Chegámos a um ponto decisivo. A Suprema Corte de Justicia de la Nación (SCJN) irá julgar o caso e, em breve,  decidirá sobre a liberdade dos nossos companheiros. Por Comité Libertad y Justicia para Atenco

Ao longo de 4 anos, milhares de pessoas em todo o México e em muitos lugares do mundo, activistas, organizações sociais, artistas [1], académicos, defensores de direitos humanos, vêm exigindo ao Estado mexicano duas questões elementares e necessárias: liberdade e justiça para os nossos companheiros da comunidade de San Salvador Atenco, da Frente de Pueblos en Defensa de la Tierra (FPDT).

crimen_atencoÀ distorção e manipulação dos processos jurídicos, às evidências documentadas da violência estatal, à impunidade dos autores materiais e intelectuais do horror desta ação contra-insurgente, somam-se as condenações impostas até agora, de até 112 anos para Ignacio del Valle, líder da resistência [2], prisioneiro com outros 2 companheiros num estabelecimento penal de máxima segurança. Os 12 presos políticos de Atenco o são, fundamentalmente, pelo fato de, em primeiro lugar, defenderem as suas terras e, com elas, a sua cultura e forma de vida; e, segundo e mais importante, pelo fato de se organizarem, de se rebelarem e, com isso, nos darem um exemplo de dignidade e coragem, frente a este sistema capitalista, que explora e destrói a natureza e a sociedade [3].

Hoje, depois de ano e meio da Campaña Nacional e Internacional Libertad y Justicia para Atenco [4], chegámos a um ponto crucial, definitivo. A Suprema Corte de Justicia de la Nación (SCJN) irá julgar o caso e, em breve, em finais de junho, decidirá sobre a liberdade dos nossos companheiros. Este é o último recurso, a última instância de carácter nacional onde será possível exigir a sua liberdade.

É a hora dos nossos companheiros serem libertados. É a hora de eles voltarem, com as suas mulheres, com seus filhos, com a sua comunidade [5], à liberdade de seguir os seus passos no horizonte infinito daqueles que sonham com (e, portanto, lutam por) uma sociedade e um mundo diferentes.

Pedimos a todos e todas para difundirem esta informação e participarem na campanha de assinaturas, reunindo todas as possíveis de académicos, músicos, personalidades da cultura, colectivos, organizações sociais e movimentos populares. E, onde for possível, pedimos a organização de alguma ação de solidariedade, que estão já se preparando para o 29 de junho, perante a decisão da Suprema Corte, em Nova Iorque, Los Angeles, Vancouver, Montevideo, Londres, Helsinki, Berna, Paris, Toulouse, Zaragoza, Torino e outras que estão por ser confirmadas. É a hora de todos e todas somarmos as nossas vozes. É a hora da liberdade e da justiça para Atenco.

Favor encaminhar todas as assinaturas e mensagens de solidariedade até 21 de junho para: atencointernacio[email protected]

Para conhecer as ações recentes da Campanha e se cadastrar para receber informações:

http://www.atencolibertadyjusticia.com/new/

Notas

[1] Romper el cerco. Documentário sobre a luta pela terra e a repressão contra o FPDT. Em espanhol, com legendas em inglês.

[2] Manu Chao em Atenco, em solidariedade com o FPDT. Veja aqui.

[3] Campanha Nacional e Internacional Liberdad y Justicia para Atenco. Veja aqui.

[4] Devolvam-nos os nossos filhos!Veja aqui.

[5] Carta de Ignacio del Valle. Veja aqui.

1 COMENTÁRIO

  1. >
    > Podem conta com a solidariedade e o apoio militante dos trabalhadores
    > da fabrica ocupada Flaskô e do Movimento das Fábricas Ocupadas no Brasil.
    >
    > Estamos sempre ao lado das lutas de nossa classe em todo o mundo
    >
    > Discutirmos a possibilidade e os meios de organizarmos uma delegação
    > ao consulado por aqui em apoio
    >
    >
    >
    >
    >
    > Pedro Santinho
    >
    > http://www.fabricasocupadas.org.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here