O colectivo Passa Palavra desafiou os seus colaboradores e amigos a elaborarem artigos sobre “o processo de produção nas profissões intelectuais e culturais”. Com este texto, inicia-se uma série sobre o processo de produção das canções, desde a sua invenção até que chegam aos ouvidos e às mãos das pessoas. Por José Mário Branco

A oficina da canção (I): ideias a partir da prática

O colectivo Passa Palavra desafiou os seus colaboradores e amigos a elaborarem artigos sobre “o processo de produção nas profissões intelectuais e culturais”. Com este texto, inicia-se uma série sobre o processo de produção das canções, desde a sua invenção até que chegam aos ouvidos e às mãos das pessoas. Por José Mário Branco

A oficina da canção (II): criação partilhada em diferido

As condições materiais da gravação de canções em disco determinam decisões estéticas, técnicas e éticas. É um tripé que cai fatalmente se lhe faltar um dos pés. O produtor (“producer”) decide, através do ‘como’, ‘o quê’ passa para o lado de lá. Por José Mário Branco

A oficina da canção (III): no canto não há neutralidade

As canções são, como qualquer forma de arte, um meio de expressão de sentidos e de emoções. Na música, como em qualquer linguagem, o descompromisso leva à solidão e ao embrutecimento. Por José Mário Branco

A oficina da canção (IV): O sofisma da oposição forma-conteúdo

A música não permite escapar à concretude da matéria sonora. Mas muita gente, para justificar uma visão idealista e utilitarista da arte, pretende que há uma diferença de natureza entre a forma e o conteúdo. São como os revolucionários para quem a revolução é um lindo projecto, e não aquilo que se faz – ou não se faz – um pouco todos os dias. Por José Mário Branco

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here