COMPANHEIROS/AS

Mais uma vez nos dirigimos à vocês. Primeiro, agradecendo todo apoio já recebido, dizer que é da máxima importância poder contar com a solidariedade de muitos. Segundo, continuar solicitando ajuda e apoio fazendo um segundo mutirão de denúncia e pressão para libertar os 4 companheiros/a que continuam presos, conforme informações que seguem.

Secretaria MAB.

#ff0000;">Liberdade aos presos políticos do Pará

4 trabalhadores continuam presos. Ajude a libertá-los!

Em Belém, no Pará, 18 camponeses foram presos no dia 26 de abril. No dia 15 de maio, 14 deles foram libertados. No entanto, quatro [email protected], três homens e uma mulher, continuam presos sob a justificativa de que são lideranças, o que confirma a denúncia dos movimentos sociais de que as prisões são de ordem política e a tentativa de criminalizar quem luta por justiça.

Este fato deve-se a luta dos atingidos pela barragem de Tucuruí que há 25 anos reivindicam seus direitos. Em todo este período as grandes multinacionais, como a Alcoa e a Vale, são beneficiadas com subsídios no consumo da energia gerada em Tucuruí. Elas pagam em média 05 centavos o Kilowatt/hora enquanto o povo brasileiro paga em média 50 centavos pelo mesmo Kilowat/hora.

A liberdade dos 14 atingidos é fruto de uma grande rede de solidariedade que pressionou as autoridades responsáveis. Agora temos que exigir a libertação [email protected] [email protected] quatro [email protected] que foram presos nas mesmas condições. Não é justo que camponeses e pescadores tenham a liberdade roubada por reivindicar melhores condições de vida, enquanto os assassinos da Irmã Doroty estejam soltos.

Nesta situação extraordinária de prisões políticas, temos que fazer todo o esforço pela libertação urgente. Manteremos o acampamento de vigília em solidariedade organizado em Tucuruí e continuaremos as negociações. Também pedimos sua ajuda para uma manifestação política à responsável pelo caso, desembargadora Maria de Nazaré Silva Gouveia dos Santos ([email protected], (91) 3205.3603 / 3602 / 3601 – modelo de carta aqui).

Desde já agradecemos a contribuição de todos e todas e estamos certos de que a solidariedade é fundamental para a libertação destes lutadores que estão presos por perseguição política!

Água e energia não são mercadorias!

Daiane Hohn, Sonia Mara Maranho e Luiz Dalla Costa
P/ Coordenação do MAB – Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here