Solidariedade com as Assembleias Populares “Democracia Verdadeira Já!

Apela-se à subscrição, por organizações e movimentos, de um comunicado [ver texto abaixo] de solidariedade com as assembleias populares do rossio, pretendendo-se que seja divulgado com a maior brevidade possível, através dos meios das organizações que o subscreverem. Até ao momento foi subscrito pelo M12M, Panteras Rosa, Portugal Uncut e UMAR.
“As organizações da sociedade civil portuguesa representadas neste comunicado expressam o seu repúdio veemente à acção policial do dia 4 de Junho, na praça do Rossio, contra os participantes na Assembleia Popular “Democracia Verdadeira Já”.

Exprimem, ainda, profunda consternação com a demonstração da ignorância dos agentes policiais a respeito de direitos consagrados na Constituição da República Portuguesa, em particular o Direito de Reunião (nº 1 do artº 45º): “Os cidadãos têm o direito de se reunir, pacificamente e sem armas, mesmo em lugares abertos ao público, sem necessidade de qualquer autorização.” Tratou-se de um duplo atentado à ordem democrática e à integridade da comunidade de cidadãs e cidadãos.

Acresce, a tudo isto, a gravidade do dia da acção policial; no dia anterior ao exercício de um dos direitos cívicos conquistados com Abril, qualquer acção repressiva ganha uma dimensão simbólica adicional. O grupo profissional dos agentes policiais deve reflectir, em conjunto, acerca das razões que têm levado, nos últimos tempos, a uma escalada de violência que prenuncia novos e intensificados actos de violência.

Os acontecimentos de Setúbal, do Rossio e do Bairro 6 de Maio demonstram que é necessário repudiar toda a repressão policial, criticar as suas origens e é necessário questionar todas as instituições envolvidas na tomada de decisões que resulta em actos de violência e repressão policial, incluindo o Ministério da Administração Interna, as divisões relevantes da Polícia de Segurança Pública e da Guarda Nacional Republicana, além dos departamentos da Polícia Municipal. Embora os actos ocorridos a 4 de Junho se refiram à Polícia Municipal de Lisboa (cujos agentes pertencem aos quadros da PSP), este comunicado visa expressar um repúdio generalizado a todo e qualquer acto de repressão policial cujas razões não sejam justificáveis à luz do ordenamento jurídico relevante.

Assinalando a relevância dos objectivos destas Assembleias, em particular o de intervir efectivamente em todos os processos da vida política, social e económica, organizações signatárias manifestam a sua total solidariedade com a referida Assembleia Popular.”
As organizações/movimentos subscritores:
Movimento 12 de Março
Panteras Rosas
Portugal Uncut
SOS-Racismo
UMAR
Organizações e movimentos solidários que quiserem subscrever o Comunicado poderão enviar uma mensagem para o e-mail: #0000ff;">[email protected]

1 COMENTÁRIO

  1. Há que estender este movimento a todo o País e fazer com que seja levado a sério pelas entidades governativas. Naturalmente que levará ao medo e consequente reacção para a qual todos deveremos estar preparados. Eu tenho 55 anos de idade, portanto, não me enquadro naquilo a que tem sido chamdo de geração à rasca, talvez pertença, isso sim à geração rasca pois peermitiu a nivel global que as nossas sociedades se trasnsformassem naquilo que são hoje; desumanas e alienadas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here