da Internacional deve, portanto, modificar suas táticas.

Camarada Lênin, nós admitimos a adequação de suas táticas para a Rússia e pessoalmente desejamos dizer que o julgamento da história, como eu vejo, sobre seus esforços revolucionários como um todo proclamará que você fez um excelente trabalho, o melhor possível. Em minha opinião, você é, depois de Marx e Engels, nosso guia mais eminente. Isso não elimina o fato, porém, de que você está enganado em relação às táticas a serem empregadas na Europa Ocidental.

E agora, nos voltamos para o proletariado alemão e dizemos: “Se é verdade que vocês estão convencidos em seus corações e mentes de que a ala esquerda está correta, se vocês estiverem prontos para lutar de acordo com seus métodos, então abandonem o KPD e todos os antigos partidos parlamentares; saiam dos sindicatos e juntem-se à União Geral dos Trabalhadores (AAU) e ao Partido Comunista dos Trabalhadores”.

E nos chamamos todo o proletariado da Europa Ocidental e do mundo inteiro para adotar nossas táticas.

Traduzido por Leo Rivers, Marco Túlio Vieira e Bruno AP, este artigo integra o esforço coletivo do chamado de traduções dos 100 anos da Revolução Russa (confira aqui o chamado e a lista completa de obras) no Passa Palavra

Notas
[1] O Putsch de Kapp foi uma tentativa de golpe de Estado no início da República de Weimar, ocorrido entre 13 e 17 de março de 1920, conduzido pelo político Wolfgang Kapp e o general Walther von Lüttwitz, que pretendiam derrubar o presidente socialdemocrata Friedrich Ebert, e se opunham ao Tratado de Versalhes assinado após o fim da Primeira Guerra Mundial, em 1918.
[2] Otto Hörsing foi um militante do Partido Social Democrata (SPD) entre 1894 e 1932. Serviu no exército alemão durante a I Guerra Mundial, e após a República de Weimar ocupou diversos postos no Estado alemão.
[3] Sipo (Sicherheitspolizei) foi uma unidade policial paramilitar antidistúrbios criada durante a República de Weimar, com o objetivo de conter as ações revolucionárias, bem como servindo de paradigma para o policiamento cotidiano em toda a República, com um comportamento de tipo militar.
[4] Paul Levi (1883-1930) foi um militante do SPD e fundador do KPD, tonarndo-se líder do último após a morte de Rosa Luxemburg e de Karl Liebknetch. Era próximo de Lênin, situação que mudou após suas críticas públicas ao KPD sobre sua participação na “Ação de Março”. Foi expulso do partido em setembro de 1921, ingressando no Partido Social Democrata Independente, e logo após, reingressando no SPD, sendo lider da ala esquerda deste partido até sua morte.
[5] A A.A.U. foi fundada em 1920, como a organização econômica do KAPD, baseando-se em dois conceitos principais: os operários se uniriam por empresas; e as organizações de empresa se agrupariam por região industrial. Pretendia com tais conceitos guiar as ações para a formação de conselhos operários revolucionários.


Comentários 2

    • B.

      |

      out 5, 2017

      |

      Passando só pra parabenizar pela tradução.

      Muito bom

    • K

      |

      out 9, 2017

      |

      Muito bom e importante inciativa de tradução desses textos. Sem dúvidas precisamos conhecer mais para lutar melhor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Passa Palavra


Copyleft © 2017 Passa Palavra

Atualizações RSS
ou Email