Por Yannis Youlountas

Tradução de comunicado sobre a atual situação em Exarchia.

Noite difícil para quem ama Exarcheia e a luta revolucionária na Grécia.

17 DE NOVEMBRO DE 2019 EM ATENAS: UM GOSTO DE SANGUE NA BOCA

Muitos de nossos companheiros passaram a noite entre quatro paredes após espancamentos sistemáticos. Outros ficaram feridos, três dos quais foram transferidos para o hospital por ambulância. Outros tiveram que se esconder por boa parte da noite, ou a noite toda, para não serem apanhados e espancados pela polícia que parecia muito animada, como em um videogame de guerra por todo o bairro.

No total, mais de 5.000 policiais, helicópteros e drones transmitem permanentemente a posição de insurgentes resistentes dos telhados. Policiais antiterroristas, policiais de choque, policiais à paisana, voltigeurs, tanques com canhões de água… A armada de policiais que foi mandada para Exarcheia, durante os dois atos sucessivos, era muito numerosa e super equipada.

Exarcheia não durou muito. Já parcialmente ocupado por semanas, rapidamente caiu sob o controle do soldado supostamente guardião da paz. Poucos lugares dentro dela ainda são seguros. Hoje de manhã, enquanto o sol ainda não voltou, o Notara 26 ainda está de pé, assim como K* Vox e a estrutura de saúde autogerida de Exarcheia (ADYE). Mas esses lugares e alguns outros são figuras dos últimos bastiões em um bairro não-padrão minuciosamente devastado pelo Estado grego ao longo das semanas, a fim de remover uma das fontes de inspiração do movimento social em todo o mundo.

Ainda hoje o sangue fluiu, incluindo o de uma jovem mulher atingida na cabeça a ponto de pintar no chão a verdadeira face do regime. Não apenas a junta não terminou em 1973, mas o novo governo, com seus ministros, alguns dos quais são de extrema direita e sua política cada vez mais autoritária, está abordando passo a passo o exemplo do coronel Papadopoulos e sua camarilha.

Com os novos meios tecnológicos adquiridos especialmente da França, o poder monitora, rastreia, preocupa, ameaça, golpeia. Sim, a demonstração em memória da revolta de 1973 ocorreu, mesmo numerosa, mas enquadrada por uma quantidade impressionante de policiais e ônibus da MAT, bloqueando todos.

Nas ruas de Exarcheia, dezenas de companheiros foram forçados a sentar no chão ou ajoelhar-se, com as mãos atrás da cabeça, sob golpes, zombarias e humilhações. Aqui, uma mulher é arrastada pelos cabelos. Lá, um homem é atingido nos testículos. E depois poças de sangue, aqui e ali, nos cantos da praça central do bairro machucado.

Na mídia, é o concerto de louvor em todas as cadeias: Mitsotakis finalmente restabeleceria “a ordem e a democracia” em toda parte da Grécia, inclusive no “Exarquistão”, a zona de ilegalidade onde ainda há algumas centenas dos moicanos. As notícias de última hora passam sem transição da vitória do grego Tsitsipras no jogo de tênis e da ocupação policial de Exarcheia, completamente paralisada após uma breve resistência. Mitsotakis saúda a vitória de seu colega tenista e promete terminar as últimas desocupações muito em breve. Segundo ele, sua missão nessa área logo terminará.

Ele também quer vingar a visita de Rouvikonas, neste domingo de manhã, a casa do Ministro da Economia: Adonis Georgiadis, ex-membro do partido de extrema-direita do LAOS. Particularmente racista, Georgiadis declarou notavelmente que queria “tornar a vida ainda mais difícil para os migrantes” para dissuadi-los de vir para a Grécia. Por essa ação organizada voluntariamente pouco antes da manifestação de 17 de novembro, a Rouvikonas queria mostrar, mais uma vez, que se somos vulneráveis, aqueles que nos governam também são: “Conhecemos seus endereços pessoais, sabemos onde encontrá-lo. ! Ameaçou o grupo anarquista em sua declaração. O clamor de toda a classe política foi imediato. Por exemplo, o PASOK e o Union du Centre ficaram chocados com o fato de os ativistas se permitirem perturbar a privacidade dos líderes políticos, independentemente de discordâncias. “Isso reforça nossa determinação de classificar Rouvikonas entre organizações terroristas”, disse um ministro na TV. Rouvikonas é o próximo objetivo planejado, “assim que o caso de Exarcheia for resolvido completamente”.

a lei endurece contra todas as formas de resistência. Por exemplo, o uso de um coquetel Molotov agora custa até 10 anos de prisão e não mais 5 como antes. Observar os manifestantes é muito mais fácil do que antes, graças à “neutralização de sentinelas nos telhados”, ou seja, grupos que, até agora, observavam e enviavam uma enxurrada de fogo das alturas do bairro tão logo que as ruas estavam perdidas, especialmente ao redor da praça central de Exarcheia. As posições policiais no bairro continuam a progredir. Os funcionários da prefeitura de Atenas são enviados sob escolta policial para limpar as pixações nas paredes. Lemabranças de “Paredes brancas, gente burra”: um dos slogans contra a ditadura dos coronéis. O mesmo aconteceu no outro extremo da Europa em maio de 1968.

Na morna noite ateniense, vozes se perguntam sobre a continuação, listas de discussões são revividas, circulam mensagens para expressar raiva, revolta e solidariedade, mas também ideias, sugestões, desejos. Diante da ocupação de refugiados Notara 26, a maior faixa teimosamente anuncia: “Você não será capaz de evacuar todo um movimento! “

Nessa noite, a rebelde Exarcheia tem um gosto de sangue na boca, imóvel e silenciosa na escuridão, mas ela ainda está viva.

Publicado pelo coletivo Barricada

2 COMENTÁRIOS

  1. Moro em Atenas, e estive presente nas manifestações do dia último 17. O texto do Yannis pinta muito bem o quadro sombrio que retrata esse conflito entre o estado grego e as organizações autônomas resistindo aos fôlegos aqui. Os agentes do capitalismo e seus lacaios são ardilosos, e sabem o perigo que a auto-gestão social representa às suas estruturas, e tudo indica que estão decididos à desintegrar a qualquer custo todas as formas legítimas de resistência aqui na capital. O “Ministro da Proteção aos Cidadãos” Michalis Chrisochoidis, notório reacionário da base aliada do Mitsotakis, expediu um ultimato, dando um prazo para a evacuação de todas as ocupações do país. Considerando que uma das principais atividades dos autonomistas locais é a ocupação de prédios públicos a fim de organizar unidades de estudo, moradia e saúde para aqueles que não são atingidos pelo apodrecido Estado de Bem Social europeu, fica evidente o objetivo do governo. Atacar covardemente as resistências e pôr em prática a violência e autoritarismo inerentes ao estado. O dia do ultimato ainda dá um tom sádico à essa decisão. 6 de dezembro — aniversário da morte do menino Alexis Grigoropoulos, assassinado pela polícia fascista, dia que tradicionalmente é de protestos e legítima desobediência civil por parte dos anarquistas.

    O recado está dado, as próximas semanas em Atenas serão ainda mais angustiantes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here