O voluntarismo niilista implícito no Que se lixe! é a força motriz de qualquer fascismo. Por Passa Palavra

Comentários insultuosos e irrelevantes não podem servir de base a nenhum debate fundamentado, por isso o Passa Palavra não costuma ocupar-se com eles. Fazêmo-lo agora porque, embora não sendo produtivos, são significativos. E assim neste artigo deixaremos de lado todas as contribuições sérias para o debate. Reconhecemos que é uma injustiça, mas se as ideias se convertem numa força social quando mobilizam massas, então as trivialidades, que se difundem mais facilmente do que as análises críticas, constituem uma força social mais imediata.

A democracia do insulto

É elucidativo que os comentadores histéricos tenham preferido insultar-nos nos blogs que frequentam habitualmente e onde encontram links para os nossos artigos em vez de colocarem observações no Passa Palavra, onde esses artigos foram originariamente publicados. Sucedeu mesmo que um sujeito não inseriu o link para o artigo que criticava, alegando que não queria aumentar-lhe as visualizações. E assim se aplicam os princípios do marketing ao que deveria ser um confronto ideológico.

Esta propensão a criticar de longe e como que em casa caracteriza igualmente os insultos no trânsito, em que cada um, fechado dentro do seu automóvel, grita impropérios que nunca teria coragem de dizer sem a protecção dos vidros e das portas trancadas. O trânsito e a internet constituem a infra-estrutura de uma forma política nova — a democracia do insulto.

Ora, como sempre sucede na arte, a forma é o principal conteúdo e neste caso é mesmo o único conteúdo. O insulto é a modalidade escrita do que na oralidade são os gritos, o barulho.

Os lugares-comuns

Quanto mais procuramos num artigo questionar lugares-comuns e fazer apelo ao raciocínio, tanto mais os comentadores histéricos gritam. Para quê, para se fazerem ouvir? Não, para eles próprios não ouvirem. E assim constroem uma câmara de eco numa sala de espelhos.

Pode obrigar-se as pessoas a muita coisa, mas não a pensar. Frequentemente os artigos que se criticam não são lidos ou, no máximo, passa-se a vista em diagonal, porque quem está habituado a ouvir-se a si mesmo não suporta outros sons. Lêem-se então só os comentários, ou alguns se forem muitos, e desanca-se o que se presume que o texto diz. Falha-se o alvo, mas quem se importa com isso, se os amigos também não lêem o texto?

Quanto mais estes comentadores se ouvem a eles próprios e quanto mais ouvem opiniões iguais às suas, mais acreditam que são muitos. Já repararam que se a embalagem de um produto reproduzir a sua imagem no rótulo se alcança o infinito? A repetição de uma imagem no interior dela própria é igual ao infinito. Sucede exactamente o mesmo com os comentadores histéricos. A democracia do insulto é simultaneamente um mecanismo de reprodução do infinito.

Mas como os insultos são desprovidos de conteúdo substantivo e os ecos e os espelhos são auto-referentes, deparamos com a multiplicação infindável do vazio.

O espantalho e a máscara

O argumento principal que temos defendido a propósito da permanência ou da saída de Portugal do euro é o de que o abandono do euro não só levará a uma deterioração maior ainda das condições de vida da classe trabalhadora portuguesa como deteriorará a situação dos pequenos e médios capitalistas, correndo-se o sério risco de que todos eles se precipitem juntos numa «nação em cólera», que — segundo a análise de um fascista sabedor e experiente — é o próprio caldo de cultura do fascismo.

Trata-se de um argumento com duas faces. A primeira diz respeito ao agravamento das condições de vida dos trabalhadores; a segunda, a uma possível convergência dos trabalhadores com a maioria dos capitalistas. Ora, este argumento tem sido ignorado.

Que se lixe!

Os comentadores que nos servem aqui de matéria-prima recusam-se a analisar os custos da saída do euro, sob o pretexto de que os custos da permanência são muito elevados. Sem dúvida, mas trata-se de saber quais são os mais elevados.

Querem debater seriamente os custos comparados de uma manutenção no euro ou de um abandono da zona euro? Querem debater seriamente as limitações do empresariado português e uma marginalização económica que se deve à estrutura social deste país e não à malevolência dos outros? Querem debater seriamente as alternativas económicas que se colocam dentro e fora da zona euro? Mas como discutir estas questões económicas sem falar de economia em termos económicos?

Acusam-nos então de falarmos «economês». Mas com que direito querem extrair conclusões económicas se se abstêm de proceder ao mínimo raciocínio económico? Abrem-se as portas, perdão, ficam escancaradas para o mais despudorado exercício de demagogia.

Reclamam contra os banqueiros, a quem atribuem todas as culpas do crédito oferecido, esquecendo-se aliás de observar como ele foi utilizado. Logicamente, protestam também contra os subsídios adiantados pelo Estado à banca. E deste modo colocam-se na actual crise exactamente na mesma posição em que, durante a crise da década de 1930, se colocavam as tendências mais conservadoras, também elas opostas ao salvamento dos bancos através de subsídios estatais. Esquerda e direita não são posições geográficas, mas políticas e ideológicas. Como devemos considerar a esquerda que adopta hoje posições que a direita conservadora defendia há oitenta anos atrás?

Vejamos a questão dos bancos e dos subsídios. O abandono do euro e a adopção do escudo, com todas as dificuldades e turbulências provocadas por esta mudança, implicaria a estatização do sistema bancário, o que obrigaria não ao fim do crédito aos bancos mas, pelo contrário, a novas injecções de crédito, só que feitas mais ocultamente do que agora.

E como a saída da zona euro e a adopção de uma moeda de pechisbeque traria condições de vida ainda piores do que as que já sofremos, provocaria uma considerável desilusão dos trabalhadores, que tinham esperado salvar-se ou pelo menos emergir e ver-se-iam mais afundados. Daqui resultaria muito provavelmente uma agudização das reivindicações e das lutas, numa situação em que os patrões e os governantes teriam ainda menos margem de manobra do que hoje. A resposta só poderia ser o agravamento da repressão e a tentativa de pôr fim às greves sob o pretexto de que precisamos de defender a economia nacional. Os mais velhos de entre nós já ouviram esta música.

Ora, como escreveu Nuno Cardoso da Silva, um comentador que neste contexto citamos por excepção, já que destoa das futilidades e dos delírios, «não precisamos efectivamente de nenhum capitalismo de Estado para resolver os problemas do capitalismo privado».

Nada disto convence os comentadores histéricos, que repetem em todos os tons Não importa o que virá depois. Mas isto significa que se derruba a actual situação sem saber em benefício de quem. O Que se lixe! tem uma função exclusiva de ocultamento político.

Os cegos e o precipício

O voluntarismo niilista implícito no Que se lixe! é a força motriz de qualquer fascismo.

Ora, os nossos comentadores histéricos buscam precisamente, nestes dias de agora, contribuir para que se junte nas ruas uma «nação em cólera». Veremos se o conseguem, se as ruas servirão para marcar as clivagens entre classes ou para as confundir na amálgama nacional, porque o fascismo surge quando aquela cólera mobiliza em conjunto toda a nação. Um comentador chegou ao ponto de afirmar que queremos que as pessoas não entrem «em cólera», sem se dar conta de que para nós o problema não está na cólera, mas na nação.

Para quê demonstrar o que os próprios comentadores afirmam? Não é só depois de um eventual abandono do euro que serão criadas condições para o aparecimento de um fascismo, mas é desde já que alguns, ou muitos, se esforçam por fazê-lo. Veja-se este comentário, que reproduzimos extensamente: «E um bom Nacionalismo deve ser agnóstico em relação à estupidez imbecilizante e divisionária do paradigma “Esquerda/Direita”. Isso só serve para dividir e não para unir. Não queremos cá marxismos, nem capitalismos, nem liberalismos. Defender os trabalhadores e empresários de igual modo, fomentando a criação de PME e diminuindo os impostos e pornográficos IRS e IRC». Mas é precisamente isto que temos dito e repetido desde o nosso artigo sobre Os perigos da «nação em cólera». Será que não dão conta do fascismo quando o têm diante dos olhos, como sucede neste comentário? E quantas e quantas pessoas dizem o mesmo todos os dias nas ruas, nos empregos, nos cafés, nos transportes públicos?

Ou será que não sabem o que é fascismo, quando sistematicamente o confundem com a repressão? Um regime não é fascista só por empregar a repressão. Senão, veja-se o exemplo da União Soviética, que nunca foi fascista mas em matéria de repressão não precisava de lições de ninguém. O fascismo caracteriza-se por mobilizar vastas massas operárias em favor de um programa nacionalista. É isso o fascismo, uma renovação nacionalista do capitalismo e das instituições conservadoras graças a um impulso vindo da rua.

Ora, estes comentadores falam muito em atacar o euro e a União Europeia e pouco ou nada em atacar o capitalismo. Mas reduzir o capitalismo, que é um sistema global de exploração, a uma das suas modalidades é a receita directa para perpetuá-lo. Nestes termos, em vez de abalarem o sistema, as lutas sociais renovam-no e reforçam-no. Tem sido esta a função do fascismo.

A economia real e os delírios nacionais

Talvez por não dominarem o «economês», nenhum dos comentadores respondeu aos nossos argumentos a respeito da transnacionalização do capital. No entanto, sem isto não tem qualquer sentido falar de nacionalismo e de internacionalismo.

Nós nunca defendemos «a unificação de Estados burgueses em super-Estados», como nos acusou um comentador que treslê. Pelo contrário, escrevemos que foi ultrapassada a época da internacionalização do capital e se desenvolveu uma época nova, em que hoje vivemos, a da transnacionalização do capital, que ultrapassa as fronteiras nacionais e lhes tira a relevância económica e que esvazia progressivamente os Estados e governos nacionais. É neste contexto que deve falar-se hoje de internacionalismo.

Há quem nos acuse de «prostração perante a grande burguesia europeia e a oligarquia financeira europeia». Mas interessam-nos sobretudo as conjunturas sociais e as potencialidades de luta. E não deixamos de analisar e de criticar o capitalismo português e as características do seu tecido empresarial. Ora, como sucede frequentemente, o anti-imperialismo destes comentadores serve para absolver os capitalismos nacionais. Aliás, alguns comentadores mais histéricos postulam a equivalência entre o internacionalismo do Passa Palavra e o imperialismo dos Estados Unidos ou da Alemanha.

Mas aqueles que «por anticolonialismo» defendem «a saída imediata de Portugal, Itália, Irlanda, Grécia e Espanha da União Europeia» será que há alguns anos atrás defenderam também que saíssem imediatamente da União Soviética a Ucrânia, a Bielo-Rússia, a Geórgia, a Arménia, o Azerbeijão, a Estónia, a Letónia, a Lituânia, o Uzbequistão, o Turquemenistão e desculpem-nos os esquecimentos? Ou será que a balcanização, que é uma catástrofe visível no Leste da Europa, se transformará numa benção a Ocidente?

Será que imaginam que, saindo da zona euro, Portugal poria em causa os centros imperialistas? Ora, a economia portuguesa representa uma parcela ínfima do Produto Interno Bruto da zona euro e não é com estas migalhas que os centros capitalistas europeus enriquecem, mas com a exploração dos seus próprios trabalhadores. É elucidativo do estado de coisas a que chegámos que seja necessário explicar aos «marxistas patrióticos» que é o aumento da produtividade — mediante a qualificação crescente da força de trabalho, a passagem a sistemas produtivos mais complexos e a intensificação dos ritmos laborais — que constitui o principal motor da acumulação ampliada do capital. Esqueceram-se da mais-valia relativa. Mas este b-a-bá tem de ser esquecido pelos defensores do nacionalismo, que vitimizam como um todo a sociedade do jardim à beira-mar e atacam como um todo a sociedade dos países mais produtivos.

Nós falamos de classes, coisa que estes comentadores não vêem quando falam só de nações. Por isso nem lhes passa pela cabeça analisar as contradições sociais nos centros mais produtivos da União Europeia e confundem os «trabalhadores do centro e norte ricos da Europa» entre o saco sem fundo dos defensores da chanceler Merkel. Um dos comentadores evocou mesmo «uma União Europeia, comandada sobretudo pelos capitalistas do Norte e fortemente apoiada pela classe trabalhadora bem instalada nesses países e que não sente a crise». Voltámos assim à oposição entre nações proletárias e nações plutocráticas, típica da panóplia de conceitos dos fascismos.

Depois acham que não temos razão para estar preocupados?

20 COMENTÁRIOS

  1. “Nós falamos de classes, coisa que estes comentadores não vêem quando falam só de nações.” Falam de classes, mais ou menos… ao longo de vários posts têm vindo a falar dos custos sociais da saída do euro … para a “classe trabalhadora portuguesa”.
    De resto, a UE não é comandada unicamente pela Alemanha, mas é inegável o papel preponderante que esta tem na sua direcção. Inegável também é que Merkel tem largo apoio popular, pelo que se presume que o povo alemão aceita a política interna e externa pelo seu governo praticado. Inegável também é que a classe trabalhadora alemã – se me permitem dizer que existe tal coisa sem me apelidarem de fascista – não sofre na pele o elevado desemprego nem os baixos salários que existem em Portugal ou Espanha neste momento. Não se trata de nações proletárias nem de nações plutocráticas, mas não se vislumbra qualquer mudança institucional (qual deveria ela ser?) que combaterá o “gap” que se vai alargando entre os países credores e os países devedores – se mais uma vez me permitem dizer que existem tais coisas sem me chamarem nacionalista.

    Termino este breve comentário dizendo que defendo maior integração europeia, emissão de eurobonds e toda essa panóplia de soluções pré-socialistas. Falta votarmos nas eleições que determinem as políticas do BCE, não é verdade? Um voto por país, “bale”? E se esses votos forem tão favoráveis ao progressismo como têm sido as do parlamento europeu? A democracia tem destas coisas…

  2. É verdade que há imenso barulho dos que começam por metralhar, na própria trincheira, primeiro os não adeptos da metralha, depois os que disparam noutra direcção que não a sua e, uma vez sós na trincheira, os próprios pés.
    Mas, por outro lado, permanece um imenso silêncio do passa-a-palavra na resposta clara a uma pergunta simples: Sabendo o que não fazer, o que propõe que se faça, hoje, agora e concretamente?

  3. Mário Heleno,
    Muito em breve o Passa Palavra (note que, por economia linguística, não usamos artigo) quebrará o silêncio relativamente a essa questão. De qualquer modo, já em Maio deste ano abordámos o tema, embora num texto relativo à situação no Brasil, já que somos um site luso-brasileiro. Pode ver aqui:
    http://passapalavra.info/?p=58400

  4. Esse texto resume como a vossa crítica contribui para a descoberta/invenção do caminho a seguir aqui, agora e concretamente. Ninguém duvida disso, o problema é que tal mérito só por si não exclui a hipótese de não vislumbrarem caminho nenhum.

  5. O autor do comentário anterior tem alguma noção do que ocorrerá do ponto de vista económico e político no caso de uma implosão da zona euro? Se soubesse certamente que não faria comparações deste género…

  6. Não, eu não sei o que aconteceria se houvesse uma implosão do euro. Mas sei, bastante bem, o que se passa na Grécia. É a todos o níveis um país em depressão, onde se pode ver in loco o que neste texto parece ser o que acontecería se um dos países periféricos saísse do Euro (radicalização à direita, nacionalismo, etc).

  7. NF,
    Você poderia desenvolver melhor o seu argumento? Poderia falar mais sobre a radicalização à direita e o nacionalismo na Grécia actual?

  8. Caros,
    O meu argumento é simples. Muito daquilo que se prevê que aconteça com a saída do euro (nacionalismo radical de direita, desejo de soluções autoritárias, fragmentação institucional, etc) é já uma realidade na zona euro. Basta acompanhar a situação na Grécia para se perceber que qualquer coisa semelhante a Weimar pode nascer dentro da UE. A depressão está aí à porta.

    Veja-se aliás quantos dos nacionalismos mais radicais por essa Europa fora vivem à custa do “projecto europeu”.

    ps- por falta de tempo não posso dar as minhas impressões daquilo que é a Grécia de hoje. Só posso dizer uma coisa: foi ao tapete e quando caiu levantou poeira que a Europa julgava varrida para sempre.

  9. O fascismo como movimento é uma coisa por si já tenebrosa. O fascismo como regime é outra… E uma constelação de regimes fascistas, então nem se fala

  10. “reduzir o capitalismo, que é um sistema global de exploração, a uma das suas modalidades é a receita directa para perpetuá-lo. Nestes termos, em vez de abalarem o sistema, as lutas sociais renovam-no e reforçam-no”.
    Bingo. Eis uma boa chave para ler as contraidentificações com o capitalismo no século XX.

  11. Não estando eu contra o fundo do artigo, penso que há aqui uma falha de fundo: uma posição analitica um bocado descomprometida com a direção da luta popular.
    Quer dizer: muita preocupação com as contradicões sociais sem colocar a tónica que é necessário um programa revolucionário para que a luta popular revolucionária afaste o perigo do fascismo.
    Ainda aqui há pouco se gritava em Portugal que o movimento popular estava parado e que não havia clareza para apresentar um programa revolucionário. Pois bem; o movimento está em movimento(boa frase), mas não há um esforce, dentro do movimento, para teorizar um programa que dê um sentido à luta.
    É claro que um programa de luta apenas a nível nacional não faz sentido. Ele tem que ser estendido a toda a europa, unificando as lutas e o proletariado europeu na sua luta contra o capitalismo. Os reformistas já viram isto e, através das suas centrais sindicais, estão a caminhar nessa direcção.
    E nós? Continuamos na nossa capelinha e nas nossas análises brilhantes, mas fora do movimento popular?
    Eu lembro-me, quando com os camaradas do projecto Mudar de Vida, andava desesperadamente à procura de uma pequena luta popular e quando ela surgia que alegria. Agora que quase todos os sectores populares estão em luta, embora desorientados, não se vê um esforço de participar nas lutas e, messas lutas, formular teorias e programas de ruptura com o sistema capitalista.
    É idealismo da minha parte? Será. Mas esta é a minha velha experiência de proletário com pouca teoria e muita acção. E, pese embora os anos e a doença, aqui estou disponível para voltar à liça; mesmo que de bengala…
    Um abraço, camaradas

    Manuel Monteiro

  12. Caro Manuel Monteiro,
    Há muitos séculos atrás, alguém que tu conheceste de nome e eu, para minha infelicidade, conheci pessoalmente, disse-me, acerca de um dado texto, que «era muito teórico». Ao que eu respondi que os textos são sempre teóricos, só que podem ser boa ou má teoria. E acrescentei que a prática se faz noutro plano, fora dos textos. As análises críticas que possam ser feitas, no Passa Palavra ou noutro lugar, não significam que as pessoas que as escrevem não tenham uma actividade prática. Também não significam que a tenham. Embora geralmente seja possível, através do que está escrito, ver se as coisas são ou não conhecidas por dentro. Mas as análises críticas tornam-se tanto mais necessárias quanto mais parece que todos gritam em coro. E o nacionalismo converteu-se hoje, em Portugal, num perigo iminente não só devido à ausência de uma relação organizada com as lutas da classe trabalhadora noutros países mas — e é isso que é muitíssimo mais grave — devido a uma deliberada vontade nacionalista da maioria da esquerda portuguesa. O programa que a maioria dessa esquerda nos apresenta é a união dos trabalhadores com os pequenos e médios patrões contra a Alemanha. O fascismo foi isto mesmo: uma mobilização dos trabalhadores, ao serviço de uma renovação do capitalismo, representando uma pretensa nação proletária contra as pretensas nações plutocráticas. Todas as críticas que sejam feitas a um programa desse tipo me parecem bem vindas.
    Para ti, o meu abraço trans-oceânico.

  13. João
    Voltamos ao mesmo.
    Que a esquerda reformista leva o movimento popular para um beco sem saída, ou para o fascismo, já nós sabemos.
    O meu problema é a posição dos revolucionários e a sua obrigação de se inserirem no movimento de massas e dar a sua comparticipação para a elaboração de um programa revolucionário.
    E não tenho dúvidas que esse programa trará para o campo popular, sem lhe fazer cedências, o pequeno patronato industrial e agrícola arruinados pelo grande capital. E saberá neutralizar a chamada classe média, não lhe dando, como agora se passa, um lugar de vanguarda da luta(Já sei que esta palavra vanguarda faz eriçar muitos cabelos).O que tem que ficar claro nesse programa é que nós não queremos outro capitalismo; mas que queremos derrubar todos os capitalismos e que visamos desapropriar os detentores da propriedade privada e transformá-la em propriedade colectiva.
    Portanto, companheiro, eu não estou contra os textos teóricos. Estou a favor de os canalizar, de uma forma rigorosa e acessível, para os combatentes populares; que não são burros e que, pela prática, chegam à compreênsão dos grandes problemas da humanidade.
    E estou-me a lembrar de um velho operário do PCP, o Francisco Miguel, que, na prisão, dava aulas de economia politica, do materialismo histórico e dialético, aos intelectuais e operários do partido.
    Como as coisas estão, infelizmente, vejo mais as coisas inclinarem-se para o fascismo do que para a revolução socialista.
    Mas, se assim suceder, nós teremos grandes responsabilidades.
    E estou-me cagando para aqueles que acham que as minhas teorias da vanguarda estão ultrapassadas. Vanguarda ou retaguarda, o que é preciso é nós estarmos no centro das lutas, contribuirmos, sem caciquismos, para o debate teórico e ganharmos clareza, pela luta e pelo debate, das grandes questões que atormentam a humanidade.
    Foi este o meu passado.Não é um passado sem mácula. Alinhei em muito contrabando teórico. Ajudei a mutilar muita dinâmica.Contribui para incensar muitos mitos.
    Mas, como dizia o poeta, o caminho faz-se caminhando.
    Temos que voltar de novo ao caminho e caminhar. Agora libertos de muita canga inútil.
    Frágeis de tanta derrota histórica
    Mas mais fortes pelo braço da experiência.
    Um abraço, João.

    Manuel Monteiro

  14. Contrariamente à tese implícita na crónica, é precisamente o facto de a União monetária estar super burocratizada e permanentemente desajustada, que impede a Europa de crescer.

    Diria que o fim do Euro como o conhecemos é uma questão de tempo, e contrariamente ao que diversos comentadores arrolam não será nenhuma catástrofe, e sim o início de uma cooperação mais leal entre os parceiros comerciais da EU.

    E desenganem-se os profetas da desgraça que dizem que os Países mais fracos economicamente perderiam 80% dos seus activos, porque a reposição económica seria mais rápida do que foi a queda. O maior problema seria da Alemanha, porque assistiria às suas indústrias a deslocarem-se para os Países de mão-de-obra barata e enfrentaria o flagelo do desemprego e da diminuição substancial das receitas (PIB) e ao inverter da balança comercial.

    Talvez os mais desatentos não saibam, mas a Alemanha tem estado a impor a austeridade à sua medida. Recentemente, os ordenados foram reduzidos (negociados caso a caso) e aos poucos vão acumulando produtos que não conseguem escoar devido à forte austeridade nos Países que eram os melhores destinos para as exportações Alemãs. O mesmo se aplica a França (entre outros), mas ali a queda será muito mais rápida.

    Daqui até à constatação de que é necessário (e urgente) mudar algo, vai um passo acelerado…e quem vai pagar é o Euro.

  15. Este tipo de comentário de Rogério Pires é do mais próximo do fascismo que hoje vai germinando à esquerda. Primeiro porque coloca o centro da crise económica num plano extra-económico. Pior do que isso coloca-o no plano das nações, como se fosse uma dinâmica territorial a determinar a economia.
    Depois é “interessante” verificar como o autor coloca tudo no plano do que ele acha que é ou deveria de ser. Ou seja, tudo o que todos os estudos económicos demonstram que acontecerá com uma saída do euro para o genial comentador seria meramente uma treta. Se o comentador Rogério Pires diz que é, então é porque é… Vá-se lá perceber a profundidade do raciocínio.
    Em terceiro lugar, repare-se na primeira frase do comentário deste autor. Então o problema é o de a UE ser burocratizada? Engraçado como se recorre a argumentos que os neoliberais aplicam sem tirar nem pôr aos serviços públicos que ainda existem. Interessante como um raciocínio que não serve para a caracterização do estado nacional já o seria no caso da UE… Verdade seja dita que eu nem me deveria queixar deste tipo de raciocínios. Se esta esquerda pretensamente marxista coloca a dinâmica do capitalismo no plano das nações porque não poderiam proliferar os raciocínios mais incongruentes?
    Por último, o argumento mais “delicioso” prende-se com o facto de que poderia cair o euro e quem mais perderia seria, nas palavras do comentador, a Alemanha. Será que o comentador sabe que existem umas dezenas de milhões de trabalhadores e dos seus filhos? Ou por serem alemães já mereceriam o “inferno”? Sinuosos são os caminhos do nacionalismo…

  16. Não, Sr. João Valente Aguiar, não sou de esquerda, nem de direita, sou simplesmente um cidadão com os pés assentes na terra e que analisa desapaixonadamente a actual situação caótica em que politicas erradas (durante muitas décadas) estão a conduzir-nos ao caos social.

    Os estudos económicos são o que são, uns aproximam-se da realidade, a maioria são alicerçados em pressupostos com grande possibilidade de serem falíveis. Diga-me uma só previsão económica dos últimos 3 anos que tenha acertado na mouche. Claro, apenas as mais pessimistas conseguiram aproximar-se dos resultados concretos, mas aí não é difícil ser vidente.

    Tenho familiares directos emigrados na Alemanha há cerca de trinta anos e mesmo eu tenho estado lá regularmente. A minha opinião é fundamentada no sentimento generalizado do povo Alemão e na constatação in loco. Não são meras conjecturas mas sim factos que estão a acontecer. Por exemplo, a iluminação de Natal nas ruas de cidades alemãs vão ser reduzidas ao mínimo este ano … E se as ruas alemãs eram bonitas pelo Natal!

    Quer saber qual é a minha visão deste mundo conturbado?
    Foge um bocado ao âmbito político, mas afinal tudo é política.

    Reflexão:

    Somos espectadores e ao mesmo tempo figurantes de uma época crítica para a Humanidade e para o futuro do planeta.

    Nunca em qualquer outro período na história humana vivemos um momento tão particularmente inquietante. Em boa verdade estamos bem no âmago de uma encruzilhada social, onde ideias, convicções, modelos e certezas do passado se confundem com novos conceitos, ideais e valores de uma sociedade global e em rápida metamorfose.

    Apercebemo-nos de que o mundo segue uma nova linha orientadora mundial e de que não conseguimos acompanhar a velocidade supersónica a que ocorrem estas transformações globais. Sentimos que esse facto começou a afectar as nossas vidas, mas, desorientados, não assimilamos as novas referências e vivemos angustiados numa incerteza atroz, com uma sensação de perigo iminente enraizada na alma e uma sensação de desamparo que carcome os intelectos mais íntegros.

    Impõe-se fazer uma reflexão sobre o que somos, de onde viemos e para onde vamos!
    No presente, temos a noção de que habitamos um planeta onde coexistem duas realidades distintas que nos afrontam e preocupam. A nossa herança ancestral é recheada de feitos heróicos onde a honra e o respeito norteavam as acções sociais e mesmo as acções guerreiras.

    Em contraponto vivemos uma era onde os valores são pervertidos a éticas abomináveis e de contornos sórdidos e onde as classes dominantes vivem envoltas em escândalos de diversas índoles. São factos que nos levam a admitir que houve uma reconversão dos valores da honestidade, serenidade e sabedoria. Do choque de ideologias e crenças políticas resulta uma sociedade compreensivelmente conturbada e confusa, onde muitos actores que sobem ao palco (governos) são maus actores, repletos de vícios e que mudam o guião conforme as suas conveniências.

    Basta um olhar sobre um qualquer jornal diário para nos apercebermos do estado do mundo que nós próprios construímos (ou aceitámos que fosse construído pelos depositários do poder e pelos responsáveis pelas grandes escolhas que norteiam e afectam a sociedade).

    Olhando à nossa volta, apercebemo-nos de que o desemprego lança a incerteza sobre a própria sobrevivência das populações e que as inquietações políticas nesta matéria são um mau prenúncio para um futuro imediato. Lemos discursos inflamados mas vazios de ideias e de preocupações sociais. Observamos ódios desmesurados mas orientados por uma sede de poder que nos sufoca e desorienta.

    Numa base comunitária, assistimos impávidos a uma luta desenfreada na busca a qualquer preço de sucesso rápido. A preparação para a luta pelo sucesso, começa a ser incutido nas escolas, onde as crianças são preparadas para competir por um lugar na sociedade, mas é mais tarde pervertida a uma lógica de mercado que engole os valores morais instituídos e obriga os adultos a uma prostituição mental, provocando uma desorientação angustiante e uma ingenuidade social alarmante.

    Angustio-me com a possibilidade de a família deixar de ser a célula fundamental da sociedade e que a escola continue a perder autoridade e a não instruir para a valorização da pessoa nas vertentes sociais e humanas. Sinto o clima de angústia e ansiedade nas pessoas e ouço os seus gritos inseguros perdidos num vozeirão político e burocrático, atingindo ouvidos insensíveis.
    Gritam porque se sentem inseguros, perdidos em labirintos sociais intricados, sabem que este rumo levará forçosamente à deterioração social e choram os valores que se perdem com a decomposição dos núcleos familiares que foram durante milénios os alicerces de uma sociedade mais justa.

    A humanidade assiste a um consumismo exacerbado e sem nexo, despojando o planeta terra dos seus recursos naturais insubstituíveis a curto ou médio prazo (e por vezes de forma permanente), no entanto muitos de nós encolhem os ombros e qual avestruz enfia a cabeça na areia, fingindo acreditar que a nossa sociedade não está doente, quiçá ferida de morte.

    Porém os sintomas estão à vista de todos.

    A ruína financeira; O aumento de famílias desfeitas pelo divórcio, pelos estupefacientes, pelo álcool, ou pelo crime; A precariedade no emprego; O abandono dos mais idosos; Uma justiça titubeante, onde por vezes a única pessoa que não tem direitos… é a vítima; As convulsões sociais, cavando um fosso inultrapassável entre os que têm tudo e os que não têm (quase) nada.

    Com estes pressupostos acentua-se o desespero das pessoas por viverem num mundo que não compreendem. As estatísticas comprovam o aumento dos casos de suicídio entre pessoas saudáveis com emprego e vidas relativamente estáveis mas a quem as mudanças sociais ou profissionais provocaram uma angústia tão grande que preferem a morte à incerteza e à ansiedade.

    À escala global, assistimos ao desbaratar de recursos não renováveis, provocando mudanças profundas na saúde do planeta Terra, que poderão inclusive acabar com a vida terrestre como a conhecemos, provocar o aparecimento de uma nova era e o consequente desaparecimento da raça humana e de milhões de outras espécies.

    É necessário mudar mentalidades. Nunca como agora houve tanta partilha de informação. Nunca como hoje as oportunidades de invertermos o rumo das coisas foi tão urgente.

    O optimismo é uma condição humana. Existem pessoas que ficam tristes porque as rosas têm espinhos; Enquanto outras ficam alegres porque os espinhos têm rosas.

    Vamos então manter o optimismo. No meu caso, o que me preocupa não são os ensurdecedores gritos dos maus, mas sim os prolongados silêncios dos bons!

  17. Bom, se o sr. Rogério Pires não é nem de esquerda, nem de direita e diz o que diz em seu comentário mais recente, confirma a impressão do João Valente Aguiar:

    “A nossa herança ancestral é recheada de feitos heróicos onde a honra e o respeito norteavam as acções sociais e mesmo as acções guerreiras”

    “Angustio-me com a possibilidade de a família deixar de ser a célula fundamental da sociedade e que a escola continue a perder autoridade e a não instruir para a valorização da pessoa nas vertentes sociais e humanas”

    “A humanidade assiste a um consumismo exacerbado e sem nexo, despojando o planeta terra dos seus recursos naturais insubstituíveis a curto ou médio prazo (e por vezes de forma permanente)”

    “O aumento de famílias desfeitas pelo divórcio, pelos estupefacientes, pelo álcool, ou pelo crime”

    Ou as coisas mudaram muito nos últimos anos, ou trata-se exatamente de um fascista. Enrustido, mas um fascista.

  18. Para vocês não existe meio-termo, ou se é fascista ou comunista. No vosso vocabulário não existe definição para pessoas livres-pensadores, que respeitem valores como a família, a sociedade ou o planeta mãe, sem estarem “tapados” por estigmas políticos ou ideológicos? Para vocês tudo se resume a uma eterna luta direita / esquerda? Isso é pura demagogia, diria mesmo: “Demagogia retrógrada”. A modernidade de pensamento, análise e intervenção social não se revê nesses paradigmas.

    Também não sou religioso, sou agnóstico, mas compreendo aqueles que professam uma qualquer fé. Na política actual, diria figurativamente que sou ateu, apenas reconheço que é um mal necessário, não me imponham que faça leituras onde implicitamente entrem conotações entre tendências politicas, seja nacionalismo, comunismo, fascismo, liberalismo, etc.

    Quanto muito sou um democrata puro, defendo a igualdade de tratamento para todos os cidadãos independentemente do seu status social e uma participação activa destes nas tomadas de decisão importantes e fundamentais para todo o povo.
    Sei que no actual estado das democracias modernas este pressuposto é utópico e inexequível. As democracias actuais são mascaradas e violadas por interesses financeiros despudorados, e norteadas para defenderem os lucros de grandes e poderosos grupos financeiros.

    Aqui fecho a minha intervenção no tópico antes que me definam com novos adjectivos.

  19. “Para vocês tudo se resume a uma eterna luta direita / esquerda?”

    Temos que ir além dessas dicotomias atrasadas, melhor, além das distinções de classe, assim diria um bom fascista.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here